Sábado, 27.07.19

Nesta crónica madeirense a autora, D.Maria de Fátima Soares evoca os Natais em casa dos seus avós, num palacete da Rua Grande. Acho que a casa é agora dum amigos nossos e é das poucas habitadas nessa rua.

Naturalmente evoca as inesquecíveis lampreias de ovos abrantinas.

mn 



publicado por porabrantes às 18:45 | link do post | comentar

Terça-feira, 25.12.18

O Natal cigano em Elvas, no São Macário local, o famoso bairro das Pias, conhecido como antro do narcotráfico, foi animado por um tiroteio que provocou um morto.

mn 


tags:

publicado por porabrantes às 09:45 | link do post | comentar

Segunda-feira, 24.12.18

s-l1600

devida vénia a Reiser e ao Charlie


tags:

publicado por porabrantes às 10:25 | link do post | comentar

Sábado, 22.12.18

O nosso agradecimento à nossa querida amiga drª Isabel Veiga Cabral ( que meteu onde devia ser metida a Filomena Gaspar, in illo tempore), às Aldeias Históricas de Portugal.

Destaque para a FUS do Sardoal.

E para o Presidente da CMS

mn 


tags: ,

publicado por porabrantes às 23:30 | link do post | comentar

Sexta-feira, 21.12.18

Não resistimos a publicar um texto sobre o Natal, acabadinho de sair no face, publicado por Frei Nuno Serras Pereira, certamente o sacerdote católico que melhor usa a língua de Camões. E além disso é a história dum Natal abrantino....

 

Carvões

1. Naquela noite de Natal, a casa da avó, em Abrantes, como de costume, fervilhava de animação com a enchente familiar, do lado paterno. Como não cabíamos todos na sala de jantar, o grupo dos mais novos comia na sala dos armários, sua contígua, assim chamada pelas cantoneiras que ocupavam, do chão ao tecto, todos os ângulos. Ali se guardavam as loiças, as compotas, a marmelada, os folares (pela Páscoa), as boleimas, o arroz doce, as tigeladas, a palha de Abrantes, os sonhos, enfim, as sobremesas próprias de cada época. Esta divisão tinha uma mesa onde habitualmente se tomava o pequeno-almoço e a merenda, nome que a minha avó dava àquilo a que nós impropriamente chamamos lanche; era separada da sala de jantar por duas portas de vidraça, dava para a cozinha por uma porta de madeira maciça e tinha uma janela de guilhotina sobranceira ao pátio da cisterna, coberto por uma latada, então desnuda, mas que no Verão se enchia de parras e uvas suculentas e saborosas. Na cozinha via-se ao fundo o fogão a lenha onde as criadas, como então se dizia, preparavam as refeições que recendiam os mais variegados odores. No Verão era ali, num armário debaixo da mesa de mármore, que se guardavam as bilhas com água para a manter fresca. A porta para o exterior dava para uma varanda, onde nós, os quatro irmãos mais velhos, nos tempos livres, jogávamos hóquei em patins, mas também onde, quando era preciso, se matavam as galinhas ou os perus que se iam buscar ao galinheiro, no fundo do quintal, ao lado da casa da lenha.
Acabado o jantar de Natal, depois de pedida licença à avó para nos levantarmos, passámos pela sala de jantar, atravessámos a sala encarnada, que só se abria em dias de festa, corremos pelo quarto da avó, subimos ao sótão, onde dormíamos, agachámo-nos de modo a tirar rapidamente os sapatos ou botas de debaixo das camas, descemos em tropel, passámos pelo quarto da tia Mená, descemos as escadas que iam dar à entrada, guinámos 180 graus e, chegados à sala das arcas, encaminhámo-nos para a sala da lareira, onde enfileirámos o calçado. Era nesta última que estava montado o presépio, atapetado de abundante musgo que tínhamos andado a recolher pelas árvores e muros dos campos, coberto por figuras de barro, encantadoramente toscas. Entretanto, os mais velhos vinham também descendo e iam-se aconchegando na sala da braseira – esta era separada da sala das arcas pela sala do piano e dava para a varanda dos arcos, que se abria sobre o jardim e era subposta à varanda da cozinha. Porém, pelas onze, onze e meia da noite os lugares trocavam-se. Irmãos e primos mais novos eram “encerrados” na sala da braseira enquanto os mais velhos dispunham, na sala da lareira, os presentes que o Menino Jesus tinha trazido. Não podíamos ver nada até à hora devida, que era só depois da Missa do Galo, que se celebrava, então, mesmo à meia-noite. Primeiro badalavam os sinos da vetusta Igreja de São Vicente, depois, uns cinco ou dez minutos antes da hora, tocava a sineta para avisar da iminência da celebração. Como a casa era bem perto do templo, só a este último sinal é que nos agasalhávamos para enfrentarmos o frio da noite e saíamos. A Missa, luminosa e resplandecente de alegria interior, era celebrada com os vagares próprios do Cónego Freitas. Os mais novos estávamos como que divididos entre a suspensão maravilhada da celebração dos mistérios e a pressa do fim, numa sofreguidão pelos presentes. Terminados os ritos e as saudações de boas-festas aos amigos e conhecidos, no adro da igreja antiga, por debaixo dos arcos botantes, para onde dava a porta lateral que tínhamos por costume usar, deitámos a correr para casa, sendo recebidos pelos latidos alegres do Toy, um fox terrier, e pelo ronronar da Patuda e suas crias, uma gata com que o Toy convivia mansamente, para além da Bigodaças, uma coelha domesticada que partilhava desta amizade inter-espécies.
Na sala das arcas amontoámo-nos todos até que estivessem presentes os pais, os tios e a avó, espreitando avidamente os embrulhos pelas vidraças das portas da casa da lareira. Quando finalmente fomos autorizados a entrar, dirigi-me para o meu sapatinho agarrando de pronto o maior e mais vistoso dos embrulhos. Desenlacei a fita, rasguei o papel, e deparou-se-me uma caixa de papel pardo e reles que abri movido por uma inquieta curiosidade, logo seguida de um grande assombro, que subitamente rebentou numa intempestiva cólera e me fez lançar raivosamente tudo para a lareira que crepitava alegremente: era uma caixa cheia de carvões! Carvões!!! Carvões negros, medonhos, fuliginosos, mais sombrios que a noite mais escura de invernia, mais tristes que um calvário. Ainda para mais numa noite de Natal! Que “piadinha” sem gracinha nenhuma! E logo da Mená, que era sempre tão querida e amiga! Parvoíces! Sentei-me a um canto, de trombas, e amuei melancolicamente.
Entretanto, o Luís, meu irmão, afilhado da Mená, descobriu igualmente que o presente oferecido pela madrinha era também uma caixa a abarrotar de carvões. E logo fez ali uma galhofa: Ai que bom! Há tanto tempo que queria carvões e ninguém mos dava. Até que enfim! E com exclamações de regozijo e ares de grande festa começou a partilhar o seu “tesouro”. Um carvão para a avó, outro para o pai, o terceiro para a mãe, etc. E todos agradeciam entre sorrisos e gracejos a preciosidade que recebiam, até que esgotados os carvões o meu irmão descobre uma quantia avultada de dinheiro! O meu ardeu na lareira…
Este episódio da infância ficou-me para sempre como uma lição. Tantas vezes Deus permite “carvões” nas nossas vidas, enfermidades, lutos, desempregos, injustiças, ingratidões, as mais diversas contrariedades, estorvos, sofrimentos e obstáculos; e, no entanto, se n’Ele soubermos esperar e confiar, nunca nos deixa ficar mal, pois por debaixo dos “carvões” há sempre uma avultada quantia de Graças. Afinal, como diz São Paulo, Deus concorre em tudo para o bem daqueles que O amam, e Santo Agostinho adianta que embora Deus nunca queira o mal, o permite, mas somente porque pelo Seu poder omnipotente é capaz de tirar do mal um bem maior. Afinal foi isso que aconteceu na Redenção: do mais grave de todos os pecados que o homem podia cometer – a crucifixão e morte de Jesus Cristo –, tirou a nossa Salvação. Do maior mal tirou o maior bem – onde abundou o pecado, diz São Paulo, superabundou a Graça de Deus. Importa pois não se revoltar, desalentar, desistir ou isolar, como eu fiz, impedindo-me a mim mesmo, uma vez que deitei tudo a perder, de receber a prenda que a Mená me tinha preparado. O Luís, pelo contrário, encarando a circunstância com bom-humor e confiança, sabendo partilhar as suas dificuldades (os carvões), encontrou o dom escondido e uniu a família numa partilha jucunda.
Pedir com simplicidade que nos ajudem a levar a cruz – os carvões – faz-nos crescer na humildade e oferece aos outros a possibilidade de amadurecerem na generosidade. Quem pede percebe que sem os outros pouco é, não consegue ser quem é; quem se oferece, saindo de si mesmo para se dar desinteressadamente, aprende o amor que consiste no dom sincero de si mesmo como ensina o Concílio Vaticano II.
O presente que me foi oferecido com tanto amor, ao não ser acolhido, ao ser lançado ao fogo, ateou em mim labaredas infernais, símbolo daquela perdição eterna a que nos podemos condenar por culpa própria e da qual Deus nos quer salvar. Pelo contrário, os carvões compartidos pelo Luís, que cada um magnanimamente tomou para si, são sinal da sua (deles) oblação àquele fogo de amor divino que, tomando-os para Si, os abrasou com tal intensidade e veemência de amor que os confundiu Consigo, transformando-os em brasas incandescentes de caridade e alegria, em chamas de amor, ateando incêndios pentecostais.

(...)


tags:

publicado por porabrantes às 16:14 | link do post | comentar

Quinta-feira, 20.12.18
Domingo, 27 de Janeiro de 2013

 

''

E logo no jornal do Sr. Cónego, só comparável à tirada que ouvi ao Sr. Cónego num jantar este fim de semana, que ao querer evocar a época do Natal e a data do Nascimento de Jesus, em vez de falar no memorável dia 25 de Dezembro, acabou a dizer por "gaffe": o dia memorável do 25 de ABRIL!!!

 

A gargalhada foi geral...''
 
15-12-2008
 
João Pico
 
 
 
 
Suzy de Noronha, acabadinha de chegar 
 

tags:

publicado por porabrantes às 11:19 | link do post | comentar

Terça-feira, 11.12.18

10433130_1037773896248760_6567910278073697020_n

 


tags:

publicado por porabrantes às 10:10 | link do post | comentar

Segunda-feira, 25.12.17

Dec 23- Dec 29 2017, Stray Thoughts

CHRISTIANS UNEASY THIS CHRISTMAS!!

CHRISTIANS UNEASY THIS CHRISTMAS!!

SANTA THREATENED: In Gujarat 30 seminarians and two priests who were carol singing were arrested for allegedly trying to convert … More CHRISTIANS UNEASY THIS CHRISTMAS!!

 

 

no  GOAN OBSERVER

 

um jornal goês próximo do Partido do Congresso, a oposição laica e dinástica indiana, dinástica porque o chefe actual é Rahul Gandhi 


tags: ,

publicado por porabrantes às 13:45 | link do post | comentar

Domingo, 24.12.17

''Le Père Noël est vêtu d’écarlate : c’est un roi. Sa barbe blanche, ses fourrures et ses bottes, le traîneau dans lequel il voyage, évoquent l’hiver. On l’appelle « Père » et c’est un vieillard, donc il incarne la forme bienveillante de l’autorité des anciens. Tout cela est assez clair, mais dans quelle catégorie convient-il de le ranger, du point de vue de la typologie religieuse ? Ce n’est pas un être mythique, car il n’y a pas de mythe qui rende compte de son origine et de ses fonctions ; et ce n’est pas non plus un personnage de légende, puisque aucun récit semi-historique ne lui est attaché.

En fait, cet être surnaturel et immuable, éternellement fixé dans sa forme et défini par une fonction exclusive et un retour périodique, relève plutôt de la famille des divinités ; il reçoit d’ailleurs un culte de la part des enfants, à certaines époques de l’année, sous forme de lettres et de prières ; il récompense les bons et prive les méchants. C’est la divinité d’une classe d’âge de notre société (classe d’âge que la croyance au Père Noël suffit d’ailleurs à caractériser), et la seule différence entre le Père Noël et une divinité véritable est que les adultes ne croient pas en lui, bien qu’ils encouragent leurs enfants à y croire et qu’ils entretiennent cette croyance par un grand nombre de mystifications.''

 

Claude Levi Strauss no Le Monde


En savoir plus sur http://www.lemonde.fr/idees/article/2017/12/23/claude-levi-strauss-le-pere-noel-se-rattache-aux-rites-de-passage-et-d-initiation_5233828_3232.html#jGUqZpksjwKCwzC8.99

tags:

publicado por porabrantes às 18:55 | link do post | comentar

no El País


tags: ,

publicado por porabrantes às 11:56 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Natal num palacete da Rua...

Natal cigano no S.Macário...

Boas Festas

Concerto de Natal

Carvões por Frei Nuno Ser...

Cónego Graça confunde Nat...

Natal de 2014

Natal com trinta seminari...

O Pai Natal como divindad...

Cacique sai da cadeia par...

arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds