Sábado, 20.08.16

Encontrámos o Firmino da Bemposta, autor disto, que foi reproduzido a partir da obra, ''Luuanda há 50 anos'', da autoria de Francisco Topa :

 

19207306_aaoTT.png

O Firmino destacava-se ao lado do ex-reviralhista Azeredo Perdigão a condenar  o merecido prémio dado a Luandino Vieira pela sua obra-prima Luuanda. O escritor estava no Tarrafal reaberto pelo distinto democrata orgânico Adriano Moreira  

 

auz5254.jpg

imagem desviada ao blogue ''do Porto e não só'''

 três democratas orgânicos: o Caetano, o Azeredo e o Pai Tomás

eis mais um pormenor da biografia do Firmino

legionário firmino.png

 Ficamos a saber que os valorosos Legionários abrantinos se reuniam no

RI2.jpg

e se dedicavam a fazer exercícios no Castelo de Bode para proteger a barragem, inaugurada em 1951, contra um possível atentado islâmico-bolchevista.

 

A convocatória ao fascista Firmino diz que ele deve ser portador de ''talher''....

 

Uma dúvida me aterroriza, era um exercício militar ou uma patuscada o que iam fazer ao Castelo de Bode os legionários?

 

Qual era a profissão do Firmino?

 

Diz-me um passarinho que talvez fosse ferroviário. 

firmino cp.png

 Boletim CP 1929

 

ma



publicado por porabrantes às 13:59 | link do post | comentar

Sexta-feira, 17.06.16

luandino.jpg

Em 1965, Luandino Vieira arrebatava o  Grande Prémio de Novela da SPE (Sociedade Portuguesa de Escritores). Estava no Tarrafal, campo da morte reaberto pelo fascista e PMI (Pequeno e Médio Intelectual) Adriano Moreira,  desde 1961,  condenado a 14 anos de cadeia por ser oposicionista.

A horda fascista começou a uivar, assaltaram à moda dos nazis a SPN, as forças vivas (a sociedade civil) da metrópole e ilhas adjacentes e colónias desatou a apoiar o Doutor Salazar, a Santa Madre Igreja participou no linchamento do escritor e do júri, com inédito furor cristão, e assim por diante.

A Pide multiplicou as prisões, entre elas a do quase abrantino ALFREDO JORGE DE MACEDO BOBELA  DA MOTTA,

 

Quem foram os canalhas cá da terra, mais dos  concelhos vizinhos que incensaram a decisão de liquidar a SPN e de perseguir um escritor?

Tenho alguns nomes, provavelmente arraia miúda. O fascista Firmino mandou um telegrama ao Ministro do Interior espumando de indignação

fascista firmino.png

No Sardoal, outro bravo que não resistiu

'' «Indignação geral da vila de Sardoal pela traição da Sociedade de Escritores. Exige-se castigo dos traidores. a) Arménio Monteiro.»'' . Este mandou 3 telegramas.

No pinhal, os mestre-escola fizeram o mesmo designadamente em ''Proença-a-Nova, da Sertã e de Vila de Rei''. 

Mas, mais vergonhosa que esta atitude, foi a do Presidente da Fundação Gulbenkian, o ex-oposicionista liberal Azeredo Perdigão, que se portou como um cobarde, agindo assim para proteger o tacho vitalício.

azeredo.png

 

Encontro entre os telegramas, nomes de sonoros ''intelectuais''  que enchiam a pança em Luanda e que depois, cá na Metrópole, ocuparam cargos políticos e mandarinatos intelectuais após a descolonização.

Estou a ver o nome dum mulato cabo-verdiano, que de chefe de posto chegou a catedrático em Lisboa, seguindo a Escola colonialista do Moreira e que vi, a última vez, disfarçado de branco, na campanha do Freitas.

As citações  e o essencial da informação são retiradas desta tese:

 

luanda.png

que convém ler para saber o que foi a pouca-vergonha e o linchamento e como se portou o Azeredo Perdigão. Do Conselho de Administração da F.Gulbenkian fazia parte o Ferrer Correia, que não se demitiu, depois desta palhaçada do ex-liberal Perdigão.  

 

Na obra citada há bastantes  referências a Alfredo Bobela da Motta,  certamente comunizante e membro do MPLA.

O Pai dele era este

augusto bobela da mota.jpg

Augusto Bobela da Mota, fidalgo dos Telheiros, Governador Geral da Índia, oficial da Armada, e abrantino.

O filho, importante escritor angolano lá passou um calvário na PIDE-DGS.

ma

PS-Ouvi um idoso bramar pela rádio oficiosa contra os blogues por promoverem a atribuição duma medalha ao Dr.Eurico Consciência. Acontece que o Autor dessa proposta foi o Sr.Dr. José Amaral, Ilustre Advogado desta terra, em carta entregue por ele na Secretaria da Câmara, reproduzida em vários fóruns e que naturalmente a imprensa vendida foi incapaz de reproduzir. Foi publicada no face, no Médio-Tejo Digital,  e em vários blogues.

 

 



publicado por porabrantes às 18:04 | link do post | comentar

Sábado, 19.07.14

O livro da Senhora Drª  Isabel Moreira, filha do Senhor Professor Doutor Adriano Moreira ( o restaurador do Tarrafal)  é muito curioso

 

 

 

 

 

 

 

O estimado e brilhante escritor Luandino Vieira sustentou que a Pátria dele era Angola e os amigos do Senhor Professor Moreira meteram-no no Tarrafal, por ter escolhido a mesma pátria que escolhera o escritor abrantino Bobela da Mota, fundador do MPLA

 

 

Não sei qual é a pátria da Dona Isabel Moreira, mas sei qual era a pátria do pai dela.

 

A de Hitler era o III Reich, a do Professor Moreira era o Quinto Império, dizia o Agostinho da Silva ao Rev.P. Joaquim António de Aguiar....

 

 

Quanto a crítica literária remetemos para aqui  , só uma discordância com o António Araújo, desde quando é que o Moreira é da alta-burguesia lisboeta?

 

Se sustentarmos isso, também teremos de sustentar que o rural de Santa Comba, o Manholas, também era da mesma classe social.

 

Ora bem há que reler o velho Marx, para ter uma visão científica, popular e de ma$$as das classes sociais.

 

a redacção,



publicado por porabrantes às 22:59 | link do post | comentar

Quarta-feira, 14.12.11

 Associação Cabo-Verdiana de Ex-Presos Políticos (ACEP) considerou hoje um «insulto» o doutoramento «Honoris Causa» que a Universidade do Mindelo (UM) outorga sábado a Adriano Moreira, sustentando com o «passado repressivo» do antigo ministro do Ultramar português.

«É um insulto porque foi ministro do Ultramar e foi sob a sua liderança que o campo de concentração do Tarrafal foi reaberto (Junho de 1961). Também foi nesse período em que a PIDE foi trazida para Cabo Verde», disse à Lusa o presidente da ACEP, Pedro Martins, ele próprio preso político de então (1970/74).

Pedro Martins refutou a ideia de que, 37 anos depois, as feridas ainda não tenham sarado, alegando tratar-se de uma «questão de memória e de coerência» para com uma sociedade, a cabo-verdiana, que as tem e que não se despersonalizou.
Adriano Moreira
«O problema é a coerência. [Adriano Moreira] foi um dos chefes máximos do sistema, sobretudo em relação às antigas colónias portuguesas, que levou muita gente para a prisão, para a tortura. Foi sob a sua égide que a PIDE foi aqui instalada. É História e é memória que todos os povos têm direito a preservar», sustentou.

«Estupefacto»

O agora arquitecto, que publicou em 1995 o livro «Testemunhos de um Combatente», disse ter ficado «totalmente estupefacto» com a decisão da Universidade do Mindelo, anunciada a 22 de Novembro último, em que participarão outros ex-combatentes e ex-presos, bem como o primeiro-ministro José Maria Neves.

«Fiquei totalmente estupefacto, porque devemos pensar qual é a mensagem que vamos passar à juventude cabo-verdiana e também aos outros povos que lutaram pela independência em África e tiveram de sacrificar-se. O direito de memória de um povo é sagrado e deve ser respeitado», defendeu.

«Pessoalmente, nada tenho contra ele. Mas quando uma autoridade responsável por tantas atrocidades, parece-me incongruente e contra tudo aquilo que lutamos para por fim ao regime colonial fascista», acrescentou, insistindo na ideia de insulto.

«É um insulto à atitude dos povos que lutaram pela independência. Como vamos homenagear alguém que foi chefe e responsável por uma máquina que tanto mal fez contra os nacionalistas cabo-verdianos, contra o sentimento de independência também de Angola, Guiné e Moçambique", sustentou Pedro Martins.

O arquitecto defendeu ainda que foi sob as ordens de Adriano Moreira que «muitos professores e alunos» foram presos e postos em campos de concentração «sem julgamento e sem dia para sair em liberdade».

O reitor da UM já desvalorizou a polémica, alegando que não vai comentar as palavras de Pedro Martins, reiterando a distinção a Adriano Moreira «pelo mérito ao cume do prestígio científico, em diversos países, sobretudo nos de língua portuguesa».

Adriano Moreira, retirado das lides políticas desde 1995, nasceu em 1922 em Portugal, é jurista e professor universitário e foi figura destacada do Estado Novo no âmbito da política colonial. Foi ministro do Ultramar, fundou e dirigiu institutos de estudos africanos e presidiu à Sociedade de Geografia de Lisboa, entre outros cargos.

Depois do 25 de Abril de 1974, tornou-se uma das personalidades de referência do Centro Democrático Social e escreveu várias obras, entre as quais «O Novíssimo Príncipe», «Comunidades dos Países de Língua Portuguesa» e «Saneamento Nacional».

 

TVI

 

 

Adriano Moreira foi no palco abrantino advogado da família Marques Godinho num processo por homicídio involuntário contra o General Santos Costa, devido à morte sob prisão do General abrantino Marques Godinho.

 

Vários membros dessa família exprimiram várias vezes críticas a Adriano Moreira.

 

Na sequência desse processo Moreira foi encarcerado pela PIDE no Aljube onde estava também Mário Soares.

 

A viúva do General, D. Palmira Marques Godinho foi presa também e pelo menos um dos filhos, o Dr. Alfredo Godinho.

 

É uma assunto de que falaremos com vagar, quando chegar a altura.

 

E sabem que apareceu a organizar os livros da Biblioteca Adriano Moreira em Bragança,?

 

Armando Fernandes!!!!

 

 

 Adriano Moreira - Biblioteca em Bragança               

 Adriano Moreira - Biblioteca em Bragança
Coordenação Armando Fernandes
Editora: Câmara Municipal de Bragança | Ano: 2010
ISBN: 9789898344076
Disponibilidade: 24h

 

 

Isto é o Fernandes participa na homenagem em vida ao salta-pocinhas que passou da Esquerda anti-fascista para ser  Ministro de Salazar!!!!!

 

 

Tá bem !!!

 

Anotamos a devoção pelo tipo que deixou enquanto Ministro  ir a Pide para Cabo-Verde e de novo enquanto Ministro deixou reabrir o Tarrafal!!!!!

 

 

Aqui Marcelo Rebelo de Sousa faz um retrato parcial mas sagaz, como sempre, do homem que achava que Marcello Caetano queria entregar as colónias....: (...)Adriano Moreira – a esperança do Regime no Governo e após ele, até à chegada de Marcello Caetano – é, nos tempos seguintes, um dos mais contundentes adversários da política ultramarina tida por «cedencionista» do Chefe do Governo.  (...) 

 

 

Encontra-se sempre o Fernandes no sítio exacto. Aqui arrumando a livralhada do frustrado candidato a sucessor de Salazar....

 

No Tarrafal reaberto com Moreira apodreciam entre outros, o grande escritor Luandino Vieira

 


 

 

Decididamente o Fernandes é um homem de letras......

 

Suponho que não é preciso dizer que a malta está solidária com as críticas ao doutoramento ''honoris causa'' do Moreira.....

 

Miguel Abrantes



publicado por porabrantes às 15:03 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

O legionário Firmino no C...

Azeredo Perdigão perde a ...

A pátria de Bobela da Mot...

Honoris Causa» de Adriano...

arquivos

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pico

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

república

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

são domingos

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10

19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds