Sábado, 17.06.17

SOL_10-06-2017.jpg

gamado ao estimado Impertinências


tags:

publicado por porabrantes às 14:37 | link do post | comentar

Segunda-feira, 03.11.14

O Sol revela hoje novas declarações contraditórias sobre o caso ''Salgado/Guilherme'', o mecenas da Cabeça Gorda, grande benemérito do Graça das seringas

guilherme 4.jpg

'' Ricardo Salgado deu à família uma explicação diferente da que fornecera ao Ministério Público sobre os 8,5 milhões que recebeu  do construtor José Guilherme: negou que tenha sido uma comissão ou presente por algum negócio, enquanto no Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), em Dezembro de 2012, quando foi prestar declarações no processo Monte Branco, justificara a quantia, recebida numa offshore em 2011, paralelamente à sua actividade de banqueiro, como honorários por serviços de consultadoria àquele empresário em Angola. “Bons conselhos”, como corroboraria depois o empreiteiro no DCIAP – embora tenham ficado por explicar outras transferências através do BES Angola, de 2009 e 2010, para a mesma conta de Salgado no Panamá, que juntamente com o restante perfazem 14 milhões de euros e dos quais, segundo o SOL apurou, ainda se desconhece a proveniência. ''

 

:::)

'(...)'

Ricardo Abecassis, o primo que gere o escritório do BES no Brasil, reportando-se à tese que circulava de que o dinheiro de José Guilherme seria um presente, põe  o dedo na ferida: “Temos visto um desgaste muito grande do grupo na figura do Ricardo. Houve este ano um desgaste adicional com a situação de José Guilherme, que não é normal”. E sobe o tom: “Não aceito a explicação que foi dada. Desculpe Ricardo, mas tenho de dizer isto: não é normal. Não posso aceitar que um presidente de um banco aceite um presente desta magnitude de um cliente”.

E retira conclusões futuras: “Isto leva a que todos os funcionários do banco possam receber presentes e justificar que são amigos dos clientes. Eu não conheço nada que tenha acontecido assim, mas é a explicação que o Ricardo deu e a gente aceita como quer aceitar. Mas eu acho que ela é complicada de ser aceite e há muita gente que não aceita”, insiste Ricardo Abecassis. E conta como  foi abordado no Brasil, por gente perplexa: “‘O que é que se passa que o presidente recebe comissões de terceiros’? Tive de disfarçar. A mim choca-me. Se amanhã um director meu receber uma comissão, o que lhe vou dizer? Isto foi muito para lá do que se pudesse imaginar”.

Salgado não está habituado a ser encostado ao ringue: “Recuso-me a falar do assunto José Guilherme”. Mas vai falando: “Quando aconteceu esse assunto, eu fui o primeiro a ir ao MP e o assunto foi completamente esclarecido”. Nunca conta, porém, que ao DCIAP justificara o rendimento como decorrente dos  conselhos que dera ao empreiteiro. “Fui duas vezes ao Banco de Portugal (BdP) falar sobre o assunto. O BdP considerou que era uma questão do foro pessoal. Isto não é nenhum presente, é um assunto que tem a ver com a minha relação pessoal com José Guilherme. Nunca tive uma sociedade fora do grupo, nunca participei em capital de nada, não sou conselheiro de ninguém. Não aceito mais conversas sobre essa matéria”, encerra Ricardo Salgado.'' (...)

 

Salgado não está habituado a ser encostado ao ringue: “Recuso-me a falar do assunto José Guilherme”. Mas vai falando: “Quando aconteceu esse assunto, eu fui o primeiro a ir ao MP e o assunto foi completamente esclarecido”. Nunca conta, porém, que ao DCIAP justificara o rendimento como decorrente dos  conselhos que dera ao empreiteiro. “Fui duas vezes ao Banco de Portugal (BdP) falar sobre o assunto. O BdP considerou que era uma questão do foro pessoal. Isto não é nenhum presente, é um assunto que tem a ver com a minha relação pessoal com José Guilherme. Nunca tive uma sociedade fora do grupo, nunca participei em capital de nada, não sou conselheiro de ninguém. Não aceito mais conversas sobre essa matéria”, encerra Ricardo Salgado.

A discussão acaba por ficar por ali, mas não sem antes o próprio Ricciardi anotar uma contradição: “Quando foi do Ministério Público, foi-nos dito que era uma operação pessoal, que o Rui Silveira [administrador com pelouro jurídico] também sabia, que tivéssemos confiança porque era investimento pessoal teu. Só depois soube da história do José Guilherme, pela capa do SOL”.

Salgado sobe o tom: “Não recebi comissão nenhuma”.(...)

artigo de Felícia Cabrita no ''Sol''

com a devida vénia

sn

PS- quem é o afilhado do Zé Grande que se maneja nos círculos do poder abrantinos?



publicado por porabrantes às 19:25 | link do post | comentar

Sexta-feira, 02.05.14

A primeira página do Sol é arrasadora. Ricardo Salgado, cabeça do BES, cai, segundo o jornal devido às repercussões da Operação Monte Branco onde foi caçado a receber comissões do benemérito da Cabeça Gorda, através duma off-shore, por causa da obtenção dum contrato por parte da ditadura cleptocrata angolana para a construção do aeroporto de Luanda.  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A operação de branqueamento de capitais envolveu vários milhões de euros e o Salgado regularizou as dívidas ao Fisco, depois de caçado mas os danos para a imagem do BES são de tal monta, que a família parece exigir, diz o jornal de capitais angolanos, novo boss para o banco.

 

O benemérito Guilherme é um dos amigos predilectos do Rev.Graça. Não vou repetir aqui as palavras do Papa Francisco sobre o que deve ser a conduta da Igreja em relação ao dinheiro. Vão ao site do Vaticano e leiam.

 

Entretanto um notável vulto da banca, Jardim Gonçalves, o benemérito alegadamente ligado ao OPUS DEI, a que se encontra ligada pessoa influente do quinzenário do Graça apanha dois anos de cadeia com pena suspensa.

 

Recordo com inevitável admiração a grande medida do J.G. para modernizar a banca: ter só homens a trabalhar no banco e recusar-se a contratar mulheres.  Nisso o senhor cónego é mais progressista, tem uma senhora a editorializar na ''Nova Finança''. Desculpem, enganei-me, o quinzenário pio chama-se ''Nova Aliança'' e não ''Nova Finança''.

 

 

Aliás quando escrevia '' Nova Finança'' não me referia a que estivesse especializado em finanças eclesiásticas, trazendo por exemplo artigos sobre a cotação das acções do Banco do Vaticano ou analisando o impacto em termos de imposto de mais-valias que a venda do Colégio de Fátima terá para a Província da Ordem de Santa Paula Francinetti, mas que a sua redacção é composta por gente finérrima.

 

Entretanto comparem a capa do ''Sol'' angolano com a do metropolitano:

 

 

 

A manchete lusa refere-se a um escândalo angolano, onde o amigo do sr. Cónego foi um dos actores principais, e a edição de Luanda não diz nada. Não sei se o sr. dr. Humberto Lopes, que esteve muito tempo em Angola, compra a edição africana deste jornal, mas terá aqui muita matéria para reflectir nas suas crónicas sobre off-shores abrantinas, valha-me Deus...

 

MA

   



publicado por porabrantes às 15:19 | link do post | comentar

Sábado, 22.03.14

 

A moda de se citar a si próprio é cada vez mais deprimente quer seja  em estudos universitários, quer seja em qualquer outro tipo de publicação ou ainda em qualquer evento. Mas citar-se a si próprio, sob pseudónimo, e incluir bibliografia para o povo saber que o homem leu muito e naturalmente tresleu, num ajuste de contas, é quase inédito.

Acabamos de descobrir o maravilhoso fenómeno transmontano usado para atacar o ....Pedro de Anunciação, jornalista e crítico gastronómico do ''Sol'' e antigamente cronista parlamentar do ''Expresso'', cunhado da Drª Ana Soares Mendes, directora da Nova Aliança.

 

 

Passo a transcrever a galegada:

 

 

 

 

JoaquimVaz1234 24.11.2013 - 17:51
As descoradas Mães de Bragança Uma primeira consequência do movimento conflito, galgando fronteiras nacionais, nomeadamente por efeito de uma reportagem da Time em Outubro de 2003, como diz Pd’A. Curiosos vindos de Espanha e de outros países europeus passaram a frequentar Bragança e a desfrutar dos prazeres de «alterne» numa cidade tradicional que passou a estar no mapa das rotas do turismo sexual, também por efeito da sua localização fronteiriça. Uma segunda consequência foi a contra-maré de protestos reactivos em defesa das brasileiras e conversas, suspeitas e lamentos. Espiavam-se as listas de contactos e de chamadas dos telemóveis para fundamentar a crítica à suposta incapacidade das “pudicas mães” darem satisfação sexual aos seus maridos. Efectivamente, as brasileiras - ao que se diz – fazem um «trabalhinho» e sempre valem mais duas «para-esposas» de 30 anos cada uma do que uma «descorada» «mãe de Bragança» com 60 anos! «Só as tais Mães de Bragança é que se queixavam, e acusavam o bar e a prostituição de estar a esfrangalhar os lares locais. Longe de mim defender a prostituição. Mas como católico, sigo o ensinamento de Jesus e, ao contrário das Mães de Bragança e das autoridades que as seguiram, recuso-me a atirar a primeira pedra.»… Já que fala de uma metáfora dos ensinamentos de Jesus, será que «O Livro» não contém também preceitos contra o adultério e a prostituição? E não será que, o adultério é um crime? Quanto ao fundamento do problema – considere-se um flagelo ou não – Pd’A diz «nim»! Eu já suspeitava que Pd’A é católico! Católico à sua maneira, tolerando chulos proxenetas a viverem dó trabalho (perguntem a Inês Pedrosa se Sexo é trabalho) das prostitutas… O tema é das maior importância social e sobre ele se debruçaram numerosos estudiosos e sociólogos, não só em Portugal, como também no estrangeiro: Nomeadamente, - Maria Filomena Mónica, «A Evolução dos Costumes em Portugal, 1960-1995» - António Barreto, « Situação Social em Portugal, 1960-1995» - João de Pina Cabral, «O Homem na Família. Cinco Ensaios de Antropologia». -. Manuela Ribeiro, Manuel Carlos Silva, Fernando Bessa Ribeiro e Octávio Sacramento, «Prostituição Abrigada em Clubes (Zonas Fronteiriças do Minho e Trás-os- Montes. Práticas, Riscos e Saúde» - Comissão para a Igualdade e para os Direitos das Mulheres, - Octávio Sacramento, «’Vidas na Raia. Prostituição Feminina em Regiões de Fronteira.» Armando Fernandes, «Contrastes e Transformações na Cidade de Bragança:» 1974 Pedro d’Anunciação como sempre: um autêntico «pudim Flã»!''
Objectivamente andam por aqui ciúmes pelo facto do Pedro Anunciação ser amigo do Zé Quitério, e dos dois serem grandes críticos gastronómicos e não precisarem de viver de subsídios de câmaras laranjas.....
E ainda porque o Pedro criticou o Cavaco!!!!
Manifestamos a nossa solidariedade à Senhora Drª Ana Soares Mendes e ao Pedro.
A redacção

 

 

 

http://sol.sapo.pt/inicio/Politica/Interior.aspx?content_id=93159  

 

 

leiam bem lá para o final  o comentário do ''Joaquim Vaz''. O estranho é que a criatura, que se auto-cita, comenta um artigo da Lusa, a que o Pedro é alheio. É da idade......   



publicado por porabrantes às 18:56 | link do post | comentar

Quinta-feira, 29.08.13

(...)

 

 

E são os idosos quem mais sofre na pele as consequências deste fenómeno. “Cerca de dois terços (66%) das vítimas têm mais de 60 anos”, confirma o investigador, baseando-se no mais recente relatório de análise sobre este crime.

Este ano, são conhecidos pelo menos dois assaltos que se revelaram fatais. No dia 9 deste mês, em Santa Maria da Feira, Marina, de 75 anos, foi encontrada morta na sua casa, onde vivia sozinha, com ferimentos na cabeça. Na madrugada do dia 20 de Maio, Umbelina, de 83 anos, também não resistiu à investida de dois encapuzados que lhe invadiram a casa, na aldeia de Chainça, em Abrantes. Quando tentou resistir, cravando as unhas no pescoço de um dos ladrões, taparam-lhe a boca com um pano embebido em éter que lhe causou uma paragem cardio-respiratória.

 

 

(...)

 

Artigo interessante de Sónia Graça aqui

 

 

Com o título:  Aumentam assaltos a casas com arma de fogo



publicado por porabrantes às 19:29 | link do post | comentar

Segunda-feira, 18.03.13

Quem foi a empresária viúva dum ilustre abrantino, com assento nos orgãos sociais duma empresa abrantina, apanhada, segundo o Sol, a transferir ilegalmente 400.000 € ou mais para  um pais estrangeiro????

 

 

Que Jornal local era detido por esse grupo económico?

 

 

Quem eram os gloriosos vultos da esquerda local que escreviam lá????

 

 

Eu posso garantir que nunca lá escrevi.....

 

 

Miguel Abrantes



publicado por porabrantes às 22:34 | link do post | comentar

Sábado, 26.01.13

 

 

Face às notícias divulgadas pela comunicação social sobre uma alegada investigação crime visando a pessoa de José da Graça, presbítero, que desempenha várias funções na cidade de Abrantes, e cujas atitudes polémicas têm sido abordadas aqui, uma primeira medida urge.

 

 

Que S.Exa Reverendíssima D.Antonio Pio, Bispo desta Diocese , fale e que tome as providências pastorais necessárias para que a situação não se agrave.

 

Da prudência e sagacidade do Ordinário Diocesano está a Igreja e o Povo de Deus suspenso e não é justo que o escândalo se abata sobre as nossas paróquias e o nosso Arciprestado, sem que o Ordinário Diocesano fale.

 

 

Não só que fale, que haja.

 

O Bispo, como os anteriores, tem pecado por excessiva prudência. E por isso se chegou onde se chegou. 

 

É o momento de se agir.

 

De outros aspectos da questão mais geral do estado da Igreja em Abrantes  se falará aqui. 

 

 

E a pergunta óbvia surge como é que um alegado processo ou uma investigação em segredo de justiça chega ao ''Sol''?

 

 

Marcello de Noronha

 

 

PS- Naturalmente o José da Graça têm direito à presunção de inocência, mas já está a falar demais. Outra coisa é o escândalo mediático,  cujas consequências, o Senhor Bispo que foi jornalista, conhece bem. Entre outras razões também são estas pelas quais peço providências rápidas ao Ordinário Diocesano.    

 

 

 



publicado por porabrantes às 13:36 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

O Sol quando brilha é pa...

Novas contradições no cas...

Ricardo Salgado sai do BE...

Ajuste de contas com bibl...

O assassinato da Dona Umb...

O Sol não é só para o sr....

A palavra ao Bispo de Por...

arquivos

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

baptista pereira

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pico

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

república

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

são domingos

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds