Quinta-feira, 23.08.18

 

 

soares caldeira grande

Foi Soares Caldeira, morgado e liberal radical, o homem que quis separar Alvega de Abrantes para a unir ao Gavião. (1837)

Um dos grandes argumentos que usou foi ''sou dono de 2/3 da freguesia''

Outro dos grandes argumentos: era  que um sargento miguelista condicionava e obrigava os de Alvega a serem a favor de Abrantes (Caldeira dixit) 

Dizia ainda Caldeira que aqueles que assinaram a favor da união a Abrantes, tinham sido também induzidos por quartilhos de vinho, distribuídos nas tavernas da terra.

Além disso eram iletrados.....

Os ricos (ou seja o Morgado Caldeira) eram a favor do Gavião. 

A opinião dele foi destroçada nas Cortes, em 1837, por Gorjão Henriques e pelo , Governador da Praça de Abrantes e também Deputado, Manuel Raivoso que vivia em Alvega, mas que não pertencia à velha oligarquia feudal.

Soares Caldeira e estes eram deputados setembristas, do mesmo partido e o Caldeira tinha sido o deputado mais votado em Abrantes.

À vontade dos queriam separar Alvega de Abrantes, também andava ligado um imposto camarário sobre o comércio de carvão, que Alvega enviava pelo Tejo para Lisboa, e que era o mais importante recurso da terra.

Trinta barcos dedicavam-se a essa faina, segundo o Morgado.

D.José Trasimundo Mascarenhas, Marquês de Fronteira e Alorna, militar e político cartista (portanto adversário de Caldeira) definiu o bravo Coronel de Milícias como ''um dos homens mais   limitados de inteligência que militava na oposição, mas que tinha  a grande qualidade da época, era pedreiro-livre de antiga data'' (Memórias, p.189)

mn  

fonte: discussão parlamentar

votos do Caldeira: Eduardo Campos, Cronologia

Imagem:Biblioteca Nacional

 



publicado por porabrantes às 23:46 | link do post | comentar

passos constancia cadao com gervasia falcao luz

Um decreto de 1836 deste político extinguiu 13 concelhos neste distrito. À festa juntou-se o irmão José Passos. Também pretendeu redesenhar os mapas dos concelhos e deu um descarado favoritismo ao concelho onde era influente, por se ter casado com uma rica proprietária local, D.Gervásia de Sousa Falcão.

Anexou a Constância .....Montalvo, Aldeia do Mato, Santa Margarida, etc

Também pretendeu entregar as Mouriscas ao Sardoal e Alvega ao Gavião.

Já se viram aqui os tumultos no Pinhal.

passos manique

Este estudo disseca as consequências da reforma administrativa concelhia e ressalta que foi em Abrantes que houve mais protestos.

350_9789729914843_os_irmaos_passos_da_politica_ao_poder_local

Está incluído nesta obra, para a qual ajudou a Fundação Canavarro de Santarém.

Reúne as intervenções deste Congresso.

 

No estudo citado destaca-se o caso de Alvega, onde as autoridades do Gavião foram incapazes de assumir a autoridade. A  resistência dos povos levou a ameaçar de morte os edis alentejanos e o padre, e uma multidão capitaneada pelo juiz de paz, armada de paus, chuços e bacamartes, esperou o administrador do Distrito de Portalegre prometendo-lhe triste destino.

 

Alvega ficou abrantina.

 

ma

gravura do Passos roubada ao José Luz

 

 

      



publicado por porabrantes às 17:33 | link do post | comentar

Segunda-feira, 05.03.12

''Em Abrantes, o único concelho que terá redução de 50% de lugares urbanos, ou seja, terá uma área urbana com o máximo de três freguesias, uma possibilidade será a manutenção de Tramagal e a agregação de São João com São Vicente e Alferrarede e a junção do Pego com Rossio ao Sul do Tejo. Ainda em Abrantes, a redução de 25% para as restantes freguesias impõe um máximo de dez nas zonas rurais. Para tal, e tendo em conta as que não cumprem os requisitos mínimos, a possibilidade pode passar pela fusão das freguesias de Aldeia do Mato com Martinchel, Souto com Fontes e Vale das Mós com São Facundo.''

 

Diz a Barca.......que será esta a paisagem depois da reforma administrativa

 

 

Já veremos....

 

 

Mas desde já gostava de ver os autarcas e os partidos falarem sobre isto........

 

Mas desde já gostava que a reforma fosse baseada em estudos sérios tendo em conta a história, a cultura, a geografia, a economia e não meros critérios eleitorais ou economicistas.....

 

 

Desde já pergunto porque não se agrega São Vicente a S.João e não vice-versa?????

 

 

É para não chatear o Aníbal Melo????

 

Porque não se agrega a Concavada a Alvega, como era dantes????

 

Porque não se integram as 4 freguesias urbanas ( as 2 da cidade velha, o Rossio e Alferrarede numa só????)

 

Quanto dinheiro se poupava nisto????

 

 

E já agora porque não se liquidam como concelhos o Sardoal, o Mação e Constância????

 

Porque não criar uma autarquia tramagalense anexando-lhe o inútil concelho de Constância?????

 

 

É terrorismo?????

 

Não, é a racionalidade!!!!!!

 

Mas antes de tudo, digo que se deve ouvir as populações em referendo!!!!!

 

 

É terrorismo?????

 

Não,  é democracia.

 

Miguel Abrantes



publicado por porabrantes às 17:17 | link do post | comentar

Quinta-feira, 29.07.10

 

Por: Eurico H. Consciência

Chegados a 1836, o país estava repartido por 828 Concelhos ou Municípios, alguns com reduzido número de moradores – tanto mais que a população de Portugal, por essa altura, não deveria passar de 6.000.000.

Em 1836 já eram Concelhos demais. E o Passos Manuel racionalizou a divisão administrativa do país, extinguindo mais de metade dos municípios.

Criou 21 mas suprimiu 498 – restando então 351, pouco mais do que os que agora temos.

Com os actuais meios de comunicação, não são precisos tantos Concelhos, sobretudo no interior, em acelerado processo de desertificação.

Ninguém se atreve a negar esta verdade, mas ninguém ousa metade do que Passos Manuel fez. E temos Concelhos com 3 ou 4.000 habitantes com Presidentes de Câmara, 2 ou 3 Vereadores a tempo inteiro, Chefes de Gabinete, Arquitecto e Engenheiro e Gabinete Jurídico e Divisão de Obras que poucas se fazem porque os dinheiros da Câmara mal chegam para os ordenados dos seus gestores e das dezenas (ou centenas) de funcionários que contrataram.

Com verdade, não tem sentido nem sombras de racionalidade manter Municípios com menos de 30.000 residentes. Esse critério, aplicado ao Norte do Ribatejo, promoveria a supressão dos Municípios de Mação, Sardoal e Constância, a integrar no de Abrantes, e de Vila Nova da Barquinha, Golegã e Chamusca, a integrar no de Torres Novas – Entroncamento. Ou coisa idêntica. E assim se acabava com meia dúzia de pequenos Municípios e se davam condições de verdadeira dignidade, importância e sustentabilidade aos dois Concelhos restantes.

Quando se pensa que a quase totalidade dos Concelhos do interior do país têm menos população do que centenas de Freguesias do litoral e que todos têm Presidente da Câmara com ordenado graúdo, Vereadores a tempo inteiro que normalmente sacam da Câmara o dobro ou o triplo do que antes ganhavam (quando ganhavam), todos a rodar os bêemes, mercedes ou audis da Câmara ou das empresas municipais ou dos serviços municipalizados, muitos deles com tais capacidades que nenhum empresário os contrataria por preço nenhum (pelo contrário, os empresários até pagariam para se livrarem deles…), quando nos preocupam pensamentos desses, mais nos preocupará a resistência que essa gente fará ao novo Passos Manuel.

Que terá que surgir, porque não poderão deixar de se ponderar, e a curto prazo, os milhões que se pouparão na Administração Pública com a redução a menos de metade dos Municípios que agora temos.

E o novo Passos Manuel, ou arremedo dele, ao contrário do que se vem praticando, terá mesmo que sacrificar os interesses dos Partidos e dos dos Partidos aos interesses da Nação. Porque a crise, infelizmente, vai durar anos e não se poderão resolver os problemas com sucessivos aumentos de impostos – até porque cada vez haverá menos contribuintes. A não se fazer assim, não tarda que a burra fique vazia, e nessa altura até alguns governantes emigrarão: quando não houver para os ordenados deles e dos seus protegidos será um ver se te avias.

Vejam lá. Pensem bem. É do vosso interesse – se gostam de viver cá.

 

 

in Ribatejo

 

A leitura deste artigo dá para perceber o que vem aí. As palavras do dr.Lacão em Santarém também, a médio prazo concelhos como Constância e o Sardoal e quem sabe  o Mação estão destinados à extinção.

Freguesias como Martinchel, Concavada e Souto, idem.

E quem sabe se haverá um concelho do Tramagal...

E a comunista Constância anexada à Barquinha,para garantir o fim da CDU.

A Alpiarça espera-lhe a mesma sorte.

 

 

É a ordem das coisas.

Só resta saber se a Portugal lhe farão o mesmo....

Será que sobramos todos, também?

Marcello de Ataíde



publicado por porabrantes às 00:49 | link do post | comentar | ver comentários (1)

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

O dono de dois terços de ...

Bibliografia Abrantina: A...

o Delírio administrativo ...

Metade sobra

arquivos

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carlos marques

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

crime

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Fevereiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds