Terça-feira, 01.12.15

 

A secção de hagiografia católica costuma caracterizar-se pela imbecilidade mais fracturante. Mas como esta biografia apologética de D.Manuel Mendes da Conceição Santos há poucas.

Conceição Santos foi Bispo de Portalegre e depois Arcebispo de Évora. E chegou a ser candidato a Cardeal Patriarca, mas Salazar sabotou a coisa e nomeou o Cerejeira.

Entrou na Diocese e arranjou logo um programa de acção.

 

 

Era um homem com a obsessão sadia da castidade

 

Queria a Diocese casta:

 

'' O novo Bispo veio encontrar a diocese de Portalegre inteiramente desarticulada, sem Paço Episcopal e sem Seminário, de que o seu sucessor D. António Moutinho fora esbulhado, sofrendo mesmo o exílio. Desde logo, porém, devotou-se, com toda a paixão do seu primeiro amor de Bispo à amada esposa, a Igreja Portalegrense, que quis « entregar virgem e casta a Jesus Cristo », conforme se lê nas notas que escreveu durante o retiro para o episcopado.''

 

d.manuel mendes.png

Estava tão alarmado com o impudor que: '' Na modéstia e no contacto com senhoras era cheio de delicadeza e de prudência. Assim, quando uma senhora de grande respeitabilidade, em cuja casa ficaria hospedado numa localidade da Arquidiocese, lhe enviou o seu automóvel para o transportar, ao saber que vinha nele uma senhora nova, filha da sua anfitriã, mandou agradecer, pediu desculpa de não aproveitar o carro e solicitou o empréstimo de outro automóvel, porque ainda então o Prelado eborense não tinha carro e socorria-se dos que lhe emprestavam os diocesanos generosos. A sua delicadeza não impedia de manifestar desacordo com as modas imorais, chegando a ponto de recusar a Confirmação a filhas dos donos da casa onde se encontrava hospedado, mandando-as às mães para que as vestissem mais modestamente. Contava o seu sucessor D. Manuel Trindade Salgueiro que, ainda nas últimas conferências episcopais em que participou, insistiu para que o Episcopado publicasse uma nota contra as modas menos decentes.

O zelo pela castidade dos seus padres mostrou-o na insistência com que nos retiros a inculcava nos retiros e revela-se neste episódio : pedira a um secretário para lho comprar determinado diário vespertino de Lisboa e, como reparasse que o jornal apresentava uma figura feminina pouco decente, procurou ocultá-la aos olhos do jovem secretário.''

 

in

mendeiros.png

Queria o Episcopado nomear um homem destes para Patriarca e a coisa alarmou Salazar.

Quem sabe se numa recepção o angélico arauto começava a fulminar os decotes das senhoras ???

Salazar manobrou e bem para nomear um homem menos rico ( Conceição Santos era duma família rica de Torres Novas), mas mais liberal  e mais actualizado e

pais de mendes.png

 

 certamente mais evoluído. Saiu Gonçalves Cerejeira que por muito salazarista que fosse  esteve sempre aberto à Cultura, capaz de ler Sartre e Camus e que nunca censurou os decotes das mulheres dos Embaixadores ou das Rainhas.

Salazar with Queen Elizabeth II.jpg

 

.Resumamos a diplomática actividade de Oliveira Salazar, mas antes convém contar que Conceição Santos fora colega de  universidade do aristocrata negro Eugenio Pacelli, que seria Pio XII.

De triste e negra memória.

Mas em 1929 quando é preciso substituir o Cardeal Mendes Belo, Pacelli é já um importante diplomata, o núncio na Alemanha

1925.jpg

e já financiara pessoalmente o partido nazi, em Munique, onde conhecera um agitador chamado Adolf Hitler.

O  Papa nomeia-o Secretário de Estado em 1930, e a partir daqui é o responsável pela política externa do Vaticano. Se fosse ele Secretário em 29 teria ido mais sorte o Arcebispo de Évora. Quem sabe?

mendes belo.png

Salgado de Matos o melhor especialista destas coisas explica assim a sucessão. Leiam aqui

A obra de S.Matos sobre as relações entre a Hierarquia e o Estado é extraordinária.

salgado.png

Mas já vai longo o post. Resta dizer que o hagiógrafo comenta que Conceição Santos também tinha um santo e justificado horror às gralhas. Espero que não haja nenhuma por aqui. Finalmente convém anotar que quando Conceição Santos entra em Portalegre, encontra uma Diocese dizimada pela perseguição republicana

E o pilar da Diocese vai ser José Adriano

josé adriano.jpg

Pequito Rebelo, o mesmo que na década de 50 conspirará com D.António Ferreira Gomes contra Salazar.

O mundo dá muitas voltas. 

ma

citação de Luís Salgado de Matos na Análise Social

Os bispos portugueses: da Concordata

ao 25 de Abril — alguns aspectos**

Arauto do Evangelho

Obra citada

 

 



publicado por porabrantes às 00:18 | link do post | comentar

Sexta-feira, 25.04.14

Nas farsas eleitorais fascistas (alguma aprimorada por um senhor a quem a Câmara deu uma medalha e que pressionou os operários da sua fábrica de azeites a irem votar Tomás) foram poucos os candidatos abrantinos.

 

 

Fomos ver quem foram e cingimo-nos aos candidatos às ''eleições'' para deputados (1945-1973)  que o Prof.Salazar e o tipo que se rendeu no Carmo organizavam para dar uma fachada pluralista ao regime autoritário.

 

 

Que se possam dizer abrantinos houve dois:

 

 

''   

PEREIRA, Orlando Rodrigues Dante (1924-1987) – Santarém, 1961 – Nasceu em Alenquer a 24 de Março de 1924 e faleceu em 13 de Julho de 1987. Licenciou-se em Direito na Universidade de Lisboa e fixou-se em Alpiarça, exercendo advocacia. Pertenceu ao Movimento de Unidade Democrática (MUD), de cuja comissão académica fez parte. Esteve activo nos serviços de candidatura das campanhas eleitorais para deputados e foi

apoiante da candidatura do dr. Arlindo Vicente à Presidência da República. Como advogado, interveio em vários processos, julgados nos Tribunais Plenários. Desempenhou diversos cargos na Ordem dos Advogados: delegado às assembleias-gerais, entre 1963 e 1971, e delegado na Comarca de Abrantes, entre 1968 e 1971.'' (1)

 

O Dr.Orlando viveu largamente em Abrantes, foi bem conhecido no foro abrantino, teve um papel relativamente destacado nos episódios relacionados com o período de pós-25 de Abril de 1974, como a sua mulher Drª Fernanda Pereira. Seria candidato pelo MDP-CDE em 1975 à Constituinte e foi derrotado, dada a humilhante votação que teve este partido-satélite do PCP nestas eleições. Abandonou Abrantes e estabeleceu-se em Lisboa como notário.

 

Quem lhe devia fazer a biografia era o dr. José Amaral, que o conheceu melhor que eu. Fico è espera. De qualquer forma já aqui se escreveu alguma coisa sobre ele para onde remetemos o leitor

 

  

http://porabrantes.blogs.sapo.pt/604235.html

 

 

http://porabrantes.blogs.sapo.pt/tag/arlindo+vicente

 

Naturalmente, a cidade deve-lhe uma homenagem, porque foi candidato pela Oposição no Distrito de Santarém em 1961 e 1965, e 1961 é um ano terrível para a Oposição. Naturalmente teve prejuízos profissionais por ser Opositor ao regime, não podendo aceder ao Notariado por ''desconfiança política''.

 

Como poderão verificar nos links citados aparece já em 1958, com Duarte Castel-Branco, Costa e Simas, etc sob batuta do Advogado e escritor Vergílio Godinho a preparar a frustrada candidatura presidencial de Cunha Leal.

 

Depois dele, só aparece outro, o  familiar da minha querida professora de liceu, D.Maria do Céu Aleixo, o eng. António Mendes Aleixo, candidato pela Oposição em 1973, em Portalegre ao lado do Marquês de Fronteira e Conde da Torre,  D. Fernando de Mascarenhas e do arq. Teotónio Pereira. O eng. Aleixo teve depois uma assinalada trajectória no PPD-PSD do Distrito de Portalegre

 

 

 

 

memória nisense

 

''

ALEIXO, António Mendes (1933) – Portalegre, CDE, 1969 – Nasceu em Barreiras do Tejo, Abrantes, a 23 de Maio de 1933. Fez os estudos secundários em Santarém e emTomar e os estudos preparatórios de engenharia em Coimbra. Licenciou-se em engenharia electrotécnica, correntes fortes, na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Entre 1961 e 1994, a sua actividade profissional desenrolou-se principalmente no

Alentejo, no sector eléctrico: em particular, foi adjunto (1961-1963) e engenheiro-chefe da secção de Nisa da Hidro-Eléctrica do Alto Alentejo (HEAA), acumulando então com a responsabilidade da condução dos aproveitamentos hidroeléctricos das centrais da Póvoa, Bruceira, Velada, Foz, Pracana, Idanha, Maranhão, Montargil e Gameiro. Entre 1974 e 1980, foi engenheiro-chefe da secção de Nisa e responsável pelo Departamento

dos Sistemas Primários da zona Alto Alentejo-EDP. De 1980 a 1984 foi responsável pelo centro de distribuição da direcção operacional da distribuição Tejo-EDP. Posteriormente,  exerceu cargos de administração em empresas dedicadas a energias. Em 1969, foi cabeça de lista por Portalegre e em 1974 aderiu ao Partido Popular Democrático (PPD), quando da sua formação, tendo pertencido a vários mandatos nas comissões políticas distritais de

Portalegre. Em 1974, foi fundador da comissão política concelhia de Nisa do PPD, da qual foi presidente durante vários mandatos. Foi também membro da comissão instaladora dos Trabalhadores Social-Democratas (TSD) e seu secretário distrital de Portalegre (1985-1997). Fez parte da comissão instaladora do Sinergia. Sindicato de Energia - em Junho de 1989, tendo pertencido aos órgãos sociais do sindicato desde a sua fundação.

Foi deputado municipal do concelho de Nisa durante dezoito anos (1979-1997). (2) (...)

 

Algumas personalidades políticas de concelhos vizinhos foram candidatos e citam-se Francisco Lino Neto (ligado ao Mação), António Reis (Mação), Pequito Rebelo (Gavião) e pouco mais.

 

Realmente é escassa a colheita de políticos anti-fascistas abrantinos, tendo de se reconhecer que a Ditadura viu florir aqui gloriosos expoentes dos quais destacarei Maria de Lourdes Pintasilgo e Rosa Casaco, mas a safra anti-fascista de  ''políticos'' anti-fascistas foi pequena. Outra coisa será a de sindicalistas, militares (com o General Marques Godinho o mais destacado), militantes das lutas estudantis, militantes da luta armada (houve um muito importante), operários, etc.....Mas essa fica para outro dia....

 

   

MA

 

(1) e (2) -texto entre aspas: Mário Matos Lemos, coor e prefácio Luís Reis Torgal, Candidatos da Oposição à Assembleia Nacional do Estado Novo (1945-1973 ), Assembleia da República-Texto Editora, Lisboa, 2009 

 

 

 



publicado por porabrantes às 11:47 | link do post | comentar

Terça-feira, 20.11.12

 

 

 

 

Em 31 de Dezembro de 1955, Sua Excelência Reverendíssima, D.Agostinho de Moura, Bispo de Portalegre, emitia esta carta confidencial dirigida a cada Pároco da Diocese.....

 

 

 

Na sequência da norma emitida pelo Bispo em 3 de de Agosto de 1954 '' no sentido de se trabalhar pela inteira supressão  de quaisqueres danças ou bailes e de qualquer divertimento nocturno'', (Suponho que o Senhor D. Agostinho não consideraria a fornicação nocturna dentro dum casal católico como ''divertimento'' mas sim como dever moral e portanto não estaria abrangida por este ''grandioso'' plano...) ordenava-se aos Senhores Priores que até ao final de Novembro apresentassem um rol exaustivo de todos os bailes públicos e particulares que se celebravam dentro  das fronteiras das suas Paróquias para a Diocese construir uma base de datos, a fim de depois elaborar uma estratégia para terminar com o flagelo....

 

 

Ainda existirá em Portalegre, no Arquivo da Cúria, a base de dados sobre bailes mandada elaborar por D. Agostinho?

 

Será pública?

 

Estará ainda classificada como material ''confidencial''?

 

Gostaria eu de a consultar para verificar qual foi relação elaborada pelo Pároco de São Vicente de Abrantes, Rev.Cónego Freitas....

 

  

 

 

E depois comparar a lista dos ''subversivos'' organizadores de bailes em casas particulares com a dos generosos ''doadores'' de fundos para a construção do Seminário e do Colégio de Santo António...

 

Aposto que encontrava algumas ''boas'' famílias nas duas listas....

 

Um dia dizia-me o dr. Pequito Rebelo, também ele generoso mecenas do ''seminário'':  O homem quer proibir os bailes, está um bocadinho excitado!

Acho que tenho de lhe ir lá explicar que se não fossem os bailes ainda estava a aturar a minha irmã e ela não se tinha casado com o Hipólito Raposo....

 

Essa história de proibir os bailes só servirá para fabricar solteironas....

 

Marcello de Noronha

 

Nota: D.Agostinho ainda depois do Concílio continuou a campanha. Em meados dos anos 60 proibiu o primeiro baile de finalistas do La Salle. Com a piedosa ajuda do Cónego Freitas.

 



publicado por porabrantes às 20:57 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Uma diocese casta, o pio ...

Candidatos abrantinos da ...

A campanha diocesana cont...

arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10


20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds