Quarta-feira, 24.06.20

PELA DEFESA DOS INTERESSES DE ABRANTES



Celebrámos no passado dia 14 de Junho, da forma possível, o Dia da Cidade e do Concelho. As restrições impostas pela pandemia viral impediram a realização dos tradicionais festejos presenciais, mas não diminuíram o nosso sentimento de amor à terra e o orgulho, individual e coletivo, de ser abrantino. Pelo contrário, as dificuldades forjam a têmpera do nosso carácter e a nossa determinação de tudo fazer em prol da nossa terra e da nossa gente.



Registámos, com interesse, as palavras dirigidas aos munícipes pelo atual presidente da Câmara, o qual frisou que "o nosso Concelho é único, uma história vasta que vai continuar a ser escrita por todos nós. Uma história que se fez e vai continuar a ser feita de valores, de igualdade, de liberdade, de solidariedade e de união porque, como todos sabemos, «A União faz Abrantes»". Não podemos estar mais de acordo com estas bonitas palavras.



No entanto, quando se reflete sobre elas e se avalia a sua aderência à realidade, dificilmente se encontra uma correspondência aceitável: o nosso Concelho não tem hoje uma identidade suficientemente forte e atrativa, a população tem decrescido dramaticamente (sobretudo a mais jovem) e enfrenta o flagelo do desemprego e da falta de oportunidades, e os valores referidos pelo edil são preferencialmente aplicados a quem apoia ou se conforma com o poder instalado.



Por estas razões, não vemos no atual executivo camarário – passados que são 16 meses desde a sua tomada de posse – a capacidade de inovação e realização de que Abrantes tanto necessita.



Pelo contrário, continuamos a assistir à degradação dos principais indicadores de desenvolvimento do concelho: mais desemprego, mais insucesso escolar, menos cultura, menos investimento ambiental, património abandonado, mercado diário disfuncional, projetos do Orçamento Participativo por concretizar, entre um sem número de outras situações que qualquer um de nós pode facilmente identificar.



A título de exemplo, o concelho tem o maior número de desempregados do Médio Tejo (26,6% do total da sub-região, mais 77% do que Tomar, o município que se lhe segue) e o número de desempregados inscritos no Centro de Emprego de Abrantes sobe desde meados do ano passado, atingindo em Abril deste ano mais 31,6% do que no mês homólogo de 2019.



O nosso município tem, também, a pior taxa de insucesso escolar no ensino básico e a terceira pior no ensino secundário, no conjunto dos treze municípios do Médio Tejo.



O movimento ALTERNATIVAcom publicou no passado dia 20 de Maio um comunicado intitulado "Encarar a realidade e enfrentar os desafios", através do qual se procurou alertar os abrantinos para a trajetória de declínio do concelho e recomendar 7 medidas para a inverter, "mobilizando a comunidade para um novo projeto de recuperação e desenvolvimento, no qual todos se envolvam e contribuam, de acordo com as suas vontades e capacidades".



Ao contrário do que parece exaltar o executivo camarário, não tivemos qualquer 'feedback' nem verificámos qualquer interesse em debater, analisar ou adotar qualquer uma das referidas medidas. O silêncio foi absoluto, como quem "não sabe, não quer saber e até sente incómodo por quem diz".



Assim não se desenvolve Abrantes, assim não se constrói o futuro a que por direito e empenho todos aspiramos. É preciso defender os interesses de Abrantes e dos abrantinos. O poder político local existe para isso e não pode estar sujeito e ser submisso a cúpulas partidárias nacionais.



Pelo contrário, os autarcas devem defender e fazer valer, junto do poder central, os interesses da sua comunidade local, seja em relação à descentralização administrativa, à eliminação de portagens na A23, à construção da nova ponte sobre o Tejo (no IC9), à localização do novo aeroporto em Tancos, à qualidade das águas do Tejo ou a qualquer outra matéria de especial interesse municipal.



Mas, se a frente externa de defesa dos interesses de Abrantes e dos abrantinos é essencial, é no plano interno que as estratégias e políticas autárquicas devem ser gizadas, contando com todas as forças vivas e sensibilidades do concelho, incluindo as que pugnam por soluções estruturantes, de natureza inovadora e progressista, para além de medidas conservativas, de carácter preventivo ou reparativo.



Neste sentido, o movimento ALTERNATIVAcom vem publicamente propor à maioria autárquica do Partido Socialista, bem como aos demais partidos e movimentos representados nos órgãos autárquicos que, até ao final do ano, seja realizada uma sessão da Assembleia Municipal de Abrantes (ou um fórum por esta promovido) aberta à intervenção dos munícipes, exclusivamente dedicada ao debate das estratégias e políticas autárquicas do concelho, por sectores de atividade.



O movimento ALTERNATIVAcom manifesta desde já a sua disponibilidade para contribuir construtivamente para este debate, com a convicção de que a esperança num futuro melhor só se concretiza com o saber, a arte e o engenho de todos os abrantinos, independentemente da sua ideologia ou cor partidária.



Abrantes é a nossa terra e nela queremos ver efetivamente praticados os valores da igualdade, liberdade, solidariedade e unidade.



Contem connosco, nós nunca deixaremos de contar convosco.



Movimento ALTERNATIVAcom

#movimentoalternativacom #abrantes



publicado por porabrantes às 07:41 | link do post | comentar

Quinta-feira, 21.11.19

Foi apresentado um novo movimento político formado por independentes, com vista à criação duma alternativa política ao caciquismo, que há décadas asfixia este concelho.

O candidato a Presidente é o Vasco Damas e fazem ainda parte dele, personalidades como o José Rafael Nascimento, o animador do grupo de defesa do Mercado Diário, que os caciques querem demolir e cidadão conhecido por uma intensa intervenção cívica e o Rui André, Presidente da Junta de Rio de Moinhos, uma autarquia local conhecida pelo seu dinamismo.

Desejamos as maiores felicidades a este movimento, sublinhamos a necessidade de varrer o caciquismo e de construir uma alternância democrática, sendo necessária a colaboração dos vários actores políticos e sociais, que desejam uma Abrantes melhor.

ma



publicado por porabrantes às 09:28 | link do post | comentar

Domingo, 09.04.17

Concurso público à moda da Bemposta

Pena que essa senhora não saiba nem de metade do que fala. Olhemos para eles como um "trump" não como alguém que salvou a farmácia em Bemposta. Coisa que não fez. Devia ter vergonha das palavras que escreve nesse medíocre jornal e o próprio jornal tam ... Pena que essa senhora não saiba nem de metade do que fala. Olhemos para eles como um "trump" não como alguém que salvou a farmácia em Bemposta. Coisa que não fez. Devia ter vergonha das palavras que escreve nesse medíocre jornal e o próprio jornal também devia ter vergonha de deixar tal pessoal continuar a escrever tais "crônicas" tão tristes e descabidas. Há que apurar os factos primeiro. Pena que este blog de amadores defenda pessoas que nem uma simples associação de idosos consegue gerir, agora imagine-se uma junta de freguesia. Por favor

 

Anónimo

 

Caro comentarista:

Sem ter procuração da Senhora Dona Maria Fernandes, nem dos Independentes da Bemposta, tenho de anotar que  há longo tempo que esta  Senhora critica a Junta local e a CMA, nas páginas da Barca, e nenhum membro da Junta, ou da edilidade, foi capaz de a desmentir ou de lhe responder nas colunas desse jornal.

Porque será????

Quando diz que somos um blogue de amadores é verdade, porque há outro (dum ex-membro do staff pessoal da cacique) que é pago por ajuste directo, com dinheiro público.

O orgulhoso ''amadorismo'' dá-nos independência e isso chateia o poder.

Finalmente temos direito à opinião, a Barca não é um jornal medíocre e os Independentes ameaçam ser, em muitas freguesias, o sangue novo que pode salvar esta terra da partidocracia.

Na Bemposta, no Tramagal, nas Mouriscas....e se calhar em Rio de Moinhos

Cumprimentos

mn  



publicado por porabrantes às 22:54 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Comunicado da Alternativa...

Por uma alternativa democ...

Concurso público à moda d...

arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

celeste simão

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

duarte castel-branco

espanha

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

frança

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Maio 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds