Domingo, 20.03.16

canalhada.png

canalhada 2.png

 O Coronel Rodrigo Sousa e Castro tem razão.

Na história há padres, tinha de ser.

padre finibanco.png

E já aparecera um franciscano, com voto de pobreza, o Melícias.

Na história está metido um dos maiores escroques da banca portuguesa, o Oliveira e Costa, grande amigalhaço do Cavaco.

oliveira costa.jpg

Também aparece (de relance)  o gajo que fundou os sindicatos amarelos, o Gonelha

gonelha.jpg

o sindicalista que passou  da  colaboração de classes para  se candidatar a gestor bancário.........

Naturalmente não podia faltar ao cocktail o negro dinheiro do cleptocrata angolano,

um ladrão e um patife.

700.jpg

Jornal de Negócios

 

ongoing.png

O pato-bravo do Souto, o José Guilherme, financiador das obras de caridade do Graça das seringas surge metido na porcaria

Graça oficial.png

O Graça, que andou metido na escolha do Carrilho da Graça até ao pescoço e noutras histórias. Isto é o Abade, quanto ao pato-bravo do Souto

zé guilherme 2.png

Será que também dava kwanzas ao Graça para financiar o Lar da Cabeça Gorda? Seria um lar para pretos?

preto_velho_by_boggienightboy-d5j4cwe.jpg

 

Também mete a Caixa Agrícola nesta história,

tomás correia.png

 O Tomás Correia acaba desmascarado pelo Público e pela Caixa.O Tomás Correia chegou a montar na sede do Montepio, o consulado da ditadura de Singapura, como se os mutualistas tivessem de sustentar esta corja asiática.

Só porque o homem era Cônsul.

Tinha de aparecer o imediato Beato, o ex-MFA, metido a autarca debaixo da azinheira do Zeca Afonso, em Grândola.

imediato beato.png

 Um grande artigo, inserido na velha tradição que fez do Público, o jornal de referência de Portugal, da autoria de Cristina Ferreira. Leia-o

Face a isto, as outras formas obscenas  de gastar dinheiro dos mutualistas duma instituição , que até funciona em Abrantes, em favores a amigalhaços do petisco, que fazem   publicidade encapotada e etc, tudo isso é peccata minuta.

Regresso a um amigo de Melo Antunes, o Coronel Sousa e Castro, ''sinto-me enjoado com tanto canalha'' diz o Oficial.

Pensem no que diz um homem da Revolução que não deu em banqueiro. Como Melo Antunes. Como Casanova Ferreira.Como tanto militar que respeitou os valores de Abril e a honra da farda que vestiam.

ma   

  



publicado por porabrantes às 12:42 | link do post | comentar

Segunda-feira, 13.07.15

A família que sustentou a criação da fábrica de seringas João Guilherme foi das maiores doadoras  da campanha do Cavaco

 

''Só com a família do empresário José Guilherme, a campanha de Cavaco Silva contou com 100 mil euros. Esta família, aliás, já tinha feito donativos na primeira campanha presidencial de Cavaco, em 2006. Nessa altura, porém, deu menos dinheiro. José Guilherme ofereceu 20 mil euros, o filho doou 15.000 euros e a mulher 20 mil euros.''

 

i

Entretanto o empréstimo ao filho do Guilherme coloca o Montepio a caminho de ser um BES

 

O único conselho sério retire as poupanças do Montepio.

 

seminario_ru.jpg

Entretanto o Montepio é o parceiro da  Regeneração urbana da Nersant, onde acorreram disciplinados e sebastianistas os autarcas do Médio Tejo

 

''

Na sessão de abertura, estará presente a Presidente da Direção da NERSANT, Maria Salomé Rafael, Maria do Céu Albuquerque, Presidente da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, Pedro Ribeiro, Presidente da Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo e Pedro Ferreira, Presidente da Câmara Municipal de Torres Novas.

A sessão prossegue com algumas intervenções relacionadas com a temática, nomeadamente "As oportunidades da regeneração urbana no Médio Tejo – o caso de Tomar", pela Presidente desta Câmara Municipal, Anabela Freitas, e "As oportunidades da regeneração urbana na Lezíria do Tejo – o caso de Santarém", por Ricardo Gonçalves, Presidente deste município.''

 

Há outras câmaras envolvidas como a do o Sardoal

 

A ligação destas entidades ao Montepio para criar um ''cluster'' de regeneração urbana ameaça ir ao ar, com a bomba Montepio prestes a saltar

 

Destas entidades e doutras, dessa coisa chamada ''economia social'', que move milhões, tem bastantes empregos mal-pagos e em condições laborais críticas, e que vive sobretudo de subsídios e não do mercado.

 

Uma economia tem de estar sujeitas às regras e exigências do mercado e não ao critério político da dependência dos fundos europeus, porque  caso contrário só gera despesismo, caciquismo e termina sempre à grega.

 

MN

 

aqueles que acharam que um banco que faz operações à BES, é parceiro seguro para os novos projectos de recuperação urbana estão a sonhar...

 

ps- nos candidaturas aos novos fundos e planos está inserida a Assembleia de Abrantes e o Hotel Turismo que a CMA ajudou a falir?  quer a CMA comprar o S.Pedro baratex e de um dia para o outro para o candidatar à famigerada regeneração urbana?  

 

 

 



publicado por porabrantes às 08:38 | link do post | comentar

Domingo, 12.07.15

A simpática localidade da Cabeça Gorda, onde o Rev. Cónego Graça e mais 2 benfeitores (a Noémia Alagoa e a minhota Ana Sofia Cruz Gonçalves)  fundaram uma agremiação caritativa, porque não chegava à Noémia e ao Cónego o Banco apartidário contra a fome, saltou hoje para as manchetes porque há uma investigação do Banco de Portugal à Caixa Económica Montepio Geral, que as más línguas dizem ser o próximo BES.

cabeça gorda.png

in Observador

 

História deliciosa,  o Montepio, terá emprestado dinheiro ao filho do Zé Guilherme (o amigalhaço do Graça), para comprar participações no FPMG, teoricamente para reforçar o seu capital.

O trajecto do dinheiro é muito bonito: sai de Lisboa do Montepio, chega a Angola

finibanco-angola-470-214-i.jpg

 

e daí é transferido para o Montepio.

Era como se o Montepio emprestasse dinheiro ao

zé Guilherme.jpg

patrocinador do Cónego das seringas para construir o Lar da Cabeça Gorda (onde naturalmente seriam internados velhos/velhas do Pinhal, dos quais alguns/algumas  por mero acaso acabariam a testar à Paróquia de São Vicente) e a ma$$a saísse de Lisboa, passasse por Angola, e depois fosse transferida para a conta da Associação da Cabeça Gorda.

Na investigação do BP também se procura saber se os administradores do Montepio são idóneos. Andava por aí um ex-oficial de Abril.

Tropa, patos-bravos, padralhada  e sabem quem é o Presidente da AG do Montepio? Digo da organização mutualista, não da casa bancária (a ''Europa'' obrigou a Caixa a separar-se da matriz). A Santa Casa de Lisboa, representada por Pedro Santana Lopes.

Se a Casa bancária cai, vai ser uma santa escandaleira, lá isso vai. 

Falei de padralhada, porque foi Presidente do Montepio (quando a organização mutualista ainda não se separara do negócio bancário), Frei Melícias  que tem uma reforma dez vezes maior que aquela que recebe o cónego abrantino, como capelão do Hospital (que naturalmente acumula com as esmolas das beatas e as côngruas de São Vicente e São João).

Quais foram as relações entre o Melícias e o ex-capelão bombeiral?

Dizem-nos que são bons amigos e naturalmente os amigos trocam favores. No caso teriam trocado. Quais? Certamente pecata minuta, algum livro de ladaínhas....dado por um, em troca das orações do outro. Santos pastores em terra de lobos, devem orar... 

ma  

 



publicado por porabrantes às 12:28 | link do post | comentar

Terça-feira, 05.05.15

(...)''É um segredo que todos conhecem mas ninguém tem coragem de dizer. A verdade nua e crua – extremamente dolorosa de dizer até para mim- é simples: a CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL está insolvente.

Qualquer Presidente de um banco em Portugal, hoje, com exceção de Tomás Correia, bem entendido, dirá que o Montepio está constituído como o maior risco para o sistema financeiro.

As razões para a negação em que o Montepio está mergulhado são teóricas e práticas.

Teóricas, porque é extremamente difícil a muita gente de “esquerda” chamemos assim, nomeadamente nos meios políticos e dos Media, aceitar que uma instituição da economia social tenha, afinal, os mesmos tipos de problemas que todos os outros no sistema financeiro tiveram. Como seria possível que uma instituição baseada nos valores do Mutualismo e da solidariedade tivesse, afinal, jogado à roleta com os humildes recursos da Associação Mutualista?

Para muita “esquerda”, ou talvez melhor dito para o populismo barato, não há diferença entre Banqueiros e Banksters. Para estes todos os banqueiros são gangsters encartados que roubam com uma cartilha institucional. Como enquadrar num tal conceito pessoas como, por exemplo, José Silva Lopes, Álvaro Pinto Correia ou Almeida Serra, claramente acima de qualquer suspeita? Pessoas – de resto – por quem sempre eu tive – e tenho – a máxima consideração.

A identificação do Montepio com um lato conceito de “esquerda” ligado com a natureza da sua clientela claramente representativa do português médio, torna por sua vez muito difícil uma decisão política. Ainda para mais, de um Governo de direita num período pré-eleitoral e numa fase onde a autoridade do Banco de Portugal e do seu Governador estão fortemente enfraquecidas.

As dificuldades são também e, mesmo especialmente, de ordem prática, porque a Administração do Montepio liderada por Tomás Correia está – como seria espetável – a resistir à mudança. E mais, a desenvolver um jogo do gato e do rato com o BdP que faz tristemente lembrar os últimos meses de Ricardo Salgado. Assiste-se, assim, a um conjunto de manobras de contrainformação onde quer o BdP quer a Administração do Montepio operam ações nos Media de desgaste político onde quem mais perde é, obviamente, o Montepio. Quem tem stakeholders a quem responder está sempre mais vulnerável.

Avanços e recuos nas alterações estatutárias e tempo da sua aprovação, criação da noção que Tomás Correia está a ser empurrado pelo BdP para fora do cargo antes do fim de um mandato que até acaba daqui a seis meses, dança de nomes possíveis onde Teixeira dos Santos aparece como apontado pelo seu Amigo Carlos Costa mas, afinal, não passa de um – numa lista de quatro nomes. Divulgação com recorte embaraçoso, nomeadamente através de Cristina Ferreira no Público, de um conjunto de informação sobre a situação financeira do Montepio e sua auditoria forense com óbvia origem no BdP. Enfim, um festival de contrainformação e uma guerra de baixa intensidade que só tem como resultado a deterioração suplementar do Montepio e – se não for sustido imediatamente – o anunciar de um desastre final''

.

(...)

 

João Oliveira Rendeiro

 

com a devida vénia do Blogue Arma Crítica  (leia aqui o texto completo)

 

 

nota: qual a posição do José da Conceição Guilherme no MG?

 

 



publicado por porabrantes às 21:29 | link do post | comentar

Terça-feira, 19.08.14

 

http://imagensdemarca.sapo.pt/atualidade/junte-se-ao-lado-forte-da-poupanca/

 

O melhor é ouvir um especialista, para saber como anda o Montepio Geral:

 

 

 

 

 

''

(....)

OS PROBLEMAS DA CAIXA ECONÓMICA NÃO RESULTAM APENAS DO FINIBANCO

No entanto, não pensamos que os problemas atuais da Caixa Económica resultem apenas da aquisição do Finibanco. A crise atual está a ter também um impacto grande na Caixa Económica, como sucede com todas as instituições financeiras, o que agrava os problemas

resultantes de uma gestão pouco adequada, e mesmo, a nosso ver, com erros graves. A prova-lo está, por ex., o disparar do crédito concedido sem garantias, cuja taxa de incumprimento é muto elevada e, depois, de muito difícil recuperação (reembolso). Como

mostram os dados do quadro, entre 2010 e 2013, aumentou bastante tendo registado em 2012 uma quebra (entre 2011 e 2012, passou de 1625 milhões € para 1.445 milhões €), para novamente aumentar de uma forma muito rápida. Entre 2010 e 2013, o crédito sem

garantias aumentou de 976 milhões € para 1.995 milhões € (atualmente dever ultrapassar largamente os 2.000 milhões €). E o risco deste crédito de não ser pago é muito mais elevado do que o restante crédito. Basta ter presente que, de acordo com o Relatório e

Contas de 2012, dos 902,7 milhões € de imparidades (provisões) 253,3 milhões € (28%), diziam respeito a imparidades para “crédito sem garantias”, quando este crédito representava apenas 8,5% do crédito total (...)

 

 

(...)

Foi precisamente pelo facto de ter de criar provisões/ imparidades para prováveis perdas elevadas de crédito concedido que os prejuízos da Caixa Económica dispararam tendo, fundamentalmente devido a isso, os prejuízos operacionais de 2012 e 2013 somado 540 milhões de euros (168 milhões € em 20’12 mais 372 milhões € em 2013). E só nesses dois anos as provisões/imparidades por prováveis perdas de crédito concedido (inclui também

as resultantes de operações financeiras) somaram 629 milhões €, determinando os elevados prejuízos operacionais que a Caixa Económica – Montepio Geral teve nesses dois anos. E mesmo em 2014, só no 1º semestre, a Caixa Económica já teve de criar 293 milhões € de provisões/imparidades por perdas prováveis de crédito concedido, nomeadamente a empresas do grupo Espírito Santo que afectam os resultados do Montepio, anulando praticamente os elevados ganhos (mais-valias) que a Caixa Económica obteve no 1º semestre de 2014 (275 milhões € com operações financeiras-ver contas), nomeadamente resultantes da venda de dívida publica portuguesa.(...)

 

As minhas poupanças estão seguras na Associação Mutualista? –ler aqui

 

retirado do relatório de Eugénio Rosa -membro da conselho geral da AM-MG, e da AG da Caixa Económica -MG Pág. 3

 

que denuncia a cultura de autoritarismo dos corpos sociais  do Montepio:

 

 

(..) Para que os associados possam ter uma ideia da cultura de autoritarismo do presidente que existe no Montepio basta relatar o seguinte episódio.

Aquando da emissão dos 200 milhões € de unidades de participação, eu fiz uma informação aos associados que os esclarecia de aquele produto não garantia nem um rendimento certo  (dependia dos lucros da Caixa Económica que têm sido reduzidos) nem estava garantido o reembolso da totalidade do capital investido terá de vender as unidades de participação no mercado secundário e recebe o que for oferecido – em 17.8.2014 os 200 milhões € valiam 188 milhões € -ver Euronext -https://europeanequities.nyx.com/pt-pt/products/equities/PTCMHUIM0015-XLIS/quotes#- o valor varia quase todos os dias). Por ter informado os associados, e após um ataque pessoal a mim pelo presidente todos aprovaram uma moção em que me ameaçavam com um processo no tribunal. Foi só quando disse que se avançassem com tal processo iria defender-me não só em tribunal mas também junto dos associados é que o bom senso acabou por imperar pois o risco reputacional era grande. Este episódio mostra bem as dificuldades que enfrento. (...)

 

Com uma liderança destas e uma trajectória do banco como a descrita no documento (importante ler tudo) o melhor é desandar do Montepio Geral.

 

a redacção

 

quadro e texto entre aspas retirados com a devida vénia do relatório do senhor Eugénio Rosa  



publicado por porabrantes às 22:09 | link do post | comentar

 

Correio da Manhã

 

É o António Tomás Correia , Presidente dessa sólida coisa coisa que se chama Montepio Geral, em que o franciscano Melícias andou a brincar aos banqueiros.

 

No Montepio há 2 espécies de ''accionistas'' de relevo, o Paulo Guilheme e o angolano Eurico Dias e há exposição particular a negócios angolanos. 

 

O Correia, sobre cujo perfil e conflitos com o IMI, há bastante para ver na net, diz agora que o Montepio está sólido, mas quem ler isto, pode retirar as devidas consequências. 

O Correia queria comprar o BPN, coisa sólida, porque não compra agora o Bad Bank? 

 

 

a redacção



publicado por porabrantes às 17:15 | link do post | comentar

 

 

O filho do benemérito da Cabeça Gorda, José Guilherme, alter ego do Cónego José da Graça em caçadas e  negócios pios, o distinto Paulo Veríssimo Guilherme anima a capa do Público:

 

Filho do construtor que pagou comissões a Salgado está no capital do Montepio



publicado por porabrantes às 10:04 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Capitão de Abril denuncia...

Uma bomba chamada Montepi...

Dia do Senhor: Cabeça Gor...

Montepio Insolvente

O melhor é desandar do Mo...

O homem que queria compra...

Guilherme na fotonovela M...

arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10



25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds