Sábado, 29.10.16

capa sol.png

o médico preferido da Hália Santos, propagandista básica do caciquismo

gentil 2.png

 

hália 4.png

 

 

a imprensa people, a mais lida pelo caciquismo

cu.png

Angola era nossa...

folha 8.png

 tem o leitor pano para mangas se houver pachorra

 

ma


tags:

publicado por porabrantes às 13:52 | link do post | comentar

Quinta-feira, 26.11.15

Relendo Eduardo Campos ou Diogo Oleiro é que se pode traçar a biografia da imprensa abrantina, coisa que o fecundo Mestre Martinho Gaspar tentou fazer aqui.

Agradece-se o esforço, mas esqueceu-se o Gaspar que nos tempos anteriores a 5 de Outubro também houve imprensa ligada ao rotativismo monárquico, caso do Echo do Tejo, que deu brado.

Além disso houve muito mais jornais, incluindo os do Padre Raposo (tão odiado pelo Formiga Branca) e um relativamente recente que foi importante.. Refiro-me ao Notícias de Abrantes, que saiu em duas séries.

 

eanes bioucas.jpg

(Notícias de Abrantes)

A primeira era pró PS  e nela se destacou (tinha de ser) o notável talento jornalístico do António Colaço, a segunda série foi laranja e na cooperativa que era dona do título estava o Humberto Lopes. Como seria de esperar a segunda série foi um fracasso. Mas o Gaspar é do Souto e é injusto não recordar o Reverendo Padre Baptista e o seu afamado periódico Souto do Zêzere, é dele o artigo que se transcreve

artigo padre baptista.png

 

   

Quanto ao Echo, andou a ele associado o nome de Solano, mas não é dele a crónica sobre ciganos do Sardoal que se reproduz. Só para terminar o Gaspar sabe pouco sobre o que escreve e não devia escrever sobre Imprensa abrantina sem ler o Eduardo Campos.

echo  do tejo.jpg

reproduzido de Eduardo Campos, A Imprensa Periódica de Abrantes, 

 

Transcrevo a crónica do cigano, com a devida vénia ao Sardoal Com Memória, do Sr.Luís Gonçalves,  

mn

  

Jornal “ECHO DO TEJO” - 3 de Julho de 1904:

Com este título vinha no “ECHO DO TEJO” de 12 do mês de Junho, uma local que apesar de vir com uma nota de redacção percebe-se bem que não era, mas sim escrita por algum cigano desta Vila.
Aqueles ciganos têm a garganta muito apertada; ainda não puderam engolir a derrota apanhada na célebre sessão da Irmandade dos Passos. De tempos a tempos vêm atirar com um pouco de bílis para a rua que apenas causa nojo(sic). Talvez o escrevinhador não saiba o significado desta palavra e se o sabe não soube empregá-lo. A tal caranguejola não deve ser puxada à sirga. Vai naturalmente seguindo o seu destino e vai muito bem, nem que pese aos vermelhos. Os 44 Irmãos de uma assentada são realmente o pesadelo dos rebeldes. Estes não dormem por verem os 44 Irmãos no seu posto. E note o escrevedor que os 44 Irmãos estão muito bem e têm todo o direito ao lugar, como o farmacêutico, o médico e o padre. Não tenha susto o mestre escrevedor porque a barcagem meta água. O barco está bem construído e vai bem guiado e também está perto da praia. Também não é impelido pelos ventos que sopram do mar do capricho; só a justiça e a verdade dirigem a tripulação que governa a Irmandade dos Passos. A seu tempo se verá tudo bem. O escrevinhador parece versejar, bem o sabemos. Olhe, guarde lá os exorcismos do padre para os endiabrados que querem passar. O padre que lhes deite água benta em barda e leve-os aos banhos do mar que são bons para acalmar temperamentos irrequietos e cabeças esturradas. O médico e o farmacêutico estão no seu lugar e o Felicíssimo se lá estivesse então é que seria esfregar as mãos de contente. O médico e o farmacêutico estão bem porque a Corporação, casa ou sequela de honesta, não se envergonham dela, nem a envergonham. Por fim concordamos com o primeiro do local, os ventos não correm propícios para esta zona e o senado abre-valas, faz muros de vedação. Pudera! Tudo isto lhe é preciso... Mas de quem é a culpa? Os filhos saem aos pais. O senado é filho de felicíssimos e salgados e de todos os que pensavam como ciganos exaltados e por isso havia de ter por presidente um menino tresloucado. Diga, diga. Diga muito do senado, diga do mal estar desta terra, porque tem muito que dizer, mas fale no nome dos culpados, dos verdadeiros autores deste estado de coisas.
Assim é que deve ser e cá esperamos outra epístola a tratar da nossa terra.

SOL-BEMOL
 
 
 
 


publicado por porabrantes às 18:45 | link do post | comentar

Quinta-feira, 05.11.15

 com a devida vénia do blogue citado

 
 
''Domingo, 21 de Dezembro de 2008

"Um pedido à autarquia é a reparação do recinto e caiação dos muros da Capela de S. José e os ecopontos aguardam muito tempo para ser despejados."

25 de Dezembro de 2003

 

"Mais uma morte na malfadada Estrada 118, dentro da freguesia (...).

Para quando a colocação de semáforos? Apesar deste assunto ser noticiado na imprensa regional e apresentado na Assembleia de Freguesia, não é encarado pelo Instituto de Estradas, nem pela Autarquia apesar do movimento caótico em certos períodos. (...) Um dos deveres das autarquias é o saber ouvir e interpretar e dar satisfação aos problemas dos munícipes."

29 de Abril de 2004

 

"Realizou-se o Passeio convívio anual organizado pela Junta de Freguesia, no passado dia 25 de Junho. (...) Tudo correu dentro da normalidade. Parabéns à Junta de Freguesia."

22 de Julho de 2005

 

"Felizmente a Sociedade Instrução Musical Rossiense viu a luz verde ao fundo do túnel. A sua crise está ultrapassada. No passado dia 27 de Janeiro, a nova Direcção tomou posse. (...) A Sociedade não pode sobreviver com a quotização que tem. Eu como sócio já aumentei a quota e apelo aos restantes sócios, sobretudo àqueles que o podem fazer, que o façam também, para que a cultura seja uma realidade no futuro."

3 de Fevereiro de 2006

 

"Felizmente a Rua dos Marmeleiros, lado nascente, vai ser reparada, assim como a sua valeta. Esta Rua aguarda a reparação desde 1993. Costuma-se dizer "mais vale tarde do que nunca" e é o que vai acontecer. Espero que assim aconteça na Vala do Ricães, que aguarda há anos a abertura, para bem do lado nascente do Rossio."

13 de Abril de 2007

 

"Realizou-se no dia 30 de Setembro, a 3ª Assembleia de Freguesia (...). Estiveram presentes quatro munícipes. Um foi o colaborador do nosso jornal, o único que interveio no ponto 4. (...) Foi também chamada a atenção sobre o terreno municipal junto ao rio tejo, em que estão despejando electrodomésticos de grande dimensão. (...) Por último agradeceu ao Executivo o auxílio às colectividades locais."

17 de Outubro de 2008

 

Numa altura em que a maior parte dos políticos começa a fazer o giro pelas freguesias, porque as eleições começam a estar na ordem do dia, lembrei-me do Sr. Ricardo Silva.

O Sr. Ricardo Silva, reside no Rossio ao Sul do Tejo, e é colaborador do Jornal Nova Aliança.

Com regularidade, habituei-me a estar ao corrente das notícias dessa freguesia, pela pena deste senhor.

Sem ofender ninguém (pessoas ou instituições), sempre soube chamar a atenção quando se justificava, mas também a elogiar e agradecer, quando chegava esse momento.

Os excertos acima, propositadamente um por cada ano, são a prova de que o que move o Sr. Ricardo Silva, é o amor à terra onde vive. Não são outros interesses, para além desse amor genuíno. A sua idade e saúde já não o permitem.

Quando teremos políticos deste quilate?

Com opinião regular, com sugestões, críticas, mas também elogios?

Cujo único interesse seja o amor à sua terra?

Nos próximos meses, com o aproximar da campanha, irei lembrar-me com frequência dos poucos Ricardos Silvas, que abominam a política. Para quem não existe esquerda e direita, vermelho, laranja ou azul, mas sim apenas munícipes, que existem para além das eleições.

Força Sr. Ricardo Silva! Parabéns ao Jornal Nova Aliança, por ter a coragem de ter um colaborador como este.''

 

notas.png

 

publicado por notasdeabrantes
 


publicado por porabrantes às 14:04 | link do post | comentar

Sábado, 05.09.15

 

 

 

 

 

milho.png

3 de Setembro

 

reconquista.png

 

o mirante.png

regiao leiria.png

 Olhando para os títulos há alguma notícia importante?

 

As únicas são dadas pela Reconquista e Mirante. Este jornal narra o fecho dramático duma importante empresa da região, com o  cortejo habitual de despedimentos. A Reconquista realça a abertura duma fábrica de papel em Ródão, com o fim confesso do seu promotor de terminar com a hegemonia da Renova no mercado luso (ver Expresso da semana passada). Será boa notícia para Ródão e má notícia para Abrantes, vai aumentar a poluição industrial no Tejo e capitais abrantinos (algum dele conhecido pelo apoio descarado à cacique) vão ter de enfrentar a concorrência e o fim dum monopólio.

Que a imprensa da Lena aposte pela imitação do Correio da Manhã (naturalmente sem dar destaque   ao sócio do patrão é de esperar), mas que que haja quem apele ao voto na Direita, com o argumentos do milho, faz pensar que acham que os eleitores são pobres pardais tontos.

 

mn



publicado por porabrantes às 17:06 | link do post | comentar

Sexta-feira, 01.05.15

Pode  fazer download ou ler aqui o Arquivo Histórico, publicação por fascículos que começou a ser editada em 1889 e cujo 1º número se refere à Vila de Abrantes.

É um trabalho da Hemeroteca Municipal de Lisboa que se agradece e que fará as delícias de quem gosta de coisas antigas sobre a Cidade.

 

ah.png

O texto  da introdução sobre a revista é de Rita Correia e lá podem ler mais informações sobre esta publicação e os seus autores e editor.

 

brasão abrantes arquivo histórico.png

publicado na revista citada

 

mn

 

entre os colaboradores está Angelina Vidal militante femininista, anarco-socialista que colaborou no Jornal de Abrantes

    



publicado por porabrantes às 19:39 | link do post | comentar

Quinta-feira, 30.05.13

 


 


 



La mort des sites vendus à la pub?

Le terroriste Free n’aura pas terrorisé longtemps les annonceurs publicitaires en ligne. Dommage. Une fonction de la Freebox Révolution a permis durant quelques jours aux abonnés Free de ne plus voir certaines pubs lorsqu’ils naviguaient sur Internet. L’initiative de Free ne visait hélas pas à éradiquer la pollution publicitaire de nos ordinateurs, mais à faire pression sur Google. Passons sur les raisons de la guéguerre Free/Google. 
C’est Fleur Pellerin, la ministre de l’Économie numérique, qui a demandé à Free de mettre fin au blocage de la publicité au motif que l’initiative «peut mettre en danger la survie d’un certain nombre d’acteurs économiques». Tous les sites «gratuits», qui ne vivent que de la publicité, se sont sentis menacés. Ça veut dire que ces sites craignent que demain les visiteurs qui en ont la possibilité se rendent sur leurs pages en faisant le choix de ne pas visionner la pub. S’ils craignent ce genre de chose, c’est qu’ils pensent que la publicité est perçue négativement par le plus grand nombre. Ils ont donc conscience de donner à voir de la merde aux internautes. Le visionnage obligatoire de cette merde est le prix à payer pour accéder aux sites «gratuits». Si certains internautes sont prêts à filtrer la pub et donc à faire crever les sites «gratuits», c’est que le visionnage de la pub est finalement envisagé comme étant un prix à payer trop cher. 
La disparition des sites «gratuits» favorisera peut-être l’émergence de sites payants, qui jusque-là étaient victimes de la concurrence déloyale des sites «gratuits». Fleur Pellerin s’inquiète de la survie d’un certain nombre d’acteurs économiques sans réaliser que ces acteurs économiques qui proposent du «gratuit» contribuent à faire crever des acteurs économiques qui proposent du payant. Pourquoi un membre du gouvernement (d’un gouvernement qui laisse crever Florange au nom du marché) prend-il partie pour un modèle économique plutôt qu’un autre? Et, surtout, pourquoi Pellerin prend-elle partie pour le modèle économique le plus pourri: celui du temps de cerveau disponible? Un gouvernement qui veut éradiquer la prostitution devrait se réjouir que les sites «gratuits» ne soient plus sous l’emprise des maquereaux de la publicité… Ça les fera crever, les sites «gratuits»? Ils feront comme les putes interdites d’exercer leur activité, ils changeront de boulot ou crèveront sur le trottoir.

Un site financé par la pub en moins, c’est un peu de liberté en plus.

L’autre opposant à l’initiative de Free est le président du Syndicat de la presse indépendante d’information en ligne (SPIIL), Maurice Botbol, pour qui, «demain, n’importe quel autre contenu pourra être censuré de la même manière par un fournisseur d’accès à Internet s’il le décide». Que Free décide selon ses critères quelle pub ne doit pas apparaître à l’écran, ce n’est pas normal, mais que Free propose un système qui permet à chaque internaute de masquer ou non la pub, quel est le problème ? Le président du SPIIL voudrait que la neutralité du Net soit garantie par la loi. Que les fournisseurs d’accès ne puissent pas avoir la possibilité de choisir ce qu’ils donnent à voir ou non à leurs abonnés, d’accord, mais que les abonnés aient la possibilité de zapper systématiquement ce qu’ils n’ont pas envie de voir, pourquoi pas? Si l’abonné de Free fait le choix de ne plus voir les pubs, ça le regarde, lui. Si demain un fournisseur d’accès propose à ses abonnés la possibilité de ne plus avoir accès à aucune image représentant le prophète Mahomet (par exemple), en quoi cela est-il gênant pour la liberté d’expression? Si sur ma Freebox je découvre une fonction qui censure toutes les photos de Nadine Morano, j’avoue que je serai tenté de l’activer…
Au nom de la liberté d’expression, on s’indigne qu’un fournisseur d’accès puisse contrôler le contenu du Net. Au nom de cette même liberté d’expression, personne ne s’indigne que des sites qui sont financés par la pub se présentent comme étant des sites d’information.

Charb

 

no 

 

Charlie Hebdo


tags:

publicado por porabrantes às 17:04 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Capas

O cigano do Sardoal e a i...

Ricardo Silva

Manchetes regionais

Arquivo Histórico- Vila d...

as folhas gratuitas

arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds