Sábado, 23.02.19

aqui

porra onde chegámos?

MRPP_0009

 


tags:

publicado por porabrantes às 23:12 | link do post | comentar

Sexta-feira, 22.02.19

lourdes

Apontamentos tomados pela Ministra Lourdes Pintasilgo no Conselho de Ministros de Maio de 1975, depois do assalto do Copcon à sede do MRPP e da prisão de 400 militantes do movimento maoista, entre eles o caro amigo Rui Bastos.

ma

devida vénia ao Arquivo Pintasilgo

 



publicado por porabrantes às 21:49 | link do post | comentar

Terça-feira, 20.02.18

Está visto que desde que morreu o Comandante Supremo, Fidel Castro, o PC de Cuba e o Governo estão lélés da cuca

 

Agora o Gramma dedica-se a traduzir os editoriais do Luta Popular, o pior pasquim de Portugal

 

Solicitamos ao PCP que lhes envie um grupo de conselheiros técnicos para que não façam o rídiculo:

 

Diário Granma

O Diário Granma, órgão oficial do Comité Central do Partido Comunista de Cuba, no dia 1 de Novembro de 2017, traduziu e publicou o Editorial do camarada Arnaldo Matos Um Presidente e um Governo de Lacaios, saído na edição do dia 30 de Outubro no jornal Luta Popular Online, antecedido da seguinte nota da redacção do diário cubano:

“! Partido Comunista de los Trabajadores Portugueses (PCTP/MRPP)

Viva el Pueblo hermano de la Catalunha!

 

Arnaldo Matos, dirigente del Partido Comunista de los Trabajadores Portugueses – Movimiento Reorganizativo del Partido del Proletariado (PCTP-MRPP) denuncia en una editorial de Luta Popular el apoyo de la Presidencia y del Gobiernos portugueses al gobierno español, acusandolos de actuar al dictado, como lacayos de Madrid.

Los trabajadores portugueses, afirma, han de ser solidários con sus hermanos catalanes que siguen sometidos a la España que tambien intentara durante años imponer su domínio sobre Portugal, frente a los vendepatrias que non son más que perritos falderos de los dictados de Madrid.

 

 

ver aqui no Luta Popular

 

 

ab (social-fascista)



publicado por porabrantes às 14:38 | link do post | comentar

Sexta-feira, 24.03.17

Publicamos a opinião do Sr.Dr. Arnaldo Matos, estimado líder proletário madeirense, quando encontrarmos a opinião do Dr.Jardim, também publicamos:

 

 

Tremem as Capitais do Imperialismo

De Novo, Ataque no Coração Londres…

Não sou o único português que o pensa; mas sou o único comunista português que escreve o que pensa e o assina por baixo. E o que penso é simples: os povos do mundo, oprimidos e explorados pelo terrorismo imperialista europeu e americano, que todos os dias veêm as suas famílias, as suas mulheres e os seus filhos despedaçados por cobardes bombardeamentos aéreos na Líbia, na Síria, no Iraque, no Afeganistão, no Chade, na Somália e em muitos outros países do mundo, que veêm as suas riquezas e a sua força de trabalho roubadas e exploradas pelo terrorismo imperialista, esses povos têm todo o direito de utilizar todos os meios ao seu alcance para destruir o imperialismo nos covis das suas próprias capitais.

Agora e outra vez – uma vez mais – em Londres, capital do moribundo imperialismo britânico. E, como na França, os franceses, na Bélgica, os belgas, também em Londres é um inglês que desfere o ataque.

O imperialismo deve saber – os imperialistas devem compreender – que enquanto despejarem terrorismo sobre os povos do mundo, os povos do mundo vão retaliar, têm o direito de retaliar e vão acabar por vencer.

Limito-me a escrever aquilo que tem a obrigação de pensar e defender um comunista consciente.

E digo mais: digo que o imperialismo inglês, americano, francês, alemão é o único responsável pelas mortes ocorridas em Nova Iorque, em Paris, em Bruxelas, em Londres, em Nice, assim como nas diversas cidades da Alemanha, onde decidiram ajustar contas com o imperialismo e suas cobardes guerras de rapina e agressão.

A política dos governos imperialistas praticada por esses países contra os povos do mundo levará inevitavelmente à transformação, mais cedo ou mais tarde, das guerras imperialistas em guerras civis revolucionárias no interior dos próprios países imperialistas.

Em conclusão, o terrorismo imperialista contra os povos do mundo é a causa de todos os combates dos povos do mundo contra o terrorismo imperialista.

Claro está que a burguesia capitalista imperialista, dona dos mais importantes meios de comunicação social mundiais, estipendia lacaios jornalistas cuja missão é a de convencer a pequena-burguesia – a chamada classe média, que é coisa que efectivamente não existe – que um terrorismo bom, ético, se calhar até santo, é o terrorismo imperialista, o terrorismo cobarde onde aviadores e sistemas de armas dificilmente alcançáveis matarão todos os dias velhos, mulheres e crianças desarmados dentro dos seus próprios abrigos; e que haverá um terrorismo mau, imoral, se calhar até diabólico, que é o que ceifa vidas nas marginais de Nice, nas torres de Nova Iorque, nas buates de Paris, na ponte de Westminster, às horas do Big Bem.

Ora, se há algum terrorismo legítimo, bom, ético e sacrossanto será precisamente o terrorismo dos pobres contra os imperialistas, nunca o terrorismo dos imperialistas contra os pobres.

Nós, comunistas, sabemos que o terror bélico faz parte das batalhas e é utilizado consoante as necessidades e objectivos dessas batalhas. O terror não é todavia a essência da luta militar do proletariado revolucionário. No combate, o proletariado preza a luta de massas, a mobilização das massas para a luta, a coragem, o destemor.

Nós, comunistas, continuamos a seguir o caminho da Comuna de Paris: a mobilização das massas trabalhadoras, a coragem combatente, a entrega das nossas vidas à causa da emancipação proletária. Fomos nós, comunistas, que morremos fuzilados no Muro dos Federados, no cemitério do Padre Lachaise, nos arredores de Paris, não foram os capitalistas. Esses é que cobardemente nos fuzilaram, unindo as forças armadas da França então ocupada às forças armadas do então ocupante germânico.

A pequena-burguesia e os liquidacionistas, como Garcia Pereira e seus comparsas, é que ajudam o imperialismo a praticar o terror contra os operários e os povos do mundo. São cobardes pacifistas para os quais deixou de haver classes e para os quais a tarefa principal do proletariado há muito deixou de ser a destruição do imperialismo, a liquidação do modo de produção capitalista e a sua substituição pelo modo de produção comunista.

Pois essa pequena-burguesia reaccionária – esses Lúcios e Garcias de pacotilha – – deve ficar desde já a saber que os ataques poderão também ocorrer em Lisboa e matar inocentes portugueses, mas que a responsabilidade por esse ataque se ficará a dever única e exclusivamente a essa pequeno-burguesia reaccionária e cobarde, que sustenta os governos do PS, do PSD e do CDS, lacaios do imperialismo.

Proletários de Todos os Países, Uni-vos!

23.03.17

Arnaldo Matos

 

 

 

 



publicado por porabrantes às 15:26 | link do post | comentar

Terça-feira, 31.01.17

Em 1975,uma militante do MRPP em trabalhos de parto, no Hospital de Santa Maria, teve uma crise de asma e morreu, safando-se o bebé, que era uma menina.

O MRPP emitiu um comunicado dizendo que ''a camarada tinha sido assassinada por médicos sociais-fascistas, a soldo de Barreirinhas Cunhal, e por ordem do social-imperialismo''.

Não digo o nome da falecida, porque a filha não sabe da História e não tem culpa que o pai, tão maoista que ficou estrábico, para melhor se assemelhar aos torcionários amarelos, se tenha juntado ao Arnaldo e ao Barroso para parir uma delirante acusação difamatória sobre médicos honrados.

O tipo abre as manchetes a propósito duma sentença descabelada, que nem sequer um tribunal do fascismo assinaria.

O ''Luta Popular'' costuma insultá-lo semanalmente. Se se queixar de cada injúria, que aí lhe prodigalizam, os tribunais vão ficar  atravancados até ao século XXV.

E se os tribunais agirem como o outro, o Arnaldo será condenado a prisão perpétua.

Face a isto o melhor é interná-los no Júlio de Matos.

ma

     


tags:

publicado por porabrantes às 09:23 | link do post | comentar

Sábado, 13.08.16

É CASO PARA DIZER:

Enquanto o Funchal Ardia
Albuquerque Tocava Piano…


Arnaldo Matos

 

A História fala-nos no grande incêndio de Roma, que ocorreu na noite de 18 de Julho do ano 64 depois de Cristo, e algumas fontes atestam-nos mesmo que, enquanto o fogo consumia aquela que mais tarde ficaria conhecida como a Cidade Eterna, Nero contemplava o espectáculo tocando a sua lira…

O que ninguém acreditaria seria que 1952 anos depois, na noite de 8 de Agosto do ano 2016, a cidade do Funchal arderia, e o megalómano Miguel de Albuquerque, presidente do governo regional da Madeira, no meio do oceano Atlântico, tocava piano, enquanto contemplava o vale de lágrimas em que transformara o anfiteatro da capital do arquipélago.

Miguel teve uma primeira carreira como tocador de piano nas salas de baile dos hotéis da Madeira; teve uma segunda carreira como presidente da Câmara Municipal do Funchal; e estava agora no começo da terceira carreira, como presidente do governo regional do arquipélago.

Megalómano como é, Miguel de Albuquerque aproveitou a ameaça do incêndio que se adensava sobre a cidade, para convocar os órgãos de comunicação social da ilha e aí fazer render a sua conhecida megalomania.

E ali garantiu, erga omnes (perante todos), urbi et orbi (à cidade e ao mundo), às quatro horas da tarde, que o incêndio estava contido, sob controlo, e que todos podiam ir para casa, já não direi tocar piano como ele, mas ao menos descansar, que o nosso Nero local vigiaria por todos.

A primeira observação perante as palavras do megalómano pianista é esta: se um incêndio, digno de Nero, ameaçava o Funchal, mas estava totalmente controlado, podendo os funchalenses descansar em sossego, por que não foi o presidente da Câmara Municipal do Funchal, o Dr. Paulo Cafôfo, que efectivamente é o primeiro e único responsável político pelas ocorrências da cidade, a dirigir-se à população, através dos órgãos de comunicação social, e a sossegá-la perante ameaças tão aterradoras?

De onde vem ao presidente do governo regional, o megalómano pianista Miguel Albuquerque, poderes para substituir-se ao presidente da Câmara democraticamente eleito? E de onde vem ao nosso Nero atlântico as atribuições para rejeitar o auxílio oferecido pelo governo central da República e pelo governo regional dos Açores a uma Câmara Municipal da ilha, sem ouvir previamente o presidente camarário?

Afinal, quem manda e quem é responsável pela cidade e município do Funchal: Cafôfo ou Albuquerque? O professor ou o megalómano pianista das noites da Madeira?

Cafôfo não tem partido; o pianista é do PSD; Cafôfo foi eleito pelos cidadãos do Funchal, à frente de uma coligação democrática; o pianista foi eleito para o governo regional, por uma diferença de três votos, registados numa segunda e atribulada contagem, pela lista reaccionária e cripto-fascista do PSD.

Albuquerque quis aproveitar a oportunidade de uma tragédia eminente para brilhar e garantir segurança aos funchalenses. Espetou-se em todo o comprimento.

Uma hora depois de o pianista de hotéis ter rejeitado o auxílio do governo central e do governo regional açoriano e garantido, em nome da sua prosápia de inconsciente imbecil, que o Funchal não corria nem risco nem perigo, um incêndio dantesco tomara já conta da cidade e anfiteatro do Funchal, matara já quatro pessoas e incendiava mais de 300 habitações. Arderam casas, andares, prédios, fábricas, palheiros, chiqueiros e até hotéis inteiros, diante dos olhos de um povo incrédulo, que alguns momentos antes tinha acreditado na segurança prometida por um megalómano pianista de casinos, habituado a jogar à roleta com a vida e os bens dos outros.

Mentindo descaradamente sobre questões de segurança dos cidadãos, da qual aliás não percebe nada, Albuquerque desacreditou-se e desacreditou a Região.

Os turistas, alojados em hotéis esgotados, foram obrigados a deixar a Madeira, a cancelar as respectivas estadas de férias e a procurarem férias noutros destinos. É a ruína de toda a poderosa indústria turística madeirense.

Serão necessários mais de mil milhões de euros para recuperar a cidade do Funchal e o seu anfiteatro e fazer face aos prejuízos causados, a qual cidade nunca mais será igual ao que fora.

O meu amigo Doutor Raimundo Quintal, com quem e em companhia de muitos, andamos a plantar ervas e árvores nas serras interiores da ilha, a mais de 1 600 metros de altitude, como quem planta cabelos com uma sovela na cabeça de um careca, expressão do poeta Teixeira de Pascoaes, - enquanto eu ainda chorava pela destruição da minha cidade, mandou-me, para consolo e por amizade, este pequeno escrito, às três horas da madrugada da noite funesta:

“Eu e muitas centenas de funchalenses refugiámo-nos às 19 horas de ontem à beira-mar.

Pouco mais nos restou do que usar a mesma estratégia de Zarco e seus companheiros para não sermos apanhados pelo fogo tenebroso.

Quase seis séculos após o início do povoamento da Ilha da Madeira, continuamos pequeninos perante os elementos da natureza.”

Nas suas palavras, Raimundo Quintal ecoava um acontecimento descrito no Segundo Livro, das Saudades da Terra, do escritor seiscentista Gaspar Frutuoso, sobre o incêndio da Baía do Funchal pelos nautas de Gonçalves Zarco, e que reza assim:

“Daqui acordou o capitão, vendo que não se podia com trabalho dos homens desfazer tanto arvoredo, que estava nesta ilha des o começo do mundo ou da feitura dela, e para o consumir, para se lavrarem as terras e aproveitar-se delas, era necessário pôr-lhes fogo. E, como quer que com o muito arvoredo, pela muita antiguidade, estava dele derribado pelo chão e outro seco em pé, apegou fogo, de maneira neste vale do Funchal que era tão bravo que, quando ventava de sobre a terra, não se podia sofrer o abano e quentura dela, e muitas vezes se acolhia a gente aos ilhéus e aos navios até o tempo se mudar.”

Quintal, que é um lutador indómito, desta vez deixou-se dominar pelo sentimento, quando se viu forçado a confessar que “continuamos pequeninos perante os elementos da natureza.”

Mas aqui é que Raimundo Quintal se engana, quando decide convocar a nossa pequenez perante o fogo.

Refugiar-se à beira-mar, nos ilhéus e nos navios, como ensinou Zarco há seiscentos anos, é a resposta sábia de um grande capitão aos impetuosos elementos da natureza. Nenhum dos homens de Zarco morreu com o incêndio incontrolável, propositadamente ateado ao vale do Funchal.

Mas agora tudo foi diferente: não tinham um capitão, mas um reles pianista a brincar com o fogo, a garantir à população que não corria riscos nem perigos, que poderia estar descansada em frente da televisão, que ele, Albuquerque, velaria por todos, quando a população, olhando pela janela, via que o Funchal já estava a arder.

Quem, senão o megalómano Albuquerque, é responsável pela morte dos quatro desgraçados velhos que se deixaram ficar em casa, seguindo os conselhos do pianista?

Quem, senão o megalómano Albuquerque, é responsável pela verba de mil milhões de euros que será necessária para cobrir os prejuízos?

Quem, senão o megalómano Albuquerque, é responsável pelo crime de rejeitar o auxílio de Lisboa e dos Açores?

Mas há mais!

O incêndio incontrolável desencadeado pelos homens de Zarco foi-o num vale do Funchal coberto de árvores, muitas delas secas, que até existiam “des o começo do mundo e da ilha”. Mas este incêndio último liquidou o vale do Funchal quando ele já quase não tem árvores mas apenas construções caóticas, numa urbanização caótica, onde nem os bombeiros conseguem circular ou aceder.

O que os patos-bravos fizeram da cidade e anfiteatro do Funchal, em quase quarenta anos de jardinismo no governo regional e mais de vinte anos do pianista à frente da Câmara é que tornaram a minha bela cidade num paiol de incêndios e de explosivos.

As construções e o urbanismo dos patos-bravos de hoje ardem mais e melhor que a floresta da Laurissilva encontrada por Zarco e os seus homens, na Baía do Funchal.

Assim, resta juntar-me aos meus companheiros de jornada e voltar a plantar ervas, árvores e arbustos! A canalha jardinista e albuquerquista destruiu a minha cidade. Eu vou-me vingar. E por muitos meios…

11.08.2016

 

no Luta Popular, onde escreve o Lider Proletário



publicado por porabrantes às 17:57 | link do post | comentar

Domingo, 06.12.15

No Luta Popular

 

estão doidos

 

mn



publicado por porabrantes às 21:52 | link do post | comentar

Sexta-feira, 16.10.15

 

 

O Dr.Arnaldo parece que abandonou a Advogacia onde chegou a representar o cacique madeirense e ex-jornalista fascista Alberto João Jardim, que no desempenho dessa actividade chegou a recomendar o uso da bomba contra o deputado da ala liberal, Sá Carneiro. O Dr. Arnaldo voltou a liderar o proletariado e dispara:

 

 

A Classe Operária e o Momento Político Actual

 

Passou hoje uma semana sobre a realização do último sufrágio para a Assembleia da República. Com excepção dos dois círculos eleitorais do estrangeiro, cujos votos, quaisquer que eles sejam, nunca alterarão o quadro final das relações entre os partidos já conhecido, toda a gente sabe que a coligação fascista da direita e da extrema-direita – PSD/CDS – perdeu a maioria absoluta em número de votos e de deputados eleitos, que o segundo partido mais votado é o derrotado PS de António Costa, que em terceiro lugar ficou o Bloco da classe média urbana e da esquerda caviar e, por derradeiro, o partido revisionista e social-fascista de Jerónimo de Sousa, já que não se deve dar qualquer crédito ao partido que, num país de fome e de miséria, logrou eleger um deputado para representar, em São Bento, os hipocondríacos proprietários citadinos de gatos e de cachorros.

O mentecapto presidente da república, que nos calhou ter em sorte nesta altura, bloqueia a norma do nº 1 do artº 187º da Constituição da República e está a sabotar a formação do governo que haverá de sair da assembleia eleita. Assim, já se passaram oito dias, e o palonso que temos em Belém nem sequer começou ainda a ouvir os partidos representados na Assembleia da República, nem nomeou ainda o primeiro-ministro, tendo em conta, como o reclama a norma constitucional, os resultados eleitorais.

Cavaco vai para a rua, com a condecoração popular de indecente e má figura, dentro de cinco meses, precisamente no dia 9 de Março de 2016, e, se calhar, julga poder passar estes cinco meses que lhe faltam para ir pentear macacos a inventar pretextos para impor ao país um governo de maioria absoluta, juntando na mesma cama Passos, Portas e Costa, o que, diga-se de passagem e sem réstia de homofobia, é pouca mulher para tanto homem.

Não há pois governo, porque o presidente da república quer um governo de iniciativa presidencial impossível e anticonstitucional, que aliás não tem suporte nos resultados eleitorais da semana passada. E em vez de ouvir imediatamente, e como lhe cumpre, os partidos com representação parlamentar e de imediatamente, como também lhe cabe, nomear um primeiro-ministro dedutível dos resultados eleitorais, deixando depois ao normal jogo de forças parlamentares a questão de saber se o primeiro-ministro nomeado tem ou não apoio na assembleia, Cavaco chama a Belém o traidor Passos Coelho e manda-o andar por aí às voltas, a ver se caça um parceiro político que acrescente uma maioria absoluta à maioria relativa dos partidos da coligação da direita e da extrema-direita, isto é, do PSD com o CDS.

Aterrorizado com a manobra cavaquista da formação de um governo de bloco central, reunindo os três partidos que os teóricos do capitalismo doméstico designam como os partidos do arco do poder – PSD, CDS e PS – e que são os partidos responsáveis pelo governo do país nos últimos quarenta anos, e portanto responsáveis pelo estado de calamidade e de miséria em que vivemos, o revisionista e social-fascista Jerónimo, com a canalha dirigente do PCP, atracam-se a António Costa e empurram-no para a formação de um governo do PS, garantindo-lhe o apoio parlamentar do PCP e do Bloco dito de Esquerda.

Vejam, estimados leitores, as cabriolas e as cambalhotas de que são capazes os revisionistas, oportunistas e social-fascistas de Jerónimo e do PCP em menos de oito dias… O seu objectivo político essencial, nos últimos quatro anos, que culminaram com o acto eleitoral de 4 de Outubro, foi a constituição de governo patriótico e de esquerda, no qual manifestamente não cabia o chamado Partido Socialista de António Costa, isto segundo eles diziam.

Costa e o PS, aliás, foram o bombo da festa de Jerónimo e seus oportunistas durante os últimos quarenta dias e quarenta noites da campanha eleitoral.

Bem denunciámos nós aos operários e a todo o povo trabalhador que o conceito de governo patriótico e de esquerda, salivado na boca de Jerónimo, além de ser uma contradição nos termos, se destinava apenas a enganar papalvos.Na verdade, não tinham ainda arrefecido nas urnas os votos obtidos para um governo patriótico e de esquerda, depois de uma campanha em que Jerónimo atacou forte e feio António Costa e o PS como um baluarte da Tróica em Portugal, e eis que o caudilho social-fascista do PCP, esquecendo tudo o que havia imputado ao PS e a António Costa, enquanto “líder de um partido de direita, se prostra de joelhos diante do até agora reaccionário Costa e do PS de direita, implorando-lhes, pelas alminhas, que aceitem formar um governo do PS, com eles, revisionistas do PCP, e com elas, as meninas oportunistas do Bloco, venham eles e elas a ser ministros do Governo de Costa ou não venham a ser mais nada do que bengalas parlamentares do reaccionário António Costa e do PS, partido de direita.

E eis como, em menos de oito dias, a ideologia política oportunista do PCP e do BE consegue transformar o objectivo de luta por um governo patriótico e de esquerda num governo patriótico e de direita.

Ora um governo do PS e de António Costa não pode ser outra coisa senão um governo da Tróica e do capital alemão. Basta ler o programa político com que o PS de António Costa se apresentou ao eleitorado há oito dias.

Como é que o PCP e o Bloco podem apoiar um governo desta natureza? E que diferença existe entre o governo da Tróica, conduzido por Costa ou pela coligação de direita e de extrema-direita? Que política de esquerda é esta que se propõem o PCP e o Bloco, ao apoiarem o governo de António Costa e do PS?

Política de esquerda esta? Isto não é política de esquerda. Isto é tudo um putedo!

E é contra este putedo todo que se têm de erguer o povo trabalhador, a classe dos operários e os verdadeiros comunistas.

Qualquer que seja o governo que saia da Assembleia da República eleita no sufrágio do último domingo, seja da coligação Coelho/Portas, seja o do arco governativo Coelho/Portas e Costa, seja o governo de Costa com o apoio directo ou apenas parlamentar dos revisionistas do PCP ou das meninasoportunistas do Bloco, qualquer desses três governos é um governo da Europa Alemã, do capital germânico, da Tróica, de Ângel Merkel e de Schäuble, mas nunca um governo do povo português, nunca um governo ao serviço da classe operária e dos trabalhadores.

E fiquem sabendo: qualquer desses governos terá sempre, apesar da miséria que impõe aos portugueses, o grande mérito de abrir os olhos aos proletários e ao povo: só a revolução proletária, só o comunismo acabará com a exploração do homem pelo homem.

Notem porém os operários portugueses que o apoio parlamentar dos revisionistas do PCP e dos oportunistas do Bloco a um governo do PS e de António Costa significa que não haverá aumento de salários nem de pensões ou de reformas nos próximos quatro anos, o que vai significar também mil e seiscentos e sessenta milhões de euros no corte das reformas e pensões e do capital acumulado da segurança social.

Quanto à luta sindical, com as duas centrais (Inter e CGTP) a apoiar a política de austeridade e terrorismo do mesmo governo, terão os trabalhadores de travar contra todos os sindicatos oportunistas uma luta de morte. O apoio do PCP e do Bloco a um governo do PS e de Costa vai significar a política da Tróica com apoio do PCP e do Bloco. Uma coisa que os leitores julgariam impossível. Mas não é…

Preparemo-nos, pois, para a luta. Qualquer que seja o próximo governo, teremos de lutar contra ele. Essa é a nossa missão de proletários e de comunistas. Não nos deixemos iludir pelos cânticos da sereia, seja ela dos lacaios do PCP ou dos lacaios do Bloco.

11.10.2015

 

Arnaldo Matos

 

pub por esta burguesa redacção em memória do Sr.Dr.Eduardo Ferreira Soares Mendes, um dos maiores proprietários agrícolas abrantinos e segurança ao serviço da sede do proletariado, sita na R.Pedro Álvares Cabral, em Lisboa. O saudoso Juca era primo chegado da Drª Ana Soares Mendes

ana cabral.jpg

prestigiada jurista e Directora da Luta Católica, com sede no Largo de S.Vicente, Abrantes, perto do Solar Soares Mendes

casa soares mendes.jpg

A Luta Católica, também conhecida por Nova Aliança, nunca publicou a notícia necrológica dum dos maiores abrantinos de sempre, o Juca Soares Mendes, apesar de todos os serviços à Liberdade que ele prestou, combatendo o gonçalvismo, e ainda apesar dos largos serviços à Igreja de Abrantes, dos pais do Juca, a estimada D.Ercília Ferreira Soares Mendes, pilar da Igreja de São João e activista de tanta obra social católica e ainda do Senhor António Soares Mendes, que foi entre outras coisas, Provedor da Santa Casa.

Mais agradecidas a CMA e a Junta da Bemposta criaram o Jardim Soares Mendes nesta freguesia.

 

;

 

O Juca se calhar teria direito a ser Barão de R. de Moinhos, mas preferiu combater os gonçalvistas ou seja quem tentou implantar a Ditadura, com a conivência de tipos que vegetavam pela Nova Aliança como o Barata Gil

 

Honra ao Camarada Soares Mendes  !!!!

 

Honra ao Camarada José Lamego !!!!!

(refugiado na Casa Paroquial do Rossio,

 e aí acolhido pelo tio, Rev.Padre José Ferreira)

padre zé ferriera.jpg

José Lamego tinha sido alvejado pela Pide-DGS quando mataram Ribeiro Santos (facto que a Luta Católica omitiu) 

 

Também a Luta Católica omitiu a prisão pelo Copcon do sobrinho do Rev.Padre Américo Duque........mas isso e algumas das omissões anteriores não são responsabilidade da nobre Ana, mas dos anteriores directores da folha

     

 ma

créditos:  foto da casa: IGESPAR, a bela foto da mais pia aristocrata é da Nova Aliança: foto do meu falecido amigo José Ferreira (facebook)



publicado por porabrantes às 10:57 | link do post | comentar

Domingo, 12.04.15

Antigamente no Vaticano havia um clérigo que fazia as funções de ''Advogado do Diabo''. João Paulo II deu cabo desse cargo. O clérigo devia, num processo de canonização ou beatificação, fazer um rol dos ''pecados'' cometidos pelo candidato ao altar e competia depois ao ''júri'' de classificação e ao Papa ponderar se os méritos eram superiores aos deméritos.

O polaco resolveu que só contavam os méritos e a canonização passou a ser um passeio caro e triunfal, financiado pelas corporações eclesiásticas que tinham interesse em promover o ''santinho'', que fora seu fundador.

Assim Escriva de Balaguer foi santo. E era uma personagem duvidosa.

Ignoro se no museu de relíquias do OPUS estão à vista as chinelas de quarto, usadas pelo aragonês, promovidas a relíquias. Vi as chinelas de S.João Baptista de La Salle, no Museu dos Lassalistas em Roma.

Juan de Valdez recordou que certa Igreja ibérica tinha umas gotas do leite da Virgem num relicário. Uma mesquita paquistanesa conserva um pelo da barba dum pedófilo chamado Maomé.

Valdez era um humanista na linha de Erasmo, que foi amigo de Carlos V, que era homem culto e tolerante antes que as desavenças com Lutero o fanatizassem.

A canonização de Saldanha Sanches em curso não me serve. Não precisamos de santos, mesmo laicos.

Assisti ao saneamento de André Gonçalves Pereira, grande  advogado e professor de Direito Internacional Público na FDL. Era um liberal à maneira do Xico Balsemão, um homem rico e que nunca tivera cargos públicos no fascismo. Certamente fora consultor do Governo em casos de litígio internacional na sua área de especialidade. Escrevera os melhores manuais de Direito Internacional Público que havia por cá.

Era uma pessoa dialogante e próxima dos alunos. Um senhor de ascendência goesa, caso de algumas brilhantes sagas de médicos (os Brutos da Costa) ou de juristas de Portugal.

Mas tinha uma altivez e um sentido de humor acima da média. O Sanches avisara-o de que algum dia viria aí a revolução, certamente proletária, certamente chinesa. Respondeu-lhe o André, displicentemente: ò pá, tenho 40 fatos no armário e um fato-macaco, no dia em que vocês tomem o poder vestirei o fato-macaco. Por isso foi saneado.

Esteve-se nas tintas, a sua brilhante carreira jurídica dava-lhe o dinheiro que quisesse. Foi Ministro e demitiu-se porque o salário não lhe dava prós charutos.

E já que faço de Advogado do Diabo direi que o Sanches quando saiu do MRPP escreveu um dos piores panfletos de análise marxista que saiu em Portugal. Pior que os panfletos abaixo-de-cão do stalinismo.

Já fiz de Advogado de Diabo. Espero que os amigos e admiradores do Santo se dediquem à hagiografia. Vou dar-lhes uma ajuda: era um tipo valente e corajoso.

MA       



publicado por porabrantes às 08:57 | link do post | comentar

Sábado, 11.04.15

com_01.jpg

Que nesta prisão de Saldanha Sanches andou a mão do PCP, andou.

 

Isto serve para recordar que houve muitos presos políticos depois do 25 de Abril 1974.

 

Foi em Junho de 1974, SS já tinha estado longos anos preso pela ditadura.

 

Não dei pelo Sampaio da Nóvoa a pedir pela liberdade dele em 1974, mas dei pelo Miguel Serras Pereira que escrevia neste jornal. Naturalmente o Miguel não é candidato a Belém.

 

ma



publicado por porabrantes às 17:06 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Proletariado sequestra co...

Lourdes Pintasilgo e o MR...

PC de Cuba elogia Arnaldo...

Líder do proletariado opi...

Internamento urgente no J...

Enquanto o Funchal Ardia,...

O Problema dos ''bufos'' ...

Comunicado do Líder da Cl...

Advogado do Diabo

Regime abrilista prende S...

arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10


20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds