Terça-feira, 26.01.21

F., cigana, descobriu que o companheiro (M)  lhe metera os palitos, porque mantinha uma relação com outra.

C era a amante do cigano, uma emigrante estrangeira.

F e umas amiga e outro cigano (com várias condenações) sequestram C, levaram-na a um descampado, fizeram-lhe ofensas corporais  com uma tesoura, raparam-na e deixaram-na nua no campo.

'(...)'  E sorriu e acenou para que a ofendida entrasse no carro e abriu a porta. A ofendida entrou e a E trancou de imediato as portas e o carro iniciou a marcha. A E tinha um saco branco perto dela que estava aberto e onde se encontravam um par de tesouras azuis. Seriam cerca das 14 horas. A E ainda lhe terá perguntado se ia voltar para …, ao que a ofendida disse que sim e bem assim que a sua mãe e irmã viriam cá dentro de dois dias. Perguntou para onde iam, ao que lhe foi respondido que iam para a zona velha de …., mas na verdade tomaram o sentido da saída de … por estradas velhas. Cerca de 20/25 minutos depois chegaram a um caminha com vegetação e a E disse para sair do carro, sendo que o rapaz ficou dentro do carro. Andou em direcção a arbustos com a E que já tinha as tesouras na mão. Quando a outra rapariga disse à E que a deveriam por de joelhos, a ofendida pensou que lhe iam cortar a garganta. Ai deram-lhe pancadas no nariz com a mão e murros na cara. A rapariga do cabelo castanho também lhe bateu. Depois agarrara-lhe o cabelo, ao que a ofendida cobriu a cara com as mãos e a E começou-lhe a cortar o cabelo enquanto a outra rapariga lho puxava. Com uma máquina eléctrica, as duas raparam-lhe o cabelo, enquanto continuava a ser esbofeteada. A E ainda a pontapeou quando a ofendida estava no chão e a outra batia-lhe na cara. Após, a E aproximou-se com as tesouras, ajoelhou-se e cortou-lhe a roupa, passou a tesoura à outra que continuou a cortar a roupa pela frente, inclusivamente as calças que trajava. A ofendida estava toda enrolava no chão, sendo que a E acabou por gravar a situação, riu-se e a outra rapariga continuou a bater e a rir igualmente. Nunca tentou defender-se e a E e a outra rapariga apenas diziam «não mais J». Depois de a E fazer ovídeo, ambas ainda lhe bateram mais, sendo que a E deu-lhe pontapés nas costas e a outra rapariga no lado esquerdo, sendo que ainda se tentou enrolar mais no chão. A determinada altura, ainda se tentou levantar e fugir mas sentiu logo golpes nas costas e na cara. Não sabe quantas vezes foi atingida mas começou a ver sangue por todo o lado. A E apanhou parte do cabelo e uma parte da roupa e disse à outra rapariga para ir embora, mas a outra rapariga inda lhe foi bater mais uma vez, foi nessa altura que disse que a matava, e foram-se embora. O rapaz nunca apareceu enquanto lhe estiveram a bater pelo que presume ter ficado no carro. Quando se foram embora, acabou por ir para a estrada pedir socorro, sendo que pararam dois carros que a socorreram. Confirma o local dos factos de fls. 63 e 66 e bem assim confirma as fotografias dos autos que lhe foram mostradas. Mais referiu que a sua amiga E disse que havia recebido chamadas o dia inteiro e que na última chamada a E lhe chamou nomes e disse que a ia matar. Mais acrescentou que conheceu o J num bar onde trabalhava e que desconhecia que ele tivesse namorada ou mulher. Sendo que uma vez viu o J na rua com a E e perguntou ao J quem era, o que o J lhe respondeu que era a irmã, aliás como tinha o nome E tatuado no braço e que lhe deu a mesma justificação: ser a irmã e o outro nome tatuado seria do irmão mais novo. Ainda concretizou que seriam cerca das 16h30 quando tudo aconteceu e que o veiculo que os transportou era escuro e velho e tinha ficos soltos no interior.''(....:)

Para que tivesse um comportamento mais ''moral'' e não se metesse com os ''maridos'' alheios.

Foi condenada por sequestro, etc

No recurso, o Advogado alegou que ela tinha de defender a ''honra cigana''

'' 

61. Ora, o tribunal recorrido desconsiderou, mal, o valor que a etnia cigana confere à honra e ao seu respeito – etnia para a qual a honra é, não poucas vezes, valor que se sobrepõe a todos os demais.

62. Sendo por demais evidente que ao ter descoberto que a ofendida estava envolvida com o seu companheiro era, diríamos até, exigível, de acordo com o quadro de valores próprios da sua comunidade, que a Arguida tomasse medidas para repor a sua honra.

63. Um tribunal não pode nunca desconsiderar o concreto arguido que julga, desatendendo às especificidades étnicas, culturais ou outras do mesmo.

64. Pelo que teria que ter considerado que a culpa da Recorrente é em grau inferior à que um indivíduo não cigano revelaria com o mesmo comportamento!'' (.....)

Ou seja seria exigível pela cultura tribal que a celerada raptasse, espancasse e ofendesse!

A Relação mandou-a com 4 anos e seis meses para uma penitenciária.

Expressões entre aspas do douto Acordão da Relação de Évora de 20-10-2020

ma

 



publicado por porabrantes às 15:49 | link do post | comentar

Quinta-feira, 24.03.11

 

 

 

 

 

Se um dia os nossos filhos nos perguntaram porque nos batemos por São Domingos e por Abrantes contra a escória, a escumalha, a ralé, o sistema, os interesses, o Graça e os partidos do sistema, Jorge de Sena já respondeu por nós.

 

Pela voz do grande artista de Santarém, Mário Viegas,: aqui vão as nossas razões:

 

 

 

 

Miguel Abrantes

 

 



publicado por porabrantes às 22:08 | link do post | comentar

Segunda-feira, 15.03.10

 João Pico escreveu isto ''Nelson fez considerações ofensivas para a minha honra, mas depois recuou e já não deixou transcrever para a respectiva "Acta", tudo o que disse de injurioso!!!

 

Ou seja este Vereador de Verão, 

 

que agia debaixo das instruções políticas de Armando Fernandes e de Pedro Marques,

 

 

 

 

os bosses de Pico no PSD.

 

 

foi ofendido na sua honra pelo

tal Carvalho e

 

FICOU-SE!!!!

a honra em Portugal defende-se de várias maneiras: a) confronto físico em plena sessão política partindo a casa ao adversário.

 

Foi o que fez em plena Assembleia da República, o dr. Tareco Sousa Tavares dirigindo-se a Raul Rego que tinha feito umas alusões desprimorosas à mãe do  dr. Tareco Sousa Tavares.

 

Os deputados foram separados pelos seus pares, mas a honra da fidalga Mãe do Dr. Sousa Tavares ficou lavada.

 

João Pico não partiu a cara a Nelson Carvalho porque teve medo dos seguranças ?

 

Isto é o tipo que ameaçou ''dar um pontapé no cu'' a António Castel-Branco por defender Abrantes, teve medo de ser sovado pela segurança do edil Carvalho.

 

Por isso não lavou a sua honra à bofetada!!! 

 

 b) Processo Judicial por injúrias e eventualmente difamação. Não temos constância da entrada no Tribunal de Abrantes de nenhum processo contra o ex-seminarista movido por Jota Pico.

 

c) Polémica pública nos Jornais. Impossível devido aos conflitos conhecidos de Jota Pico com a gramática e ortografia.

Exemplo: '' já estava com os textos do recoratdos à minha chegada''ltimo pontapé no cu da ortografia de Jota Pico!!!, não estava lá o Presbítero para corrigir....) 

 d) Duelo : Impossível por estar proibido por lei e pelo facto dos dois antagonistas desconhecerem o uso do florete e da pistola.

 

e) Processo judicial por falsificação de documento público, porque Jota Pico diz'' A Acta na reunião seguinte não dava conta de nada do que ele dissera de injurioso.''

 Ora as Actas devem reflectir o que se passa nas reuniões. Jota Pico não apresentou nenhuma queixa judicial por falsificação de documento público. 

Porquê?

 

Ou não havia falsificação,

ou ficou-se.....

coisa que demonstra que tem uma honra muito prudente........

 

Miguel Abrantes

 



publicado por porabrantes às 09:51 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Honra e Cultura cigana

As nossas razões

A honra ofendida de Pico

arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

celeste simão

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

duarte castel-branco

espanha

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

frança

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Maio 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds