Domingo, 26.07.20

solano 1880 diario ilustrado.png

A meias com polícias, bombeiros, amanuenses, o estudante Solano ganha em 24 de Junho de 1881 aquela que deve ser a sua primeira condecoração. 

A medalha era recompensa pelos serviços prestados, pelos referidos na lista, no combate a um incêndio, em Coimbra, em 20 de Maio de 1881.  

Como consequência deste fogo, começam a formar-se na Lusa Atenas, os ''Bombeiros Voluntários Académicos'', a que segundo o ''Bombeiro Portuguêz'' de  1 de Junho de 1881,andou associado outro estudante abrantino e depois médico famoso, Zeferino Falcão.

ma

recorte do Diário Ilustrado de 24 de Junho de 1881 



publicado por porabrantes às 09:26 | link do post | comentar

Quarta-feira, 22.07.20

A Alternativa.com publicou estas fotos da casa onde nasceu Solano de Abreu na Rua Grande, denunciando o estado de abandono e a passividade do município

casa solano lápide.jpg

casa de solano rua grande.jpg

Acho que era a casa de Brás Consolado, rico proprietário e negociante miguelista que era o avô de Solano. Foi depois um bom liberal.

O Brás era o avô materno do Solano.

O V.Armindo Silveira anotou que chamara a atenção para esta vergonha, em plena Ferraria.

Os da autarquia disseram que não podiam fazer niente porque era propriedade particular.

Entretanto intimam um proprietário das Sentieiras a fazer obras sob pena de sanções. Se aí a lei vigora, porque não vigora no centro da cidade?

O caso é igual na capela de Santo Amaro. Os do Outeiro das Mós depois da demolição da capela vão gozar duma licença para o espaço ser usado para acesso a uma garagem.

Começa a perguntar-se que estranhos compadrios parecem existir com interesses imobiliários dúbios.

ma

 



publicado por porabrantes às 08:52 | link do post | comentar

Segunda-feira, 20.07.20

Dizia-me a Senhora D.Maria Luísa de Albuquerque Moura Neves, a viúva do dr.Armando, não havia homem mais simpático e cortês que Solano.

Sempre dandy, de flor na botoeira.

Mas também não havia cavalheiro mais descarado, todos tinham amante com casa posta, mas eram discretos.

Solano não, atrevia-se a entrar de dia em casa da amante .

Era um descarado.

Numa terra de hipócritas e fariseus, foi sempre Solano o açoite das convenções. 

ma 



publicado por porabrantes às 12:15 | link do post | comentar

Quarta-feira, 08.07.20

aparício.png

Teresa Aparício acusa o cónego-burlão e a comissão fabriqueira de S.Vicente de terem vandalizado o jardim de Solano de Abreu. No último JA.

As obras foram ilegais, com a conivência da Câmara socialista da cacique e a solidariedade da sociedade civil, como os Rotários que cobriram um vândalo corrrupto de medalhas.

As obras foram denunciadas pela Tubucci e por este blogue.

ma 

 



publicado por porabrantes às 08:06 | link do post | comentar

Quinta-feira, 19.12.19

filantropo 2

Já ouvi sustentar (foi o Gaspar) que Francisco Eduardo tinha simpatias republicanas, ora o que Solano orgulhosamente fazia constar a Portugal,  era que era  filantropo com medalha de prata dada por Sua Majestade Fidelíssima,

solano abrantes cidade

 

e  em nome do Rei de Portugal  Administrador do Concelho

1885 Diário do Governo

Esqueceu-se de acrescentar e em nome do Partido Progressista

mn 



publicado por porabrantes às 17:31 | link do post | comentar

Quinta-feira, 15.08.19

A Ordem Terceira da Vila de Abrantes já funcionava antes de 1571, no Convento de S.António, na Abrançalha. No sec XVII funcionava no Convento da Esperança.

convento da esperança igesparr

Mas o facto das freiras e noviças serem umas bisbilhoteiras e nalguns casos pior que isso ( Rodrigo de Bivar apanhou um processo inquisitorial por ser freirático ou seja ''engatatão'' de freiras), levou os Irmãos a decidirem abandonar a Esperança, para se verem livre das religiosas.

freiras curiosas

Frei Francisco de Santiago, Crónica da Província da Soledade, Lisboa, 1762

O bom do frade cronista não anotou se as noviças continuaram a ser umas puras donzelas, como eram as Meninas de Odivelas.

Odivelas era o Convento da bela Madre Paula, favorita do Magnânimo.

Por causa das freiras passou a Ordem Terceira para o Convento de S.António, onde está o edifício Pirâmide. Em 1717 iniciaram obras para aí fazerem nova Igreja, que ficou pronta em 1721.

Não sabemos se mandaram afixar um aviso proibindo a entrada às freiras da Esperança, por causa do recato e das moscas.

O processo do médico Bivar por cortejar freiras, discriminará se engatava as das Esperança, ou as da Graça. Ou a todas.

No inícios do século XX.....Solano de Abreu mantinha um harém de coristas no Convento da Esperança, então Teatro Taborda

.O Convento continuava a ser um depósito de puras donzelas, para recreio dos abrantinos.     

solano maltrapilhos AS

Nos intervalos escrevia coisas destas, que os seminaristas não consideram literatura abrantina, devido a terem saído da pena dum libertino.

Um dia deu um jantar a uns amigos, velhos conhecidos da boémia coimbrã.

Entre eles um Bispo.

No final da jantarada, animado pelo champanhe, disse à mulher do feitor: -Ò Maria, mostra a c....a Sua Excelência Reverendíssima.

Obediente e fiel, como eram as serviçais de antanho, a Maria iluminou o Bispo.

Terá ganho o Céu?

mn

créditos: Frei Francisco de Santiago

 

 

   

 



publicado por porabrantes às 09:37 | link do post | comentar

Domingo, 16.06.19

mena

 

 

A Capital de 27 de Outubro de 1931 conseguiu encher a primeira página com 3 manchetes abrantinas a 8 colunas.

Caso nunca visto.

A 2 colunas, explicavam que Martins Júnior, que dera aos prelos, ''Sonhar'', era um poeta lírico de igual craveira que Mendes Leal, Augusto Gil e António Nobre.

O crítico José Agostinho ou era burro ou fazia um frete ao próspero  construtor civil (que escrevia pessimamente) agora retirado da vida político-golpista.

Um poeta reputado, Afonso Lopes Vieira chegara a prefaciar outro livro de Martins Júnior.

Na outra ponta do jornal, 2 colunas eram dedicadas a contar que a Federação de Tiro, fizera um banquete e homenageava António Martins, que era irmão do mimoso poeta.

No meio, a pérola abrantina, a Assembleia de Credores do falido Banco Mena & Pinto e ninguém se explicava como é que antes do banco falir, tinham comprado parte da posição social dum sócio por mil contos, uma soma astronómica para a época.

Entre os sócios tinham estado  Luiz Mesquitella, Luiz Mena,Cândido Mota,Fernando Mena, Mário Oleiro, João Pinto.

42543997811_47eba9c1c0

No arquivo do Banco de Portugal há material sobre isto, também no Arquivo Salazar, mas o melhor está nos arquivos judiciais.

Entretanto em Novembro de 1931, entra em crise a Casa Bancária Viscondessa do Tramagal, que também vai falir. (1) E nesse ano instalara-se o primeiro grande banco nacional na cidade, o BNU. 

Estas falências devem-se em grande parte à recessão, causada pela crise de 1929.

O Mena e Pinto em 5 de Junho de  1931 suspendera pagamentos. Por portaria de 19-6-1931, foi nomeado comissário do Governo Joaquim Guilherme Elbling Quintão, que não conseguiu restabelecer a situação da instituição de crédito.

Em 14 de Outubro de 1931, foi mandado liquidar o banco. Sendo nomeados representantes dos falidos José Barbosa Camejo e dos credores o Advogado Henrique Martins de Carvalho (inimigo político do Camejo).

henrique martins carvalho pai

Em 1934, foram julgados por burla, abuso de confiança e falsificação de documentos João Marques Pinto, Mário da Silva Oleiro e Jacinto da Mota Capitão (Eduardo Campos, Cronologia, 98). O Eduardo não informa da sentença mas houve pesadas condenações.

A liquidação foi-se arrastando até 1937 e o comissário Quintão foi muito questionado e por isso substituído, diz o Banco de Portugal.

 Quando o Banco foi finalmente liquidado, só cerca de 14% dos  créditos foram recuperados. Era 1940. (Fonte da maior parte da informação: Banco de Portugal).

Volto à primeira página da Capital, parecia uma do Correio de Abrantes et por cause. Apostamos que aqui houve a mãozinha abrantina.

Milhares de Abrantinos ficaram sem os depósitos. A Santa Casa ia falindo. Foi a acção e o dinheiro de Solano de Abreu que a salvaram. Como paga o Martins de Carvalho e bondosa família Silva Martins sanearam-no.

O Banco da Viscondessa liquidou-se mas conseguiu cumprir uma parte substancial dos seus compromissos.

Das instituições de crédito locais só se salvou a Caixa Económica do Montepio.

 

mn

(1) Eram sócios à época da crise  ''  : Narciso de Oliveira e Silva, Eduardo Caldeira Soares Mendes, Amélia Soares Valejo de Oliveira e Silva (filha e única herdeira da Viscondessa do Tramagal), Manuel Augusto Soares Valejo e João José Soares Mendes.''  Com a morte deste  em Janeiro de 1931, o filho Fernando José Paim Barreto Soares Mendes, assumira a sua posição social.

(Fonte Banco de Portugal)

(2) A Cronologia do Centenário de Abrantes copia descaradamente a obra de Eduardo Campos para estes anos, omitindo as falências. Durante décadas era muito chato falar disto. Era tabu. Está visto que o Candeias Silva, o Gaspar e a Isilda continuam a achar que é tabu. 

 

 



publicado por porabrantes às 19:14 | link do post | comentar

Sábado, 18.05.19

solano abrantes cidade

Disse-lhes que não

A Comendazinha que lhe queriam dar os fascistas

Só por isso merecia Francisco Eduardo Solano de Abreu uma estátua.

ma

 



publicado por porabrantes às 20:09 | link do post | comentar

Domingo, 17.03.19

coimbra em fralda

sinfonia

 

pacata

à venda na loja de António Salgueiro, na Raymundo Soares

 

mn

 



publicado por porabrantes às 16:28 | link do post | comentar

Quinta-feira, 14.03.19

jorge costa 1

segue o nome do dr. Jorge Costa

Posição apresentada na reunião do CME em 22-3-2017 pelo Director  do Agrupamento Escolar nº 1 (Solano de Abreu)

E faz a pergunta lógica queriam os da Carta Escolar .. ''chegar ao encerramento da Escola Secundária Solano de Abreu...'' ?

Documento enviado por um leitor

mn



publicado por porabrantes às 17:58 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

A primeira condecoração d...

A casa onde nasceu Solano...

O descarado

Jornal de Abrantes denunc...

Filantropo com medalha de...

As puras donzelas do Conv...

Assembleia de Credores no...

O homem que não quis ser ...

A dissoluta revista de So...

As críticas da Escola Sol...

arquivos

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

jornal de abrantes

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Setembro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds