Sábado, 02.08.14

 

 

 

 

 

 

 

 

Só me vou ocupar da carreira de benemerência do benemérito Guilherme, tendo em conta o perfil publicado pelo ''Expresso'', com autoria de Hugo Franco,Micael Pereira e Gustavo Costa (em Luanda),.

 

Os beneméritos são o sal da Terra (especialmente daquelas que os viram nascer) e estou à espera que a Raquel Varela trace, definitiva, uma antropologia do benemérito típico.

 

A Igreja gosta muito de beneméritos e não  vou comparar aqui o Guilherme com outro Guilherme mais ilustrado, o Dr.Guillherme Henrique de Moura Neves, que também era do Pinhal.

 

No Pinhal há localidades diferentes, classes sociais diferentes e as épocas são outras. Mas o apego do Pinhal à Santa Religião é atávico.

 

 

O Dr. Guilherme Henrique era da Boa Farinha e estudou para cura , tendo chegado, se bem me lembro dum texto de Mestre Diogo Oleiro (ou seria de Solano?), a terminar o curso de Teologia.

 

Há um texto glorioso e beatífico sobre ele, publicado nas ''Flores do Santuário'', Boletim da Diocese de Portalegre, lá para os anos 30 que exprime o afecto inseparável da Religião Católica aos beneméritos.

 

Infelizmente a Drª Ana Soares Mendes não traçou o retrato da modéstia do Zé Guilherme num editorial da Nova Aliança. É uma ingratidão que deve ser corrigida.

 

Diz no texto que o Guilherme que só comprou um piano para um músico desvalido, porque a mulher lhe pediu. É a esposa que se ocupa da caridade.

 

Mas aquele acto caridoso de dar 14 milhões ao Salgado foi espontâneo, parece.

 

Depois também conta que também mandou fazer uma capela funerária na terra dele (suponho que na Cabeça Gorda) para ''ajudar''.

 

Quem lhe pediu?

 

Esquece o Guilherme que em nome dele entrou na CMA um pedido de licenciamento para construir um lar de idosos na Cabeça Gorda, e que há na Cabeça Gorda uma associação cujo fim é construir esse lar comandado por outro benemérito, o presbítero Graça. 

 

Também esquece o Guilherme que há Centro de desintoxicação chamado João Guilherme.

 

Diz o Guilherme que não lê jornais, coisa que dá ideia que não lê blogues, em especial este, .

 

E chegamos ao paradoxo de saber que um homem que faz transferências de 14 milhões de euros, de off-shore para off-shore, é, segundo o Pico dono do imóvel da Repartição de Finanças de Abrantes.

 

Só resta ao Humberto Lopes sugerir que os cidadãos que possuem off-shores, não devem ser donos de imóveis das Finanças, sobretudo nos Concelhos onde há edifícios das Finanças que são propriedade do Estado e estão sem uso, caso de Abrantes.

 

MA



publicado por porabrantes às 16:10 | link do post | comentar

Domingo, 23.01.11

Aldeia do Mato, pinhal profundo, 90% de votos no Cavaco, apesar da pregação do Sr.Pico.

 

Souto,  a terra do Pimenta e do Vigário.

 






Cavaco   210 votos-72,16%

Nobre  -    28         -  9,62%

Alegre       25           -8,59 %

Coelho      16           -5,5%

PCP           10           -3,44%

Defensor     2           -0,69%

 

 

Fonte Sic

 

Está visto que o povo ordeiro do Pinhal não lê o blog Pico do Zêzere. !!!!

 

Que tal o Sr.Pico voltar a construção civil, ainda com o talento que tem pode montar uma nova Jota Pimenta.

 

Naturalmente JOTA PICO;SA

 

Miguel Abrantes

 

PS -Roga-se ao vigário que apure os 10 comunas que há no Souto e os entregue à Santa Inquisição

 



publicado por porabrantes às 21:34 | link do post | comentar

Domingo, 01.08.10

Do Mirante:

 

Câmara de Mação investe um milhão de euros em Centro de Aprendizagem e Observação de Arte Rupestre

Imprimir ArtigoComentar ArtigoEnviar para um amigoAdicionar aos favoritos

“Consubstanciar” o trabalho desenvolvido em Mação nos últimos anos em torno das suas riquezas arqueológicas é objectivo da autarquia, que anunciou um investimento de um milhão de euros na construção de um Centro de Aprendizagem e Observação (CAO).

O novo equipamento cultural e científico pretende aumentar todo o trabalho que o Museu de Arte Pré Histórica tem desenvolvido em Mação e em seu redor, e onde serão criados espaços de investigação e experimentação, laboratórios, sala de exposições e um espaço bibliográfico de Arqueologia e História do Alto Ribatejo, um “elemento nuclear”, pela sua natureza de instrumento de aprendizagem.

O presidente da Câmara de Mação, Saldanha Rocha, disse à agência Lusa que o projecto, que deverá estar concluído em 2012, criará entre 30 a 40 postos de trabalho directos e 150 indirectos, esperando-se que, “dentro de poucos anos” se atinjam os 50 mil visitantes por ano.

“O investimento”, continuou, insere-se numa “aposta estratégica de longo prazo” em termos de “valorização do território”, sendo “inspirado” nas grutas francesas de Tautavel, com vestígios de ocupação humana de 450 mil anos.

A “aldeia, que tinha 600 habitantes, tem hoje 10 hotéis e cerca de 350 mil visitantes por ano”, contou o autarca, que decidiu apostar na adaptação em Mação do que havia visto em França.

O futuro CAO será construído na Vale do Rato, próximo do actual Museu, e inclui um espaço de observação na aldeia de Zimbreira, - “será a porta para o parque do Ocreza” -, que acolherá uma exposição de arte rupestre mundial, em colaboração com museus e universidades da Europa, América do sul, África, Ásia e Austrália.''

 

O disparate despesista no seu melhor. Um milhão de euros deitados para o lixo pelo génio, herdeiro do Elvino Pereira, numa terra que tem parte do centro histórico em ruínas e está cada vez mais desertificada.

Mais 40 ou 50 burocratas completamente inúteis para serem pagos pelos nossos impostos.

E depois o super-ego rupestre do Autarca: ''que decidiu apostar na adaptação em Mação do que havia visto em França''. Foi ele, sozinho, segundo o texto que ''decidiu'' pela aposta.

Ora nos termos da Lei o Sr.Rocha não tem competências para tomar essa decisão. É uma competência da Câmara e não do Presidente. As declarações demonstram um enorme desprezo pelos Vereadores e pelo povo que o elegeu, ao assumir-se como o monarca absoluto da Vila.




Um Jardim do Pinhal, naturalmente sem as qualidades de truão fascista do Funchal.........



Felizmente o homem não foi a Versailles, senão reconstruía o palácio de Luís XIV no meio do Pinhal


Naturalmente dentro das possibilidades da casa. Um Versailles do género do Palácio do Rei dos gnomos. Um dia destes quando o concelho for extinto que será dos rupestres?





Miguel Abrantes, admirador dos cromagnon-pimba



publicado por porabrantes às 20:20 | link do post | comentar

Quarta-feira, 28.04.10

Depois de lermos ontem o impacto da chegada dos franceses ao pinhal e os problemas que isso trouxe ao Padre Batista, segundo o manuscrito da professora Alice B, ficámos curiosos e fomos ver se há por lá ainda descendentes dos invasores ( que não foram só franceses, porque as hordas napoleónicas eram multinacionais havia polacos, alemães, italianos e até egípcios...).

 

Nas tropas inglesas também havia soldados de outras origens, sobretudo alemães mas também franceses anti-napoleónicos.

A falta de tempo só nos permitiu encontrar num portal de genealogia um francês que ficou no Pinhal, quem sabe se seduzido pela beleza rural lusitana:

Boa tarde

Alguém me sabe informar sobre a origem da família Jana (da Carregueira - Mação)?

É o apelido do meu avô paterno e não consigo de facto encontrar dados relativos à sua origem.

Cumps

Carla Margarida Afonseca de Matos Alves

E a resposta que a Carla dá a si própria:

Entretanto descobri que o nome Jana parece ter origem num militar das tropas de Junot com ascendência na Europa de leste e que por ali ficou depois das invasões. (...)


Portanto segundo a Carla ficou um francês no pinhal e teve descendência.....

A Professora Alice B no seu livro inédito' Franceses no Pinhal' não o refere....

 

Entretanto a Carla lançou uma polémica entre os genealogistas do Mação que pode ser seguida no link referido....

 

Finalmente resta acrescentar que não só a soldadesca francesa fez das suas, são conhecidas as relações adulterinas de Junot com a Condessa da Ega.....

 

E há um livro sobre a descendência portuguesa de Junot  :*DGJ - Descendência Portuguesa do General Napoleónico Junot. Américo Brasil.Instituto Português de Heráldica, 1ª Edição.Lisboa, 1984

 

Desafiamos o maior historiador do Souto, Snr. Traquina a escrever '' A descendência dos franceses no Pinhal''.....

 

Marcello de Ataíde

 

Nota: Outro dia voltamos a falar no assunto porque não queremos que o Pico tenha uma apoplexia. Só um pormenor: não lemos ainda o livro do Rui Lopes  sobre o fadista brasileiro Lucas Junot e por isso não sabemos nada da sua ascendência. Perguntem ao Rui




publicado por porabrantes às 16:30 | link do post | comentar

Terça-feira, 27.04.10


O nosso amigo cidadão Abt foi ao pinhal. Dizem que aquilo está deserto mas encontrou muitos rurais, embora não tenha encontrado João Pico nem nenhum dos seus 50 votantes. Também não viu o Vigário, salvando-se portanto do conto que ele tinha para lhe contar.

 

O nosso amigo cidadão Abt também não encontrou os 50 intelectuais que numa excursão camarária demandaram as conheiras parando na Senhora do Tojo para verem o santuário onde o Padre Batista  pediu a a ajuda da Virgem para restaurar a moral no Pinhal porque as campónias andavam doidas com os franceses.

 

Aquilo era uma rebaldaria e o Padre Batista já não sabia o que fazer desatinado como estava com as coisas que lhe contavam as campónias que tinham aprendido a fazer com os franceses.

 


 

Havia duas que até tinham praticado o french kiss (desconhecido dos rurais) com dois marmanjos de Marselha à porta da Igreja quando tocavam as Avés Marias.

 

Uma delas era a mulher do sacristão, a Elvira dos Bigodes, e o marido a quem os franceses chamavam cocu tinha ficado branco dando-lhe de seguida uma apoplexia que o fez ficar entrevado até ao resto dos seus dias.

 

O Padre Batista que aproveitava o sacristão para lhe sachar a horta à borla, ficou pior que estragado.

 

A Virgem do Tojo não funcionava.

 

O dinheiro das promessas diminuía a olhos vistos enquanto nos anos anteriores lhe dera para comprar três fazendas que pensava deixar aos sobrinhos se não lhes passasse pela cabeça abandonar a terra e irem para trolhas para Lisboa.

 

Então o Batista resolveu usar os grandes meios, tocou os sinos a rebate, juntou-se o povoléu e o cura arengou:

 

Vamos já para Abrantes fazer queixa ao juiz de fora e ao Coronel francês que não temos mão nas nossas mulheres. Queremos justiça.....

 

-Também se meteram com a sua ? perguntou o Xico da Taberna, que andava sempre um bocado toldado.

 

O Reverendo Batista esteva para lhe disparar o bacamarte porque ainda há três anos ganhara o prémio ao pároco que fizera menos solicitações na Diocese.

 

 

 

 

Meteram-se a caminho e quando chegaram à mamoa viram a Adélia a dar uma cambalhota com o sargento Dupont que era o chefe de posto da guarnição do Pinhal.

Até a Adélia do moleiro anda perdida- disse o Batista que pelas confissões sabia o rol de pecadoras da freguesia.....

 

A partir daquele dia o povo do Pinhal considerou maldita a mamoa e sente-se muito ofendido qual lhe perguntam por ela, como o Cidadão Abt pôde ver e escrever. Já agora a excelente foto é dele.

 

Marcharam  a trote para Abrantes e o Padre ia tão indignado que estava disposto a dar uma arcabuzada no Coronel Suchet se este não mandasse o capelão Lucas explicar à soldadesca que as mulheres da sua freguesia não deviam ser pervertidas.

 

Mas, quando chegaram à Abrançalha ouviram tiros.

 

Quando arribaram ao largo de São Vicente já a bandeira de D.João VI ondeava no castelo e o capitão Correia de Lacerda mandava fuzilar o Suchet e mais meia dúzia de gandulos que tinham querido roubar o dente de São Vicente.....

Com a partida dos franceses a moral voltou à freguesia ......

E começou a lenda no Pinhal que o Padre Batista conquistara Abrantes aos franceses......

Das rebaldarias nunca mais ninguém falou.....

 

Texto refundido a partir dum manuscrito os '' Franceses no Pinhal'', encontrado num alfarrabista de Lisboa, e assinado por Alice B. Professora Primária Oficial no Pinhal.

 

 

 

As referências actuais são nossas.

 

Marcello de Ataíde

 

Nota: Foto autêntica dos descendentes do sargento Dupont


 




publicado por porabrantes às 22:40 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 23.04.10

Noticia o Correio da Manhã o estranho caso do alegado pedófilo do Pinhal. Já começamos a estar chateados sobre a insistência dos pedófilos clericais.

Um estudo científico aponta para que 2% da população masculina tenha tendências pedófilas, mas destes só metade é que chega algum dia  a meter a mão no menor.

 

No caso luso dada a escassez de clero (e a boa educação dos nossos seminários) são em reduzido número os casos de pedofilia no clero católico excepto na Madeira e mesmo aí o mais importante e dramático caso foi obra de um estrangeiro, que continua impune.

 

Estamos espera que o Oosterbeck tão amigo da Lurian lhe meta uma cunha para que o miserável seja entregue pelo Lula às autoridades portuguesas para que se faça justiça.

 

Também estamos à espera que o moralista Saldanha da Rocha ameace os brasileiros e corte as relações diplomáticas com o Brasil até que o celerado esteja metido na cela mais sinistra duma penitenciária lusitana.

 

Mas agora vamos falar dos pedófilos laicos e da brandura dos nossos queridos juízes e procuradores para a com a classe.

 

Já vimos o caso do alegado pedófilo do Tramagal.

 

Vimos um Tribunal de Braga condenar a cinco anos com pena suspensa (!!!!), um criminoso deste tipo.

 

Era laico.

 

A pergunta é se fosse padre ia dentro?

 

E agora o alegado pedófilo do Pinhal.

 

Ana Sofia Coelho conta no CM ''O pedófilo, de 37 anos, sabia que tinha sida quando violou várias vezes, desde 2009, uma rapariga de 11 anos e abusou sexualmente de uma menina de 6 anos.''

 

Um das miúdas era filha da ex-companheira do alegado pedófilo do Pinhal.

 

Mandaram-no para casa e como medida de coação vai levar uma pulseira.

 

Como não há pulseiras no Pinhal, estão estacionados um par de GNRs a vigiar o  tipo, na Sertã, até que a tecnologia chegue ao Pinhal.

 

É o mérito da democracia. Se fosse no tempo da Ditadura estava lá o Regedor, armado com uma caçadeira com zagalotes e mal o alegado pedófilo chegasse à janela levava com uma descarga de chumbo suficiente para liquidar um lobo.

 

E quando Lisboa enviasse a pulseira ao Regedor seria como esta:

 

 

 

Miguel Abrantes

 

Solicitamos a João Pico, flamante membro do C.M. de Segurança que peça à CMA a imediata compra de grilhetas modelo 24 de Abril.

É preciso estar preparado.....

Porque em Abrantes também há Pinhal....

 

PS-Por favor não nos mandem comentários a dizer que temos de tratar os pedófilos com caridade. Para estes casos somos a favor duma justiça dura e implacável.....



publicado por porabrantes às 11:54 | link do post | comentar

Terça-feira, 16.03.10

 

Não foi este blogue que estabeleceu como objectivo da Agenda XXI a promoção do turismo homossexual no concelho.

 

Foi um grupo de trabalho de que já demos as referências numa iniciativa da CMA presidida por Nelson de Carvalho.

 

O Estudo antropológico que vamos publicar sobre o Padre Rosa e o sexo do Pinhal é uma espécie de Relatório Kinsey sobre os hábitos sexuais da população rural do Pinhal na década de 60.

 

Agora se as autoridades querem promover o turismo homossexual no concelho estão no seu direito. Como a oposição de contestar este objectivo.

 

Se o CDS-PP quer impedir a coisa mande a D. Matilde Lino Netto barafustar na Assembleia Municipai e propor revogar o objectivo.

 

Se querem levar o clero atrás, levem.

 

Mas andem depressa, sendo o Pinhal a zona mais turística do Concelho, estando falida Estalagem do  Vale Manso, os ordeiros e escassos habitantes do Pinhal arriscam-se a ver campings para gays nas idílicas margens do Zêzere e unidades hoteleiras especializadas no turismo sáfico na Aldeia do Mato.

 

Se Jota Pico acaba de desfazer a aliança com o lobby gay, convém aliar-se ao nosso apoiante Dr. Valentim para defender a moralidade no Pinhal e mandar o turismo gay para o Aquapólis.

 

Ou para Alferrarede, já perguntaram a opinião da ''deputada de freguesia'' Dora sobre a coisa?

 

Miguel Abrantes 

 

 

 



publicado por porabrantes às 13:19 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

As finanças e a off-shore

Um profeta no Pinhal

Um milhão de euros pró li...

O francês do Pinhal

Um cidadão no Pinhal

Trabalho para o Xerife- O...

O lobby gay, Nelson Carva...

arquivos

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carlos marques

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

crime

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Abril 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds