Domingo, 02.09.18

 

O Pravda Ilhéu, que é a Bíblia para saber o que se passa no sultanato jardinista da Madeira, denuncia que são falsas as acusações da Hierarquia contra o P.  Anastácio Alves.

 

O mesmo tipo de acusações teria sido montado contra o Padre Edgar, que foi candidato a Presidente pelo PCP e outros sacerdotes que denunciaram o conúbio da Igreja madeirense com o jardinismo.

 

Transcreve-se parte do artigo do Pravda Ilhéu :

 

 

 

 

Bispo do Funchal aliado ao Alberto João e ao PSD de Albuquerque, tramam o Padre Anastácio Alves

 

Dom António Carrilho bispo do Funchal aliado ao PSD reacionário do Alberto João levantam uma grave calúnia para tramar o padre Anastácio Alves. (...)

 Fizeram o mesmo estratagema que  tentaram montar para o padre Edgar Silva no ano de 1999/2000. (...)

edgar_12

 DN Madeira

 

mn

 

ps -O Bispo Cavaco Carrilho é primo do ex-Presidente

cavco 2

Alberto João, Relatório de Combate 



publicado por porabrantes às 09:44 | link do post | comentar

Quinta-feira, 15.03.18

Versos%20da%20FLAMA_0001.jpg

 Flama


tags:

publicado por porabrantes às 22:01 | link do post | comentar

Domingo, 11.06.17

funchal.png

Não resistimos a transcrever este artigo de António Fontes no jornal madeirense e dizer que a quem licenciou a torre do Carrilho estas palavras deviam ser aplicadas...

 

A bela e o monstro

11 Jun 2017 / 02:00 H.
 

''1. A fotografia dispensa comentários. Mas não dispensa. Quem licenciou a construção deste hotelzinho do Grupo AFA – chame-se Miguel Albuquerque ou Paulo Cafofo ou o raio que parta – devia estar preso. Os nefastos efeitos paisagísticos e ambientais são mais que evidentes – os económicos e sociais hão-de chegar titulado numa factura para os nossos filhos e netos. O empresário Avelino Farinha – quem é que lhe terá emprestado o dinheiro para fazer este monstro de 80, 90, 100, 110 ou 120 milhões? – tomou a saque a Madeira como se fosse o seu quintal. E é mesmo. Ele está habituado a negociar com “pretos” – portanto, negociar com brancos burros é canja.

2. Mas não há monstro sem bela – e a bela é esta: o que fizeram os vizinhos donos do Rengency Hotel (?), Reids Hotel, Pestana Carlton Hotel e Pestana Casino Park Hotel soberbamente desenhado pelo arquiteto brasileiro Óscar Niemeyer? Como? Pois – agora aguentem com a pastilha. Ou será que existem compensações criminosas no acesso ao mar? O crime compensa.

3. Mais. Que fizeram os madeirenses – partidos políticos e cidadão munícipes do Funchal – para travar este abuso do domínio público ambiental da cidade? Vão fazer um cordão umbilical à volta do monstro para o deitar ao mar? Enforquem-se com e bela que os pariu a todos - mim incluído.''

 
 
 
 
 
 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


publicado por porabrantes às 13:31 | link do post | comentar

Sábado, 13.08.16

É CASO PARA DIZER:

Enquanto o Funchal Ardia
Albuquerque Tocava Piano…


Arnaldo Matos

 

A História fala-nos no grande incêndio de Roma, que ocorreu na noite de 18 de Julho do ano 64 depois de Cristo, e algumas fontes atestam-nos mesmo que, enquanto o fogo consumia aquela que mais tarde ficaria conhecida como a Cidade Eterna, Nero contemplava o espectáculo tocando a sua lira…

O que ninguém acreditaria seria que 1952 anos depois, na noite de 8 de Agosto do ano 2016, a cidade do Funchal arderia, e o megalómano Miguel de Albuquerque, presidente do governo regional da Madeira, no meio do oceano Atlântico, tocava piano, enquanto contemplava o vale de lágrimas em que transformara o anfiteatro da capital do arquipélago.

Miguel teve uma primeira carreira como tocador de piano nas salas de baile dos hotéis da Madeira; teve uma segunda carreira como presidente da Câmara Municipal do Funchal; e estava agora no começo da terceira carreira, como presidente do governo regional do arquipélago.

Megalómano como é, Miguel de Albuquerque aproveitou a ameaça do incêndio que se adensava sobre a cidade, para convocar os órgãos de comunicação social da ilha e aí fazer render a sua conhecida megalomania.

E ali garantiu, erga omnes (perante todos), urbi et orbi (à cidade e ao mundo), às quatro horas da tarde, que o incêndio estava contido, sob controlo, e que todos podiam ir para casa, já não direi tocar piano como ele, mas ao menos descansar, que o nosso Nero local vigiaria por todos.

A primeira observação perante as palavras do megalómano pianista é esta: se um incêndio, digno de Nero, ameaçava o Funchal, mas estava totalmente controlado, podendo os funchalenses descansar em sossego, por que não foi o presidente da Câmara Municipal do Funchal, o Dr. Paulo Cafôfo, que efectivamente é o primeiro e único responsável político pelas ocorrências da cidade, a dirigir-se à população, através dos órgãos de comunicação social, e a sossegá-la perante ameaças tão aterradoras?

De onde vem ao presidente do governo regional, o megalómano pianista Miguel Albuquerque, poderes para substituir-se ao presidente da Câmara democraticamente eleito? E de onde vem ao nosso Nero atlântico as atribuições para rejeitar o auxílio oferecido pelo governo central da República e pelo governo regional dos Açores a uma Câmara Municipal da ilha, sem ouvir previamente o presidente camarário?

Afinal, quem manda e quem é responsável pela cidade e município do Funchal: Cafôfo ou Albuquerque? O professor ou o megalómano pianista das noites da Madeira?

Cafôfo não tem partido; o pianista é do PSD; Cafôfo foi eleito pelos cidadãos do Funchal, à frente de uma coligação democrática; o pianista foi eleito para o governo regional, por uma diferença de três votos, registados numa segunda e atribulada contagem, pela lista reaccionária e cripto-fascista do PSD.

Albuquerque quis aproveitar a oportunidade de uma tragédia eminente para brilhar e garantir segurança aos funchalenses. Espetou-se em todo o comprimento.

Uma hora depois de o pianista de hotéis ter rejeitado o auxílio do governo central e do governo regional açoriano e garantido, em nome da sua prosápia de inconsciente imbecil, que o Funchal não corria nem risco nem perigo, um incêndio dantesco tomara já conta da cidade e anfiteatro do Funchal, matara já quatro pessoas e incendiava mais de 300 habitações. Arderam casas, andares, prédios, fábricas, palheiros, chiqueiros e até hotéis inteiros, diante dos olhos de um povo incrédulo, que alguns momentos antes tinha acreditado na segurança prometida por um megalómano pianista de casinos, habituado a jogar à roleta com a vida e os bens dos outros.

Mentindo descaradamente sobre questões de segurança dos cidadãos, da qual aliás não percebe nada, Albuquerque desacreditou-se e desacreditou a Região.

Os turistas, alojados em hotéis esgotados, foram obrigados a deixar a Madeira, a cancelar as respectivas estadas de férias e a procurarem férias noutros destinos. É a ruína de toda a poderosa indústria turística madeirense.

Serão necessários mais de mil milhões de euros para recuperar a cidade do Funchal e o seu anfiteatro e fazer face aos prejuízos causados, a qual cidade nunca mais será igual ao que fora.

O meu amigo Doutor Raimundo Quintal, com quem e em companhia de muitos, andamos a plantar ervas e árvores nas serras interiores da ilha, a mais de 1 600 metros de altitude, como quem planta cabelos com uma sovela na cabeça de um careca, expressão do poeta Teixeira de Pascoaes, - enquanto eu ainda chorava pela destruição da minha cidade, mandou-me, para consolo e por amizade, este pequeno escrito, às três horas da madrugada da noite funesta:

“Eu e muitas centenas de funchalenses refugiámo-nos às 19 horas de ontem à beira-mar.

Pouco mais nos restou do que usar a mesma estratégia de Zarco e seus companheiros para não sermos apanhados pelo fogo tenebroso.

Quase seis séculos após o início do povoamento da Ilha da Madeira, continuamos pequeninos perante os elementos da natureza.”

Nas suas palavras, Raimundo Quintal ecoava um acontecimento descrito no Segundo Livro, das Saudades da Terra, do escritor seiscentista Gaspar Frutuoso, sobre o incêndio da Baía do Funchal pelos nautas de Gonçalves Zarco, e que reza assim:

“Daqui acordou o capitão, vendo que não se podia com trabalho dos homens desfazer tanto arvoredo, que estava nesta ilha des o começo do mundo ou da feitura dela, e para o consumir, para se lavrarem as terras e aproveitar-se delas, era necessário pôr-lhes fogo. E, como quer que com o muito arvoredo, pela muita antiguidade, estava dele derribado pelo chão e outro seco em pé, apegou fogo, de maneira neste vale do Funchal que era tão bravo que, quando ventava de sobre a terra, não se podia sofrer o abano e quentura dela, e muitas vezes se acolhia a gente aos ilhéus e aos navios até o tempo se mudar.”

Quintal, que é um lutador indómito, desta vez deixou-se dominar pelo sentimento, quando se viu forçado a confessar que “continuamos pequeninos perante os elementos da natureza.”

Mas aqui é que Raimundo Quintal se engana, quando decide convocar a nossa pequenez perante o fogo.

Refugiar-se à beira-mar, nos ilhéus e nos navios, como ensinou Zarco há seiscentos anos, é a resposta sábia de um grande capitão aos impetuosos elementos da natureza. Nenhum dos homens de Zarco morreu com o incêndio incontrolável, propositadamente ateado ao vale do Funchal.

Mas agora tudo foi diferente: não tinham um capitão, mas um reles pianista a brincar com o fogo, a garantir à população que não corria riscos nem perigos, que poderia estar descansada em frente da televisão, que ele, Albuquerque, velaria por todos, quando a população, olhando pela janela, via que o Funchal já estava a arder.

Quem, senão o megalómano Albuquerque, é responsável pela morte dos quatro desgraçados velhos que se deixaram ficar em casa, seguindo os conselhos do pianista?

Quem, senão o megalómano Albuquerque, é responsável pela verba de mil milhões de euros que será necessária para cobrir os prejuízos?

Quem, senão o megalómano Albuquerque, é responsável pelo crime de rejeitar o auxílio de Lisboa e dos Açores?

Mas há mais!

O incêndio incontrolável desencadeado pelos homens de Zarco foi-o num vale do Funchal coberto de árvores, muitas delas secas, que até existiam “des o começo do mundo e da ilha”. Mas este incêndio último liquidou o vale do Funchal quando ele já quase não tem árvores mas apenas construções caóticas, numa urbanização caótica, onde nem os bombeiros conseguem circular ou aceder.

O que os patos-bravos fizeram da cidade e anfiteatro do Funchal, em quase quarenta anos de jardinismo no governo regional e mais de vinte anos do pianista à frente da Câmara é que tornaram a minha bela cidade num paiol de incêndios e de explosivos.

As construções e o urbanismo dos patos-bravos de hoje ardem mais e melhor que a floresta da Laurissilva encontrada por Zarco e os seus homens, na Baía do Funchal.

Assim, resta juntar-me aos meus companheiros de jornada e voltar a plantar ervas, árvores e arbustos! A canalha jardinista e albuquerquista destruiu a minha cidade. Eu vou-me vingar. E por muitos meios…

11.08.2016

 

no Luta Popular, onde escreve o Lider Proletário



publicado por porabrantes às 17:57 | link do post | comentar

Quinta-feira, 11.08.16

senhora dos matos.png

Transcreve-se com a devida vénia este post do sr. Manuel Grilo, ex-Presidente da Junta das Mouriscas, acho que independente eleito pela CDU.

Um grande autarca.

A estupefacção demonstrada pelo Autor, é também a nossa.

Era 29 de Julho de 2016.

O concelho está assim. Há espaços públicos emblemáticos e não só, assim. Neste caso ao lado dum monumento que já devia estar classificado. Dizem-nos que a cacique vai (ou foi) a Timor ''consolidar a democracia''. Era melhor ter ajudado a Junta das Mouriscas a cortar as ervas. A democracia por consolidar de Timor deu 2 milhões de euros para ajudar as vítimas dos incêndios em Portugal. A turista que foi consolidar Timor e a sua autarquia apresentou queixa-crime contra um jornal dos bombeiros por um número especial dum jornal que denunciava a situação bombeiral nesta terra. O MP mandou arquivar. A reverente Oposição não pediu contas. A sociedade incivil fez bicha para aplaudir o caciquismo.

A cacique explicará aos timorenses que o MP é independente neste país de Abril, para desventura dos caciques. Ignora-se se pedirá umas massas para as vítimas dos incêndios abrantinos. Entretanto o laranjal pode ver o cheiro a esturro deixado pelo ''ordenamento urbano'' de várias décadas de caciquismo na Madeira.

ma



publicado por porabrantes às 10:26 | link do post | comentar

Segunda-feira, 20.07.15

blogue.png

Gente no último expresso

 

está a gente lélé da cuca?

 

para incomodar o benfeitor que vem de Angola cortar o cabelo à Amadora?

 

por indignar-se pelo Albuquerque ter dívidas declaradas de 100.000 €?

 

como se chamava a cacique que pediu um empréstimo de 400.000 € para comprar uma casa ao pé dum colégio de freiras?

 

são tudo rosas, senhor Albuquerque

 

ma 

 



publicado por porabrantes às 23:35 | link do post | comentar

Segunda-feira, 30.03.15

céu candidata.jpg

Pelos vistos o secretariado nacional, de que a senhora faz parte não conseguiu mobilizar a  Madeira, onde teve uma estrondosa derrota, apesar do  Carlos César andar por lá a desfilar pensando que aquilo era Ponta Delgada.

 

Das derrotas tiram-se as consequências, aguarda o blogue a demissão do António Costa e da Senhora Albuquerque e do resto da tralha socrática.

 

a redacção


tags: ,

publicado por porabrantes às 12:53 | link do post | comentar

Domingo, 29.03.15

jpp.jpghttp://juntospelopovo.blogspot.pt/


tags:

publicado por porabrantes às 23:03 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Dia do Senhor: Ajuste de ...

Poesia dos amigos do Albe...

A bela e o monstro

Enquanto o Funchal Ardia,...

Cheiro a esturro

As dívidas do cacique Alb...

Que se demita a tralha so...

Bofetada insular na parti...

arquivos

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Dezembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds