Terça-feira, 04.08.15

''(...)Em 1976 iam realizar-se as primeiras eleições autárquicas em democracia. E, nessa altura, o Deputado Ladislau Botas já era muito conhecido e admirado em Santarém e no concelho. E foi ele o escolhido para se candidatar à Câmara.

     O Secretário Geral d PS, Mário Soares, telefonou-me então para saber quem eram os nossos candidatos às principais câmaras do distrito.

     – Santarém?  O Botas!

     – Abrantes? O Bioucas!

     – Tomar? O Bonet!

Ao ouvir estas respostas, o Mário comentou: “Ó Niza, acho que com estes nomes não vamos a lado nenhum!” Mas enganou-se: ganharam os três! (..)''

 

José Niza

 

mario-soares190812.jpg

 

Ganharam mas os respectivos concelhos iniciaram o caminho para a irrelevância...

 

a redacção

 

o Zé Bioucas também era o candidato da direita anaclética, 



publicado por porabrantes às 17:59 | link do post | comentar

Quarta-feira, 08.07.15

A etiqueta da foto do Manuel Dias e da Srª Drª Maria Barroso, do Sr. Dr.José Niza e do Senhor Doutor António Reis que a Rádio Oficiosa publicou encontra-se na net assim:

 

jana 3.png

Ou seja se houvesse  que procurar indícios (como dizia o falecido Inspector Varatojo) sobre a promiscuidade entre interesses partidários e  comunicação social, o indício estava aqui.

 

É melhor não falar no Varatojo, depois do 25 de Abril publicou um anúncio a dizer que não era pide

 

varatojo.jpg

gamado ao blogue Der Terrorist

 

mn



publicado por porabrantes às 13:50 | link do post | comentar

Quarta-feira, 14.05.14

 

Extracto duma missiva enviada pela Federação do PS de Santarém aos órgãos nacionais do PS nos anos 80. Há muito mais, a escolha de gestores da administração pública por simples critério de camisola partidária lixou este país.

 

A missiva e muito mais material está num arquivo público.

 

Assim se montou a partidocracia que destrói Portugal.

 

Contenho os comentários que deviam ser mordazes e implacáveis

 

 

ma  

 

agradeço ao falecido dr.José Niza as indicações preciosas para descobrir este documento



publicado por porabrantes às 18:27 | link do post | comentar

Sexta-feira, 04.11.11
O poeta, fidalgo e resistente anti-fascista Manuel Alegre faz o elogio fúnebre do grande amigo da petição para Salvar São Domingos, dr. José Niza recentemente falecido. Visivelmente emocionado o Poeta da Trova do Vento que passa, o Paladino da Liberdade cuja voz foi ao longo de décadas o símbolo da determinação de um povo em resistir, salientou a sua longa convivência com o político e músico falecido, com o resistente ao fascismo e ao comunismo, com o dirigente político do socialismo ribatejano que sempre pautou a sua acção pela defesa da Cultura e pelo apoio intransigente às causas, como a nossa, de defesa do Património.
Recordemos que a intervenção do nosso amigo José Niza como líder regional da candidatura  de Manuel Alegre a Presidente o levou a entrar em polémica com alguns inimigos da petição (ou seja inimigos de Abrantes) cujos nomes por serem amplamente conhecidos (e curiosamente pertencerem a indivíduos não naturais da nossa região, mas sim de lugares perdidos na geografia nacional, onde as luzes da cultura só há pouco começaram a chegar), não vale a pena recordar.
O que vale é ouvir Paulo de Carvalho, cantar ''E depois do Adeus'' à torre do licenciado alentejano.... 
Em nome da petição agradeço ao grande Poeta o belo acto de cultura e de amizade aqui documentado.
Miguel Abrantes
PS-Como se pode ver no vídeo do Mirante entre os presentes no funeral do Zé Niza estava Jorge Lacão e o eng.Nelson Baltazar.  


publicado por porabrantes às 15:18 | link do post | comentar

Quarta-feira, 02.11.11

 Desvendaremos em breve  o papel essencial e confidencial do falecido Dr.José Niza, no combate pela defesa do património de Abrantes, designadamente no seu apoio (na retaguarda) à petição e ao combate pela preservação do convento de São Domingos

 

 

 

 

 

 

 

 

RTP

 

 Hoje dia dos finados prestamos homenagem ao anti-fascista e anti-comunista que enquanto dirigente socialista de Santarém honrou o nome do partido de Mário Soares

 

 

e de Salgado Zenha na luta contra a canalha que quis impor a ditadura comunista e o bonapartismo eanista em Portugal.

 

Revelações escaldantes que explicam o ódio de alguns plumitivos a Zé Niza.

 

Marcello de Noronha

 



publicado por porabrantes às 18:17 | link do post | comentar

Domingo, 25.09.11

 última crónica de José Niza – Penso logo insisto – Um+dois + três + quatro = Zero

 

Um – Se Alberto João Jardim tivesse alguma dignidade e vergonha na cara pediria desculpa aos portugueses e ao PSD, o seu partido. E depois ia para casa.

Foi pena que os deputados que fizeram a Constituição – entre os quais eu me incluo – não tivessem tido a prudência de evitar que irresponsáveis como Alberto João Jardim pudessem ocupar cargos políticos. Se, ao longo de trinta anos, todos os líderes do PSD – sem excepção – não tivessem andado a correr para a Madeira a beijar-lhe a mão, talvez a história fosse outra. Se Pedro Passos Coelho – vítima política do cacique insular – tivesse um grama de coragem política para dar um murro na mesa em vez de assobiar para o lado dizendo que aquilo é uma questão interna do PSD Madeira, talvez a história fosse outra.

Não gosto daquela abominável expressão “a culpa vai morrer solteira”. Mas é isso que vai acontecer. Nas próximas eleições, poderá perder a maioria absoluta, mas não perderá o seu estatuto de alarvidade habitual. E, se o chamarem à ordem, ameaçará com a independência da Madeira.

A democracia não se fez para proteger políticos que, em vez de viverem em palácios, deveriam ser levados para manicómios.

 

Dois – A mesma RTP que anunciou no telejornal que, em Portugal, o consumo interno baixou para níveis de 1971, apresentou a seguir um concurso de culinária com o título retintamente português de Master Chef.

Ao longo de meia hora assistiu-se a um festival de lavagante, inqualificável provocação a milhares de portugueses que nem sequer têm dinheiro para comprar um carapau.

Para uma estação de televisão que se pretende de serviço público, este sórdido episódio revela várias coisas.

Insensibilidade provocatória para com portugueses que recebem por mês o equivalente ao preço de dois ou três lavagantes.

Incompetência porque nenhum director de programas a sério aceitaria um programa na televisão de serviço público com título em inglês. Chama-se, a isto, novo-riquismo parolo.

Acto criminoso contra os direitos dos animais porque, durante meia hora, os cozinheiros concorrentes estiveram a partir à mão lavagantes vivos à frente das câmaras.

Em face disto – e no que respeita à privatização da RTP anunciada – o que deve ser privatizado não é a empresa, mas sim as pessoas que produzem e põem no ar programas como este.

 

Três – “O Serviço Nacional de Saúde nunca existiu e é uma mentira desde o início”.

Estas são palavras do Prof. Gentil Martins numa entrevista ao Diário de Notícias, publicada no dia 15 de Setembro, dia em que o SNS completou 32  anos. Quando o SNS foi aprovado na Assembleia da República, Gentil Martins era Bastonário da Ordem dos Médicos e um dos maiores inimigos desta lei. Ele odeia o SNS.

Em 1974, a taxa de mortalidade infantil era de 37,9 por mil. Em 2008 era de 3,3. Mais de dez vezes menos.

Desde 1974 a esperança média de vida nos homens passou de 64 para 75,8 anos. E, nas mulheres, de 71,4 para 81,8 anos.

Portugal é um dos países mais avançados do mundo em matéria de transplantações.

O Serviço Nacional de Saúde nunca existiu”. E o dr.Gentil Martins, existe?

 

Quatro – A genialidade política do magnífico e inefável ministro Relvas não cessa de entusiasmar e surpreender os portugueses.

Chegado ao governo – e como um bulldozer – começou de imediato a demolir coisas e a proclamar privatizações. Proclamadas estas históricas decisões, avançou furiosamente para a criação de grupos de trabalho – pelo menos seis – para que estudassem as matérias sobre as quais ele já tinha decidido antes. Extenuado com a criação de tantos grupos de trabalho, criou também um grupo de descanso. Onde? No Brasil, onde se deslocou em viagem de Estado com um extenuante programa de relevante interesse nacional.

Senão, vejamos: 1º dia – pequeno-almoço com o governador do Rio de Janeiro e ao fim da tarde, o lançamento de um livro.

2º dia – o dia mais cansativo da visita, totalmente dedicado a uma missa.

3º dia – finalmente, para tratar das relações comerciais entre o Brasil e o nosso país, foi almoçar com o cônsul de … Portugal. Posto isto regressou ao ministério onde já estava a fazer imensa falta.

  José Niza

Com a devida vénia transcrito do Ribatejo. Sobre José Niza, António Colaço aqui
posto por A.Abrantes 
NR- uma das  ''últimas vítimas'' do Zé Niza, o dr.Gentil Martins é filho do abrantino dr. Silva Martins cuja cabeça no jardim do Castelo foi à vida.  


publicado por porabrantes às 17:53 | link do post | comentar

Sábado, 24.09.11
Rádio Cartaxo produziu este eloquente vídeo sobre José Niza
E o nosso amigo dr. Rui Lopes, peticionário, historiador, emérito praticante do fado de Coimbra disse sobre Morreu José Niza na Sexta-feira, 23 de Setembro de 2011 às 19:48:

     

O falecimento de José Niza surpreendeu-me, na Serenata que se faz anualmente em Santarém na Praça Sá da Bandeira, mesmo junto ao consultório do grande benemérito que foi o Dr. Isabelinha (que mesmo nonagenário ouvia as serenatas na sua varanda), o Dr. Isabelinha, outra pessoa de bem. Doente sem posses que não tivesse dinheiro para a consulta, não deixava de ter consulta, dava dinheiro aos necessitados para levantarem na farmácia os medicamentos que prescrevia! São exemplos destes que muito deviam ser citados: o Dr. Isabelinha foi um benemérito que ajudou muita gente sem esperar o que quer que fosse em troca. Voltando ao Dr. José Niza, quase toda a gente se esqueceu de referir que em finais da década de 190, fez um grupo de música ligeira com os também estudantes, hoje famosos, Daniel Proença de Carvalho e José Cid; que o Dr. José Niza tocava guitarra de Coimbra e que A REPÚBLICA BACO uma das célebres repúblicas de estudantes de Coimbra está hoje de luto, pois o Dr. José Niza enquanto estudante habitou nos paços da Real República Baco!

 

Caro Rui:

Obrigado pelas tuas bonitas palavras. Mas quem sabe a História da Academia de Coimbra, és tu. Estamos à espera de posts sobre abrantinos que passaram por lá. Manda-nos posts sobre estudantes excêntricos, bons copos, amantes além de Baco das Musas e de Vénus e naturalmente é o teu ramo: do Fado. Abrimos uma excepção para nos contares a história dum estudante betinho e copo de leite, filho do excelente padeiro: Sr.Lacão de Abrantes. Aposto que tem histórias divertidas do gajo durante o PREC.

 

Um abraço forte:

Miguel Abrantes da Academia de Lisboa nos bons tempos que já lá vão. 



publicado por porabrantes às 17:35 | link do post | comentar

Sexta-feira, 23.09.11

Morreu José Niza, médico psiquiatra, várias vezes candidato pela CDE a deputado pelo Distrito de Santarém, dirigente socialista, Deputado em sucessivas legislaturas pelo nosso distrito e autarca em Santarém.

 

José Niza foi ainda um importante vulto ligado à música popular portuguesa, sendo ainda o autor da canção ''Depois do Adeus'' que serviu de senha ao 25 de Abril.

 

Morreu José Niza, compositor de "E Depois do Adeus" público

 

Adversário da ditadura fascista foi também um destacado resistente neste distrito à tentativa  de implantação dum regime comunista, tendo dado colaboração enquanto líder do PS de Santarém a Salgueiro Maia e à EPC (hoje sita em Abrantes) para a contenção armada do movimento golpista do 25 de Novembro de 1975 que derrotou grupelhos esquerdistas como a UDP, o MES, a FUP que sob direcção do PCP tentaram liquidar as liberdades dos portugueses.

 

 

Nos últimos anos dirigiu no distrito as campanhas às presidenciais de Manuel Alegre e em  memoráveis artigos, aqui reproduzidos reduziu a pó o Armandinho, ex-agitador gonçalvista hoje oportunamente reciclado na ala direita do PSD, Nelson Carvalho que injuriara como o Armandinho o grande Poeta, não escapando à sua actuação à apresentação num debate parlamentar duma moção  onde o solicitador Anacleto Baptista  teve uma actuação digna do seu correligionário Armandinho.

 

Todas essas peças antológicas de destruição profilática de Acácios, foram aqui reproduzidas.

 

Talvez convenha recordar algumas tiradas do dr.Niza:

 

Nelson Carvalho:

 

''o professor que não sabia ler'' 

 

 

 

 

 

 

''embarcaste à esquerda do PS, passaste por este partido a grande velocidade e só paraste na estação seguinte, a do PRD. Aliás, vendo bem as coisas, o PRD não era bem uma estação, foi mais ou menos um efémero apeadeiro... Seguiste viagem e foste desembarcar no PSD. E, agora – et pour cause – és apoiante do candidato que, segundo dizes, “não teve a oportunidade de ocupar muito tempo com leituras”.

 

 

 

o candidato das poucas letras segundo o Armandinho

 

  sábado

 

Ò Armandinho, diz-se isto do Senhor Presidente da República????

 

Entretanto, a Câmara de Santarém decretou e bem 3 dias de luto pelo Zé Niza, o homem que disse que o ''Comendador da Cultura Portuguesa '' seja lá o que isso fôr, não

 

 

sabia ler  !!!!

 

A petição associa-se ao luto pela morte do ilustre vulto da democracia e da cultura portuguesa e agradece-lhe o serviço prestado a Abrantes ao definir

 

o Carvalho.....

 

com as palavras exactas....

 

(a petição aposta que no próximo Ribatejo aparecerá uma foto do Armandinho no funeral...)   

 

 

Miguel Abrantes



publicado por porabrantes às 18:51 | link do post | comentar

Sábado, 20.08.11

A minha Avó Senhora Dona Carlota  tinha vários domésticos na sua casa solarenga:o Reverendo Capelão, o Mordomo, o Chófer, o Seminarista e o Pobre: o Zacarias Coxo.

 

O Coxo, como lhe chamavam na Vila, além de vender as cautelas e fazer recados ( nesse altura fazer recados era ainda não era uma profissão especializada como a quem tem hoje em dia o buíça), era um pobre muito bem educado.

 

O Seminarista era um doméstico em part-time. Só estava nas férias e a maior parte do ano estava a tirar o curso para padreca a expensas da Dona Carlota.

 

O Zacarias quando algum estranho lhe queria dar esmola, sacava a muleta e ameaçava partir-lhe a cabeça, porque o ofendiam, ele era um pobre com deontologia (como o buiça é um recadista deontológico, só faz recados de quem  manda nele), era o pobre da Dona Carlota e não admitia esmolas que não fossem da sua generosa protectora.

 

O Seminarista suponho que aprendeu como Nelson Carvalho, que declarou um dia que dava um bom Padre ( o que a malta acha é que ele dava um excelente Cónego como o Graça), lá no seminário....

 

.....Filosofia.

 

Nelson Carvalho além de Filosofia, também teve a cadeira de Piedade no seminário, e como resultado disso ficou como a minha Avó, obrigado pela sua consciência a cuidar dum pobre ao longo do seu percurso terreno.

 

O problema do Nelson foi que ao estudar Filosofia se apaixonou por Confúncio e pela Filosofia Oriental. Diz este chinês que a melhor maneira de tratar de um pobre não é dar-lhe uma lata de sardinhas de conserva para comer....

 

 

...mas ensiná-lo a pescar. 

 

Foi o que fez Nelson Carvalho ao seu pobre quando chegou ao poder. Ensinou-o a pescar, nomeando-o Vereador. Agora já é hora de divulgar o nome do pobre de Nelson Carvalho: 

 

     

 

O problema do pobre Bento é que era pouco deontológico. Não era como o buíça nem como o Coxo. Pescava muito e em muitas águas.

De forma que rapidamente de pobre passou a novo-rico e o Sr.Carvalho ficou órfão de pobre.

 

 

Para um filósofo especialista no Bushido, o código de honra dos samurais, ficar sem pobre é dramático. Um samurai sem servo para lhe cortar a cabeça, depois de abrir a barriga, no hara-kiri ( prática suicida que se deve fazer quando se está desonrado ou não se tem pobre) fica desesperado.

 

Ou se atira duma ponte (1) ou se adapta à realidade, abandonando conceitos medievais de honra.

 

Felicitamos o Sr.Carvalho por ter seguido o caminho da modernidade. Agora em ver de ter pobre, tem um novo-rico....

 

 

Marcello de Noronha

 

(1) Segundo o sr. doutor José Niza : o Sr.Carvalho cometeu suicídio político quando criticou de uma forma mal-educada a candidatura de Alegre. Carvalho replicou que ainda não tinha morrido e para provar que estava vivo apoiou um tal Fernando Nobre 

 

 



publicado por porabrantes às 13:27 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Mário Soares dixit: Com o...

A etiqueta do Manuel Dias

A partidocracia-um caso a...

Manuel Alegre faz elogio ...

Homenagem a José Niza- um...

Penso logo insisto por Jo...

Depois do adeus de José N...

Morreu José Niza

o pobre de nelson carvalh...

arquivos

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds