Sábado, 21.04.18

Enquanto a Assembleia Municipal se dedica a jogos florais (havia uma moção para reflorir Abrantes, que os socialistas deixaram murchar) os grandes negócios passam ao lado dela,

acordo secreto.png

A Ren fez um pacto secreto com a Tejo Energia em que a Central em vez de reverter para o Estado em 2021 ficará para os espanhóis e para os outros sócios estrangeiros..

Ao mesmo tempo a Tejo Energia comprou secretamente por 23 milhões de euros o terreno da Central... 

Era Ministro da Economia....num governo PS o íntegro Manuel Pinho

 

central.png

devida vénia Expresso

 

ler aqui  o artigo de Miguel Prado

 

Quando da construção houve uma enorme polémica sobre a isenção da sisa e processos movidos pelo Advogado José Amaral e pela CMA contra essa isenção.

 

Também houve casos no STA sobre a isenção de mais valias

 

Agora que saiu a notícia no Expresso os deputados municipais já não têm desculpa, bem como o Executivo de terem de estudar o assunto da venda do terreno e as suas implicações fiscais nos cofres da autarquia

 

Finalmente dizia a cacique que tinha muita confiança na postura social da empresa, como é que se coaduna este secretismo, com essa postura, dizem-nos? 

 

A entidade reguladora manifesta a sua estranheza....

 

mn



publicado por porabrantes às 16:32 | link do post | comentar

Quinta-feira, 05.04.18

Ambiente

 

Armindo Silveira mantém o alerta sobre os problemas ambientais e de mobilidade relacionados com o travessão do Pego

O Vereador Bloquista do Município de Abrantes e Coordenador do Grupo de Ambiente da Coordenadora Distrital de Santarém volta a alertar para os multiplos impactos do travessão do Pego. (...)

 

devida vénia ao Portal do BE no distrito 


tags: ,

publicado por porabrantes às 14:07 | link do post | comentar

Sexta-feira, 30.03.18

ben pegacho

artigo de Miguel Prado no ''Expresso''

 

Os benemérito$ pegacho$ (made in Spain) tentam esquivar-se ao pagamento duma obrigação, que segundo a Lei e os pareceres jurídicos, lhes cabe.

É a nova versão do travessão, a Lei só se aplica aos tansos, aos desgraçados e não às multinacionais amadas pelos $ocialistas abrantinos.

Em 2011 a Central pegacha tinha de pagar 302.075,87 €,  aos cofres do município e a benta maioria $ocialista isentou-a de pagar metade da soma, porque eram uns santos (milionários).

Qual foi a outra empresa abrantina que conseguiu apoios destes, desta gente?

Só nos lembramos da RPP Solar e da Luna.

Como escreviam acerca do pegacho Gomes Mor

mor 2.png

os vereadores Santana Maia e Belém em 2011....

''

Acontece que o executivo socialista da Câmara Municipal de Abrantes não só votou contra as nossas propostas, ao arrepio das mais elementares preocupações sociais e económicas que deviam ser a sua prioridade, como, inclusive, o deputado municipal António Mor, na Assembleia Municipal de Abrantes e em nome da bancada socialista, para além de criticar duramente as propostas de redução da carga fiscal apresentadas pelos vereadores do PSD, defendeu “a continuidade da política do executivo socialista de sobrecarga máxima de impostos sobre os munícipes para que a Câmara possa continuar a fazer obra”.

 

Ora, face a esta argumentação, não se compreende, nem se aceita, que a Câmara venha agora prescindir de uma fatia de receita na ordem dos €150.000,00, beneficiando um grande consórcio, quando não teve a mínima consideração pela aflição em que vivem actualmente as famílias e as pequenas e médias empresas, o maior empregador do concelho.''

 

(in Coluna Vertical)

 

 

Em 13-12-2015  a cacique dizia, cândida e angelical, que estava  ''"tranquila com a habitual postura social e ambiental da Pegop" ''

 

Pode continuar a estar

 

Têm de esportular 7 milhões de euros de ''tarifa social'' e não querem pagar.

 

Esta é a postura social da Pegop e a postura habitual dos amigalhaços da cacique, os pobres que paguem a crise......

 

mn

 



publicado por porabrantes às 13:24 | link do post | comentar

Quinta-feira, 18.01.18

A Endesa, dona de 40 % da Pegop, processa Estado


tags:

publicado por porabrantes às 16:00 | link do post | comentar

 

 

As barragens de Fratel e de Belver, o açude de Abrantes, travessão da PEGOP ou a central Termoelétrica do Pego constituem barreiras à conectividade fluvial. Constata-se que não é assegurada de forma adequada a passagem dos peixes, nem existe nenhuma forma de passagem de embarcações.

 

 

 

 

 

 

PCP recomenda ao Governo a adoção de medidas para a defesa da Bacia Hidrográfica do Rio Tejo

Imprimir
 
  

 

Pela sua dimensão e pelas suas características, o Rio Tejo assume uma enorme importância no nosso país no domínio ambiental, económico, social e cultural, que afeta cerca de três milhões de habitantes.

Ao longo do extenso território que percorre está sujeito a diversas pressões (decorrentes das várias infraestruturas existentes e das atividades que são realizadas na sua proximidade) que condicionam a qualidade das massas de água.

As populações, as associações e as autarquias têm alertado para os inúmeros problemas existentes no Rio Tejo, nomeadamente a inexistência de caudais ecológicos, a poluição, os obstáculos à conectividade fluvial, a erosão das margens e o assoreamento. Problemas que limitam e, em alguns casos, impedem o desenvolvimento de atividades económicas tradicionais, o usufruto do Tejo no plano ambiental, cultural, desportivo e do lazer - importante para as comunidades residentes junto do rio - e não permitem aproveitar em toda a sua plenitude as potencialidades de desenvolvimento local que o Tejo proporciona.

 

Há relatos e denúncias das populações que evidenciam bem as más condições em que se encontra o Rio Tejo - maus cheiros, água castanha ou água negra, existência de espuma, peixes mortos (como ocorreu bem recentemente), receio de comer peixe do Rio Tejo, a redução da atividade piscícola, o insuficiente caudal do Rio Tejo, entre outras.

O Governo criou a Comissão de Acompanhamento sobre a Poluição no Rio Tejo em janeiro de 2016, cuja missão é “proceder a uma avaliação e diagnóstico das situações com impacte direto na qualidade da água do rio Tejo e seus principais afluentes; promover a elaboração e execução de uma estratégia de atuação conjunta e partilhada entre entidades para fazer face aos fenómenos de poluição e avaliar e propor medidas conducentes a uma maior e efetiva capacidade de atuação da Administração face aos problemas identificados”. Esta Comissão apresentou um relatório em novembro de 2016.

O relatório da Comissão confirma os problemas acima identificados. Refere que “por toda a bacia se encontram problemas históricos de qualidade da água devido ao tratamento ainda insuficiente de águas residuais urbanas e/ou industriais, problemas de poluição difusa com origem na agricultura e/ou pecuária, perda de conectividade decorrente de poucas barragens terem passagens para peixes e na sua maioria os regimes de caudais ecológicos não terem ainda sido implementados. A estes problemas acresce uma monitorização insuficiente das massas de água e das ações de acompanhamento.”

A inexistência de caudais ecológicos que garantam os ecossistemas e a biodiversidade resultam desde logo dos insuficientes volumes de água enviados por Espanha, mas também da gestão feita pelos concessionários das barragens hidroelétricas do Rio Tejo. Esta realidade tem também consequência na concentração de elementos poluentes. Como o caudal não é suficiente a dispersão da poluição também é menor.

As fontes de poluição com origem no insuficiente tratamento de águas residuais, na atividade industrial, nas suiniculturas e na atividade agrícola, conduzem à redução da qualidade das massas de água no Rio Tejo. Resulta daqui a redução do nível de oxigénio na água à superfície, a eutrofização das águas, que leva à morte de peixes no rio.

O Relatório sobre a Qualidade da Água Superficial no Rio Tejo, de março de 2017, conclui que:

- “os valores obtidos para o CBO5 e azoto amoniacal nas albufeiras de Fratel e Belver são baixos”;

- “o principal fator de degradação da qualidade da água do troço principal do rio Tejo (…) prende-se com os elevados teores de fósforo total, cuja proveniência pode ser diversa (agricultura, águas residuais urbanas, indústria)”;

- “a qualidade da água na primeira estação de monitorização existente a jusante da albufeira de Cedilho apresenta já valores de fósforo acima do limite para o bom estado”;

- “relativamente ao oxigénio dissolvido e à percentagem de saturação, apenas em Perais não são cumpridos os limites para o bom estado, uma vez que mais de 80% das amostras se encontram fora dos limites estipulados”;

- “contaminação bacteriológica provavelmente resultante da descarga ocasional de águas residuais urbanas ou efluentes domésticos com tratamento deficiente ou sem tratamento”;

- em algumas zonas foi ainda identificada a presença de cádmio e chumbo, elementos prejudiciais à saúde pública.

As barragens de Fratel e de Belver, o açude de Abrantes, travessão da PEGOP ou a central Termoelétrica do Pego constituem barreiras à conectividade fluvial. Constata-se que não é assegurada de forma adequada a passagem dos peixes, nem existe nenhuma forma de passagem de embarcações.

A irregularidade dos caudais do Tejo, em particular, devido às fortes descargas das barragens leva à erosão das margens, visível nos chamados rombos, sobretudo na zona de Constância, Chamusca e Golegã.

Constata-se ainda o assoreamento do Rio Tejo na planície ribatejana e no estuário do Tejo, o que introduz grandes limitações à navegabilidade e inoperacionalidade de estruturas portuárias, afetando de forma crítica as atividades económicas, assim como os ecossistemas aquáticos e conduz à degradação da qualidade da água.

O Relatório da Comissão de Acompanhamento sobre Poluição no Rio Tejo avança um conjunto de propostas e recomendações, nomeadamente a plataforma eletrónica de gestão da informação relativa à prevenção e controle da poluição no Rio Tejo, a realização de um plano anual de ação integrado de fiscalização e inspeção, o plano de monitorização da qualidade das massas de água, a definição de caudal ecológico para as barragens de Fratel e Belver, ou o reforço de intervenção dos sistemas de saneamento de águas residuais. Constatamos que, um ano depois destas recomendações, a situação do Rio Tejo não melhorou e, em alguns aspetos, tem vindo a deteriorar-se.

O relatório tem uma grande lacuna – quais os meios que têm de ser mobilizados para garantir o cumprimento das recomendações que nele constam? Sobre os meios não há nenhuma referência.

Verificamos que as diversas entidades da Administração Central, com responsabilidades no acompanhamento e intervenção na Bacia Hidrográfica do Rio Tejo, não dispõem dos meios para assegurar a atuação do Estado que é tão necessária.

O PCP propõe que o Governo adote um conjunto de medidas eficazes que assegurem a proteção da Bacia Hidrográfica do Rio Tejo, assegurando a quantidade e a qualidade de água que proporcione o desenvolvimento das atividades económicas tradicionais, assegure a saúde pública, a preservação dos ecossistemas e a biodiversidade e o usufruto das zonas ribeirinhas do Tejo, ao nível cultural, desportivo, e de lazer. Que permita o aproveitamento de todo o potencial de desenvolvimento que a bacia Hidrográfica que o Rio Tejo proporciona.

Nestes termos, nos termos da alínea b) do artigo 156.º da Constituição e da alínea b) do n.º 1 do artigo 4.º do Regimento, os Deputados do Grupo Parlamentar do PCP propõem que a Assembleia da República adote a seguinte:

Resolução

A Assembleia da República, reconhecendo a Bacia Hidrográfica do Rio Tejo como um bem essencial à promoção da qualidade de vida das populações que vivem e trabalham no seu território, resolve, nos termos da alínea b) do artigo 156.º e do n.º 5 do artigo 166.º da Constituição da República, recomendar ao Governo que:

1 - Adote medidas eficazes para garantir a existência de caudais mínimos que preservem o bom estado das águas do Rio Tejo, assim como os ecossistemas e a biodiversidade;

2 - Garanta a monitorização da qualidade da água do Rio Tejo, incluindo a introdução de parâmetros que meçam os níveis de radioatividade;

3 – Proceda ao reforço de realização de ações de fiscalização e inspetivas regulares que permitam identificar os focos de poluição, e atue de forma a assegurar o cumprimento da legislação em vigor no que respeita à garantia da qualidade ambiental;

4 – Reforce as ações de prevenção e defesa da qualidade ambiental e ecológica da bacia hidrográfica da Rio Tejo;

5 – Reforce os meios humanos e técnicos das autoridades e entidades com responsabilidades em questões ambientais, nomeadamente a Agência Portuguesa do Ambiente; a Inspeção Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território; e o SEPNA da GNR;

6 – Assegure a conectividade fluvial no Rio Tejo, nomeadamente a passagem dos peixes, tomando medidas urgentes para a resolução dos pontos mais problemáticos;

7 – Elabore um estudo de avaliação da conetividade fluvial para assegurar a passagem das embarcações;

8 – Proceda ao desassoreamento do Rio Tejo, com intervenções regulares que mantenham a navegabilidade e a operacionalidade dos portos;

9 – Disponibilize a informação para o público quanto à monitorização da qualidade da água do Rio Tejo, assim como os resultados das ações de fiscalização e inspetivas realizadas

10 – Alargue a composição da Comissão de Acompanhamento sobre a Poluição no Rio Tejo, integrando as organizações representativas das populações e as autarquias.

Assembleia da República, 15 de dezembro de 2017

Os Deputados,

JOÃO RAMOS; JOÃO OLIVEIRA; BRUNO DIAS; PAULO SÁ; RITA RATO; DIANA FERREIRA; JERÓNIMO DE SOUSA; ANTÓNIO FILIPE; FRANCISCO LOPES; JORGE MACHADO; CARLA CRUZ; PAULA SANTOS; MIGUEL TIAGO; ANA MESQUITA


tags: , , ,

publicado por porabrantes às 09:30 | link do post | comentar

Quarta-feira, 20.12.17

pego chaminé.png

Este estudo do IST mostra os grandes focos poluidores do ar em Portugal.

 

O Autor é António Gonçalves Henriques. Façam favor de o ler.

 

A imagem é de lá, com a devida vénia 

 

ma



publicado por porabrantes às 10:25 | link do post | comentar

Sábado, 05.11.16

expresso. pego.png

leia mais aqui

 

a redacção



publicado por porabrantes às 15:14 | link do post | comentar

Sábado, 02.07.16

Sr.Paulo Constantino, membro da Assembleia Municipal da Barquinha (PS) denunciou o travessão da PEGOP no feudo eleitoral deste partido na terra da popular bruxa.

As declarações foram feitas as Diário de Notícias

(...)  tema da iniciativa era a "conetividade fluvial e a navegabilidade no rio Tejo, uma vez que o travessão construído pela Pegop - Central Terrmoelétrica do Pego [que atravessa o Tejo no troço hoje percorrido] não permite a navegabilidade para montante e jusante, porque, chegados ali, tivemos de atravessar com as canoas por cima do travessão", contou Constantino.

Aquele obstáculo "não permite a passagem de embarcações de pequeno porte, nomeadamente para montante, e a nossa ação de hoje é para que não caia no esquecimento por parte da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) a necessidade de encontrar uma solução para este problema", frisou, tendo alertado para os problemas dos transvases em Espanha, a retenção das águas nas barragens espanholas e da instabilidade dos caudais do rio.(...)

pegop r. louro.jpg

(foto do Sr.António Louro)

Foi ainda denunciada a sucata nuclear de Almaral, também em grande parte da Endesa, empresa que tem como Presidente Honorário, o ex-ministro franquista Martin Villa

1024px-Rodolfo_Martín_Villa.jpg

sob o qual pende um pedido de extradição, apresentado pela República Argentina, por alegados crimes contra a Humanidade.

Já sabemos que os argentinos são uns exagerados, se querem julgar alguém podem começar pela ex-Presidente Kirchner por ocultação de provas num assassinato dum Magistrado do Ministério Público.

martin-villa-y-franco-300x206.png

'' Quiero hacer público el agradecimiento que tanto la Compañía en su conjunto como yo mismo dispensamos a nuestros presidentes de honor don Rodolfo Martín Villa y don Manuel Pizarro por su presencia en este acto, por su incansable apoyo moral y por sus inestimables consejos.''

diz o actual Presidente da Endesa, sem que o franquismo lhe ficasse atravessado na garganta...

O Sr.Constantino é um dos principais activistas da Protejo e as suas palavras, num acto de defesa do rio, devem ter ficado atravessadas na garganta duma conhecida cacique abrantina.

ma

desde já se declara que o Martin Villa é um democrata dos melhores, como foi um excelente franquista, um óptimo membro da UCD e ainda um notabilíssimo açoite da ETA



publicado por porabrantes às 23:11 | link do post | comentar

Segunda-feira, 30.05.16

compac.png

Segundo a Compac, prestigiada empresa com fábrica na típica localidade pegacha, cuja maior intelectual é Isilda Jana,

Isilda jana 3.jpg

 a relevante empresa possui uma apurada consciência ambiental, não usando por isso produtos PEGOP

 

compac 2.png

A Pegop produz electricidade a partir do carvão, fonte fóssil e portanto não renovável, a estimada COMPAC-SILICÁLIA só usa electricidade de fontes renováveis,portanto de fontes hídricas ou a partir da energia solar.....

 

Portanto de acordo com o seu ''compromisso ambiental''  não compra electricidade made in PEGOP e se calhar made in ENDESA, porque esta pode ser de origem nuclear, vinda de Almaraz.

 

Esperemos que esclareçam a senhora deputada comunista Ana Mesquita, acerca das suas dúvidas, com esta arrasadora resposta. 

 

ana_mesquita_lisboa.jpg

Ana Mesquita, do PCP (foto de lá) que inquiriu o Governo, sobre a Silicália

marmoles compac.jpg

Sede de Compac em Gandia, Imagem de Las Provincias, onde devem ter os mesmos cuidados ecológicos que no Pego

mn 



publicado por porabrantes às 13:29 | link do post | comentar

Domingo, 10.04.16

Publica-se que em relação à entidade:
Nº de Matrícula/NIPC: 502869674
Firma: TEJO ENERGIA-PRODUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELECTRICA S.A.
Natureza Jurídica: SOCIEDADE ANóNIMA
Sede: Central Termoeléctrica do Pego, EN 118, Km 142,1
Distrito: Santarém Concelho: Abrantes Freguesia: Pego
2205 - 380 Pego



pela Apresentação OF. AP. 240/20160223, referente ao averbamento 1 à inscrição 21,
foi efectuado o seguinte acto de registo:

Insc. 21 - AP. 240/20160223 16:01:41 UTC - DESIGNAÇÃO DE MEMBRO(S) DE ORGÃO(S) SOCIAL(AIS)


DESIGNADO(S):

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO:

Nome/Firma: MANUEL FRANCISCO FELICES ALCARAZ
NIF/NIPC: 287984737
Cargo: Vogal
Residência/Sede: Ribera del Loira, 60, 28042 Madrid, Espanha

- por cooptação de 2016-02-19

Conservatória do Registo Comercial Lisboa
O(A) Conservador(a), Maria Fernanda Marques Rolão Campos Garcia

An. 1 - 20160225 - Publicado em http://www.mj.gov.pt/publicacoes.
Conservatória do Registo Comercial Lisboa
O(A) Conservador(a), Maria Fernanda Marques Rolão Campos Garcia

Av. 1 - OF. AP. 240/20160223 - RECTIFICADO


DESIGNADO(S):

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO:

Nome/Firma: MANUEL FRANCISCO FELICES ALCARAZ
NIF/NIPC: 287984737
Cargo: Administrador Executivo

a morada do Senhor Felices  Alcaraz é a da Endesa...

 

tinha de ser....

 

 



publicado por porabrantes às 12:48 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Expresso desvenda o acord...

Capitalistas espanhóis co...

A postura social da Pegop

Dona da Pegop processa Es...

PCP critica açude e PEGOP

Poluição pegacha

Poluição pegacha no Expre...

Eleito PS denuncia traves...

A SILICÄLIA não gasta ele...

Mudanças pegachas

arquivos

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

baptista pereira

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

cria

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

petição

pico

pina da costa

política

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

são domingos

sardoal

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

links
Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds