Segunda-feira, 10.02.20

Que resta das 10 bibliotecas que houve em Abrantes no século XIX?

justino

Justino Magalhães, Atlas da Educação,Atlas Reportório dos Municípios da Educação, p. 100  , Inst. da Educação da U. de Lisboa, 2014.

Onde estão os livros das bibliotecas dos conventos?

O Paulo Falcão Tavares tratou a biblioteca de S.Domingos no seu livro sobre o Real Convento e o Eduardo Campos analisou como se venderam ao desbarato e ao peso boa parte dos livros dos conventos. Restam coisas dispersas em bibliotecas públicas e particulares, nacionais e estrangeiras,incluindo no Arquivo Eduardo Campos que não as tem inventariadas e possui uma peça única em Portugal, sem a tratar e a apodrecer.

Vai o Breviário da Sacra Ordem dos Pregadores, uma belíssima edição setecentista que está na Biblioteca Nacional

breviário sacra ordem dos pregadores

Era das freiras da Graça

breviário 2

breviário 3

breviário 4

O autor foi Frei Thomas Ripoll, um catalão, que chegou a Geral dos Dominicanos

Tomas_Ripoll

mn

 



publicado por porabrantes às 09:04 | link do post | comentar

Sábado, 13.04.19

A Associação de Cozinheiros Portugueses Profissionais recomenda dois conhecidos autores abrantinos como especialistas em gastronomia conventual

O Comendador * Paulo Falcão Tavares pelo seu livro ''O Real Convento de São Domingos'', editado pela Tubucci

paulo livro 3

 

e o Professor ** José  Bobela de Albuquerque Carreiras pelos seus livros ''Mosteiros Cistercienses'' ( 3 volumes)

 

A recuperação da história dos nossos velhos conventos, outrora centros de cultura, passou pela actividade da Tubucci e da Associação dos Amigos de Cister, em Abrantes e noutras localidades do país.

mn 

 

* Comenda concedida por SAR o Príncipe de Nápoles, Vitor Emanuelle,

Chefe da Casa Real Italiana,

** IPT



publicado por porabrantes às 11:00 | link do post | comentar

Segunda-feira, 28.08.17

O Dr.Anacleto Fernandes Agudo, de Mógão Cimeiro (Sardoal), é um ilustre esquecido das letras regionais.

Entre outras coisas foi amigo de Teófilo Braga, grande erudito e 1º Presidente da República.

Muita gente precisava de ter à mão este livro dele.

agudo.png

 E convinha reeditar o livro, difícil de arranjar e que durante gerações esclareceu dúvidas a muita gente.

 

O livro inclusive serviu para tirar dúvidas aos Conselheiros do Supremo.

 

O Dr. Anacleto escreveu vários livros e foi Professor de Liceu, esforçado e dedicado.

 

Mas a sua obra maior é este livro, tão actual. Utilissimo em tempos que há juízes que servem da Wikipedia para compor sentenças.

 

Se alguém tiver uma foto do Dr.Anacleto, agradece-se.

mn

 

PS- Isto dava para outro post '' A casa do Dr.Anacleto'' era a mal-chamada ''Casa dos Almeidas'' diz o Sardoal com Memória. Era um dos donos.  

 

 



publicado por porabrantes às 16:39 | link do post | comentar

Sexta-feira, 04.11.16

13439238_1256955924327966_2066240123274946384_n.jp

 Recomendamos a leitura atenta do novo romance  da autora castelhana. A sinopse é esta: '' Para esta obra, a autora altera o tema e o estilo e aventura-se numa história sobre um homem sem escrúpulos, que dedicou a sua vida a destruir reputações em troca de influências.'' diz a Livraria Colombo.

a redacção



publicado por porabrantes às 10:28 | link do post | comentar

Quarta-feira, 31.08.16

O livro ''Longe do Mar'' de Paulo Moura, jornalista free-lancer,é um retrato duma viagem através da EN 2 , da raia transmontana até Faro. É uma narrativa  que presta no título uma evidente homenagem ao  "On the road'' do Jack Kerouak, e a toda a tradição literária e cinéfila norte-americana que escolheu o caminho de partir, em busca dum imenso país desconhecido.    

E ao mesmo tempo é um diagnóstico do que é a realidade do interior do país, através das personagens que o Autor encontra na sua viagem.

Que acontece quando chega à região de Abrantes?

Encontra um crime passional, em que um marido enganado, Álvaro Fausto,  industrial de casas de alterne, é alvo dum assassinato encomendado pelo amante da mulher, o ''Sossego'' a uns ciganos.

longe-imagem-2-199x300.jpg

 

foros.png

Os ciganos, mais o Sossego, fazem uma espera ao Fausto, mas a cena complica-se, há tiros de parte a parte, e é finalmente o Sossego, que é negociante de pinhões e vive no Couço, que mata o Fausto.

O crime dá-se nos Foros de Arrão,concelho de Ponte de Sôr, em 1998

O Fausto morre cravejado de balas de uma pistola 6,35 mm, no Hospital de Abrantes. 

O assassino que, acaba na cadeia de Elvas e a viúva alegre  do Fausto, ainda aparecem a corromper os guardas prisionais, para darem uma queca na cela da cadeia.

Depois a coisa complica-se.

É um retrato do nosso interior, bem aqui ao lado

Para que é vou ler histórias de detectives camones, se o Paulo Moura me conta, em grande nível, a história sangrenta e boçal, dum assassinato nos Foros de Arrão?

Parte disto saiu no Público e o autor aumentou as histórias e a Fundação Francisco Manuel dos Santos, editou o book na colecção ''Retratos''em 2016.

Curiosamente, o Público em 2009, publicou a história integral deste crime passional, mas no jornal os nomes das personagens não são idênticos aos do livro, bem como a designação de alguns locais . No jornal a vítima chama-se Gil Mário e há outras mudanças.

Leiam o livro e podem descobrir como é o nosso verdadeiro Portugal, diferente daquele, que as gazetas, subsidiadas pelas edilidades, descrevem, resumindo-o a fogos estivais, festas pimbas  e  discursos caciquistas. É duro de roer, mas esse é o nosso verdadeiro país.  

mn

devida vénia: ao Paulo Moura (capa e texto transcrito)

 

 



publicado por porabrantes às 19:28 | link do post | comentar

Terça-feira, 02.03.10

 

Presta este blogue atrasadíssima homenagem a Abreu Lima que foi o autor dum Livro essencial para a História de Abrantes e que faleceu em 2009.

 

 

Entre as outras das suas actividades em prol da cultura abrantina destaque-se ''Pelas dimensões cabe aqui realçar que concebeu e montou em 1971 a grandiosa mostra «Pintura dos Mestres do Sardoal e de Abrantes», uma verdadeira retrospectiva sobre a arte pictórica portuguesa do século XVI, promovida pela Fundação Calouste Gulbenkian e Câmara Municipal de Abrantes.''

 

E falávamos de livros, foi co-autor de : Foral de Abrantes: Leitura dos Documentos Apensos, Bertrand, Lisboa, 1968 [orientação e edição literária e co-autoria com Maria do Carmo Jasmins Pereira];

 

edição fac-simile do Foral Manuelino de Abrantes, por  encomenda da CMA 

presidida pelo dr. Agostinho Baptista, para comemorar o  cinquentenário da 
elevação da Vila de Abrantes a Cidade.

 

 

 

Por curiosidade recorde-se que entre as actividades artísticas de Abreu Lima

esteve a construção da maquete da Cidade de Conacri que serviu para o Exército Português preparar  a Operação Mar Verde, que levou à invasão da antiga Guiné Conacri, sob comando de  de António de Spínola.

 

Foi a foto e estas notas ( as assinaladas a azul textualmente) retiradas

 

do blogue  Escavar em Ruínas de Jofre de Lima Monteiro Alves.  

 

Merece uma visita demorada e aí se poderá conhecer melhor Abreu Lima.

 

Por Abrantes



publicado por porabrantes às 19:36 | link do post | comentar

Domingo, 10.01.10

Morreu recentemente Monsenhor Carvalheira, o mais importante dignitário eclesiástico do Concelho, tanto pela sua trajectória pessoal, política e religiosa como pela sua vida dividida por Portugal, Moçambique e França e depois o Rossio ao Sul do Tejo, onde morreu.

 

Devemos-lhe uma justa homenagem, aqui prometida, mas para já chamamos a atenção para o seu perfil publicado na Nova Aliança e para os mais curiosos pelo divulgado pelo Gabinete de Imprensa da nossa Diocese. (ler aqui) 

 

As suas exéquias foram celebradas na Igreja do Rossio ao Sul do Tejo com enorme acompanhamento popular.

 

E no dia 31 de Dezembro morreu em Cascais o jornalista abrantino Eduardo O. Brito, com 94 anos, provavelmente o decano dos jornalistas portugueses.

 

 

 

Foto Entroncamento Online

 

Jornalista e ferroviário, apaixonado pelo cinema desde os longínquos anos 20, colaborador em quase todos os títulos históricos da Imprensa nacional, foi sobretudo no Diário Popular que se tornou célebre como o inventor dos ''  fenómenos do Entroncamento''.

 

O Entroncamento online faz uma sentida homenagem a Eduardo Brito, sobretudo numa crónica de  Manuel Fernandes Vicente, o homem do Público na região.

 

O senhor Brito publicara um livro ''Cá pelo pelo burgo'' em 2008, onde reunia as suas crónicas escritas no Jornal ''O Entroncamento'' que no dizer de Manuel Fernandes Vicente constituem a história do Entroncamento.

 

Brito colaborara também durante largos anos no Jornal de Abrantes, onde as suas crónicas cinematográficas e memorialísticas são um repositório indispensável para traçar a história do cinema e dos costumes em Abrantes, nas primeiras décadas do século. 

 

Gozando duma memória prodigiosa, o Senhor Brito devia ter sido alvo duma série de entrevistas a reunir em Livro que constituiriam uma achega importante para a memória da cidade.

 

Mesmo assim deve agradecer-se a Fernando Velez, então Chefe de Redacção do Jornal abrantino, o seu regresso ao convívio dos leitores abrantinos.

 

Marta Ramalho entrevistou-o para o Jornal da Esta em 2006.

 

Mas mesmo assim ainda o pudemos ler no Jornal de Abrantes depois disso.....

 

Com a sua morte, boa parte da memória da Velha Abrantes foi bater à porta de  São Pedro......

 

Por Abrantes      



publicado por porabrantes às 22:16 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 22.12.09

 

Prometemos e cumprimos. Dissemos que íamos falar da Poesia de Saldanha da Rocha.
Na alma de cada luso, mesmo que retornado jaz um poeta lírico,  capaz de lançar as suas efusões sentimentais numa edição de autor, com a secreta esperança de se vir a tornar num vate como Torga, Alegre, Pessoa ou Luís Vaz.
 
E na verdade somos um País de Poetas, homens cujo trabalho em prol da Língua e da Cultura, tornaram o português, um idioma universal e que além-Atlântico, onde o Pai da D.Lurian diz que não lê livros, porque lhe dão sono, a saga prosseguiu até encontrar em João Cabral de Melo Netto, um extraordinário herdeiro duma tradição que remonta pelo menos a El-Rei Dom Dinis.
 
Mas não é poeta quem faz versos que deviam ter ficado na gaveta. Eça que transformou o Português na língua que falamos hoje, não fazia versos a não ser a gozar....
 
Saramago, extraordinário prosador (apesar de ter sido excomungado pela Excelentíssima Senhora de Baptista Pereira), é um versejador medíocre.
 
Em comparação, Alegre é a demonstração que um político pode escrever grande poesia.
 
No entanto,  o dr. Agostinho Neto, autor da Sagrada Esperança, coitado não passa de um pobre diabo no que à poesia respeita.
 
Dizer isto já custou a um crítico literário ser fulminado pelos media angolanos, todos obedientes ao patrão, ou seja ao eng. José Eduardo. Dos Santos por causa das moscas tropicais.
 
O Povo é sensato em matéria de poesia e por isso não come gato por lebre. Por isso repousa nos armazéns municipais a obra poética de Nelson Carvalho, Prémio Botto, porque ninguém a compra, apesar de estar a preço módico e do PS ter largos milhares de votos no Concelho.
  IMAGEM DE MAÇÃO PARA TODOS. SALDANHA NEM SEQUER POUPA AS AVÓS DOS CANDIDATOS DA OPOSIÇÃO....
(HISTÓRIA PARA CONTAR OUTRO DIA)
  
Saldanha da Rocha, o inventor da política rupestre, (graças ao patrocínio do divulgador da arte hitleriana Luís Oosterbeck) encontrou um remédio para obrigar os ordeiros habitantes do Mação a lerem o que escreve:
 
‘’José Manuel Saldanha Rocha não é vaidoso, mas tem orgulho na sua terra e no seu trabalho, que diz ser influenciado pela poesia. No dia da mulher fez um poema que inseriu em 1500 flores de papel distribuídas às munícipes do concelho. Mas faz questão de recusar qualquer intenção de caçar votos porque, como diz, “não sou político, apenas faço política autárquica”.    –contou o ‘’Mirante’’ quando traçou o seu carismático perfil......
 
Estão a imaginar quando Manuel Alegre for Presidente da República mandar distribuir 5 milhões de flores de papel às mulheres portuguesas com versos seus?
 
Acham que o vate de Coimbra era capaz de assinar uma saldanhada rupestre destas ?
 

POR ABRANTES  



publicado por porabrantes às 22:40 | link do post | comentar

Segunda-feira, 30.11.09

 

O Snr. Traquina teve a ajuda de um nutrido grupo de ex-combatentes para editar o seu livro de memórias sobre a guerra na Guiné.

 

 

No blogue LUIS GRAÇA & CAMARADAS DA GUINÉ ESTÁ A LISTA DOS MECENAS E UMA INTERESSANTE NOTA DE LEITURA SOBRE O LIVRO.

 

Eis a lista dos que ajudaram a publicar o livro:  

 

i'') Ex-Sol João Bento Cosme, sócio gerente da empres Construções e Habitações Lda, com 'sede em Vimeiro, Lourinhã (Telemóvel: 962 715 464);

(ii) Ex-Alf Mil At Inf Luís M. Simão Almeida, hoje advogado, em Lisboa (Telefone: 213 555 996);

(iii) Ex-Fur Mil At Inf Cipriano Augusto S. Monteiro, hoje gerente da Contassis – Contabilidade e Assistência Fiscal, Lda, com sede em Lisboa (Telefone: 213 511 510);

(iv) Ex-1º Cabo Trnms José Manuel de Oliveira Madeiras, sócio-gerente da Estrela da Beira – Sociedade de Comércio e Transformação de Carnes Lda, com sede em Milreu, Vila de Rei. (Telemóvel: 919 980 325);

(v) Ex-1º Cabo Radiotelegrafista António Joaquim Coelho, gerente da AJC – Serrelharia Civil, de Fernão Ferro, Seixal (Telefone: 21 124 047);

(vi) Ex-1º Cabo Mec Auto Rodas Manuel Fernando O. Magalhães., gerente da Auto Magalhães, de Jovim, Gondomar;

Teve ainda o patrocínio da Pensão Primavera, de Vidago (965 479 816); da Quinta do Lago, Alferrarede, Abrantes; e da firma Eusébio Catarino e Filho, Lda, Vale de Vacas, Amêndoa (Tel. 274 877 177).

Na prática, foi uma edição de autor, com o apoio financeiro de vários camaradas da Guiné. Trata-se de uma iniciativa que é digna de registo e merece o nosso aplauso.''

( O Texto é catrapiscado do dito blogue).

 

E nós também dizemos: OBRIGADO

 

por abrantes

 



publicado por porabrantes às 22:12 | link do post | comentar

Domingo, 29.11.09

 

 

 

A D.Alice Brito com as suas alunas nos anos 30. Foto inserida no livro do Sr.Traquina sobre a História do Souto.

 

Agradecemos naturalmente ao Snr.Traquina ter resgatado para nós as fotos duma escola rural abrantina nos anos 30.

 

Só quem não sabe o trabalho que dá fazer um trabalho destes, é que critica de forma boçal e invejosa.

 

POR ABRANTES

 



publicado por porabrantes às 21:24 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

O Breviário das Freiras d...

Biblioteca Gastronómica d...

O livro do Dr.Anacleto do...

Nova obra de Júlia Navarr...

Crime passional nos Foros...

João Paulo Abreu Lima

Necrologia (2)

A Lírica Municipal

MECENAS DO SOUTO

D. Alice Brito e os seus ...

arquivos

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carlos marques

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

crime

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Fevereiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds