Quarta-feira, 17.09.14

 

Paulo Pedroso consola o choroso João. Já não há ''aplomb''

 

 

 

 

 

(Expresso)

 

Esta parte da Sentença refere-se ao processo de negociação do ajuste directo que envolveu pessoalmente a Milu e o João Pedroso e o resto do gabinete da Milu.

 

Não se censura, nem se pode censurar que tenham faltado à verdade, é um direito que assiste aos arguidos em processo penal.

 

Isso não pode ser usado contra eles.

 

 

Uma testemunha é que não pode mentir, sob pena de ser punida. Coisa que ainda está em discussão nas adjacências do processo ''Face Oculta'', acerca de declarações do socrático Manuel Lino no caso do ''anjo de Lagarelhos'' que caiu no céu e que o Armando Fernandes disse no Ribatejo, que vai continuar a cumprimentar.

 

Lerá ele a sentença? Então ficará a saber o que o Lino deveria ter feito.

 

Esta sentença é um requiem sobre a prática política do Governo Sócrates e da maneira de fazer ajustes directos em muitas autarquias, incluindo a nossa. 

 

Volto ao Pedroso e à Milu. Disse ela que não conhecia o João Pedroso. Conhecia o Paulo, que o país conheceu no processo Casa Pia, donde saiu ilibado.

 

A descrição minuciosa das relações entre os arguidos, tudo gente muito próxima a Ferro Rodrigues e ao próprio Guterres, punha em causa a versão da Milu.

 

 

 

E colocava, e coloca em causa, o seu companheiro sentimental:

 

 

 

 

MN

 

créditos: fragmentos reproduzidos do artigo no ''Expresso'' de Micael Pereira

foto : Ana Baião/Expresso



publicado por porabrantes às 10:02 | link do post | comentar

Quarta-feira, 28.09.11

João Pedroso condenado

a devolver seis anos de

exclusividade à Universidade

Por José António Cerejo


João Pedroso, assistente da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e ex-dirigente socialista, vai ter que devolver perto de 50.000 euros à universidade por ter violado o regime de exclusividade entre 2003 e 2009. Adecisão foi tomada em Março pelo reitor Seabra Santos, no termo de um processo disciplinar instaurado em Outubro do ano passado.

As dúvidas sobre o cumprimento das regras da dedicação exclusiva por parte de João Pedroso surgiram quando se tornou público que o mesmo intervinha como advogado na defesa do seu irmão Paulo Pedroso, no processo Casa Pia. Já no final de 2007 - depois de ser noticiado que ele havia sido contratado em 2005 pelo Ministério da Educação, por iniciativa da ministra Maria de Lurdes Rodrigues, para fazer um trabalho de compilação legislativa por cerca de 300.000 euros -, a Faculdade de Economia questionou-o sobre o assunto, mas o caso ficou por aí. 

No ano seguinte, após a divulgação dos detalhes dos pagamentos feitos pelo ministério, foi aberto um inquérito, que levou, em Outubro do ano passado, à instauração de um processo disciplinar. Foi esse processo que chegou agora ao fim com a condenação de João Pedroso a uma pena de suspensão da actividade lectiva durante 45 dias, suspensa por um ano, e à devolução do diferencial entre as remunerações auferidas em regime de exclusividade e as que devia ter recebido em regime de tempo integral (entre 700 e 800 euros mensais). 
 coimbra portuguesa
O processo, cujas conclusões foram aprovadas pelo Senado da Universidade e depois pelo reitor, deu como provada a violação da exclusividade entre 21 de Maio de 2003 e 31 de Outubro de 2009, por acumulação das funções académicas com o exercício da profissão de advogado. 

 

Depois do escândalo Pedroso a ex-chefa da Educação teve o descaramento de se passear por Abrantes......

 

 

 

Quanto aos serviços prestados ao Ministério da Educação, foi entendido que se tratava de uma "actividade não continuada", razão pela qual não foram analisados, atendendo a que nesses casos os factos prescrevem ao fim de um ano - explicou ao PÚBLICO Pedro Santos, porta-voz da reitoria. 

Em Outubro do ano passado, quando o processo disciplinar foi iniciado, João Pedroso abandonou, a seu pedido, a dedicação exclusiva. Por outro lado, no fim de 2007, o ministério rescindiu, por incumprimento, o contrato que com ele mantinha, exigindo-lhe a devolução de 131.100 euros. Este contrato está a ser investigado pelo Departamento de Investigação e Acção Penal de Lisboa que apreendeu toda a documentação com ele relacionada em Março de 2009.

Pedroso - que não respondeu ao PÚBLICO - ocupou diversos cargos públicos de topo, nomeadamente na Segurança Social e em gabinetes ministeriais no tempo de António Guterres. Em 2008, demitiu-se da Comissão Nacional de Jurisdição do PS.

Pub 17-10-2010

 

 

A petição considera que que o Sr.Pedroso e a Srª.Milu deviam pelo menos ter sido irradiados para sempre de qualquer função pública. Lembre-se que a Milú é arguida em processo penal por esta cena.

 

Marcello de Noronha

 

(expressões em negrita da petição-fotos com origem referida) 



publicado por porabrantes às 19:18 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Disse a verdade a Milu e ...

Um caso de incompatibilid...

arquivos

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Dezembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds