Sábado, 20.10.18

44467830_1973332149391679_5564685793361920000_n

A foto é de hoje. Mostra o matagal numa zona que devia estar ajardinada na envolvente dum monumento de interesse público.

Gastou-se aqui mais de 10 milhões de euros para manter um matagal.

Foto do Eduardo Casto.

com a devida vénia

mn



publicado por porabrantes às 13:47 | link do post | comentar

Quarta-feira, 18.07.18

mouroes abrantes com futuro

Os Mourões sao um imóvel de interesse público, inseridos numa área onde inclusive apareceram restos romanos, a tropa camarária cuida assim a envolvente do monumento.

Fotos Abrantes com Futuro


tags:

publicado por porabrantes às 17:29 | link do post | comentar

Quarta-feira, 09.09.15

 Sr. Vasco Bastos teve a bondade de transcrever este post referente ao seu Tio Capitão Rodrigues Vicente, personalidade importante na vida abrantina na década de 60, importante bairrista, como dirigente da Liga dos Amigos de Abrantes, e colaborador assíduo da imprensa regionalista.

 

O post foi publicado no facebook do Grupo Rossio, bem como a foto com esta legenda:

 

capitão anastácio rodrigues vicente e d.justina

 

CAPITÃO ANASTÁCIO RODRIGUES VICENTE E ESPOSA SRª Dª JUSTINA FERREIRA VICENTE

'' Aquele "Pingalim" tantas vezes o Ouvi trabalhar.Era o terror dos ciganos que teimavam em acampar debaixo da ponte...''

Sobre Rodrigues Vicente publicaram-se aqui alguns posts:

O Senhor Capitão Rodrigues Vicente

 

O Senhor Capitão Rodrigues Vicente e a ponte militar do Rossio (Mourões)

 

Capitão Rodrigues Vicente e os Mourões

 

Voltarei a salientar a prioridade de Rodrigues Vicente sobre Salgueiro Maia na identificação dos Mourões como ponte militar (provavelmente já outro autor o teria feito antes dele...) e que o que conta Candeias Silva neste texto, está errado...

 

 

 

 

SILVA, Joaquim Candeias (1985) Os "Mourões" do Rossio de Abrantes - afinal, a ponte romana era um cais... do séc. XIX, "Conimbriga", 24, p. 177-185.

 

Não culpo Salgueiro Maia de nada, porque ele nunca publicou nada sobre os Mourões. A culpa será de outro.

 

Como estou a mexer em jornais velhos não posso deixar de recordar que a Liga dos Amigos de Abrantes, onde Rodrigues Vicente tanto trabalhou foi despejada por ordem de Nelson Carvalho em 2002. 

 

Em  vergonhosas circunstâncias descritas no Jornal Primeira Linha de 14-11-2002.

 

Neste blogue faltava a fotografia do grande abrantino que foi o Capitão Anastácio Rodrigues Vicente. Agora já não falta.

 

Graças ao Vasco Bastos. Obrigado amigo.

vs

 



publicado por porabrantes às 17:23 | link do post | comentar

Terça-feira, 14.05.13

 

      MUSP Santarém

 

 

Ora porra, podiam ser menos desleixados.......

 

Lamento ser tão bruto e com esta linguagem poder ferir a alma sensível de alguma autarca ou reintegrada, mas este tipo de ''serviço'' prestado por concessionárias é bastante merdoso......

 

E controlo-me para que o calão não inunde o post.....

 

Isto lembra-me o ''restauro'' em Santa Maria do Castelo 

 

 

Cidadão Abt

 

Felizmente está morto Diogo Oleiro

 

Abrantes Cidade Florida

 

Ou morreria de pasmo e dor, outra vez, porque Santa Maria, que recuperou,  era a menina dos seus olhos, antes era um palheiro (conta Oliveira Martins, o bom do Joaquim Pedro, nas Cartas Peninsulares, decorado com uma litografia do chefe político local, o Avellar Machado).

 

 

 

 

 

Tendo  certa vez falado a uma política local do Joaquim Pedro, disse-me que era um chato que trabalhava no Tribunal de Contas a não deixar a autarquia fazer um teleférico e um restaurante flutuante no Aquapólis, porque para fazer o teleférico era preciso demolir os Mourões....

 

 DGMN

 

No Pego não há Mourões e somos felizes....

 

Respondi:  Claro, V.Exa é um monumento pegacho mas não pode ser classificado dado ser inclassificável....

 

Marcello de Noronha

 

PS- Quem é o tipo que anda por aí a plagiar outra vez Diogo Oleiro? Faço-lhe continência!



publicado por porabrantes às 09:06 | link do post | comentar

Sábado, 15.12.12

 

Vasco Bastos disse sobre O Senhor Capitão Rodrigues Vicente e a ponte militar do Rossio (Mourões) na Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2012 às 17:52:

 

     

O Capitão que refere era meu tio por afinidade e o nome próprio era Anastácio.Foi Comandante da GNR em Abrantes e Santarém.Tem obras de cariz militar editadas e tive oportunidade de passear com ele várias vezes junto aos Mourões(eu morava no Rossio).E foi ele que me explicou o que era aquele, para mim, amontoado de rochas, meu passatempo e prancha de saltos durante o Verão, ponto de partida para a "corrida ao pato" e outras aventuras:- Sim! uma antiga ponte militar.Confesso que tenho saudades...

 

 

Caro Sr. Vasco Bastos

 

Desculpe só agora editar o seu comentário. Obrigado por nos esclarecer que o Sr.Capitão Rodrigues Vicente se chamava Anastácio. E que foi ele o autor de várias obras de bibliografia militar como aquela que aqui referenciámos.

 

 

Voltaram os plumitivos da História oficial a declarar que tinha sido o Salgueiro Maia que descobrira que os Mourões eram uma ponte militar, apesar de aqui se ter apontado que fora o antigo Presidente da Liga dos Amigos de Abrantes a escrevê-lo antes num jornal local. Um dia destes quando tiver tempo vou digitalizar o artigo todo, sobre a História do Rossio ao Sul do Tejo da autoria do seu Tio e colocá-lo aqui.

 

Porque houve gente, incluindo algum historiador local que antes do Salgueiro Maia lhes mostrar um mapa que sustentava que aquilo era uma ponte romana. Não tenho à mão o texto do historiador. Mas tenho um documento oficial que diz isso

  

 

 

Isto quando o Presidente da Câmara da altura, Dr.Agostinho Baptista quando pediu a classificação do imóvel teve a sensatez de não falar de romanos....

 

 

 

Cabe pois ao seu Tio, a prioridade entre outros serviços à cidade, como dirigente regionalista e publicista estimulante, ter ajudado a desfazer um mito, que alguns senhores/as ainda querem manter. Se não bastava com um testemunho escrito em letra impressa, temos agora o seu testemunho.

 

1967- Mourões com esta legenda oficial da ex-Direcção Geral dos Monumentos Nacionais: ''Cais em Abrantes. Vista Geral do Sul.''

 

E cabe ao seu Tio a melhor síntese histórica sobre o Rossio ao Sul do Tejo que é o artigo que citámos e publicaremos. Como cabe a outros terem o espólio da Liga dos Amigos de Abrantes em parte incerta. Coisa que constitui um atentado ao património desta cidade. 

 

 

Face a isto, só me resta agradecer-lhe e desejar-lhe Boas Festas e dar aos nossos leitores outra prenda de Natal, isto:

 

 

 

Legenda do arquivo da DGMN : Cais em Abrantes. Vestígio de rampa de acesso. 1967

 

As duas fotos são segundo a DGMN de Analide Óscar.

 

M. N

 

Créditos: Arquivo da DGMN

 



publicado por porabrantes às 17:03 | link do post | comentar

Domingo, 18.11.12

A versão oficiosa da História de Abrantes que encontra no Candeias Silva o seu pontífice e no Martinho Gaspar o seu sacristão, tem vindo a sustentar  que a descoberta oficial da origem militar dos Mourões como ponte novecentista se deve ao Oficial de Cavalaria e revolucionário de Abril, Salgueiro Maia.

 

 

O Salgueiro Maia depois de ser colocado na prateleira pelo Eanes dedicou-se a coisas de Património, tirou um curso superior que lhe permitiu complementar a sua formação académica e tinha um certo gosto por coisas de História.

 

 

A ele devemos a criação em Santarém do Museu de Cavalaria da EPC, hoje em Abrantes.

 

É uma coisa que se deve agradecer.

 

Mas a História deve ser verdadeira e não dar a Salgueiro Maia, o que pertence a  outro militar.

 

O Rossio e os Mourões nos inícios do século XX

 

 

Reproduz-se de seguida excerto dum artigo, num jornal local, em época relativamente anterior à comunicação do achado de Salgueiro Maia aos abrantinos (feito numa sessão cultural celebrada em Abrantes, da responsabilidade da ADEPRA-Associação de Defesa do Património da Região de Abrantes, nos finais da década de setenta ,salvo erro). O artigo é da responsabilidade do Sr.Capitão Rodrigues Vicente, já falecido, que entre outras actividades bairristas foi dirigente da Liga dos Amigos de Abrantes e responsável pela publicação do Boletim da Liga.

 

 

A Liga teve a última sede na Rua Grande e terminou de forma selvagem às mãos da edilidade presidida por Nelson Carvalho, coisa que será aqui abordada quando houver pachorra.

 

  

 

No 2º extracto está lá preto no branco que em 1809 foi mandada restaurar a velha ponte das barcas,que foi uma ponte militar e que os seus restos são os Mourões.

 

 

Vão-me responder que Salgueiro Maia exibiu uma mapa e mais papéis relativos à ponte que estavam num arquivo histórico militar.

 

Não contesto.

hpqscan0001.jpg

 

(Mourões por volta de 1968)

 

Só recordo que o capitão Rodrigues Vicente estava vivo à época em que o Maia apresentou a ''descoberta'', vivia em Abrantes e ainda animava a Liga.

 

Porque é que não convidaram o capitão abrantino e tiveram de ir a Santarém desencantar o golpista de Abril (  e se calhar de Março...) ?

 

Rodrigues Vicente para escrever o que escreveu, certamente teria ido aos arquivos militares ou outros e se calhar tinha os dados em casa.

 

Mas era mais fino (para a prosaica mente provinciana dos organizadores) trazer um ''especialista'' de fora para deslumbrar os abrantinos....

 

 

O mesmo raciocínio político da tropa que manda na autarquia (que são os mesmos, ou aparentados ) que está sempre disposta a deslumbrar-se perante qualquer investidor ''misterioso'' que por aqui desembarca e a dar-lhe crédito e terrenos.

 

O Maia não pode ser comparado a  esses ''mecenas'', mas veio repetir parcialmente o que já tinha dito Rodrigues Vicente. E provavelmente outro antes dele. 

 

(Mourões depois da classificação como Imóvel de Interesse Público-1971- foto) IGESPAR

 

 

 

Resta uma formalidade burocrática. Dizer qual é o Jornal e a data de publicação. Mas vamos aguardar. Deixemos a tropa dos caça-subsídios ter o trabalho de passar umas horas na António Botto, a folhear colecções de jornais antigos.

 

 

Assim aprendem coisas.

 

Aos nossos amigos que queiram saber a data e o jornal perguntem para porabrantes@hotmail.com que teremos o melhor gosto em responder.

 

 

Marcello de Noronha, da Tubucci 

 

NOTA-O Capitão Vicente sustenta no texto que a ponte militar foi  erguida sobre os ''alicerces '' duma ponte romana e quer ver ainda ali restos romanos. Coisa duvidosa. Mas susceptível de discussão. Perto foram encontrados restos arqueológicos romanos pelo Álvaro Baptista no âmbito das suas ''curiosas'' actividades arqueológicas.

 

Mas a investigação arqueológica já quase não pode ser feita para comprovar isso, porque o Júlio Bento mandou fazer obras do Aquapólis na  área de protecção do IGESPAR sem liçença do dito.E puseram máquinas pesadas a remexer a àrea. Resultado: adeus calhaus romanos ( se os houvesse...)

 

 



publicado por porabrantes às 12:36 | link do post | comentar

Sábado, 17.11.12

 

A foto é de má qualidade, mas mesmo assim agradecemos ao leitor que a mandou. É um testemunho precioso, os Mourões do Rossio, que segundo alguns autores  são as ruínas duma ponte militar do século XIX, tese que não era necessário ter sido defendida pelo Salgueiro Maia para ter acolhimento. 

Um dia destes espero desenterrar do arquivo da Tubucci um artigo dum militar abrantino sobre isto. Mas confesso estar com falta de paciência para mexer em papéis velhos. Hoje mexi e sairam alguns  que poriam os cabelos em pé à Autoridade política, canónica e às estimadas forças vivas.

Ficam à espera.

Volto à foto do leitor, diz ele que é anterior a 1968.

 

Não estou com pachorra para estudar a história das inundações do Tejo, mas parece-me que na segunda metade dos anos 60 uma inundação derrubou os 2 pilares dos Mourões e que lá para finais da década foram  restaurados pela Junta de Freguesia local, que tinha parcos meios.

 

Agora com grandes meios não os vejo restaurar nada.

 

Perto das ovelhas e cabras acampavam os ciganos. Quem é que arranja uma foto do acamamento???

 

 

Obrigado caro leitor pela ajuda.

 

A Direcção da Tubucci 

 

 hpqscan0001.jpg

 

 

Arquivo Tubucci



publicado por porabrantes às 20:57 | link do post | comentar

Quarta-feira, 25.07.12

Há muitos anos o PSD pela mão do dr. Pedro Marques e do Armandinho cometeu a insensatez de fazer João Pico Vereador-a-dias. Num desses funestos dias, era Julho de 2002, o Vereador-a-dias e o V. João Salvador apresentaram um requerimento:

 

     

 

 

 

 

Tratava a coisa deste imóvel protegido onde os municipais, chefiados pelo Bento, removiam terras na sua área de protecção infringindo a Lei com o mesmo descaramento com que alguém ia depositando massas valentes nas contas do agente técnico e ex-desenhador da MDF,

 

 

bem para ser justo é preciso recordar que o Bento fora capataz ou coisa que o valha na Apolinário Marçal e que o Vereador que o Pico substituía no seu labor a-dias, o Pedro Marques tinha lá sido Director Financeiro, aquilo tinha falido, e os gajos emigraram para a política.....

 

 

 

O Bento com uma lata do caraças (já estou a escrever com o vernáculo do meu barbeiro, nem todos podem ser carecas como o Pico e o Armandinho) respondeu-lhes com isto, que vai a seguir, mas convém adiantar que alguém teve de  informar os laranjas que aquilo era um imóvel protegido desde 1967, salvo erro, e que esta brigada alaranjada não fazia a mínima ideia da importância do monumento.

 

Devem ser da mesma escola que o Doutor Candeias Silva que já sustentou que foi o Salgueiro Maia que desvendou o ''mistério dos mourões'', não sei se montado numa Chaimite....

 

 

 

 

 

Isto é o agente técnico Bento reconhecia que as obras estavam a ser feitas ilegalmente e gemia num apontamento manuscrito que alguém se queixara ao IPPAR.

 

Os senhores Vereadores só tinham uma saída segundo o Código do Processo Penal:'' 

 
Artigo 242.º
Denúncia obrigatória
1 — A denúncia é obrigatória, ainda que os agentes do crime não sejam conhecidos:
a) Para as entidades policiais, quanto a todos os crimes de que tomarem
conhecimento;
b) Para os funcionários, na acepção do artigo 386.º do Código Penal, quanto a crimes
de que tomarem conhecimento no exercício das suas funções e por causa delas.
2 — Quando várias pessoas forem obrigadas à denúncia do mesmo crime, a sua
apresentação por uma delas dispensa as restante.

 

 

Isto é tinham (porque neste caso o Vereador é equiparado a funcionário) de comunicar ao MP ao ilícito porque era um delito, por violação do previsto no art 48 da Lei do Património. 

 

 

Pode exibir-me o Sr.Xerife cópia da participação ao MP ????

 

 

 

 

 

Ficam as coisas por aqui????? Não porque, mais tarde Júlio Bento mandava ao IPPAR  nova missiva a que tive acesso através de métodos legais....

 

 

Na carta o Bento da nova-fortuna, em vez de ficar prudentemente calado, manipulava a verdade. Estava a CMA a fazer movimentações de terra a menos de 50 metros dos Mourões e a violar a Lei.

 

A autorização do IPPAR só veio em 2004.....Tudo o feito antes disso é ilegal e o que foi feito depois para lá caminha, porque foram exigidas escavações arqueológicas em 2004 e o pedido para as fazer à tutela só entrou em 2011.

 

 

Vou entregar a papelada à Tubucci, na pessoa do seu Presidente, Dr.Falcão Tavares. A Tubucci fará o que entender com os documentos que lhe entregarei, que são bastante mais que os aqui reproduzidos.

 

 

Quanto ao Xerife fará o favor de explicar aquilo que o ''acagaçou'' e o levou a não meter nos Tribunais, como era sua obrigação legal,  Júlio Bento, Nelson Carvalho e o resto da pandillha.  

 

A carta reproduzida a seguir, pode  dar um indício, ligações empresariais também, mas há outras explicações:

 

 

MEDO

 

 

ou

 

 

SANTA IGNORÂNCIA !!!!!!      

 

 

 

 

 

 

 

 

Com os cumprimentos do Miguel Abrantes ao ex-Vereador João Pico ..... 



publicado por porabrantes às 22:13 | link do post | comentar

Domingo, 03.06.12

 

 

 

 

 

As ruínas desta ponte militar do século XIX estão classificadas como Imóvel de interesse Público. O ordenamento da margem do Tejo não respeita a sua monumentalidade e é de duvidosa legalidade. Restauro de 1967, depois de vários pilares terem sido derrubados pelas cheias.

 

 

 

 

 

 

Foto: As ruínas desta ponte militar do século XIX estão classificadas como Imóvel de interesse Público. O ordenamento da margem do Tejo não respeita a sua monumentalidade e é de duvidosa legalidade. Restauro de 1967, depois de vários pilares terem sido derrubados pelas cheias.

 

Foto DGMN

 

Tubucci no facebook

 

Amanhã prometemos mais e importantes novidades!!!!!

 

 

A Direcçao da Tubucci 


tags:

publicado por porabrantes às 22:42 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

O matagal dos 10 milhões ...

Cuidando Monumentos em Ab...

Capitão Rodrigues Vicente...

Do desmazelo

O Capitão Rodrigues Vicen...

O Senhor Capitão Rodrigue...

O rebanho à beira dos Mou...

Medo ou pura Ignorância??...

Os mourões sem a barraka ...

arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds