Segunda-feira, 08.04.19

defensor de albacete 1936

Segundo este número do jornal  socialista de Albacete teria havido uma revolução anti-fascista em Portugal e Abrantes estaria nas mãos dos anti-salazaristas.

Era 29 de Setembro de 1936 e o Dr.Salazar continuava firme no poder.

São obviamente ecos da frustrada revolta da Marinha, em 9 de Setembro desse ano, organizada pela ORA- Organização Revolucionária da Armada.

ma

El Defensor de Albacete



publicado por porabrantes às 10:50 | link do post | comentar

Sábado, 19.01.19

O Coronel Dias Leite, que foi comandante de Tancos, com família abrantina (era o sogro do malogrado médico, morto na Guerra de Angola, dr. João Augusto Cabral de Andrade), também foi enquanto homem alinhado com Manuel Fernandes um dos oficiais que com o coronel Castel-Branco ( o pai do Arquitecto) que fizeram a inspecção à autarquia, que levou à queda de Henrique Augusto.

Em 1937, o bravo Dias Leite, num Junker 52, varreu a metralha os soviéticos e os seus aliados ''rojos'', designadamente no bombardeamento de Brunete.

Leia a história no blogue pacense Desde mi Campanario

mn



publicado por porabrantes às 16:51 | link do post | comentar

Quinta-feira, 17.01.19

Qual foi o número de abrantinos ou pessoas relacionadas com Abrantes, que se bateram na Guerra Civil de Espanha?

Logo para começar o Marquês do Faial,  D.António de Hosltein Beck, que lutou nos Viriatos.

Parte da lista destes está feita.

Mas pelos republicanos não há nada.

O camarada António dos Santos Piedade, nasceu em Abrantes em 1905 ou 1906. Foi parar a Espanha, era jornaleiro em Gador, Almeria e filiado no PSOE e membro da executiva da UGT, o sindicato socialista. Desde 1932.

Fez parte do corpo armado de Segurança e Assalto desde 1937. A derrota levou-o à cadeia onde morreu.

Julgado em Conselho de Guerrra, em 1939, em Almeria, foi condenado a 30 anos de cadeia. Morreu nas masmorras do franquismo em 1941 em Valladolide.  

Talvez haja pachorra para publicar a ficha dele, algum dia.

fonte (porque o trabalho não é nosso) : E. RODRÍGUEZ PADILLA. Gádor durante la República, Guerra Civil y el Primer Franquismo (1931-1945).- Mojácar (Almería): Arráez Editores, 2012, pp. 317 y 318 

Cortesia da Fundação Pablo Iglesias, o arquivo do socialismo democrático espanhol.

 

alguns posts relacionados com a guerra civil, aqui

Franco Nogueira no Correio de Abrantes 

e ainda ver D.Clemência Dupin e o apoio do seu grupo económico aos franquistas.

mn

 

 



publicado por porabrantes às 18:13 | link do post | comentar

Sábado, 17.11.18

paracuellos

Era Comissário da Ordem Pública Don Santiago Carrillo, que coitadinho agiu sob direcção directa dos serviços secretos soviéticos. A memória histórica também é isto.

mn 



publicado por porabrantes às 13:52 | link do post | comentar

Terça-feira, 18.07.17

emilia_gitana_martir_portada.jpg

morta nas enxovias da Frente Popular  pelo delito de ser católica

 

Beatificada pelo Papa Francisco.

 

A primeira cigana a subir aos altares.

 

Hoje é 18 de Julho data em que os espanhóis se lançaram num morticínio fratricida.

 

ma 



publicado por porabrantes às 18:43 | link do post | comentar

Quinta-feira, 13.10.16

 

O Brigadeiro Dr.Américo Pinto da Rocha, natural da nossa cidade, (25-12-1891) foi feito Grande Oficial da Ordem Militar de Avis em 1951 (já era Comendador). Também foi Oficial da Torre e Espada e foi titular de condecorações estrangeiras, designadamente espanholas pela sua intervenção, naquilo que o homem que o condecorou, com a prestigiada Ordem de Isabel a Católica, chamava a  Cruzada.

O homem era um galego, chamado Francisco Franco. 

Os arquivos militares e as obras académicas dão-lhe um papel importante na organização duma Missão Médica militar lusa a Espanha.(1)

américo pinto da rocha.jpg

 Era um homem com um peculiar sentido da honra militar. Tendo um tal Mendonça difamado a honra da sua filha, abateu-o a tiro.

''

Segundo informações familiares que me foram comunicadas, os motivos que levaram a este acto foi que o dito Mendonça se apaixonara por sua filha Lúcia, que não correspondeu aos seus avanços.

Despeitado, Mendonça teria enviado cartas anónimas a várias pessoas, acusando a dita Lúcia de ter uma ligação ilícita com outro indivíduo

 

   

Ao próprio pai, na altura em Madrid, teria enviado uma dessas cartas.

Vendo assim difamada a honra de sua filha, o Brigadeiro Pinto da Rocha veio a Lisboa pedir-lhe satisfações e, tendo Mendonça reconhecido a autoria das cartas e reafirmado abertamente em público as suas aleivosas alegações, matou-o em plena via pública, após o que se foi entregar às autoridade''  (...) (2)

 

Foi absolvido.

Foi director do Hospital Militar e os relatórios que deixou sobre a Guerra Civil, são uma fonte importante para o seu estudo e para conhecermos o que foi a intervenção lusa.

mn

(1)-

 

Tiago Agostinho Arrifano Tadeu,

 

A missão de estudo portuguesa ao Serviço de Saúde nacionalista durante a

Guerra Civil de Espanha

(Fevereiro- Março de 1939)

 

 

 

(2)-Diogo de Paiva e Pona ,

 

ALGUNS ELEMENTOS GENEALÓGICOS

sobre a ascendência e a descendência de

PIO JOSÉ BANDEIRA

natural de Lagos

 

 

Abril de 2000

 

foto do Exército Português

 



publicado por porabrantes às 17:08 | link do post | comentar

Segunda-feira, 01.08.16

antónio marques granja.png

António Marques Granja foi o abrantino, de Alferrarede, envolvido no atentado libertário contra Salazar, organizado pelo anarquista e dirigente sindicalista Emídio Santana, em 1937.

Passou largos anos numa penitenciária por lutar pela Liberdade.

Já se falou aqui dele. Estava ligado ao PCP, segundo Santana, mas  terá agido à margem das estruturas bolcheviques segundo o dirigente da CGT.

O Pacheco Pereira, na sua biografia de Cunhal, considera que a explicação não é tão linear, e que serviços secretos da República Espanhola (então combatendo a ''Cruzada'' nacionalista) e eventualmente do Komintern podem ter intervido, no apoio à  onda de ataques bombistas que pouco antes visara centros de apoio lusos aos militares espanhóis sublevados.

Essa interferência processar-se-ia à margem e sem conhecimento do aparelho do PCP. É uma hipótese que traça Pacheco, mas que não está confirmada.

Em 2013, foi editada esta obra de João Madeira, que ainda não tivemos tempo de ler.

joao madeira atentado.png

 Um episódio do programa da RTP ''Antes da Pide'', de Jacinto Godinho,  relatou a história e dele se retirou a imagem da ficha do resistente de Alferrarede.

António Marques Granja, foi depois do General Godinho, o abrantino que mais fez para derrubar o fascismo e que mais caro pagou.

Um homem a quem devemos respeito e que ensinou os doutos revolucionários de cadeirão. À bomba, naturalmente.

ma

créditos: RTP 2, programa citado e Colectivo Libertário de Évora (livro)

  



publicado por porabrantes às 08:56 | link do post | comentar

Sexta-feira, 10.07.15

 

A Dona Clemência Dupin foi uma avançada pró seu tempo, como política, uma das primeiras mulheres divorciadas, grande amiga de Oliveira Salazar que a fez a primeira abrantina a ser Procuradora à Câmara Corporativa(a segunda foi Lourdes Pintasilgo).

Também trabalhou na indústria como a segunda (que trabalhou na CUF) mas não como empregada, foi patroa (agora diz-se empresária) de grande sucesso no  ramo das serrações com interesses em Portugal e Espanha.

Tudo isto já se sabia e já se tinha publicado aqui a sua foto.

clemência.png

antt- extracto documento

 

O que não esperava encontrar era a notícia que um seu antigo gerente, duma das  várias serrações que tinha, tivesse sido fuzilado (com a família) pelos militantes da Frente Popular.

Quem o matou?

A notícia diz que foram os ''marxistas'', mas essa é a designação propagandística reaccionária para todos os grupos (às vezes inimigos) que entre 1936-39 combateram Franco. Pode ter sido fuzilado por comunistas, anarquistas, socialistas, bandoleiros, tropa regular ou qualquer outra milícia.

Mas que o  mataram aparentemente apenas por ser burguês e católico, lá isso mataram:

(...)'' o espanhol D. Salvador Cabanes Torres, que foi um mártir. Católico fervoroso, D. Salvador foi gerente da fábrica de Serração C. Dupin e Companhia, aqui no Bairro da Estação. Era casado com D. Pura Burguete Cabanes Torres, uma senhora que na capelinha do Sr. da Agonia rezava o terço em espanhol com a comunidade do Vimieiro. Os seus três filhos chamavam-se: Jesus, Maria e José.
Este senhor ajudou o meu avô materno, Salvador Rodrigues de Sá, a morrer ainda na flor de idade, quando a vida se lhe apresentava risonha e repleta de felicidade. Apertava a mão do meu avô e na outra segurava o crucifixo dando-lhe força e alento na sua passagem da vida para a morte e dizia: "força xará".
Nicanor, um filho desta terra, e filho também da costureira Srª. Maria dos Anjos chamou-lhe "um simpático cavalheiro que entre nós conta com as melhores simpatias" (27 de Outubro se 1927).
Na sexta-feira, dia 15 de Janeiro de 1929, partiu no comboio correio da manhã, perante uma sentida e derradeira despedida, dos amigos.
De Valência, Espanha, terra da sua naturalidade, mandou 14 lindas estampas alusivas à Vida de Cristo, representando a Via Sacra e medindo cada uma delas, impressas na Alemanha, 0.65*0.39, que ofertou à Igreja Matriz de Santa Comba Dão. Para a Banda Santacombadense enviou as músicas, "La Fiesta Valenciana", "El Falero Serrano", a "Cancion del Soldado" bem como muitos livros para a biblioteca Alves Mateus.
Este senhor D. Salvador e seu filho, D. José Cabanas Torres, foram mártires da Guerra Civil espanhola, pois foram fuzilados em Valência quando os marxistas desencadearam uma luta violenta contra a Igreja e os seus filhos. (1936-1939).
D. Salvador e o seu filho, não se deixaram intimidar pelas ofensas, os insultos, a morte e percorreram o caminho da cruz, para exprimir o maior testemunho aceitando voluntariamente o martírio. Aqui, não se esqueceram das suas mortes e mandaram-lhe rezar uma piedosa missa. A casa onde viveram e que foi feita especialmente para esta família, lá esta na rampa da padaria olhando o casario de Santa Comba, os caminhos de ferro, a paisagem verdejante e as janelas onde D. Pura chamava os seus filhos: Jesus,... Maria ... José ...
Vimieiro
Elsa Silvestre do Amaral''

 

com a devida vénia ao mui salazarista blogue Vimieiro-Santa Comba

 

Era para encerrar isto (esgotou-se o Malboro) quando vejo alguma referência da rádio oficial  que diz que a milionária Clemência era ''republicana'', certamente como Salazar, porque terminou Procuradora fascista.

 

Soube ela que lhe fuzilaram os ''rojos'' o ex-empregado? A senhora morre em Abril de 1936 e a guerra civil começa a 18 de Julho. Certamente não soube que lhe fuzilaram o ex-gerente, mas os seus herdeiros terão perdido muita massa com a guerra, dados os seus interesses no país vizinho. A não ser que tenham pensado (como ela) que não há melhor que uma boa guerra para construir uma grande fortuna. Foi especulando durante a 1ª Guerra Mundial que ela ampliou o Império.

 

mn

 

bibliografia: ver tudo o que escreveu Teresa Reynolds de Sousa sobre ela

e isto tem algum interesse para a família do marido

genealogia seabra.jpg

 quando houver pachorra: Henrique Galvão visita Palácio Dupin 



publicado por porabrantes às 16:47 | link do post | comentar

Sábado, 06.06.15

Ant_m_esparteiro.jpg

foto do blogue do Correio das Lembranças, com a devida vénia 

O oficial de marinha das Mouriscas, António Marques Esparteiro,  foi sequestrado pelos anarquistas e comunistas que em Setembro de 1936 se revoltaram, tomando vários navios de guerra, entre eles o ''Afonso de Albuquerque'' que Esparteiro comandava, com o fim de se juntarem à Marinha Vermelha da República Espanhola que combatia o levantamento nacionalista.

FrancoJoven.jpg

 Daily Telegraph

O comandante do  ''Afonso de Albuquerque'' deixou um diário de bordo, escrito com letra miudinha'' em que conta a aventura.

'' O sequestro
do comandante
"Ao alvorecer de ontem, sublevaram-se criminosamente a bordo do Afonso de Albuquerque e do Dão algumas praças da Armada, conjuntamente com outros elementos suspeitos, a fim de se juntarem aos marxistas espanhóis", escreve a 9 de Setembro de 1936 o jornal O Século, sobre a revolta comunista da Armada. Também inédito é o diário de bordo do comandante do navio Afonso de Albuquerque, que descreve a revolta dos marinheiros. António Marques Esparteiro escreve numa letra miudinha o episódio do seu sequestro: "Desistiram da ideia de me obrigar a segui-los e deixaram-me fechado no camarote com sentinela à porta. Enquanto estiveram comigo, tentei convencê-los a bem, de desistir daqueles propósitos revolucionários, fazendo-lhes ver que ficariam perdidos."'' in Público de

O diário de bordo do bravo marujo salazarista está na Torre do Tombo.

350px-NRP_Afonso_de_Albuquerque.jpg

 

A revolta da Marinha acabou por ser esmagada pelo salazarismo.

ver aqui também

Esperamos voltar ao assunto outro dia...

mn



publicado por porabrantes às 23:02 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Fake news proletárias: A ...

Coronel Dias Leite bombar...

O ''rojo'' António dos Sa...

Memória histórica

Emília Cigana e Mártir

Condecorações abrantinas ...

António Marques Granja, o...

Fuzilado ex-gerente da D....

Anarco-bolchevistas sequ...

arquivos

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pico

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

república

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

são domingos

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10


25
26
27
28
29

30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds