Domingo, 12.05.19

museu mdf processo

 

A Senhora Vice-Presidente da CPC do PSD de Abrantes acha que sim.

E tem carradas de razão.

Quem deixa apodrecer o património devia ser sancionado.

ler o post original.

 



publicado por porabrantes às 21:10 | link do post | comentar

Sexta-feira, 10.05.19

Comentário no post Espólio do Museu do ano apodrece na via pública

Já há uns anos alertei um elemento da anterior junta de freguesia, para o estado em que estas máquina iriam ficar sem uma proteção da chuva e sol. Dei o meu parecer, de como as deveriam proteger. Ainda fui mal entendido. Agora estão melhores.

Joaquim Pereira Mateus

É evidente, caro leitor, que as máquinas assim se degradam.

Obrigado pelo seu comentário.

mn 


tags:

publicado por porabrantes às 23:00 | link do post | comentar

Quinta-feira, 09.05.19

O Museu MDF conseguiu um galardão para o melhor museu de 2017. É uma produção da Glorybox e tem  um circuito externo onde são exibidas máquinas antanho produzidas pela MDF.

Um Museu implica cuidado com a conservação das peças originais, investigação científica e um quadro técnico, estando no topo da hierarquia um conservador (a).

Investigação científica nem vê-la.

Quadro técnico também não há, o que existe é uma senhora  a recibos verdes.

O Museu foi uma iniciativa da Junta local, apascentada pelo Victor Hugo (PS), com dinheiros comunitários e da CMA, apoio da curiosa empresa Diorama, e de algum mecenas e sobretudo da actividade dum carola o sr. Contente que foi guardando peças relevantes duma fábrica destruída pela demagogia gonçalvista e por não se ter modernizado.

O que a MDF fazia em 1960 eram produtos arcaicos sem competitividade no mercado internacional e estava condenada numa economia aberta.

As Berliets foram uma fuga para a frente para adiar uma morte a prazo.

mdf 1

Conservar as peças?

mdf 2

Qualquer lavrador prudente e conheci muitos sabia que estas máquinas de estrutura de madeira, terminada a safra, tinham de ser metidas num telheiro, para as proteger da inclemência do tempo.....porque senão apodreciam.

mdf 3

A tropa que dirige o Museu MDF e os responsáveis políticos, o Cardoso e o Luís Dias, vereador da Kultura abrantina, acham que  máquinas de madeira, com muitas dezenas de anos podem apodrecer ao sol e à chuva!!!!!

luis_dias_2

E o resultado está à vista:

mdf 4

A incúria e o desmazelo da Junta, da direcção do ''Museu do ano'' e do Dias estão retratada nas fotos do sr.Manuel Jacob Agostinho

mdf 6

mdf 8

Tropa desta e a forma como delapidam o dinheiro público e destroem o património só merecem a nossa desconfiança.

 

 

mdf 9

mn

o nosso obrigado ao Sr.Agostinho por denunciar este atentado ao património

 

 

 



publicado por porabrantes às 15:14 | link do post | comentar

Terça-feira, 26.06.18

Na Rádio oficiosa vieram dizer que afinal foram três mil visitas ao Museu da MDF em 2017.

Não foram, a fasquia dos 3 mil não foi alcançada.

Apenas 2.527 visitantes meteram lá os pés segundo este documento oficial ....

museu mdf

Fonte :Contas da CMA/2017-página 19

 

Mas o flop monumental é da Galeria Quartel que só teve 1.102 visitantes   ou seja 3 por dia....

E dizem que os Museus como este trarão visitantes à terra, está visto que não...

São estes números fiáveis???

Não são.....na mesma página, umas linhas acima dizem que foram 3.000 ''só no primeiro semestre''.

museu mdf 2

Se os documentos oficiais oferecem dados contraditórios, não é de espantar que os da rádio andem baralhados no meio desta baralhação.

Disse na AM a propagandista da cacique, Piedade Pinto, que as contas eram um documento ''técnico'', muito bem feito, só acessível de interpretar a um ROC.

Ora bolas..... para descobrir dados contraditórios logo à primeira vista, sem lupa, não é preciso ser estudioso da contabilidade, basta.......ler o documento.

Regresso ao título.........está baseado na primeira citação, esperemos que seja confiável....

mn 

 

 



publicado por porabrantes às 16:54 | link do post | comentar

Quinta-feira, 15.06.17

ligia vanessa.png

A excelentíssima ex-candidata PS à Assembleia de Freguesia do Tramagal, Lígia Vanessa ganha ajuste directo dado pela CMA, onde pontifica outra senhora do PS, a conceituada cacique.

Titular do nif 230738435 a esforçada animadora da jornadas enófilas da falida Herdade de Cadouços, projecto abençoado pela Vereadora Maria do Céu Antunes, é contratada pela CMA pela módica soma de 39.060,00 €.

Só metemos o nif porque é obrigatório nos contratos públicos e o caciquismo resolveu censurar os dados. Este caciquismo gosta muito da censura.

Entretanto outro tipo que foi candidato com o Bruno Tomás também ganhou outro contrato.

A Lígia Vanessa é o rosto visível do Museu MDF do Tramagal, que é da Junta local.

Porque é que é a CMA a contratá-la?

A Lígia Vanessa aparecia na lista do Tramagal com a profissão ''estudante'' em 2013.

E depois ganhou uns contratozinhos via PEPAL....

ligia vanessa 2.png

Resta preocupar-nos com a enofilia, a Lígia Vanessa organizou as inesquecíveis jornadas ''Vindimas na Herdade de Cadouços'' e 'Tertúlias Vínicolas''

 

Está na hora dela organizar uma tertúlia no Museu MDF com a Lili Caneças e o provecto Duarte Ferreira, que vendeu a Herdade da Coelheira,' para explicarem a importância da pinga dessa Herdade na História da siderurgia lusa.

 

mn

 

   

 



publicado por porabrantes às 08:57 | link do post | comentar

Segunda-feira, 21.12.15

Publicamos esta reflexão do autarca PSD na Assembleia de Freguesia do Tramagal, dr.António José Carvalho:

mdf 2015.jpg

 

 

''Questionar, falar, discutir, de forma tolerante, é sempre bom, e no presente caso muito melhor que ficarmos calados a assistir à injustiça na afetação do dinheiro público que, também sobre esta matéria, se tem abatido sobre o Tramagal.
Apesar de haver quem mais saiba deste processo do que eu, mas pareça não o querer contar ou tenha pruridos em fazê-lo neste democrático espaço de facebook, também porque este projeto é o único investimento (!) da Câmara Municipal de Abrantes previsto para a vila de Tramagal até 2020, deixo aqui as minhas respostas às questões acima colocadas:
"Qual a situação do museu ? "
R.: A empreitada de adaptação do edifício dos antigos escritórios da MDF foi concluída no início de 2015, mas ficaram por fazer trabalhos importantes para que a sua utilização museológica seja possível: arranjos exteriores, obras no 1º andar, ligações às redes...
Entretanto, alguns trabalhos de preparação da exposição estarão a ser desenvolvidos pela CMA.
"Será que o dinheiro acabou e já nada é feito ? "
R.: O dinheiro da referida empreitada, cerca de 130 mil euros, cofinanciados pela UE - PRODER e pela Junta de Freguesia de Tramagal (para quem a CMA transferiu a componente nacional do projeto) já se esgotou, havendo em curso um diferendo entre JFT/CMA e IFAP (que gere o PRODER) sobre o pagamento de alguns trabalhos.
O orçamento da JFT para 2016 prevê uma verba de 25 mil euros para equipamento do "museu". O orçamento da CMA prevê para o "museu" 40 mil euros distribuídos por quatro anos, até 2019 - 10 mil euros por cada ano.
"Será que afinal já não vamos ter museu, porque ainda andam a discutir o nome do mesmo?"
R.: Tudo leva a crer que um dia haverá algum "museu". Mas lamenta-se a lentidão do processo, que não decorre de eventual falta de dinheiro da CMA para o realizar, mas essencialmente da subjugação dos prazos ao calendário eleitoral e da relativa pouca importância que é dada ao projeto pelo Município.
Não será a discussão do nome que emperra o processo. No entanto, não deixo de estranhar que passados quase 5 anos sobre a ministerial homologação do protocolo para a criação do "museu" (26 de abril de 2011), ainda haja dúvidas sobre esta questão: no orçamento da CMA para 2016 chama-se-lhe "Museu Duarte Ferreira", já no da JFT para o mesmo ano: "Núcleo Museológico Industrial de Tramagal"... De notar que a política de comunicação da CMA não costuma deixar estas coisas ao acaso. Por exemplo, em propaganda do nome MIAA - Museu Ibérico de Arqueologia e Arte de Abrantes, já terão sido gastos algumas dezenas ou centenas de milhares de euros.
"A quem pertence o espólio a expor?"
R.: Salvo melhor opinião, a propriedade da maior parte do espólio que se pretendia expor ao abrigo do protocolo de 2011 é da Diorama. Nos termos do protocolo esta empresa cederia o espólio em regime de comodato gratuito por um prazo de 10 anos.
...
A dissertação de mestrado de Lígia Marques - "Abordagem à Metalúrgica Duarte Ferreira: Proposta de Musealização" é uma referência essencial sobre esta temática e inclui em anexo o protocolo de 2011. Pode ler-se aqui:http://comum.rcaap.pt/handle/10400.26/6540''
 
pub no facebook
 
acho que a foto de Maio de 2015 é da CMA, mas não garanto, de qualquer forma a devida vénia.
 
mn


publicado por porabrantes às 22:20 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Deviam ser processados os...

Espólio do Museu do ano a...

Espólio do Museu do ano a...

D.Lopo bate ''melhor muse...

O ajuste directo da Lígia...

O Museu da MDF

arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds