Sábado, 02.02.13

No Sol, costuma-se falar de padres de Abrantes. Mas o Luís Osório não fala, apesar de falar do sobrinho de um padre abrantino. Reproduzo a prosa para que não esqueçamos



O assassinato mais esquecido da história da Democracia

 

 

''No átrio da Faculdade de Direito, em Lisboa, uma pintura celebra Ribeiro dos Santos e Alexandrino de Sousa. Nos últimos anos, milhares de alunos por lá viveram uma parte substancial das suas vidas, naqueles corredores e salas se formaram e por aquelas pinturas, por aquelas caras, passaram durante toda a sua formação académica.

Se fizermos a estatística das origens universitárias dos nossos governantes estou certo de que uma parte substancial saiu dali.

Agora, o bizarro. Em conversas informais com deputados, ministros e até professores da faculdade, não havia quem desconhecesse a história do assassinato de Ribeiro dos Santos, mas poucos encontrei a saber contar sobre a morte de Alexandrino. Quero fazê-lo hoje.

Os dois militavam no MRPP, liderado por Arnaldo de Matos. Na tarde de 12 de Outubro de 1972, quando a ‘Primavera Marcelista’ era já um frio Outono, um grupo de estudantes grita palavras de ordem no ISEF contra a guerra colonial e a ditadura. Um estudante, ou com idade para o ser, é acusado de ser um informador da PIDE – tirava apontamentos das movimentações dos manifestantes quando o apanharam em flagrante. Os jovens levaram-no para um anfiteatro onde lhe prenderam as mãos e lhe colocaram um saco na cabeça. Centenas de estudantes exigem respostas.

A PIDE é chamada por alguém à faculdade. Dois agentes pedem ordem e ameaçam disparar se esta não for reposta, os estudantes assobiam e alguns, perante as ameaças, avançam em direcção aos polícias. Um deles dispara mesmo, tiros indiscriminados que apanham José Lamego, que fica ferido, e Ribeiro dos Santos. A multidão dispersa. E Ribeiro dos Santos, morto no chão, torna-se bandeira de uma geração que não quer ser silenciada.

As manifestações de pesar, nomeadamente o funeral, transformam-se num impressionante apelo contra o Estado Novo, milhares acompanham o corpo de Ribeiro dos Santos.

Voltei ao episódio conhecido porque três anos depois, a 9 de Outubro de 1975, duas brigadas do MRPP estavam mobilizadas para colar cartazes evocativos da morte de Ribeiro dos Santos. Não era um pormenor o anúncio desse comício. Na rua as forças estavam extremadas. O Partido Comunista media as consequências de uma tomada de poder efectiva, a extrema-esquerda unida a Otelo Saraiva de Carvalho posicionava as forças para o que tivesse de ser e, numa posição independente e para muitos polémica, o MRPP possuía a sua própria linha de acção e o seu próprio caminho. Todos os dias, ou quase, existiam confrontos na rua. PS, PPD e CDS mantinham-se à margem da rua.

É nesse cenário que o MRPP prepara a homenagem ao seu principal ícone. Da sede saem duas brigadas de colagens de cartazes. Alexandrino e mais cinco dirigem-se à Praça do Comércio, a outra, liderada por Ana Gomes, cobre um outro qualquer ponto da cidade.

Já estão a colá-los quando chega um grupo de carrinhas com militantes da UDP. Segundo testemunhas dadas ao tribunal da Boa Hora, cerca de 60 homens e mulheres saem de carrinhas com barras de ferro. Com violência foram ‘empurrando’ Alexandrino e os outros cinco para o rio.

Alexandrino de Sousa nascera em São Pedro dos Arcos, distrito de Ponte de Lima. Frequentara a Universidade de Direito, fora amigo de Ribeiro dos Santos e era considerado um dos mais valentes – a PIDE prendera-o e torturara-o durante meses e sem quaisquer resultados. Apesar de estudante e muito jovem não forneceu qualquer informação.

Celebrado o 25 de Abril, viveu com entusiasmo o PREC. Até ao último dia da sua vida, precisamente o 9 de Outubro de 1975. As barras de ferro abriram caminho e obrigaram à fuga dos seis até ao Cais das Colunas. Alexandrino grita repetidas vezes que não sabe nadar, mas os perseguidores não o ouvem. É projectado para o rio, fica preso no lodo e afoga-se.

O 25 de Novembro não tardará mais do que umas curtas semanas. O caso é notícia em todos os jornais da época, a consternação e o repúdio são gerais e, no Parlamento, é votado e aprovado um voto de pesar pelas circunstâncias da morte de Alexandrino. Voto de pesar proposto, aliás, pelo PPD. Nascia assim um segundo ícone do MRPP assassinado por colar cartazes que remetiam para uma outra morte.

O tribunal reúne-se mais tarde, já depois da normalização democrática imaginada e concretizada pelo Grupo nos Nove. A ordem era a da pacificação. Do encerrar das feridas ainda tão abertas. Na Boa Hora, apesar de alguns elementos terem sido identificados, os juízes não encontram matérias de prova e o caso é encerrado sem condenações e condenados. Deliberou-se pelo esquecimento.

O forte núcleo de estudantes do MRPP em Direito ‘edificou’ uma pintura no átrio da faculdade. De um lado, Ribeiro dos Santos. Do outro, Alexandrino de Sousa. Estudantes, professores, conferencistas e contínuos passam todos os dias pelas suas caras. De Ribeiro dos Santos, morto por um PIDE, tudo parece sempre pouco. Mas em relação a Alexandrino, morto por um grupo revolucionário da UDP, são mais os que o desconhecem do que o contrário. Afogado no Cais das Colunas num dos episódios mais esquecidos da história da nossa democracia. ''

  

 

O Senhor Padre José Ferreira, Pároco do Rossio, acolhe o sobrinho, o Zé Lamego, ferido de bala pelos Pides, na residência paroquial do Rossio e aí esteve até que a prestimosa polícia fascista se esquecesse dele. O Zé Lamego já foi deputado e membro do Governo do PS, o Sr.Padre Zé Ferreira já morreu em Portalegre e a foto dele foi posta no facebook do grupo do Rossio, pelo Nuno Branco, que anima o Núcleo Museológico da Igreja do Rossio, em boa hora.

Já que falo de padres com problemas com o proletariado vai outro:

 Don Manolo

 

Isto é um ''dream team'' a melhor equipa de professores que alguma vez passou por Abrantes, a equipa docente do La Salle, quase todos Irmãos da Escolas Cristãs, a maioria espanhóis, havendo apenas alguns lusos, por exemplo o penúltimo da primeira fila sentada, o Professor primário António Marques Heitor, que me foi quem ensinou a História de Portugal que ainda sei .

Mas na mesma fila o 3º é o falecido Rev.Padre Américo Duque (acho que não me engano no apelido) que foi Capelão do La Salle, benfiquista ferrenho, de Alferrerade.

Também ele teve problemas proletários com o sobrinho, com o MRPP e com a PIDE (a nova), a PIDE social-fascista como dizia o Barroso, depois Durão Barroso, e teve de ir ao Presídio Militar de Santarém procurar o sobrinho e talvez o Eduardo Soares Mendes, a quem o Copcon (assim se chamava a Pide do Otelo) metera numa cela, depois da rusga anti-maoista de 28 de Maio de 1975.     

Restava falar do Alexandrino de Jesus que conheci bem, dalgum dos algozes mas isso fica para outra vez. Se bem me lembro (eu não estava lá, nunca fui de seitas que sigam pensamentos infalíveis ou que tenham pontífices infalíveis) no grupo da Ana Gomes (valente mulher!) também estava a Maria José Morgado, e foi uma das agredidas pelos ''UDEPIDES'' como gostava de dizer o Alexandrino, rapaz valente mas o mais ingénuo marxista-leninista-maoista que conheci.

 

Miguel Abrantes



publicado por porabrantes às 13:21 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

O Sol e o sobrinho do pad...

arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10



25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds