Segunda-feira, 13.06.16

santo antonio burra.jpg

Santo faz milagre e uma burra ou mula ajoelha-se perante uma hóstia.

O mesmo milagre aparece em muita iconografia relacionada com o franciscano. O dono da mula umas vezes é um pérfido judeu, outras um cátaro. A localização também varia, segundo as versões.

mn 



publicado por porabrantes às 10:04 | link do post | comentar

Quarta-feira, 13.06.12

''Os Prelados são cornudos''  (1) escreveu Fernando de Bulhões, assim se chamava no século, um  Cónego Regrante de Santa Cruz de Coimbra, que depois assentou praça como frade raso no quartel franciscano, onde ganhou os galões de Doutor da Igreja e foi apelidado não só de ''martelo de hereges'' mas também

 

 

 

''MARTELO DE PRELADOS'' .....

 

 

 

 

 ephemera

 

 

 

 

HOJE É O DIA DE SÃO MARTELO E DEIXO-VOS COM O PETICIONÁRIO JOÃO NUNO ALLEN SERRAS PEREIRA (NO SÉCULO)....

 

 

porque para a Igreja é Frei Nuno Serras Pereira, martelo de imbecis e açoite de vendidos,

 

 

 


A Sagrada Escritura e a história da Igreja mostram à saciedade que a auto-crítica e auto-correcção públicas foram uma constante no povo de Deus, principalmente até ao século XVI. Com a impropriamente chamada “Reforma” protestante desenvolveu-se uma nova apologética que na ânsia de proteger a Igreja não só colocava os seus membros a salvo de toda e qualquer crítica pública como mascarava muito do que necessitava conversão. Esta atitude que surgiu como reacção ao imenso cerco dos inimigos e às enormes falsidades que propalavam se é compreensível teve, não obstante, os inconvenientes de por vezes diminuir a humildade, raiz de todas as virtudes, e de deixar perpetuar erros e pecados que de algum modo endureceram os corações de muitos, inclusive na hierarquia.

O Papa João Paulo II com aquela celebração que ficou conhecida para o grande público como o “pedido de perdão” não fez mais que retomar a Tradição (não tradicionalismo). Por seu lado o Papa Bento XVI num dos seus diálogos com o clero louvou a crítica de algumas santas aos Bispos do seu tempo como um factor importante na reformação da Igreja. Santo António de Lisboa chamado no seu tempo “martelo dos hereges” deveria antes, segundo P. Fr. Henrique Pinto Rema, reconhecido estudioso do santo, ser intitulado “martelo dos prelados” (Prelados eram os Bispos, Abades, Priores e Superiores de Ordens religiosas) tal era a insistência e veemência com que os criticava não se inibindo, por exemplo, de lhes chamar “cornudos”, devido à sua – deles - soberba e arrogância. Rabelais, sacerdote franciscano que abandonou a Ordem, copia extensamente, diria desavergonhadamente, nas suas obras, sermões usados pelos pregadores desta Ordem nas suas críticas à Igreja do seu tempo.

Tudo isto que aqui vai desenhado a largos e mal amanhados traços como um rascunho serve como introdução para facilitar a compreensão da reviravolta - quer em relação à Tradição da Igreja quer ao período que se seguiu ao século XVI - que se deu nas atitudes e comportamento de tantos durante e após o Concílio Vaticano II. Aquando do anúncio do Concílio pelo Bem-aventurado João XXIII, logo as forças inimigas de Cristo, em particular o marxismo comunista, a maçonaria, o humanismo ateu, o eugenismo e o socialismo/liberal-capitalista (esta associação está muito bem documentada nos movimentos favoráveis ao controlo demográfico, por ex.) procuraram infiltrar-se e influenciar o mesmo (para além da vasta literatura sobre o assunto tenho aqui em conta também as informações que colhi de minha tia paterna, Maria Manuel Serras Pereira, única jornalista portuguesa presente neste grande evento da Igreja). Apesar do gigantismo das pressões, das conjuras e manipulações não há dúvida nenhuma de que se tratou de um verdadeiro acontecimento suscitado pelo Espírito Santo na continuidade radical com aquilo que o Mesmo tinha suscitado ao longo da história da Igreja. Descontentes com o resultado logo uma legião de membros da comunidade eclesial cumpliciados com a comunicação social, braço “omnipresente” das forças antes referidas, como uma sanha petulante distorceram e perverteram o Concílio em nome de um “espírito”, contrário aos documentos, que não era senão um pretexto para camuflar as suas verdadeiras intenções e objectivos: uma ruptura com o passado e uma refundação da Igreja à medida dos projectos humanos. Não já uma Igreja fundada e construída por Jesus Cristo mas uma fabricada inteiramente pelo homem, isto é um ídolo.

Esta mentalidade com maior ou menor intensidade disseminou-se largamente em amplos sectores da Igreja quase por todo o mundo.

Tornou-se então habitual, em nome de pressupostos fundados em preconceitos e não na verdade, e de um subjectivismo alheio à razão e à Fé, uma crítica cerrada e implacável à autoridade e à hierarquia enquanto tais (como se não foram instituídas por Cristo) e uma oposição contumaz ao seu ensino. Importa muito entender que esta crítica nada tem a ver com a que referimos anteriormente como fazendo parte da Tradição (não tradicionalismo). De facto, dá-se aqui uma inversão total. Enquanto antes partindo da doutrina sobre a Fé e a moral, do Evangelho, se procurava purificar e converter o povo de Deus agora procura-se uma conformação a “este mundo” (no sentido que S. Paulo e S. João lhe dão: realidade que se opõe a Deus e aos Seus desígnios). A ascendência de que estes filhos da Igreja, feitos filhos de Satanás, gozaram sobre as mentalidades inclusive dos membros do povo de Deus nos seus diversos níveis foi impressionante, e ainda perdura em muitos espíritos. Um dos sinais eloquentes disso é o facto de muitos membros da Igreja não verem a Verdade que esta anuncia como tal mas somente como uma opinião entre tantas que se pode em boa consciência descartar. O seu poder intimidatório é de tal ordem que nalgumas nações há sacerdotes fiéis na sua doutrina à Igreja que por esse motivo são desqualificados por Bispos enquanto outros, rigorosamente hereges, fazem tremer Conferências Episcopais que em Notas Pastorais fazem vénias e juras de acatamento a alguns dos seus ditos ou escritos.

Mais, se espancam a doutrina da Igreja, ensinam em Faculdades de Teologia preparando os futuros sacerdotes, enquanto aqueles que os criticam são acoimados, marginalizados, tidos como leprosos.

Esta trupe ou súcia tem como grande descaridade toda e qualquer observação crítica em relação a eles próprios, aos inimigos do género humano e aos da Igreja, considerando-as mesmo intoleráveis, um ataque maligno à união e concórdia na Igreja, e têm como uma enorme obra de misericórdia ignorar, perseguir, censurar, “excomungar”, desdenhar dos que procuram, não obstante toda a sua fraqueza, ser fiéis à Verdade e à Fé Católica e Apostólica.

Coadjuvar os promotores do crime é para eles uma virtude cristã; silenciar quem o denuncia e indignar-se contra ele é de justiça e uma obra de caridade.

Enganar o povo de Deus falseando a verdade que a Igreja anuncia para nosso bem e salvação quer omitindo partes da mesma quer dando interpretações que distorcem o seu significado autêntico quer exprimindo-a de um modo equívoco, são, no seu entender, obras de misericórdia e atitudes pastorais; anunciá-la com clareza e sem ambiguidades, chamando as coisas pelos seus nomes (João Paulo II), é uma bestialidade. Opor a verdade à caridade é uma atitude sensata, compreensiva, misericordiosa; afirmar que o anúncio da verdade é uma forma eminente de caridade (Paulo VI) é um fundamentalismo brutal. 

Profanar a Sagrada Eucaristia distribuindo-a sacrilegamente a obstinados pecadores públicos é sinal de grande misericórdia; salvaguardar a Sacralidade deste Sacramento Santíssimo, impedir o sacrilégio e evitar que o povo de Deus seja induzido em pecado é de uma insuportável descaridade.

De modo que o Diabo nos dias de hoje assume esta aparência de benignidade, de mansidão, de benevolência, de caridade para nos fazer suspeitar e ver como inimigo quem nos indica o caminho recto e nos induzir às maiores crueldades, catástrofes e infelicidades, tal como se verificaram nestes cem últimos anos – do nazismo ao comunismo, da contracepção ao aborto, da reprodução artificial à experimentação em embriões e à clonagem, do “casamento” de sodomitas à eutanásia: tudo em nome da caridade e da misericórdia.

Não deixemos que nos roubem as palavras nem que se altere o seu significado. Há que dizer-se das coisas aquilo que elas são. 

Engana-se quem pensa que os maiores inimigos da Igreja estão fora dela e que criticar “os de dentro” é fomentar a discórdia e a desunião. Os maiores horrores dos últimos cinquenta anos não se teriam realizado sem a cumplicidade dos “de dentro”: “A Igreja de Deus está rodeada por toda a classe de inimigos, como um lírio entre espinhos (Cânt 2, 2); mas o mais perigoso e doloroso para ela é ver-se despedaçada interiormente por aqueles que traz no seu seio e alimenta a seus peitos. São esses que lhe arrancam aquele grito de dor e de pranto: Os meus amigos e parentes me rodeiam e atentam contra mim (Sl 37, 12). Não há peste mais desastrosa e mortal que um familiar convertido em inimigo.” (S. Bernardo de Claraval, carta 330 - Ao Papa Inocêncio contra Pedro Abelardo).

 

aqui http://masoreivainu.blogspot.com.es/2008/09/descaridade.html  

 

 

MN

 

sublinhados meus

 

(1) Cornudos, porque têm chifres como o Diabo.....



publicado por porabrantes às 16:55 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

A santa burra

Dia de São Martelo de Pre...

arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12

18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds