Terça-feira, 13.05.14

O Eng. Joaquim Esperancinha, Presidente do C.A. dos Hospitais do Médio Tejo anuncia que tendo terminado o mandato deste Conselho de Administração não aceitará uma recondução ''por motivos pessoais''.

 

 

Reproduz-se o e-mail a que tivemos acesso que ele dirigiu amavelmente aos seus colaboradores:

 

 

"De: Joaquim Esperancinha

Enviado: terça-feira, 13 de Maio de 2014 16:39

Para: Utilizadores de Abrantes; Utilizadores de Tomar; Utilizadores de Torres Novas

Assunto: Mensagem

Caros Colaboradores,

Tendo terminado o segundo mandato no Centro Hospitalar do Médio Tejo, em 31.12.2013, e na impossibilidade de o fazer pessoalmente, quero transmitir-vos que decidi, por razões pessoais, não aceitar o convite de recondução para um terceiro mandato.

Foram dois mandatos intensos, o primeiro, entre 2002 e 2005, orientado à reorganização dos Serviços de Apoio e o segundo orientado à vertente assistencial. O segundo mandato tem, contudo, para mim, um significado muito especial porque as interrogações que se colocavam ao Centro Hospitalar nos primeiros meses de 2012 estão, hoje, quase ultrapassadas.

Há, no entanto, na minha opinião, ainda um caminho a percorrer que passa pela consolidação da reorganização levada a cabo no Centro Hospitalar e pela diferenciação do mesmo, condições fundamentais para que os dois principais pilares de toda esta reorganização, e que foram a melhoria da prestação de cuidados de saúde aos utentes e a sustentabilidade económico-financeira da instituição, possam totalmente ser assegurados.

Todo este trabalho só foi possível pela competência, dedicação e coragem de um Conselho de Administração que tive o privilégio de presidir que, nos momentos mais difíceis, nunca vacilou e foi capaz de levar à prática, com ações no terreno, a estratégia previamente definida, suportada pelo empenho, envolvimento e espírito de sacrifício dos colaboradores que querem o melhor para o seu Centro Hospitalar e sempre confiaram que a estratégia definida pelo Conselho de Administração era adequada para a profunda mudança que era necessária levar a cabo.

Até à designação do novo Conselho de Administração, continuarei a assumir as minhas funções com o mesmo entusiasmo e entrega de sempre na defesa dos superiores interesses do Centro Hospitalar, partindo, nessa altura, com o sentimento do dever cumprido.

A todos quero agradecer, dizendo-vos que jamais poderei esquecer estes anos em que juntos trabalhámos sempre orientados para quem necessita de cuidados de saúde.

A todos os que muito contribuíram para este processo, o meu obrigado, com votos do maior sucesso profissional e pessoal para cada um de vós.

Um abraço amigo,

Joaquim Nabais Esperancinha

Presidente do Conselho de Administração"

 

redacção

 



publicado por porabrantes às 18:42 | link do post | comentar

Quarta-feira, 15.01.14

TOMAR – Bruno Graça

deixou o alerta: 

 

«Últimas informações dizem que

 três anestesistas do CHMT  

pediram a demissão»

Bruno Graça, vereador da Câmara Municipal de Tomar com responsabilidades na área da saúde, aproveitou a recente reunião do executivo para alertar para a «demissão de três anestesistas» no Centro Hospitalar do Médio Tejo o que, no seu entender, «estará a atrasar as operações programadas».

 

 

O eleito da CDU disse que ainda está à espera de respostas por parte de Joaquim Esperancinha, administrador do CHMT, relativamente ao conjunto de questões colocadas por altura do último encontro. Bruno Graça voltou a alertar para a possibilidade de as urgências em Tomar, «de um momento para o outro, deixarem de funcionar»: «O senhor administrador ainda não respondeu por escrito às questões que lhe colocámos, conforme foi solicitado há um mês. As últimas informações que nós temos dizem que três anestesistas, pelo menos, pediram a demissão e o Centro Hospitalar pode estar sem esse serviço em funcionamento, o que estará mesmo a atrasar operações programas. Essa situação põe mesmo em causa os serviços de urgência. Por outro lado, os serviços de urgência continuam a não ter médicos em número suficiente e, portanto, estão a registar-se deficiências muito graves a esse nível, correndo-se o risco das urgências, de um momento para o outro, não estarem a funcionar aqui na Unidade Hospitalar de Tomar. A questão da psiquiatria, por sua vez, continua sem nenhuma solução... foi adiada para Março. Mas este adiamento não quer dizer que a questão tenha sido resolvida da forma que nós pretendemos». Entretanto, o vereador Bruno Graça deu conta da recente reunião realizada em Riachos, concelho de Torres Novas, com a direcção do Agrupamento de Centros de Saúde do Médio Tejo, encontro esse onde ficou a garantia de que não irá fechar qualquer extensão no concelho de Tomar... mas também não irá abrir.

«Não estão a ser atrasadas cirurgias» - Entretanto, a Hertz contactou fonte do Centro Hospitalar do Médio Tejo que, recusando-se a confirmar qualquer demissão de anestesistas, garantiu apenas que «não estão a ser atrasadas cirurgias».

 

 



publicado por porabrantes às 11:41 | link do post | comentar

Sexta-feira, 10.05.13

Crónica anunciada de uma descida aos infernos…

Após a operação, como tenho vindo a contar por aqui, a minha tia foi colocada numa residência para séniores onde recebe cuidados continuados com vista à recuperação. Mas a continuada tensão arterial demasiado baixa tem impedido que faça a fisioterapia devida.
Daí que tenha sido enviada, pelo médico da residência, para uma consulta de urgência, ontem,...procurando encontrar as causas desta quebra de tensão que lhe provoca vómitos e desmaios, sempre que se tenta coloca-la sentada na cadeira ou levantá-la para dar alguns passos com andarilho e ajuda das terapeutas.

Actualmente não há como recorrer ao SNS fora da área de residência. Sabendo das complicações aqui pelo Médio Tejo, tentei levá-la a Coimbra, aos HUC, onde tenho bons amigos. Em vão. Tem que ser na área de residência… assim, lá foi para Abrantes logo pela manhã.
Após contacto da residência a avisar-me da decisão, arranquei também para o hospital. A minha tia tinha entrado antes das 10 da manhã e continuava numa sala apertadíssima, numa maca (azar o dela, não havia outra quando chegou) de tamanho reduzido que a impedia de fazer qualquer movimento. Assim esteve até por volta das 14 horas, hora em que perguntei se não era possível dar-lhe alguma coisa de comer, uma vez que ali se encontrava há horas, sem comer nada. Pois, não. Sem ser vista pelo médico, não! 
Até há bem pouco tempo, os acompanhantes dos doentes ficavam nas salas de espera. Agora ficam ao seu lado a substituir o pessoal que não existe!
Por isso, quando dei por mim, andava a empurrar macas e cadeiras de rodas, sobretudo de velhotes que ali iam sendo largados pelos bombeiros e que não conseguiam deslocar-se quando eram chamados…
E a tia ia esperando…
Nas pequenas salas, atropelavam-se doentes e acompanhantes numa confusão inaudita! Aquela a que chamam a zona intermédia no hospital de Abrantes, encheu-se sem dar lugar à passagem de nada nem de ninguém… éramos nós, os acompanhantes, que tínhamos que desviar os nossos doentes, para que outros pudessem passar com os seus…
Um exemplo do disparate mais profundo: ao lado da minha tia, um homem, numa maca, gritava de dores. Era de Espite, freguesia do concelho de Ourém que faz fronteira com Leiria. Tinha tido um acidente a 20 kms do hospital de Leiria. Fémur partido, os bombeiros, naturalmente, levaram-no de imediato para Leiria… De lá foi enviado para Abrantes, a 90 Kms e gritava com dores, a pedir por amor de Deus que lhe dessem algo que lhas acalmasse… mas a auxiliar apenas conseguia gritar também a empurrar mais uma cadeira ou uma maca ou a acorrer a alguém que vomitava no corredor, que era só uma. E o incrível é que era mesmo. Uma auxiliar médica e um enfermeiro. Apenas… na tal da zona intermédia. As coisas tinham-se complicado na véspera – fiquei a saber . Depois de terem encerrado a Medicina Interna no Hospital de Tomar, as equipas médicas deste foram juntar-se às de Torres Novas para onde eram encaminhados doentes… na segunda-feira este serviço encerrou em Torres Novas. Os doentes (que costumavam ser distribuídos pelos 3 hospitais) foram todos encaminhados para Abrantes. Mas as equipas médicas ainda não. Assim, apenas a equipa de Abrantes tinha que dar conta do recado e receber toda a gente, desde Espite a Vila de Rei, De Ferreira do Zêzere… dos 15 concelhos que serve com 300 mil habitantes.
Instalou-se o caos… perdiam-se doentes pelos corredores… até sangue para análises obrigando a novas recolhas… os médicos (dois na consulta externa e 3 internistas) tantavam sorrir… mas sentia-se o desespero de quem quer fazer e não pode. 
Quando chegou a vez da minha tia ser chamada, outra aventura… para chegar ao exíguo gabinete médico, era preciso passar por uma porta e um corredor ainda mais exíguos onde a maca não passava. Assim, entrei eu para ser consultada na vez dela!!!
O médico teria que vir depois à sala onde ela estava para a ver e quando foi necessário recorrer ao sistema informático, este deixou de funcionar… 
A minha tia lá acabou sendo levada para fazer os exames médicos requeridos já ia alta a tarde. Ainda sem comer nada!
Depois, houve que regressar e esperar de novo, agora para ser vista pela medicina interna… 
Passava das 22h quando isso aconteceu… houve que receber soro e só no final, se aperceberam (e eu também) que a desgraçada tinha estado todo o dia com a mesma fralda… nem vou contar o seu estado… tive que ajudar a enfermeira a mudá-la, porque, uma vez mais, não havia quem o fizesse!
Seguiu-se outro drama: conseguir transporte. Não recendo pagamento por isso, os bombeiros, após a meia-noite não fazem serviço de transportes de doentes. Tem que haver requisição hospitalar. Mas os médicos não estão autorizados a fazer essas requisições… mas também não podem manter ali os doentes após a alta. Cabe à família desenrascar-se… descobri que na região, os únicos bombeiros a fazer transporte à noite eram os de Constância. Paga-se bem pago e quem não tem dinheiro que vá a pé, mesmo que tenha as pernas partidas… Após mais alguma espera, lá chegaram os bombeiros… a minha tia chegou ao lar às 3 da manhã e eu cheguei a casa às 4… Entre taxas moderadoras e transporte, o dia custou cerca de 150 euros e muita fome!
A destacar, porém, o trabalho incrível dos muito poucos trabalhadores daquela casa. Médicos, enfermeiros e auxiliares (passamos por diversas mudanças de turno), multiplicavam-se de uma forma que só quem está de alma e coração ao serviço do seu semelhante. 
A percepção final é que, tal como os doentes, todos eles são vítimas de um sistema infra-humano que nunca imaginei poder ser possível…
Mas o corte vai continuar… como ouvi ontem, acho que vamos ouvir muitos velhos a chorar e a gritar “deixem-me morrer” por não aguentarem as dores e a forma como são tratados. Não pelos profissionais, mas por um sistema que não se compadece de nada nem de ninguém…



enviado pela

 com o título : 

Um testemunho da "qualidade" apregoada pelo CA do CHMT e pelo Min Saúde‏

 

sublinhados nossos

 

e ainda 4 comentários:

 

a) Que se passa com o Hospital de Abrantes?

 

b) Isto é forma de tratar as pessoas?

 

c) Realçamos a abnegação e dedicação dos funcionários do nosso Hospital

 

d) Verificamos que os Bombeiros de Constância, chefiados por um senhor que está empenhado em terminar com os Bombeiros abrantinos, fizeram bom negócio. Justamente aquilo que condenamos, os bombeiros não têm de ser um negócio

 

mas

 

 

SERVIÇO PÚBLICO!!!!!


Por isso e por justiça defendemos os bombeiros de Abrantes



ESTÁ A DECORRER DESDE 23 DE ABRIL UMA RECOLHA DE ASSINATURAS A FAVOR DOS 

BOMBEIROS DE ABRANTES


FAÇAM FAVOR DE ASSINAR

 

a redacção

 

para isso contactar os delegados locais da Associação Nacional dos Bombeiros Profissionais ou do Sindicato Nacional dos Bombeiros Profissionais



publicado por porabrantes às 16:38 | link do post | comentar

Domingo, 25.09.11
BE denuncia “irregularidades graves” no Centro Hospitalar 
(© Jornal O Templário, em 12-05-2010 09:44, por Jornal O Templário)

Apenas num ano as despesas no Centro Hospitalar quase duplicaram

 

O Bloco de Esquerda apresentou um requerimento ao governo onde questiona a duplicação, em apenas um ano, do défice do Centro Hospitalar do Médio Tejo (era de 13 milhões de euros em 2008 e passou para 25 milhões em 2009) e da redução da respectiva produção (-9% em 2009 em relação a 2008 e -5% no primeiro trimestre de 2010).
“É imputada ao Conselho de Administração actual do CHMT, que tomou posse em Outubro de 2007, uma conduta pautada pela conflitualidade na gestão dos recursos humanos do CHMT, a qual terá originado a saída de diversos médicos”, escreve o BE no requerimento.
Questiona-se a contratação de uma licenciada em Conservação e Restauro e um licenciado em Filosofia e a despesa superior a 100 mil euros “em consultoria para elaboração de um plano estratégico, cujo existência de facto e respectivo teor são desconhecidos”.
Para os bloquistas estas “irregularidades graves na gestão do Centro Hospitalar” “justificam o apuramento da verdade dos factos e o cabal esclarecimento por parte do Ministério da Saúde”. 
O assunto é notícia hoje no “Correio da Manhã”

Médio Tejo
Centro hospitalar duplica gastos
http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/saude/centro-hospitalar-duplica-gastos

Requerimento do BE sobre o Centro Hospitalar do Médio Tejo
http://santarem.bloco.org/index.php?option=com_content&task=view&id=225&Itemid=1

pub Marcello de Noronha

 

 

Agradecemos ao peticionário Dr.J. N. de Tomar a entrega deste interesante dossier 



publicado por porabrantes às 15:06 | link do post | comentar

a Gomes Mor

 

 

  o templário

 

 

Ò licenciado, acalme-se, Jorge Sampaio disse uma vez:

 

 

 

 

que há vida para além do 

 

 

 

BURACO......

 

 

 

miguel abrantes, admirador de certos buracos  

 

 



publicado por porabrantes às 11:58 | link do post | comentar

Sábado, 24.09.11

http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/saude/ma-gestao-causa-buraco-de-47-m-  

 

 

aqui fala-se da gestão do Sr.Gomes Mor.

 

 

um pesquisa mais demorada no Correio da Manhã ou neste blog dará pano para mangas, I supose.....

 

 

como diria Stanley ao encontrar em transporte público perdido na selva no meio de pretos......

 

o dr.  Livinsgstone ,

 

 

"David Livingstone" Life and Explorations of David Livingstone (1880)/

http://timetoeatthedogs.com

 

 

Assunto a tratar com atenção lá para segunda ou terça, com o desvelo que nos merece um destacado carrilhista

 

 

Miguel Abrantes



publicado por porabrantes às 21:33 | link do post | comentar

Quarta-feira, 26.01.11

Tratam-nos da saúde (2) por Miguel Abrantes

 

 

 

O artigo do Mirante sobre a curiosa gestão de Gomes Mor & Associados nos Hospitais do Médio Tejo bem como outras notícias que temos indo publicando , as violentas críticas a essa gestão do Tribunal de Contas, levaram-nos a falar com um dos responsáveis das redes hospitalares.

Disse-nos o senhor: Os comentários e críticas divulgados pelo Mirante são plenamente acertados. Não quero personalizar essas críticas, mas só quero lembrar que enquanto estiveram pessoas como Nelson Baltazar e Luís Moura Neves Fernandes à frente do Hospital de Abrantes as coisas funcionavam bem. O H.D.A. depois Manuel Constâncio era um exemplo de referência a nível nacional. Gostava de destacar também o papel do Dr.Vaz Rico.....

 



publicado por porabrantes às 11:18 | link do post | comentar

Centro Hospitalar do Médio Tejo apontado como “um mau exemplo” de planeamento

Imprimir ArtigoComentar ArtigoEnviar para um amigoAdicionar aos favoritos

O Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT) é apontado nalguns “gabinetes de Lisboa” como um exemplo de mau planeamento e de esbanjamento de recursos no nosso país. As palavras são de Carlos Tomás, engenheiro fundador e presidente da Associação Portuguesa de Engenharia e Gestão da Saúde, numa palestra organizada pelo CHMT no dia 20 de Janeiro em Torres Novas.

“Era o que ouvia dizer quando era preciso apontar um exemplo de despesismo, de uma coisa mal feita, mal planeada”, afirmou Carlos Tomás, sublinhando que as suas palavras decorriam do que tem ouvido e que não tem opinião formada sobre essa matéria.

A complementaridade entre os hospitais de Abrantes, Tomar e Torres Novas em termos de especialidades e valências tem sido difícil de articular e não é acompanhada por um sistema de transportes públicos que facilite a mobilidade dos utentes e familiares.

Outro dos problemas, evidenciado por médicos que intervieram durante o período de debate, diz respeito à distribuição dos clínicos por especialidade. Há áreas, como a neurologia, onde há escassez de recursos, enquanto os anestesistas escalados diariamente no CHMT são em número considerado elevado, tudo devido à dispersão dos serviços por três hospitais em cidades diferentes.

O director clínico aponta no mesmo sentido. “O problema urgente é o da sustentabilidade económica”, porque sem ela fica em causa a qualidade do atendimento.”Quando comparamos a nossa produção com a de outros hospitais de Lisboa e Vale do Tejo não envergonhamos ninguém”. O problema é estrutural e decorre da existência de três unidades de saúde separadas por dezenas de quilómetros, com o que isso representa em termos de despesa.

Para Edgar Pereira, a solução passa por concentrar serviços, lembrando que isso foi feito nalgumas áreas com bons resultados. Embora reconheça que não será uma medida do agrado dos municípios, até porque aumentaria os problemas de mobilidade para os utentes e exporia ainda mais as lacunas existentes..''

 

 

Transcrevemos pelo seu interesse esta notícia do Mirante. A gestão do licenciado pegacho é arrasada bem como a dos seus companheiros no CA.

Que saudades de quando o Dr. Luís Moura Neves mandava no Manuel Constâncio....

Estou a imagem as gargalhadas de Nelson Baltazar em Lisboa a ler a notícia.....

 

in alfaeomegasaude.blogspot.com

 

 

Miguel Abrantes, admirador do Dr.Nelson Baltazar

 




publicado por porabrantes às 09:58 | link do post | comentar

Segunda-feira, 10.05.10

Noticia o Mirante que a ''ERC-A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), considerou improcedente uma queixa apresentada contra O MIRANTE pela administração do Centro Hospitalar do Médio Tejo, que engloba os Hospitais de Abrantes, Tomar e Torres Novas. A administração do Centro Hospitalar alegava desrespeito pelas exigências de rigor informativo e pelo princípio da separação entre informação e opinião, num artigo publicado na edição de 3 de Setembro de 2009 sobre a decisão de centralizar num gabinete de comunicação as informações que normalmente eram dadas aos jornalistas pelos responsáveis pelos diversos serviços, atitude que era classificada como “lei da rolha”.

 

 

Entre os membros do distinta administração do Centro Hospitalar do Médio Tejo, está o licenciado na curiosa Universidade Internacional abrantina Gomes Mor, tribuno pegacho, membro do PS, e relíquia bioquista na Assembleia Municipal.

 

Não contentes com implantarem a lei da rolha nos hospitais, foram fazer queixinhas à ERC e ela deu-lhes sopa.

 

 

Num post anterior já divulgámos o ilustre autor da foto Sr. Dias dos Reis

O Sr. Dias dos Reis é fotógrafo profissional e quem quiser contactar com ele tem aqui o tel.

+351-960026262.

 

O Sr Licenciado Mor hoje não possui direito a foto, porque enquanto a lei da rolha persistir nos Hospitais, nós também metemos uma rolha nas fotos e vídeos do licenciado.

 

Finalmente rogamos à Dr.Maria do Céu que diz que não há rolha na CMA, que meta uma cunha ao licenciado Mor, para que os hospitais sejam acessíveis aos jornalistas, cumprindo-se assim a Lei.

 

Miguel Abrantes



publicado por porabrantes às 21:57 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Joaquim Esperancinha deix...

Atrasos nas operações no ...

A tia, o hospital e os bo...

Bloco de esquerda acusou ...

A manchete que estragou o...

a gestão ruinosa made Gom...

Tratam-nos da saúde (2)

Mirante arrasa gestão de ...

A lei da rolha nos hospit...

arquivos

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carlos marques

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

crime

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Abril 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds