Sábado, 19.03.16

2016-03-16-capa_abertura_T-_IDP.jpg

O Expresso faz uma crítica rasgadamente elogiosa deste livro do nosso querido amigo Miguel Tamen, um dos donos da Casa da Omnia.

 

A crítica deste prodígio de erudição é assinada pelo Pedro Mexia, que o Marcelo nomeou Conselheiro de Estado.

 

O Miguel assinou a petição para Salvar São Domingos dos ataques bárbaros e soezes de Carrilho da Graça e da CMA (Nelson & Céu, LDA).

 

Leiam-no.

 

Absterem-se caciques analfabetizadas, seminaristas rústicos & tropa fandanga.

ma 



publicado por porabrantes às 15:57 | link do post | comentar

Quarta-feira, 16.06.10

Miguel Tamen

Miguel Tamen

 

Ensina no Programa em Teoria da Literatura e no Departamento de Literaturas Românicas da Universidade de Lisboa e é regularmente professor visitante na University of Chicago. Interessa-se ao mesmo tempo por filosofia e por literatura. Escreveu, entre outros, os livros The Matter of the Facts(2000), Friends of Interpretable Objects (2001), traduzido como Amigos de Objectos Interpretáveis, e Artigos Portugueses (2002).

 

 

Que livro do Miguel recomendamos à Chefa? Qual foi o último livro que ela leu? É que estar a recomendar :“Friends of Interpretable Objects'' (2001) dá-lhe de uma dor cabeça terrível por não estar em pegacho, apesar do Miguel ter uma quinta perto do Pego. Gente fina é outra coisa!!!!

 

A Chefa diz que lê books dum Peixoto que é um chato maníaco-depressivo

 

Esta entrevista do Miguel explica muita coisa:

Antero Barbosa
"Século de Ouro - Antologia Crítica da Poesia Portuguesa do Século XX" é uma obra notável, construída por várias dezenas de ensaios altamente válidos, alguns dos quais de nível elevadíssimo. Ainda assim, atrever-me-ia a considerar o breve ensaio de Miguel Tamen, o seu, em cima do "Soneto já Antigo" de Álvaro de Campos, como o melhor de todos.

Um dos aspectos que me leva a considerar o ensaio referido como o considero, assenta numa asserção que vem já de Eduardo Lourenço e do seu "Canto do Signo" de 1993: "da criação como crítica à crítica como ficção". Concorda que o seu ensaio espelha esta última faceta?

Miguel Tamen
Não. O meu ensaio não tem nada a ver com ficção. É simplesmente a verdade sobre o soneto de Álvaro de Campos.

AB
Ainda Eduardo Lourenço e o livro mencionado. Num dos seus mais famosos capítulos, é acentuada a influência do heterónimo de Pessoa que vimos tratando, de que até o próprio título é sintoma: "Uma Literatura Desenvolta ou os Filhos de Álvaro de Campos".
Todavia, verifica-se, com surpresa, que os "filhos de Álvaro de Campos" apontados são todos prosadores, ao contrário do poeta que os influenciou: Bessa-Luís, Almeida Faria, Cardoso Pires, Abelaira, etc. A excepção é Herberto Hélder. Não acha haver aqui uma prosaica contradição?

MT
Não necessariamente. Os autores que Eduardo Lourenço cita são todos adultos (aliás de interesse variável). Os estragos que Álvaro de Campos causou situam-se numa idade anterior. Álvaro de Campos foi um poeta em quem (como aliás Herberto Helder) aspirantes a poetas se tenderam a revir e de quem aqueles que se tornaram poetas muitas vezes explicitamente se arrependem.

AB
Herberto Hélder que não será seguramente o mais comprovado discípulo de Campos. Outros há muito mais nítidos. Ruy Belo, por exemplo. E Nuno Júdice, que o confessa em "A Viagem das Palavras", livro publicado em 2005, sendo o ensaio de 2002.
Mas é possível acrescentar que a poesia portuguesa da segunda metade do século XX, uma das suas principais vertentes, os poetas de "Poesia 61", aborda aspectos desencontrados de Álvaro de Campos ou, mais do que isso, que estão apostados em explorar a outra margem, outras margens, de costas voltadas para ele.
O que nos levaria a uma certa negação da filiação da poesia portuguesa da segunda metade do século XX em Álvaro de Campos. Não lhe parece?

MT
Sim. Com excepções que importaria ressalvar e perceber, a ideia de que poetas sérios não escrevem como Álvaro de Campos é constitutiva da poesia portuguesa da segunda metade do século XX. Infelizmente, como aliás mostra bem a chamada Poesia 61, ter ideias sobre poesia não é suficiente para escrever versos de jeito e muitas vezes é o que impede que tal aconteça.

AB
Voltando ao seu ensaio sobre "Soneto já Antigo". Não deixa de ser uma ousadia seleccionar um soneto, modelo clássico, para abordar o épico dos grandes poemas à Whitman, Álvaro de Campos. Ou não será?

MT
Não. Não sou um admirador de Álvaro de Campos. Dito isto, o "Soneto já antigo" é o maior poema em português do século XX.  Não me interessa o Alvaro de Campos dos poemas longos e das apóstrofes pai, até Herberto Helder, de uma forma particular de indulgência poética que, depois das três miraculosas excepções do fim do século XIX (e de Pessoa) a fez permanecer obstinadamente menor. Interessa-me a sua prosa e alguns poemas curtos.

AB
Mas a ousadia está mesmo no ensaio. Para além de ser "crítica como ficção", há decerto uma superação deste modelo. Renegando moldes tradicionais, tais como o recurso a teorias literárias, a citações, ao abstraccionismo seco e maçador. E com o recurso a tópicos inovadores.
Dos quais mencionarei a dialética de uma elaboração que recorre de forma subtil ao passado e ao futuro. O recurso a talentos que se confundem com características do autor tratado: a ironia e o humor. E, inclusivamente, de um modo teatral, o facto de se integrar no interior da obra e confundir-se, na qualidade de destinatário, com uma das suas personagens, Daisy, presumivelmente feminina.
Que comentário lhe merece o meu?

MT
É muito simpático o que diz, mas não há qualquer ousadia no meu ensaio. Escrevi-o por impaciência para com as coisas que se escrevem sobre poesia, meio crónica social, meio pata-filosofia. A grande dificuldade do soneto de Álvaro de Campos é a apóstrofe "Olha Daisy". Perceber umas apóstrofe é o maior, e talvez o único, problema para quem lê poesia. Como é que se pode justificar o acesso a uma coisa que não foi feita para nós, e à vaidade que imagina que estamos a ser directamente chamados? O meu ensaio é só sobre isso. Mas é um ensaio imperfeito, porque prega a virtude da humildade de um modo adstringente.

(para saber mais sobre o Miguel clique aqui e saberá que retirámos a entrevista do excelente blogue ''Poligrafias''

 

Percebeu alguma coisa a Chefa?

 

Saberá o que é a pata-filosofia?

 

Ficará aterrorizada pelo Miguel dizer que a poesia portuguesa é menor (excepto Pessoa e dois ou três milagres do século XIX)?

 

Se a poesia culta é menor, que qualificativo temos de dar à poesia rural que a Chefa editou?

 

poesia de faca e alguidar?

 

???

 

 

M. Abrantes



publicado por porabrantes às 22:58 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Pedro Mexia deslumbrado p...

Os Peticionários-Miguel T...

arquivos

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carlos marques

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

crime

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Fevereiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds