Terça-feira, 01.01.19

Será publicado, ainda este mês, novo livro de Irene Flunser Pimentel, que levará o título ''Os cinco pilares da PIDE/DGS''.

A autora abordará o papel de Agostinho Barbieri Cardoso, José Barreto Sacchetti, Álvaro Pereira de Carvalho, António Rosa Casaco e Casimiro Monteiro.'

A autora é a melhor especialista na história da polícia política do fascismo.

antónuo rosa casaco catálogo

mn

 



publicado por porabrantes às 12:34 | link do post | comentar

Terça-feira, 24.04.18

Consultados os arquivos da PIDE-DGS sobre uma acção realizada para espiar o Cine-Clube de Abrantes, verifica-se que era dado como suspeito (demasiado conhecido) o dr.Orlando Pereira e o filho, o cher Orlando, que já tinha sido detido em Santarém.

O pide anota ainda a presença do dr.Filomeno Cartaxo e da estudante Isabel Cavalheiro.

À margem anotou ainda o esbirro do Prof.Caetano, o homem que fez a Lurdinhas Pintasilgo, procuradora fascista, que a estudante Isabel Cavalheiro.......era fumadora.....

 

ma  



publicado por porabrantes às 16:59 | link do post | comentar

Quarta-feira, 30.11.16

Homero de matos pagina um.png

O Pide-Coronel Homero de Matos no Jornal onde escrevia Mário Semedo, director Jorge Fagundes.

O Pide (foi episodicamente comandante ou chefe da Polícia Secreta) era natural da nossa bonita cidade.

Quem sabe do assunto é a Irene Flunser Pereira, que aqui aborda a breve passagem do militar pela chefia da polícia política, saneado a rogo do Barbieri. embora oficialmente tenha pedido a demissão 

 

Para os interessados os livros desta especialista, que é que assinala a naturalidade abrantina do coronel de Cavalaria (foi Comandante da EPC)

mn

 



publicado por porabrantes às 19:52 | link do post | comentar

Domingo, 23.10.16

pide carvalheira.jpg

Se bem me lembro esta carta foi publicada no ''Expresso'' pelo jornalista José Pedro Castanheira.

castanheira.png

retirado do site Xiconha

 

ma



publicado por porabrantes às 19:11 | link do post | comentar

Domingo, 09.10.16

O Sr.  José João Marques Pais tem vindo a fazer uma excelente descrição da vida política de Alpiarça durante o fascismo. Designadamente no livro '' “Gente de Outro Ver”. Actividade Política em Alpiarça desde as Invasões Francesas até Abril de 1974, Alpiarça, 2005''.

Num post no Jornal Alpiarcense, em 2013, desvenda como uma denúncia vinda do RI-2 de Abrantes, levou a PIDE a Alpiarça e a uma onda de prisões.

Trancrevo a parte abrantina, com a dita vénia:

'' (...)

Na origem desta investida da polícia política estiveram dois telefonemas recebidos no dia 16 de Agosto na sede da PIDE. O primeiro vinha do Regimento de Infantaria 2 de Abrantes e comunicava que nesse dia, pelas 22 horas, se evadira das cadeias do quartel o soldado João Carvalho Pereira, natural de Alpiarça, que se encontrava preso por ter sido considerado desertor. De facto, saíra ilegalmente do país no mês de Junho, quando soube que fora mobilizado para embarcar no dia 17 de Agosto para o Ultramar. João Carvalho Pereira tivera azar na sua fuga. Na sua passagem pelo país vizinho foi preso e entregue às autoridades portuguesas em Vilar Formoso, que por sua vez o entregaram no quartel de Abrantes. Fugira agora, de novo, do quartel em Abrantes.(...)''

Na rusga da PIDE cairam entre outros o Malaquias Abalada e o Álvaro Brasileiro.

Quem eram os bufos militares no RI-2?

ri 2 abrantes - copia.jpg

Ficamos a saber também que os militares do RI-2 tinham as enxovias ao serviço do fascismo.

A extinção da unidade fez desaparecer da net os dados sobre quem era o comandante em 1963. Mas iremos saber, descansem, quem era o coronel que se cobriu de vergonha colaborando com a PIDE. O coronel e os subordinados.

É só dar uma voltinha pelo Arquivo Histórico Militar.

mn     

um dos pides era o Mortágua



publicado por porabrantes às 23:09 | link do post | comentar

Terça-feira, 21.06.16

dr. orlando cadeia.png

É o que sabemos, por agora, da vicissitudes na masmorras da PIDE do dr. Orlando Pereira.

 

ma



publicado por porabrantes às 22:34 | link do post | comentar

Terça-feira, 14.06.16

Finalmente descobrimos quando ganhava o militante do PCP e administrador da empresa  de matriz abrantina Jota Pimenta, excelentíssimo sr. Lázaro do Carmo Viegas

 

lázaro carmo viegas.png

 

D. Lisboa de 9 Abril de 1975

Dois contos de réis por mês. Sendo o sr. Lázaro um tipo muito importante, tanto no PCP como na Jota Pimenta, é natural um ordenado jeitoso destes.

O Sr.Lázaro do Carmo Viegas era muito das relações do empresário do Souto, João Pimenta a quem traiu e ajudou a roubar a empresa depois do 25 de Abril, com a joão pimenta.jpg

ajuda dos seus camaradas gonçalvistas, acho que já contámos isso. Também era amigo do Octávio Pato, a quem transportava, quando este fazia actividades clandestinas, apresentando  presumivelmente o competente relatório à polícia.

Se um informador importante ganhava 2 contos, os informadores da ralé abrantina, andariam pelos 500 escudos. Nomes .... wait  and see.

O Lázaro também era das relações do Dom Agostinho de Moura, Bispo de Portalegre....

lázaro carmo viegas 2.png

e das do ''resistente'' Francisco Canais Rocha

zita canais.png

Zita Seabra, ''Foi assim'', com a devida vénia

 

Naturalmente o Canais Rocha apanhou uma medalha de lata de mérito cultural de Torres Novas. Foi para o compensar de não ter sido ministro. As biografias oficiais autárquicas  do medalhado   omitem que falou à PIDE e mentiu ao PCP, pondo em perigo dezenas de camaradas.

E houve quem tivesse sido expulso do PCP para expiar as culpas do Canais. Um dos expulsos, que não falara, terminou Ministro do PS.

Já sabemos a quem se dão medalhas no Ribatejo. A tropa desta. Ah! O Canais afirmava-se historiador. Porque é que ele nunca escreveu uma biografia do Lázaro do Carmo Viegas?. Talvez ganhasse uma medalha de mérito cultural abrantina....  

ma



publicado por porabrantes às 18:25 | link do post | comentar

Sexta-feira, 05.02.16

josé gomes alferrarede.png

in 

 

paula couço.png

uma tese de doutoramento a ler sem falta, sobre o bastião comunista do Couço, onde aparece um preso de Alferrarede, o José Gomes.

 

Ainda sabemos pouco sobre ele, mas tentaremos saber.

 

Tudo isto aparece por acaso quando se procurava umas coisinhas sobre Francisco Quintal, o anarquista, de íntegra memória que por aí passou.

 

Mas saber que o Zé Gomes passou pelos calabouços da PIDE onde se torturava, já nos mostra como a idílica caldeirada de classes, à moda de Alferrarede, com patrões paternais a distribuir rebuçados aos filhos dos proletas, é falsa.

 

Também podia ao longo da descrição dos carrascos que torturam ver se há pides de cá, temos a lista, não tenho tempo para isso.

 

Mas sabemos a lista dos Presidentes da Junta de Alferrarede que informaram a PIDE. 

 

A coisa chegou a tal ponto que passaram informações à Pide, que perguntava se o dr. João Manuel Esteves Pereira era ''perigoso''  e se podia ser professor na EICA.  Neste momento já não me lembro se a informação saiu da Junta ou da CMA.

 

ma

 

 



publicado por porabrantes às 11:32 | link do post | comentar

Terça-feira, 14.07.15

 

Em 23/4/99, António Marujo publicou no diário ''Público'' um relatório da PIDE-DGS sobre a situação da I.Católica em Moçambique. Aí se avaliavam as competências dos Bispos.

augusto césar.jpg

Augusto César, que depois seria Bispo de Portalegre era considerado

 

 

''MUITO BOM''

 

Trancreve-se o artigo:

 

''Um relatório da PIDE elaborado 10 meses antes antes do 25 de Abril propunha que se prescindisse do trabalho missionário de vários institutos religiosos. Feitas as contas, a decisão levaria à expulsão de 155 padres. As autoridades não seguiram a sugestão mas, em Fevereiro de 1974, o regime acabou por mandar embora de Moçambique mais 11 missionários e um bispo. Por causa de um "imperativo de consciência".

A situação político-religiosa de Moçambique em Junho de 1973, dez meses antes do 25 de Abril de 1974, era considerada pela PIDE/DGS como "causando graves apreensões" nas áreas das dioceses da Beira e de Tete. Num relatório pormenorizado sobre a presença da Igreja Católica naquele Estado "e suas implicações com a segurança", a PIDE concluía que a situação ficaria melhor "se fosse possível prescindir dos Institutos de Burgos, Capuchinhos de Trento, Combonianos, Sagrado Coração de Jesus e Padres dos Sagrados Corações". Ao propor esta medida, o relatório da polícia política do Estado Novo estava a sugerir a expulsão de 155 missionários que trabalhavam em todo o território moçambicano. Nessa altura, o número total de padres a trabalhar em Moçambique (entre autóctones e estrangeiros) era de uns 550. O que, a concretizar-se a ideia expressa no relatório dirigido ao governador de Moçambique, significava expulsar mais de um quarto dos membros do clero católico. Isto, já depois de terem sido expulsos do território, entre 1971 e 1972, vários membros dos Padres Brancos, dos Padres de Burgos e dos Missionários Combonianos (ver caixa). Na alínea c) do relatório, já citada, o director da delegação da PIDE em Moçambique acrescenta que, se se prescindisse dos missionários referidos, "beneficiariam as dioceses afectadas e as que se prevê virem a sê-lo". E, se isso não se concretizasse, "a subversão violenta" iria estender-se "a novas áreas ainda não afectadas", tudo levando a crer que surgiriam "implicações mais graves com a segurança".A informação nº 86/73/DI/2/SC-G.G., com 31 páginas dactilografadas, traça um panorama completíssimo do que era a posição dos missionários em relação ao estatuto da então colónia portuguesa, dos casos considerados mais perigosos para a segurança do Estado, das opiniões dos respectivos bispos e das missões que ofereciam preocupações às autoridades do Estado Novo. O relatório começava por se referir ao "estado da questão", com um "vasto campo de análise em que factores de ordem religiosa, social e política se entrechocam, tornando o tema melindroso e difícil". E entrava depois por conceitos teológicos: "Tendo em conta que o conceito de Igreja envolve não só a hierarquia mas também todos os católicos (binómio Igreja/Corpo Místico), a principal limitação que nos surge é a impossibilidade de seguirmos atentamente o comportamento político-religioso dos leigos. Alguns destes tentavam "a escalada de pastorais ultra-modernas à luz da actual doutrina social". Mas, como não eram muitos, "os seus voos são perfeitamente controlados ou controláveis" pelos bispos. Vivia-se, entretanto, um contexto teológico desfavorável. "Já antes" do Concílio Vaticano II (que se realizara entre 1962 e 65) havia teólogos de várias zonas do mundo a enveredar "por uma hermenêutica, tipo racionalista, tentando descobrir e desenvolver uma temática evangélica" que até aí tinha sido "inaceitável". Os temas que vinham "sendo abordados nas altas esferas teológicas" eram, cada vez mais, analisados "por prismas revolucionários", sendo fácil ouvir falar em "teologia e/da revolução", "evangelho e libertação", "profecias e política", "política do Antigo Testamento" e "função política do culto". Havia mesmo, supremo insulto, quem distinguisse no julgamento de Jesus Cristo um julgamento religioso e "outro político (por subversão relativamente ao poder constituído - domínio romano)". E havia exegetas que viam Jesus como "um revolucionário", cuja conduta tinha sido "estritamente política e o evangelho um anúncio de libertação do domínio de poderes temporais". A análise teológica do relatório da PIDE terminava afirmando que todas essas tendências difundidas no Terceiro Mundo serviam "cabalmente os interesses dos países comunistas". O relatório entrava depois a analisar minuciosamente cada um dos institutos religiosos masculinos presentes em Moçambique. Listava um conjunto de 16 congregações masculinas: Padres Monfortinos, Missionários da Consolata, Padres Franciscanos, Missionários Combonianos, Instituto de São Francisco Xavier de Burgos, Padres do Coração de Jesus (Dehonianos), Jesuítas, Capuchinhos, Capuchinhos de Bari, Padres dos Sagrados Corações, Sacramentinos, Sociedade Missionária Portuguesa, Congregação da Missão, Ordem Hospitaleira de São João de Deus, Salesianos e Dominicanos (que acabavam de chegar ao território). Os mais perigosos eram aqueles que o relatório mencionava como sendo necessário prescindir dos seus serviços. Mas havia outros que, sem estarem na lista mínima, também eram causa de problemas: os monfortinos seriam partidários da autodeterminação de Moçambique; alguns da Consolata já se tinham revelado "contestários exacerbados", mas os seus superiores aconselhavam os padres a não se intormeterm "na orientação sócio-política"; os Capuchinhos de Bari desenvolviam trabalho social com o objectivo de "realçar a indiferença" das autoridades oficiais em relação aos seus problemas. Já os jesuítas, na sua maior parte, não seguiam a "eventual atitude refractária e hostil atribuída" ao seu superior-geral, padre Pedro Arrupe. Dos 33 institutos femininos a trabalhar em Moçambique, com um total de 1224 religiosas (das quais 270 estrangeiras) não havia muito a recear. À excepção de duas freiras - a italiana Maria de Carli e a espanhola Divina Vasquez Rodriguez -, não se conheciam "atitudes ou actividades" de religiosas que implicassem com a segurança, mas o relatório salientava o facto de algumas delas já estarem a aprender com os padres e irem para Moçambique "com graus académicos". Entre os padres diocesanos, não vinculados a nenhum instituto religioso, havia apenas alguns casos isolados que eram objecto de preocupação, entre os quais Joaquim Teles de Sampaio, um dos primeiros a denunciar massacres cometidos pelas tropas portuguesas, e João Baptista da Mata, que fazia, na Sé de Lourenço Marques (actual Maputo), "homilias impregnadas de maoísmo e utopia". Os restantes, de um modo geral, não criavam complicações. "Estão de certo modo 'aburguesados', não tendo problemas de ordem financeira e não se mostrando interessados em entrar em atrito com a política governamental". O mesmo epípeto era dado ao então bispo de Quelimane. D. Francisco Nunes Teixeira (recentemente falecido): "É de tipo moderado, conservador, talvez mesmo 'aburguesado'", um bispo que aconselhava os seus padres a manifestarem "espírito cristão, moderação e prudência" nos contactos com as autoridades, "a fim de se evitarem atritos prejudiciais". Esta tese tem uma relativa confirmação do próprio. No seu livro "A Igreja em Moçambique na Hora da Independência (1955-1975)", publicado há perto de cinco anos, Francisco Nunes Teixeira admitia que o método preferido pela maior parte dos bispos moçambicanos era o diálogo directo com as autoridades. Os membros do episcopado também eram objecto da lupa e da vigilância da PIDE. O arcebispo de Lourenço Marques, Custódio Alvim Pereira, era "da linha conservadora"; o bispo de João Belo (actual Xai-Xai), Félix Niza Ribeiro, mantinha boas relações com as autoridades civis, mas tinha ido depor a favor dos padres de Macuti, que tinham denunciado massacres; Ernesto Gonçalves da Costa, de Inhambane (que seria depois bispo da Beira, entre 1974 e 1977, e bispo do Algarve entre 1977 e 1988), era "tradicionalista e muito equilibrado", mas também tinha deposto no julgamento dos padres de Macuti; Augusto César da Silva, de Tete (actual bispo de Portalegre e apontado como futuro arcebispo de Braga), "pode considerar-se muito bom" e um dos que mantinha o "equilíbrio, exigido nas relações com os poderes temporais"; José dos Santos Garcia, de Porto Amélia (actual Pemba), seguia a "linha conservadora" da Igreja e não escondia "o seu acérrimo e irredutível portuguesismo"; e Luís Gonzaga da Silva (que vinha dos jesuítas e era bispo de Vila Cabral, actual Lichinga) era "o que melhor" se identificava "com o sistema político vigente".Aquele que merecia mais acusações no relatório da PIDE era Manuel Vieira Pinto (que continua a ser o bispo de Nampula, para onde foi nomeado há mais de 30 anos). A sua "personalidade e mentalidade" fugiam "à vulgaridade dos seus colegas do episcopado" e a sua actuação "em desfavor da sã ortodoxia católica por apadrinhamento de contestatários e seus grupos tem ultrapassado todas as barreiras do decoro episcopal". Mais grave ainda, Vieira Pinto fazia "tábua rasa do respeito hierárquico devido, pelo menos," ao arcebispo de Lourenço Marques. E do "acinte" que mostrava "contra a política ultramarina portuguesa nem é bom falar". Poucos meses depois deste relatório, em Fevereiro de 1974, foi publicado o documento "Imperativo de Consciência". O texto era assinado por D. Manuel Vieira Pinto e todos os combonianos presentes em Moçambique (34 padres, 19 irmãos leigos e 41 irmãs - afinal, o relatório enganara-se, sobre as freiras). E, no documento, os signatários insurgiam-se contra a política colonial, contra a continuação da guerra e contra o silêncio da Igreja Católica em Moçambique. A polémica voltou a estalar, e o Governo deu ordem de expulsão a 11 missionários combonianos (nove italianos e dois portugueses) e ao bispo de Nampula, que chegou a Lisboa nas vésperas do 25 de Abril. Entre 1974 e 1977, vários bispos moçambicanos pediram para sair das suas dioceses. Vieira Pinto voltou para Nampula.''

 

Com a devida vénia

ma



publicado por porabrantes às 00:24 | link do post | comentar

Domingo, 12.07.15

maria fernanda graça e silva.jpg

A Comissão para o Livro Negro do Fascismo funcionava no âmbito da Presidência do Governo e era composta entre outros por José Carlos de Vasconcelos, Raul Rego, etc.

Publicou uma séria de estudos e recolha de documentos em edições baratas e cuidadas que são imprescindíveis para estudar a Ditadura.

Foi extinta por Cavaco Silva por razões que ele saberá, quando chegou ao Governo. Economicismo barato.

Numa dessas edições:

Presos Políticos no Regime Fascista IV – 1946-1948, 1985s

foi publicada  a ficha policial da dirigente oposicionista abrantina, Fernanda  Silva, de que aqui já se falou.

Era imprescindível pegar nesses livros e nos arquivos da PIDE-DGS e militares e retratar os abrantinos que estiveram presos por razoes políticas.

Retirou-se, com a devida vénia, a ficha de Fernanda Silva, do blogue Silêncios e Memórias do investigador e Prof. universitário João Esteves

 

Para terminar só dizer que o marido de Fernando Silva, o dr. Orlando Pereira é  um dos únicos ''abrantinos'' (com o General Marques Godinho  e de alguns membros dessa família perseguidos por levarem Santos Costa aos tribunais, devido à morte do General) mencionados por Mário Soares, no '' Le Portugal Bailonnée'', que ainda hoje é a melhor história da Oposição à Ditadura.

 

ma 

 

Orlando Pereira era natural de Alenquer, Fernanda Silva de Beja, Marques Godinho das Galveias, abrantinos para nós são todos os que atrabés duma permanência larga entre nós ajudaram a tecer esta comunidade 



publicado por porabrantes às 19:05 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Novo livro sobre mais cél...

A fumadora

No tempo de Homero

Dia do Senhor: PIDE-DGS i...

Comando do RI-2 ao serviç...

Presos Políticos abrantin...

O ordenado do informador ...

Presos Políticos no Cente...

Augusto César era muito b...

A ficha prisional de Mari...

arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10


22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds