Domingo, 22.03.20

SANTARÉM DE LUTO E INDIGNADA !!!

 
La imagen puede contener: una o varias personas, gafas y exterior
Filipa Taxa de Araújo está con Leonor Araújo y 4 personas más.
 

Ontem vivi, com a minha Mãe, e irmãos, o momento mais surreal das nossas vidas.
O meu Pai faleceu. E isso é devastador. E faleceu num momento em que não nos podemos reunir e abraçarmo-nos e chorar juntos, e isso é devastador.

Mas toda a realidade que vivemos não tem adjectivo qualificável possível que exprima ao que fomos sujeitos.

O meu Pai faleceu, dia 21 de Março, perto das 10 da manhã, perto do carro, quando tentava deslocar-se ao hospital porque se estava a sentir mal. O 112 foi célere a enviar as equipas de socorro, Bombeiros e INEM, que o assistiram e fizeram todas as manobras de reanimação possíveis, já sem êxito. O seu corpo ficou no chão e a médica do INEM verificou o óbito, com causas desconhecidas, e deu-nos os pêsames. Taparam-no com um lençol.
Ficámos, eu a minha Mãe e uma amiga que vendo-nos da janela desceu para acudir e esteve connosco desde o primeiro minuto, a aguardar que, dentro dos trâmites legais normais, o Ministério Público fosse contactado, dando seguimento ao processo para que a Delegada de Saúde Pública de serviço, viesse ao local declarar o óbito e o corpo pudesse ser conduzido à morgue desencadeando todos os outros pormenores de entrega à família, contacto com a agência funerária e funeral.
As equipas de emergência e a PSP, que entretanto tinha chegado ao local e vedado o espaço delimitando um perímetro de segurança, permaneceram connosco.
Entretanto ficámos no local tratadas com bastante suspeição, por um dos sintomas do meu Pai ser febre, ao ponto de não podermos abandonar aquele local sequer para ir à casa de banho. O INEM abandonou o local ficando os Bombeiros e a PSP.
Perto das 12h30 foi nos comunicado pela PSP que o corpo tinha sido liberado à familia, que a Delegada de Saúde não viria ao local, ao contrário do que se esperava. A equipa dos bombeiros foi liberada, inclusivé pela linha da Saúde 24, e abandonou o local, ficando nos, familiares entregues ao nosso destino.
Sem perceber muito bem o que se estava a passar, entrámos em contacto com a agência funerária que, percebendo que não havia declaração de óbito nada podia fazer, não tinha forma legal de recolher o corpo.
Telefonemas para trás e para a frente, tentámos entrar em contacto com Delegada de Saúde, Director Regional de Saúde, Estado Maior do Exército, Procurador Geral, Presidente da Câmara Municipal de Santarém. O Senhor Presidente da Câmara ordenou à Delegada de Saúde que fosse ao local declarar o óbito. Esperámos achando que estaríamos a fazer alguns avanços, e passadas duas horas soubemos que se recusava a vir ao local.
Desde esse momento houve algumas pessoas que não saíram mais do local, acompanhando-nos e garantindo que a situação se resolvesse com a maior brevidade possível, como a Vereadora Inês Barroso, também ela vizinha, que fez todos os telefonemas entre o Presidente, PSP, Comando dos Bombeiros, Agência funerária, tentando também ela perceber o que estava a falhar.
Sim, falhar, porque a sensação de abandono é indescritível.
Como pode um corpo, no meio da via pública, ser entregue à família? Seria suposto sermos nós a fazermos ali mesmo o seu enterro? Revolta, vergonha, humilhação, desprezo, alguns dos sentimentos que sentíamos naquele momento mas na realidade o Meu Pai foi sendo velado ali pelos amigos que foram aparecendo e prestando-nos toda a sua solidariedade.
Contactámos uma segunda agência funerária que compareceu no local e foi incansável em contactos, procedimentos e explicar às autoridades presentes que as informações que chegavam ao local não eram suficientemente dotadas da legalidade precisa que os permitissem levantar o corpo. As equipas de PSP foram, durante todo o dia, 5 no total, tendo sidos acompanhados no final do dia pela própria comandante da esquadra.
Soubemos entretanto que a delegada de saúde declarou o óbito perto das 17h00, morte por causas desconhecidas, e que o corpo seria entregue à familia, novamente. O Procurador Geral declarou que não haverá autópsia, não sendo esse o nosso desejo, e até duvidando da legalidade de uma imposição dessas tendo em conta as causas desconhecidas da morte do meu Pai.
Ordenaram também que o corpo seria levantado por uma ambulância própria para transporte de cadáveres, vinda de Benavente. Aguardámos até às 20h, noite cerrada, quando a ambulância chegou e a equipa, devidamente equipada, fez o levantamento do corpo ao fim de 11 horas deitado na via pública.
Muita vergonha deste País que o meu Pai serviu é o que sinto agora. Entregaram-nos à nossa sorte, o Estado não nos soube proteger.
A paranóia do Coronavirus apoderou-se das pessoas e sobretudo das instituições que, alegando estarem a trabalhar de forma extraordinária, não cumprem o seu papel com os cidadãos, negligenciando tudo e todos.
Se vivemos num Estado de Emergência de Saúde Pública expliquem-me como se abandona um corpo à sua família por 11 horas na via pública? Onde esteve a saúde pública a ser considerada? Se não tivesse questionado as autoridades presentes ninguém se teria lembrado sequer de limpar o local depois da remoção do corpo.
Que Deus nos salve porque esta Pandemia é definitivamente da estupidez humana e não teremos outra forma de sobreviver a isto estando entregues a nada para além da nossa sorte.

Quero agradecer a todos quantos estiveram connosco no local,equipas médicas, PSP, CMS, agência funerária, por todas as tentativas que efectuaram e a forma respeitosa com que nos acompanharam.
Agradecer à CMTV pelo respeito e dignidade com que foram noticiando o insólito momento mais marcante das nossas vidas.

Agradecer sobretudo a todos os amigos que nos ajudaram em contactos, nos ampararam, nos acarinharam e se mantiveram de pedra e cal junto de nós, os presentes, que ainda foram bastantes, e os que ligaram e mandaram mensagens durante todo o dia. Apesar da distância, sentimos verdadeiramente todo o vosso carinho, amor, admiração que sentem pelo meu Pai e é disso que este momento se trata, prestarmos-lhe a devida homenagem pelo Grande Homem, Ser Humano, Profissional, Marido, Pai, Avô, Irmão, Tio, AMIGO!

Peço-vos em meu nome, da minha Mãe, das minhas Irmãs e do meu Irmão, e restante família, que acendam uma vela em vossa casa e possamos todos rezar à sua alma, fazendo-lhe a justa homenagem que ele merece.

Até sempre Pai!

 

devida vénia família do Sr.Coronel Tacha de Araújo


tags:

publicado por porabrantes às 18:41 | link do post | comentar

Quinta-feira, 11.07.19

O doutor Constantino Pissarra (1) faz aqui uma estatística da violência durante a Reforma Agrária, no Distrito de Santarém.

pissara

Fico surpreendido com a ausência de menção aos gravíssimos acontecimentos de 6 de Novembro de 1975, na capital do distrito, onde houve 2 mortos.

Compulso a página da CAP e lá está a menção.

Nesse dia  mataram Francisco Teixeira, duma família de lavradores de Coruche.

E o doutor Pissarra não dá por ela.

Usou o Diário de Lisboa como fonte e de facto o jornal, ao tempo correia de transmissão do PCP, não menciona o assassinato.

No Público, porque não há outros jornais on-line da época sem ser o DL, o jornalista Manuel Carvalho, autor de boas obras sobre o Prec, relata os acontecimentos.

carvalho

Carvalho ouve o eng. Andrade da CAP e o dirigente do PCP, António Gervásio.

O Doutor Pissarra para fazer a estatística não podia confiar numa só fonte, especialmente numa tão parcial.

Ao fazê-lo omitiu a data mais trágica e violenta do processo da reforma agrária neste distrito. Ponto Final.

Vai isto dedicado aos lavradores abrantinos que estiveram na jornada de Santarém, parte dos quais já partiram.

Uma jornada épica na luta contra o golpismo comunista.

ma

 

 

(1) A violência política em torno da reforma agrária, 1975-1976

   



publicado por porabrantes às 16:55 | link do post | comentar

Sexta-feira, 26.04.19

Santarém.

700_001

 

In illo tempore

ma


tags:

publicado por porabrantes às 07:25 | link do post | comentar

Sexta-feira, 25.01.19

ver notícia no Correio do Ribatejo



publicado por porabrantes às 08:43 | link do post | comentar

Quinta-feira, 04.10.18

 

''

O investimento em infraestruturas é fundamental para o desenvolvimento nacional e para cada uma das regiões do país. No distrito de Santarém, a travessia do Tejo reclama decisões urgentes, nas ligações de Constância e Barquinha à margem sul e da Golegã para a Chamusca (completando o troço do IC3), no sentido da resolução já aprovada na Assembleia da República. Estas travessias são fundamentais para o tecido empresarial da região do Médio Tejo (gerador de intenso trânsito de pesados) bem como para os acessos às infraestruturas militares e ao parque ecológico do Relvão.

A linha ferroviária do Norte, que atravessa o distrito de Santarém, carece de uma requalificação há muitos anos adiada, que elimine os estrangulamentos que hoje contribuem para a demora injustificada da circulação nesta linha. Em concreto no troço Vale de Santarém/Entroncamento, mas também Ovar/Gaia e Braço de Prata/Alverca, as intervenções necessárias e previstas há mais de vinte anos continuam por concretizar – sendo que nos planos do governo não está contemplada uma verdadeira modernização mas sim a chamada renovação integral de via.

Do mesmo modo se afigura urgente a requalificação da Estrada Nacional n.º 118, entre Samora Correia e Abrantes, no sentido da diminuição da respectiva sinistralidade e a construção de variantes que afastem o tráfego automóvel do centro das numerosas localidades que esta via atravessa.

Em matéria de acessibilidades, o PCP não esqueceu nestas Jornadas o problema das portagens da A 23 e os prejuízos que a sua existência causa às populações e empresas da região do Médio Tejo, semelhantes aos problemas causados pela introdução de portagens nas chamadas SCUT em diversas regiões do país. Nesse sentido, o PCP reapresentou na passada sexta-feira as iniciativas visando a abolição das portagens na A23, na Via do Infante, na A24, na A25, na A28, na A29, na A41 e na A42.'' (....)

 

 

(...)

Por tudo isto, o PCP reafirma que o processo de transferência de competências em curso não é sério nem rigoroso e nesse sentido suscitará na Assembleia da República a Apreciação Parlamentar de cada um dos diplomas sectoriais que, sob a forma de decreto-lei, procedam às transferências de competências do Governo para as autarquias locais.

Acresce que neste debate estão ausentes duas questões absolutamente centrais: a criação das regiões administrativas e a reposição das freguesias extintas contra a vontade das populações. Não é possível descentralizar sem a concretização do nível de poder regional previsto na Constituição, de forma a dar coerência e maior eficiência à organização administrativa do Estado. Só a regionalização permitiria um desenvolvimento mais equilibrado e harmonioso do território com vista à eliminação das assimetrias regionais. Por outro lado, só a reposição das freguesias extintas contra a vontade das populações, como o PCP propõe através de iniciativa já apresentada na Assembleia da República, permitiria repor o nível de proximidade do Estado às populações que, entretanto, se perdeu.''

 

 

Declarações do deputado João Oliveira no final das jornadas do PCP em Santarém

Conclusões das Jornadas do PCP em Santarém – 2 de Outubro

 

 


tags: ,

publicado por porabrantes às 11:02 | link do post | comentar

Sexta-feira, 25.05.18

33488282_1655532141182314_4846130132584235008_n

As crónicas desta autora, que costuma escrever no velho ''Correio do Ribatejo'' aconselham-se.

ma 


tags:

publicado por porabrantes às 17:20 | link do post | comentar

Domingo, 01.04.18

''Congresso regional do PS

 
O que aconteceu e o que foi noticiado em Tomar''
 
no Tomar a Dianteira  3
 
 
ler sem falta


publicado por porabrantes às 10:33 | link do post | comentar

Sexta-feira, 30.03.18



 

no mirante


publicado por porabrantes às 10:32 | link do post | comentar

Quarta-feira, 07.02.18
Governo congela investimento público no distrito de Santarém

Duarte Marques responsabiliza Ministro das Infraestruturas pelo congelamento de investimento público no distrito de Santarém

 

A EN361 e EN362, a alternativa rodoviária na ligaçãà Chamusca, o nó do IC9 com a A1 em Fátima e o Museu ferroviário foram os temas em destaque quando Governo PS deixou 850 milhões/euros por usar em 2017

Na audição que hoje teve lugar na Comissão de Economia da Assembleia da República, o Deputado do PSD Duarte Marques confrontou o Ministro Pedro Marques com a verdadeira fraude política que tem sido o investimento do governo no distrito de Santarém.

Nem a EN362 nem a EN361, passados dois anos de governo tiveram qualquer intervenção desta coligação de esquerda afirmou Duarte Marques que lembrou ainda que o prazo para desculpas para com o governo anterior terminou há muito.

O Deputado do PSD lembrou que no Orçamento de Estado de 2017 ficaram 850 milhões de euros por executar em matéria de obras públicas logo “o governo não fez porque não quis”

O Ministro das Obras públicas foi ainda confrontado com a falta de empenho do governo no desenvolvimento de uma alternativa à Ponte da Chamusca e à circulação diária de centenas de camiões que se dirigem ao Eco Parque do Relvão, que poderia ser encontrada com a conclusão do IC3 como sugeriu Duarte Marques que lembrou ainda que oEco Parque serve todo o país no tratamento de resíduos perigosos e que por isso esta população merece especial atenção.

O PSD lembrou também o atraso do Governo no lançamento da obra que deverá concretizar a ligação do IC9 à A1 em Fátima e que é vital para o turismo e para a economia deste concelho.

A terminar, o Deputado do PSD perguntou ainda se o Governo tem assegurada a viabilidade financeira do Museu Ferroviário e se os funcionários atuais do Museu serão abrangidos pelo PREVPAP?” a única boa notícia foi a resposta positiva a esta questão que dá tranquilidade aos trabalhadores do Museu.

 

devida vénia ao colega Notícias do Ribatejo



publicado por porabrantes às 17:36 | link do post | comentar

Quinta-feira, 03.08.17

ac cigano.png

ac cigano 2.png

ac cigano 3.png

Acampamento cigano algures no Distrito de Santarém.

 

Foto Gueifão

 

Esta foto de grupo merecia uma dissertação etnográfica.

Já repararam que nenhuma das meninas está descalça?

Pousam calçadas e alguns dos adultos engravatados obviamente para o fotógrafo.

Seria dia de festa?

ma 



publicado por porabrantes às 09:48 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

SANTARÉM DE LUTO E INDIGN...

Uma jornada épica na luta...

25 de Abril na Casa do Ca...

Santarém, um dos piores d...

Propostas do PCP

Livro sobre Santarém

Os problemas do PS Santar...

A manchete da semana

Governo congela investime...

Um acampamento cigano

arquivos

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

jornal de abrantes

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Setembro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds