Sexta-feira, 21.08.15

As obras ilegais levadas a cabo pelo Cónego das Seringas

estrela.jpg

em 1990, no Convento da Esperança, propriedade das Doroteias,

convento esperança interior.jpg

 também provocaram um morto, o Senhor Estronca, que era o empreiteiro ....

Graça actualmente.JPG

a Nova Aliança nunca publicou a notícia, que eu me lembre, publicou-a o Jornal de Abrantes, dirigido por Jorge Moura Neves Fernandes que o tonsurado insultara uns dias antes do desenlace fatal.

Naturalmente o grande lavrador e Advogado Jorge Fernandes espancou, sem piedade, o Abade made in Nisa. Uma resposta sarcástica que ficou nos anais do jornalismo abrantino.   

Dias depois uma parede desabou, na Igreja da Esperança,  e matou o Senhor Estronca.....

De novo uma obra ilegal....

Por não licenciada pelo IGESPAR 

A paróquia nunca publicou o relatório acerca das causas do acidente

Espera-se que ao menos o melhor amigo do multimilionário angolano da Cabeça Gorda (depois do Ricardo Salgado) celebre cada ano uma missa à borla por alma do digno sr. Estronca, sem pedir uma esmola à família para comprar seringas, financiar  obras ilegais ou ajudar a drª Ana Soares Mendes a comprar tesouras para continuar a censurar na folha clerical.

Amen, quem ler o post tem

oraçao.jpg

tem 100 dias de indulgência 

 

mn



publicado por porabrantes às 16:48 | link do post | comentar

Domingo, 25.05.14

A Herity, estranha organização, parece que é uma  ''seita'' italiana que se dedica a ''certificar'' monumentos.  

 

 

Através dum contrato com a CIMT, cuja Presidente é Maria do Céu Albuquerque ''certificou'' alguns monumentos abrantinos, entre eles a Igreja de São Vicente nesta cidade, monumento nacional e propriedade do Estado da qual o Cónego José da Graça é na prática mero inquilino.

 

 

 

   

Correio do Ribatejo

 

A Herity chumbou o estado de conservação da Igreja, sendo as obras de conservação normais (e não as estruturais) responsabilidade da Fábrica da paróquia respectiva.

 

 

 

A Herity afixou esta placa com consentimento do Cónego à porta da Igreja.

 

E conseguiu produzir este aldrabónico texto

''A primitiva Igreja de São Vicente foi fundada em 1149 na parte alta do burgo. Como se encontrava em ruínas, em 1595 a obra ficaria a cargo do arquiteto militar Mateus Fernandes.  Com uma clara tipologia maneirista, o templo tem um mobiliário de grande interesse.

GPS: 39°27'52,339"N - 8°11'52,393" W''

 

 

 

Retirando um texto abaixo de cão e aldrabado, não há nenhuma prova da fundação da Igreja em 1149, o resto qualquer gajo fazia em 2 minutos.....

 

Sobre São Vicente :

 

 

DGMN

 

há de resto uma bibliografia sumária mas interessante e dados e fotos on-line, mas esta tropa regiamente paga não se deu ao trabalho  de os referir nem sequer de linkar os links que meteu na página da Herity.

 

 

Tanta incompetência escusava de ser objecto de tamanho desvelo municipal

 

Quanto ao cartaz que ficou à porta não está mal, só reflecte o grau de incúria da Comissão Fabriqueira a manter o imóvel.

 

 

 

 

 

PS-Resta  que o rico (1) reverendo José Graça foi activista destacadíssimo. no processo MIAA.  Não poderia ter arranjado lá umas massas para arranjar a Igreja??????

 

Pagou-se à Herity por esta escandalosa coisa

 

Detalhe do Contrato Público

0
Preço:63 407,00 €
N.º Procedimento:655389
Data Contrato:09/11/2012
Data Publicação:09/01/2013
Tipo Contrato:Ajuste directo
 
Protocolo de Colaboração/Convenção da Certificação Herity de vinte e dois bens culturais no Médio Tejo  Certificação de vinte e dois bens culturais do Médio Tejo, localizados em onze concelhos do Médio Tejo (Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Sardoal, Tomar, Torres Novas e Vila Nova da Barquinha) através do Sistema de Avaliação Global Herity

 MN

 

(1) em seringas...



publicado por porabrantes às 12:58 | link do post | comentar

Sexta-feira, 06.04.12

Lisboa

Proposta de silo automóvel para o Corpo Santo chumbada pelo Igespar

O espaço, agora explorado pela EMEL, onde a câmara queria fazer o silo, ficou a salvo, pelo menos por agoraO espaço, agora explorado pela EMEL, onde a câmara queria fazer o silo, ficou a salvo, pelo menos por agora (Nuno Ferreira Santos)

 O estudo preliminar para a construção de um silo automóvel no Largo do Corpo Santo, ao Cais do Sodré, em Lisboa, foi reprovado pelo Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (Igespar). O instituto alegou fortes impactes negativos na área envolvente, que uma anterior proposta de parqueamento subterrâneo, numa zona próxima, não apresentava.

O despacho com a fundamentação da decisão, formulada com informação conjunta de técnicos do Igespar e da Direcção Regional de Cultura de Lisboa e Vale do Tejo, foi enviado à Câmara de Lisboa no final de Fevereiro, sugerindo que seja encontrada uma solução alternativa.

O estudo preliminar apresentado propunha um edifício de quatro pisos acima do solo, solução tida pelo município como mais vantajosa economicamente, mas que se deparou com um coro de indignação, particularmente por parte de um grupo de moradores e comerciantes locais, que lançou uma petição contra a realização daquela obra, dirigida ao presidente da câmara, e já com mais de 2000 assinaturas.

Residentes que, em meados de Março, foram recebidos por António Costa numa reunião da qual disseram ter saído ainda mais assustados. "Tem uma volumetria assombrosa, é ainda maior do que pensávamos, com mais um piso", disse então o porta-voz do grupo, José Maria Pacheco, citado pela agência Lusa.

Segundo a proposta de estudo preliminar, que o PÚBLICO ontem consultou, o edifício, disposto perpendicularmente à Rua do Arsenal, no extremo poente do espaço arborizado que serve de estacionamento automóvel, teria quatro pisos, fachadas revestidas por ripas de madeira, 98 metros de comprimento, 28 de largura e 16 de altura (o equivalente a cerca de cinco pisos habitacionais) e acolheria 330 viaturas.

Todavia, no local proposto para a sua implantação, e antes do terramoto de 1755, erguia-se o palácio conhecido como Corte-Real, tal como construções ligadas à actividade marítima. Um e outras foram destruídos, mas as suas fundações foram redescobertas nas campanhas arqueológicas de 1996, realizadas para as obras de construção da linha Baixa-Chiado do Metropolitano, espólio que as fundações do silo iriam destruir, mesmo que os projectistas quisessem deixá-las a descoberto.

Compromissos

A câmara já admitiu que o silo não é a melhor solução para o local, mas que o compromisso de disponibilização de lugares de parqueamento à Marinha e aos funcionários das agências europeias (cerca de 200 lugares) e o facto de um outro projecto de estacionamento subterrâneo, junto ao rio, atrás daquelas agências, custar dez milhões de euros a levaram a optar pela proposta agora chumbada. O que também já fez saber é que pretende encerrar um parque, praticamente sem serventia, que se encontra à superfície, atrás dos edifícios das agências europeias.

O projecto de parque subterrâneo de três pisos, lançado pela então Frente Tejo para a zona atrás das agências, no âmbito da requalificação ribeirinha, com projecto da Empresa Municipal de Estacionamento de Lisboa (EMEL), já tinha sido aprovado, em 2010, pelo Igespar, e garantia mais 100 lugares que o silo.

Também à beira-Tejo, mas na zona de Belém, a instalação do Centro de Artes da Fundação EDP junto à Central Tejo foi aprovado pelo Igespar. O edifício, que funcionará também como centro cívico e cultural, mereceu reparos dos técnicos do Igespar que apreciaram o pedido de informação prévia, quanto à protecção física da Central Tejo, mas o despacho de Gonçalo Couceiro, então director daquele instituto, realçou o diálogo e a complementariedade entre arquitecturas, aprovando-o.

 

no Público aqui

 

Nota: para um caso lisboeta como o da Torre do MIAA o Igespar mexe-se, para Abrantes o Igespar ficou caladinho. É caso para perguntar dois pesos e duas medidas????

 

MN 



publicado por porabrantes às 18:37 | link do post | comentar

Terça-feira, 27.03.12

SECÇÃO: Sintra

Belas / Galeria Coberta de Pego Longo (actualizada) 
Anta do Pego Longo destruída por desconhecimento e falta de informação 



 Rui Oliveira, Arqueólgo

A milenária Galeria Coberta do Pego Longo, em Belas, monumento classificado, foi destruído por máquinas da Câmara de Sintra, que na zona, com a ajuda de retroescavadoras procediam à recolha blocos de pedra, para construção de um muro de sustentação de terra, num jardim nas traseiras da Biblioteca Municipal Ruy Belo, em Queluz, apurou a OCIDENTE, rádio/jornal.

A milenária Galeria Coberta do Pego Longo, em Belas, monumento classificado, foi destruída esta manhã, por máquinas da Câmara de Sintra (Fotos: OCIDENTE, rádio/jornal)
A milenária Galeria Coberta do Pego Longo, em Belas, monumento classificado, foi destruída esta manhã, por máquinas da Câmara de Sintra (Fotos: OCIDENTE, rádio/jornal)  


O monumento megalítico de Pego Longo, cujas lajes se encontravam muito fragilizadas, num local votado ao abandono e muito degradação, apesar da sua classificação enquanto património municipal, foi destruído. 

Depois de retiradas e transportadas para um jardim em Queluz, as lajes do monumento histórico, voltaram ao local de origem para serem recolocadas. (Foto: OCIDENTE, rádio/jornal)
Depois de retiradas e transportadas para um jardim em Queluz, as lajes do monumento histórico, voltaram ao local de origem para serem recolocadas. (Foto: OCIDENTE, rádio/jornal)  


Desconhecendo da sua importância histórica e patrimonial, funcionários ao serviço da autarquia de Sintra, estão a proceder naquela zona envolvente, à recolha de blocos de pedra, transportando-os para um terreno nas traseiras da Biblioteca Ruy Belo em Queluz, onde está a ser construído um jardim e respectivos muros de sustentação.

Os lajões chegaram mesmo a ser transportados para o referido jardim, quando o alerta foi dado, apurou a OCIDENTE, rádio/jornal, que deslocou uma equipa de reportagem ao local, que testemunhou o momento da descarga os blocos de pedra, pertencentes à Galeria Coberta de Pengo Logo.

Com algum nervosismo e socorrendo-se de uma má imagem ampliada do monumento, os funcionários no local, apressavam-se para recolocar as referidas lajes, numa posição, mais ou menos aproximada do original.

CASO 
“LAMENTÁVEL”

O arqueólogo Rui Oliveira, fala de uma situação “lamentável” e “caricata” que “revela bem o estado em que se encontra o património”, classificando o acto de “grave”, que se explica pela ”falta de atenção” e “ignorância” de várias entidades, para com este tipo de património, que "não tem merecido a atenção das autoridades competentes.

“Situações destas só acontecem porque os monumentos estão ao abandono físico e do conhecimento”, desabafa o especialista, que acompanhou a reportagem ao local da OCIDENTE, rádio/jornal, acrescentando que “ninguém destrói um património desta dimensão, sabendo da sua importância histórica”.

 

 

reproduzo com a devida vénia este texto de OCIDENTE

 

é este em Portugal o estado do património : a saque

 

às vezes é conveniente ultrapassar as fronteiras do nosso concelho para enquadrarmos a coisa

 

 o património a saque, num país a saque....... 

 

SN



publicado por porabrantes às 19:11 | link do post | comentar

Terça-feira, 26.07.11

A Tubucci pede a divulgação deste evento para a qual foi convidada.

 

A Tubucci agradece a D.Fernando de Mascarenhas, Marquês de Fronteira e ao Igespar o convite.

 

Um dia destes focaremos aqui o papel do Presidente da Fundação da Casa de Fronteira e Alorna tanto na resistência à ditadura como no trabalho pela preservação do ambiente e do património.

 

Recordemos que D.Fernando além de professor universitário é um dos maiores proprietários rurais da nossa região.

 

Marcello de Noronha

 



publicado por porabrantes às 18:38 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Obra do Cónego matou empr...

Herity chumba Igreja de S...

Um caso igual à famigerad...

o património a saque, nu...

A Arte em discussão no Pa...

arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12

18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds