Segunda-feira, 06.08.18

 

Supomos que temos um dia destes de voltar à porca da política actual, hoje ou amanhã.

Já se escreveu aqui umas notas sobre a entrevista do Manuel Lopes, ex- autarca da APU.

Como a Históra é uma coisa que vai fazendo, fomos procurar informações ao sítio certo, ou seja à direcção nacional dum partido que até 1974 e inclusive uns anos depois mantinha casas e instalações clandestinas.

Pacheco Pereira, no 2 º tomo da sua biografia de Álvaro Cunhal, explica bem o funcionamento das casas clandestinas do PCP e também faz uma referência a Maria Fernanda Corte Real Silva, que viveu nesta casa

17512946_aJKTw

Já agora baseia parte do livro num trabalho de Jorge Santos Carvalho, sobre as relações luso jugoslavas.

Diz o Lopes que havia um andar devoluto, em 1974, nesta casa.

Era por baixo da residência do Dr.Orlando Pereira, que faleceu em 2016 e que o PCP de Abrantes ainda não  homenageou.

orlando pereira seara

 

O andar tinha sido alugado pelo Advogado e servia de casa de apoio as actividades clandestinas do PCP, durante os últimos anos do fascismo, sendo usado por um membro do Comité Central.

Antes de ficar devoluto era residência da família Feijó.

Com a legalização do Partido....ficou esquecido...por isso estava devoluto.

De forma que a Comissão de Moradores.....foi ocupar um andar da estrutura clandestina da resistência à ditadura.....

ma

 

anúncio de Orlando Pereira numa Seara Nova de 1960....onde também anunciava

semedo seara

 



publicado por porabrantes às 17:15 | link do post | comentar

Quarta-feira, 02.05.18

 

manuel lopes chefe

Numa entrevista ao Médio Tejo, o Manuel Lopes (aqui numa imagem RTP escoltando Cunhal quando este desembesta ferozes diatribes aos críticos do estalinismo, cuja face mais visível ,em Abrantes, era o dr. Rolando Silva) faz umas revelações interessantes sobre o PREC.

Vamos comentá-las, mas agora vamo-nos concentrar nesta ''ocupação'' de que se gaba o homem.

Segundo as declarações só conseguiram ocupar uma casa que estava devoluta, propriedade da ''senhora Julieta Farinha Pereira''.

O edifício propriedade da D.Julieta era este:

casa dr. orlando

 

Nele vivia, num andar arrendado, o Dr.Orlando Pereira, subchefe local do PCP, porque a chefa era a mulher, Senhora D. Fernanda Corte Real e Silva Pereira, que na época ainda não era licenciada, porque se formou depois de Abril.

Era a ''chefa'' da quase ausente estrutura comunista local e segundo Eurico Consciência '' mais sectária que Cunhal e Brejenev juntos''.

Quem era a única vítima do Manuel Lopes, o OKUPA????

julieta

É a senhora à esquerda da Tia Mary Lucy.

Julieta Farinha Pereira, mulher duma ampla cultura, incorrigível fumadora, era filha de António Farinha Pereira, que fora um dos mais importantes dirigentes republicanos abrantinos, e que ao longo da sua vida manteve uma inquebrantável fé em que a Ditadura cairia.

( ver aqui artigo de AFP na ''República'')

content

O Carlos Ferrão ainda, em 1963, neste livro evocava essa fidelidade a um ideal liberal....

E o velho Farinha Pereira morrera em 1947.....

O irmão de Julieta Farinha Pereira, o Fernando padecera a cadeia por liberal e maçon, e na cidade proliferavam casas vazias e fascistas, mas o prédio que a D.Julieta erguera, com as suas economias, em vez de ir investir em andares em Lisboa, seria o alvo dum homem que se gaba de ser ''amigo'' dum fascista notório, o Isidro Sequeira Estrela.

Lá impuseram em nome duma legitimidade da treta, o inquilino que quiseram à D.Julieta.

Em 1975, o outro inquilino, o Dr. Orlando Pereira era candidato pelo MDP e cobria-se de ridículo com uma miserável votação nas eleições para a Constituinte, porque um povo sábio viu que o PCP lhe estava a vender gato por lebre.

O MDP era o PC disfarçado.

O Dr.Orlando Pereira, que atravessava circunstâncias financeiras particularmente difíceis, foi nomeado para Notário em Lisboa. Para lá foi.

Era 1975. Ao longo de anos manteve a casa alugada desabitada em Abrantes, com a tolerância da D.Julieta.

Naturalmente a Comissão de Moradores não foi verificar se a Casa do Camarada Orlando estava vazia e se lhe devia ser dado destino mais útil.

Não se faz isso a um Camarada, especialmente se é um Chefe.....

A D.Julieta podia ter despejado o Dr.Orlando, mas achava que não se devia fazer isso, a um homem que atravessava circunstâncias financeiras delicadas e cujo filho padecia a cadeia por motivos políticos.

Também podia ter feito isto ao Manuel Lopes e aos ''okupas''

difamaçao

Não fez, é lá com ela.

Mas ao ajudar a fundar o Colégio de Nossa Senhora de Fátima fez certamente mais que o Manuel Lopes por esta terra.

Já agora quando é que o Lopes nos conta como é que  o Vereador Campante  ''roubou'' umas metralhadoras para ajudar a montar uma ditadura, que seria dez vezes pior que o fascismo, nesta terra????

ma

 

recorte : Tal e Qual

foto do julgamento por dimafação do executivo da CMA por queixa do Anacleto, em que o Manuel Lopes e os outros réus pediram humildemente desculpa ao queixoso. A crónica do Ferreira Fernandes sobre isto é ''imperdível'' ........



publicado por porabrantes às 16:24 | link do post | comentar

Quarta-feira, 25.04.18

orlando pereira.png

 

Já se falou aqui muitas vezes do que era o mais importante dirigente da Oposição à Ditadura em Abrantes em 1974. A Cidade  continua a dever uma homenagem ao Dr.Orlando Pereira, Advogado e dirigente oposicionista.  Para recordar esquecidos mais umas achegas bibliográficas.

mn

Biografia de um inspector da PIDE: Fernando Gouveia e o Partido ...

 
https://books.google.es/books?id=0JlLAQAAIAAJ - Traducir esta página
Irene Flunser Pimentel - 2008 - ‎Vista de fragmentos
No processo então instruído pela PIDE, estes dois, bem como Octávio Pato, António Areosa Feio e Orlando Pereira foram considerados membros do PCP, controlados pelo elemento do CC, Gilberto Florindo de Oliveira. A PIDE afirmou que esse movimento era um apêndice juvenil desse Partido, apenas ressalvando que, enquanto no PCP, tudo era secreto, no MUD J, os membros não escondiam os seus nomes, excepto os que também eram elementos daquele Partido17.
 
 
 
que se separase de mí ...
 

Vítimas de Salazar: estado novo e violência política - Página 306

 
https://books.google.es/books?id=614MAQAAMAAJ - Traducir esta página
João Madeira, ‎Luís Farinha, ‎Irene Flunser Pimentel - 2007 - ‎Vista de fragmentos - ‎Más ediciones
A prisão dos membros da Comissão Académica de Lisboa do Movimento de Unidade Democrática Juvenil (MUD J), Mário Ruivo, Castro Rodrigues, Joaquim Angelo Rodrigues, Fernando Pulido Valente, José Carlos Gonçalves, Orlando Pereira e outros1, sucedeu- -se a dos membros da Comissão Central (CC) desse movimento - António Areosa Feio, Orlando Pereira, Mário Soares e Francisco Salgado Zenha, entre outros. Mário Soares relatou o julgamento, onde ele e os seus ...
 
 
 
 
 


publicado por porabrantes às 09:48 | link do post | comentar

Domingo, 02.10.16

Já se falou aqui muito da Drª Maria Fernanda Corte-Real Silva, como dirigente local da Oposição, resistente, única mulher dirigente do MUD-Juvenil (com Octávio Pato, Mário Soares, etc), presa política, mas faltava um pormenor a passagem à clandestinidade.

Leiam este livro

cecília honório book.jpg

da Historiadora e ex-deputada do Bloco, Cecília Honório. Há uma parte que está disponível aqui

fernanda cr.png

fernanda corte-real e silva.jpg

(imagem retirada do Silêncios e Memórias-Ficha da Pide- publicado num dos livros sobre Presos Políticos da  Comissão do  Livro Negro sobre o regime fascista.)

extracto do livro citado...



publicado por porabrantes às 16:31 | link do post | comentar

Sábado, 30.07.16
 
 
 
 
   
 
Antifascistas da Resistência  (facebook)
9 de julio a las 17:22 ·

ORLANDO PEREIRA (1924 - 2016)

Cidadão da Resistência contra a Ditadura durante décadas, muito respeitado em Abrantes, é considerado o líder da Oposição Democrática nesse concelho, nas décadas de 50, 60 e na primeira metade da década de 70 do Século XX. Em 1975, foi candidato a deputado, pelo MDP/CDE.

1. Nasceu a 24 de Março de 1924, em Alenquer (Merceana), onde o seu pai desempenhava o cargo de secretário da Câmara. Licenciou-se em Direito na Faculdade de Direito de Lisboa. Na Faculdade conhecera a mulher com quem iria casar em 1950, Maria Fernanda Corte Real Graça e Silva, uma activa militante da Oposição, julgada em Tribunal Plenário (1).
Pertenceu à direcção do MUD Juvenil e esteve preso no Aljube, em 1949, juntamente com outros antifascistas, entre os quais Mário Soares. Mantinha, então, ligação ao Partido Comunista.
Foi para Abrantes em 1951, pela mão de Armando Martins do Vale, advogado de renome, para dar continuidade, como advogado, ao escritório do advogado João de Matos, quando este foi para juiz.
Mais tarde, em 1955, depois de ter feito estágio para “ Registos e Notariado”, em Mação, e concorrido para o notariado, foi-lhe vedado o acesso à função pública e impedido de ocupar o lugar de notário do Cartório de Albufeira, a que tinha direito ao ficar colocado em 1º lugar: tinha sido alvo do famigerado Decreto-Lei nº 25317, de 13 de Maio de 1935, que bania da Função Pública quem não desse garantias de fidelidade ao regime ditatorial do Estado Novo. Assim, não chegou sequer a tomar posse do cargo e foi advogado em Abrantes, durante um quarto de século, entre os primeiros anos da década de 50 do século XX e o princípio do ano de 1977 (2).
Orlando Pereira participou activamente em todas as campanhas eleitorais e, em 1961, foi candidato da Oposição, no distrito de Santarém. Em 1973, integrou a Comissão Nacional do 3º Congresso da Oposição Democrática, realizado em Aveiro.
Como advogado, defendeu vários presos políticos julgados nos Tribunais Plenários.
Desempenhou diversos cargos na Ordem dos Advogados: delegado às assembleias-gerais, entre 1963 e 1971, e delegado na Comarca de Abrantes, entre 1968 e 1971.

2. Foi candidato do MDP/CDE a deputado, nas primeiras eleições democráticas realizadas e 25 de Abril de 1975, para a Assembleia Constituinte.
Na sequência da revolução de Abril de 1974 veio a ser reintegrado na Função Pública, mediante a simples prova do seu afastamento por motivos políticos, que estava patente no “Diário do Governo” em que fora publicada a deliberação do Conselho de Ministros que o demitiu; e, em princípios de 1977, Orlando Pereira era nomeado notário do 13º Cartório Notarial de Lisboa, um importante cartório na Baixa lisboeta, onde terminaria a sua carreira profissional. Faleceu no dia 21 de Junho de 2016, em Lisboa, com a idade de 92 anos.

(1) Maria Fernanda Silva (Pereira) fez parte do MUNAF; em 1945, com 19 anos, aderiu ao Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas; no ano seguinte, integrou a primeira Comissão Central do MUD Juvenil (sendo a única mulher), com Mário Sacramento, António Abreu, Francisco Salgado Zenha, José Borrego, Júlio Pomar, Mário Soares, Nuno Fidelino Figueiredo, Octávio Pato, Óscar dos Reis e Rui Grácio. Conheceu Orlando Pereira, estudante do 2.º ano e dirigente estudantil ligado ao Partido Comunista, e data de então a sua adesão a este partido, fazendo-se a intervenção no âmbito daquela organização juvenil. Foi enquanto dirigente do MUD Juvenil que foi presa por duas vezes, o que fez com que não concluísse imediatamente o curso: a primeira, em Évora, juntamente com Júlio Pomar, a 27 de Abril de 1947, foi libertada quatro meses depois; tornou a ser detida, desta vez em Beja, em 24 de Abril de 1948, recolhendo mais uma vez ao Forte de Caxias. Saiu em liberdade condicional passados três meses, em 29 de Julho. Julgada inicialmente pelo Tribunal Plenário de Lisboa em 15 de Março de 1949, seria condenada a 40 dias de prisão correccional e suspensão de todos os direitos políticos por três anos, mas a sentença seria agravada para 100 dias de prisão correccional, por acórdão do Supremo Tribunal de Justiça de 19 de Julho de 1950.

(2) Testemunho do advogado abrantino José Amaral: “Foi com ele que fiz o meu estágio, entre Março de 1976 e 30 de Setembro de 1977. Após o Dr. Orlando Pereira ter pedido a suspensão da sua inscrição na Ordem dos Advogados, quando foi para Notário (...) continuei no escritório do Dr. Orlando, pelo qual fiquei responsável, a tempo inteiro, a partir do dia 12 de Agosto de 1976, que é a data que marca o início da minha vida activa. Ele só vinha ao fim-de-semana, e nem sempre. Aprendi muito com ele». (facebook)

Biografia da autoria de Helena Pato

http://silenciosememorias.blogspot.pt/…/1016-maria-fernanda…
http://amar-abrantes.blogs.sapo.pt/faleceu-orlando-pereira-…
Candidatos da Oposição à Assembleia Nacional do Estado Novo (1945-1973). Um Dicionário, de Luís Reis Torgal e Mário Matos e Lemos.

 
Foto de Antifascistas da Resistência.
Transcrevemos, com a devida vénia, o post de Helena Pato no site Anti-Fascistas da Resistência
sobre os militantes do PCP de Abrantes, Dr. Orlando Pereira e sua mulher  Drª D. Fernanda Corte Real Silva. Supomos que o PCP abrantino e a CDU agora já podem prestar a homenagem que devem aos dois falecidos camaradas. Falta anotar uma coisa ou relembrá-la, quem herdou inicialmente o escritório do Dr. João de Matos, foi o Advogado e  escritor ex-nacional -sindicalista e depois compagnon de route do PC, Dr. Vergílio Godinho, de Vila de Rei .
 
 

Vergílio gounho século ilustrado.jpg

 

e foi ele que dirigiu a campanha de 1958, de Delgado, por isso foi preso. O Dr.Orlando ajudou-o
nessa campanha, com outros. cidadãos, Duarte Castel-Branco, Costa e Simas, etc...
 
ma 
 
 
 


publicado por porabrantes às 23:43 | link do post | comentar

Quinta-feira, 14.07.16

aldeias imaginárias 2.jpg

 publicado pela Barca, última edição, artigo da autarca oposicionista da Bemposta, Srª Dª Maria Fernandes.

 

A Barca foi o único jornal a noticiar a morte do anti-fascista Dr. Orlando Pereira, reproduzindo o post do Dr.José Amaral, no Coluna Vertical, ilustrado com esta foto aqui publicada

orlando pereira.png

 o nosso obrigado à Directora, Margarida Trincão.

 

Ainda há jornais com memória.

 

ma 

  



publicado por porabrantes às 13:59 | link do post | comentar

Terça-feira, 21.06.16

prisao orlando pereira.png

Devida vénia ao Senhor Professor Doutor Adelino  Maltez, autor desta preciosidade

 

Para meter um cenário abrantino, direi que o General Mesquitella se meteu num avião na Base da Granja em Sintra e não o conseguiu fazer arrancar. O colega dum militar abrantino, o caríssimo Hermínio da Palma Inácio, tinha sabotado o avião. Queria o Mesquitella, feito com o Santos Costa, ver como evoluía a coluna rebelde que vinha da Mealhada, onde entre os revoltosos estava o Fernando Pacheco do Amorim.

Cumpria ordens, o Hermínio, do General Marques Godinho e do Almirante Cabeçadas, que sempre alegaram obedecer ao Marechal Carmona.

Para ver a rendição da coluna da Mealhada, o melhor são as memórias do General Galvão de Melo, interveniente pessoal na abortada refrega.

ma  



publicado por porabrantes às 23:02 | link do post | comentar

Segunda-feira, 10.08.15

f silva.png

O dr. João Esteves, dedica um 3º post à biografia da dirigente comunista e resistente Maria Fernanda Corte Real Graça e Silva e tem a bondade de se referir simpaticamente a este blogue.

O post tem mais algumas preciosas achegas biográficas sobre a jurista abrantina, em parte com base no livro ''Mulheres Portuguesas contra a Ditadura, de Cecília Honório,   e revela  por exemplo que um bufo abrantino (que espero que não tenha sido aquele que eu penso) enviou para a sede distrital da PIDE/DGS, em 1972, 2 fotos da mulher do Dr.Orlando Pereira, acompanhadas de referências ao filho, o meu amigo, Orlando.

Aqueles que na revista Zahara sustentaram a inactividade política da Drª Fernanda, nas décadas de 60 e 70, têm aqui o desmentido. A Pide seguia com atenção o que fazia... e o que fazia o Orlando...que também seria preso político depois do 25 de Abril. Essa é outra história.

Ainda não li nem o referido livro da Cecília Honório, nem o outro da Vanda Gorjão onde há uma entrevista de Fernanda Silva, onde fala sobretudo do MUD.

Não será demais recomendar que a Biblioteca António Botto compre esses livros, nem que o PCP faça justiça a Orlando Pereira e a Fernanda Silva. 

Por mais que esteja nos antípodas ideológicos daquilo em que acreditaram, é naturalmente claro que enquanto Maria de Lourdes Pintasilgo medrava nos corredores do marcelismo, entre entrevista com diplomata ianque e beija-mão ao Cardeal António Ribeiro, a resistência, uma longa resistência à ditadura apostólica e beata, foi realizada por mulheres da fibra da mãe do Orlando.

Já chega de hagiografia beata e também já chega que a história do PCP tenha de ser feita (e muito bem) por historiadores como Pacheco Pereira.

Que problemas têm com o passado os comunistas de Abrantes?

ma 

 

veja aqui o vídeo sobre o livro de Cecília Honório      onde fala de Fernanda silva 



publicado por porabrantes às 19:00 | link do post | comentar

Domingo, 21.10.12

A história da Oposição à Ditadura em Abrantes está por fazer, apesar de haver alguma coisa publicada incluindo aqui neste Blogue. Mas são artigos de jornal (Mário Semedo no Ribatejo), alguma coisa que se encontra na Cronologia de Abrantes do Século XX  do Eduardo Campos e pouco mais.

Neste blogue encontram alguma coisa, como o encontram para a  história da República, onde com a divulgação da obra de Martins Júnior ‘’Landru na República da Calábria’’ se desmontaram as teses hagiográficas do Sr.Dr. Martinho Gaspar pela pena do homem que em Abrantes proclamou a República, João Augusto da Silva Martins.

O Sr. Dr.Martinho Gaspar num artigo publicado na ‘’Barca’’ sobre a ARA-Associação para o Desenvolvimento da Região de Abrantes ligou o nome de Duarte Castel-Branco à Ditadura.

Não referiu nenhuma fonte documental e até hoje não desmentiu a atoarda infame que insulta um homem que passou pelos calabouços da PIDE e que lutou contra Ditadura.

Aproveitando a homenagem a Duarte Castel-Branco pelo Rotary Club reproduzem-se documentos que provam o contrário e que associam outros Rotários ao combate contra a situação política vigente em 1958.

Convém situar a coisa. Trata-se de duas cartas do Advogado e Escritor Vergílio Godinho dirigidas ao ilustre intelectual da Seara Nova Câmara Reis.

Em 1958 antes de se definirem as candidaturas rivais do General Humberto Delgado e do Advogado e Pintor Dr. Arlindo Vicente, círculos afectos ao PCP tentaram a candidatura de  Cunha Leal, ex-  Primeiro Ministro da República . Como conta Mário Soares no ‘’Portugal Bailloné: Cunha Leal, homem da Direita Republicana, acabou por não reunir o consenso dos meios oposicionistas. De seguida a Oposição dividiu-se entre as candidaturas de Humberto Delgado e Arlindo Vicente, situação que terminaria com a desistência de Vicente a favor de Delgado.

 

 

É neste contexto que se forma o núcleo abrantino de apoio a Cunha Leal, cujos nomes agora conhecemos e que o Advogado e escritor abrantino (de adopção) Vergílio Godinho escreve a Câmara Reis.

 

http://www.pedroalmeidavieira.com

 

 

 

 

 hpqscan0001.jpg

 

 

 

hpqscan0001.jpg

 

 

 

Não vou fazer a história da luta seguinte entre os oposicionistas que se dividiram entre Vicente e Delgado, mas o lógico é que os amigos do PCP seguiram Vicente. E Duarte Castel-Branco foi chefe de gabinete de Arlindo Vicente. Mais tarde voltaram a reunir-se em torno do General de infância abrantina, ali na R. da Barca, Delgado.

 

 

 

 

Das pessoas que constam na lista uma morreu outro dia o Sr. Dr. João Marques de Matos, de Alvega, na sua Coimbra. Apresentamos as condolências à família.

 

Dos que estão na lista dois foram  Rotários: o meu amigo e médico Dr.Joaquim Costa e Simas (que foi fundador do Rotary Club), fundador  também do PPD de Abrantes e quando o conheci melhor furibundo anti-comunista, anti-eanista e anti-borrabotas.

Um grande senhor. Um médico eminente. Um cirurgião com uma mão confiscada a Deus, apesar de ser ateu. Um bont-vivant.Um homem bom.

Os filho/as de Costas Simas são peticionários, tinha de ser.

 

 

Na sede do PSD há uma foto dele numa parede. Pena que tenha de aturar alguns anacléticos que há por lá.

 

Outro rotário oposicionista foi o comerciante Roberto Palma, cujo apelido está ligado a uma das mais antigas lojas abrantinas. 

 

O Sr. Dr.Correia Semedo é o pai do jornalista Mário Semedo e da nossa amiga e peticionária Dr.ª Isabel Semedo. Foi meu amigo como Costa e Simas e chamou-me fascista alguma vez. E eu chamei-lhe comunista, coisa que o ofendia muito, porque era unitário ou seja do MDP-CDE:

 

 

O Sr.Dr.Orlando Pereira foi perseguido pela Ditadura, deixou o escritório ao Zé Amaral e é pai de amigos nossos. 

 

Não vou fazer a biografia do resto dos oposicionistas. Tenho dados mas ficam para outra vez. Nem vou referir o nome do senhor, do outro lado da barricada que está nos Rotários e que combateu por Thomaz.

 

É meu amigo.

 

Espero que o sr. dr. Gaspar aprenda que a História se faz com documentos.

 

E recordar o que conta Duarte Castel-Branco entre um pide e um mentiroso a diferença é pequena. Quando ele foi dar uma volta à Europa, de moto, nos anos 50, com o Sá Nogueira....

 

 in Jorge Vieira, Homem Sol

 

Partida de Abrantes em 1952 de Duarte Castel-Branco, Rolando Sá Nogueira e Jorge Vieira numas bombas Motofix de 50 cm· 

 

a canalha sustentava que  estava na Checoslováquia  a tirar um curso de metralhadoras para matar fascistas.....

 

 

Marcello de Noronha, da Tubucci

 

 

agradeço:  ao Paulo Falcão Tavares e a uma jovem da idade de Duarte Castel-Branco as informações dadas

 

 

Bibliografia Mário Soares, Portugal Baillonéé, Calman-Levy; Paris 1972

Eduardo Campos, Cronologia de Abrantes no Século XX, CMA, Abrantes 2000

Mário Semedo: artigos vários no Ribatejo e Primeira Linha e noutras publicações

Jorge Vieira, Homem Sol, com textos de Ana Sousa Dias, António Mega Ferreira, Gérard Castello Lopes e João Lima Pinharanda e Rui Chafes, Parques das Nações,Lisboa 1999

 

A blogosfera também foi útil. Naturalmente a fonte essencial (oral) foi o Prof. Duarte de Ataíde Castel-Branco 

 

Lamenta-se a ausência do famoso Manuel Dias entre os anti-fascistas mas não consta nos documentos ....



publicado por porabrantes às 22:17 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

A casa do partido

Manuel Lopes, o OKUPA

O dever da memória

Maria Fernanda Corte Real...

Helena Pato escreve sobre...

As aldeias imaginárias da...

Orlando Pereira e Mário S...

A (única?) mulher na Opos...

Os rotários anti-fascista...

arquivos

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Dezembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds