Quarta-feira, 25.05.16

O caciquismo sustenta que não há cultura taurina neste concelho. E isto que é?

garraiada.png

epdra.png

Ainda por cima a Herdade da Murteira é propriedade municipal.

picasso.jpg

Bandarilhas por Picasso, um pintor inculto certamente.....

ma



publicado por porabrantes às 10:37 | link do post | comentar

Sábado, 02.05.15
Foto de Paulo Queimado.

''MUNICIPIO DA CHAMUSCA DECLARA A TAUROMAQUIA COMO PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL DE INTERESSE MUNICIPAL

Car@s amig@s
É com enorme satisfação que vos transmito que... esta semana o município da Chamusca declarou à Tauromaquia como Património Cultural Imaterial de Interesse Municipal.
Deixo-vos aqui o excerto da declaração.
A uma semana da Semana da Ascensão, considero ser uma excelente notícia para maior parte dos Chamusquenses.

“Pega-se um toiro,
pegam-se dois
pega-se o curro
que sair depois.
Amigo vem
Farda a meu lado,
Chamusca é mãe
e noiva do forcado.”
Maria Manuel Cid

Data de 17 de julho de 1785 a primeira informação de que há registo de um espetáculo tauromáquico na Vila da Chamusca, na altura organizado por ocasião das festividades dos casamentos dos Infantes filhos de D. Maria I, D. João e D. Mariana Vitória. Não existia ainda, à data, a Praça de Touros, conforme se pode verificar no seguinte acórdão da Câmara:
«… E logo no mesmo acto se abriu huma Carta regia em q. Sua Magestade era servida participar a esta Camara os Casamentos das Senhoras Infantas para efeito de se fazerem as demonstrações de alegria costumadas e visto esta Camara se achar sem rendimento algum determinão que no dia 5, 16 e 17 do corrente mez se pusessem luminárias, e que no dia 16 se lançasse algum fogo e no dia 17 houvesse Culto Divino com a decência possivel com assistência da Camara e mais Povo e no mesmo dia se corressem touros e houvesse alguma cavalhada o que com mais luzido se pudesse fazer para o que contribuirão os oficiais da Camara e mais pessoas da Governança dela, e que os homens de negocio, tanto os da terra como os marítimos contribuirão a porpoção dos seus cabedais que lhes foram lançados e eles podessem pagar e que os oficiais respectivos e pessoas que tiverem madeiras serão obrigados a emprestarem as madeiras e prepararem a praça e que os oficiais desta Camara… aos Almotacés actuais e correrão por eles e para a Praça pronta para o que se lhes intimaria este acórdão.»
Acórdão de 3 de julho de 1785 – Fls. 50 e 50 v. do L.º n.º 1
– Arq. da Câmara da Chamusca

Existem, no entanto, referências poéticas anteriores que denotam que já muito antes desta data se manifestavam as tradições taurinas no nosso território. A quintilha infra-citada, da autoria de D. Francisco Manuel de Melo, nas suas Obras Métricas, pertence a uma edição que data de 1665:

«Nunca viste no terreiro
Touro bravo da Chamusca
o que passa c’o toureiro?
Que êsse a quem primeiro busca
Esse é quem mata primeiro.»

São, pois, diversos os registos bibliográficos que permitem afirmar que a tauromaquia assume especial relevo no código genético da cultura chamusquense que atravessou já cinco séculos da nossa história.

Parecem até ter existido já várias praças de touros antes daquela que conhecemos atualmente:
Praça João de Deus – meados século XIX (em madeira);
Largo do Arneiro – 1862 (em madeira);
Largo de Camões – 1872 (em madeira);
Arneiro do Cid – 1875 (em madeira);
Arneiro do Cid – 1888 (em alvenaria e madeira).
A atual praça de toiros, quase centenária, foi inaugurada nos dias 3 e 4 de agosto de 1919.

Ao longo dos anos, nas mais diversas datas e festividades, são recorrentes as brincadeiras tauromáquicas, os bravos toureios, as lides gloriosas, imprimindo na identidade da cultura chamusquense a inevitabilidade da presença do toiro e da festa brava. Esta identidade ainda hoje permanece nos costumes da Vila e do Concelho, vivificada pelos 2 grupos de forcados e pelas ganadarias e coudelarias que dão primazia ao nosso território na criação do toiro de lide e do cavalo lusitano.

Afigura-se-nos, assim, por demais relevante que se distinga a cultura tauromáquica enquanto elemento identitário do nosso património.

Então, considerando que:
1. A Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, adoptada na 32ª Conferência Geral da UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura, em 17 de outubro de 2003, aprovada pela Resolução da Assembleia da República nº 12/2008, de 24 de janeiro, e ratificada pelo Decreto do Presidente da República nº 28/2008, de 26 de março, reconhece, salvaguarda e fomenta o respeito pelo património cultural imaterial das comunidades, dos grupos e dos indivíduos na defesa e valorização do património cultural imaterial, designadamente do património que criam, mantêm e transmitem;
2. A Convenção reconhece que as comunidades, os grupos e os indivíduos desempenham um papel importante na produção, salvaguarda, manutenção e recriação do património cultural imaterial, contribuindo, desse modo, para o enriquecimento da diversidade cultural e da criatividade humana;

Por outro lado, a Constituição da República Portuguesa dispõe, no seu artigo 78º, que incumbe ao Estado promover a salvaguarda e a valorização do património cultural, tornando-o elemento vivificador da identidade cultural comum;
Com efeito, é tarefa mas também dever do poder central e local reconhecer, salvaguardar e valorizar as diferentes expressões culturais existentes por todo o País, não se confundindo tal tarefa ou dever com a criação, por parte do Estado, de novas ou diferentes manifestações culturais, nem com imposições de umas em detrimento de outras;
A Tauromaquia é, indiscutivelmente e nas suas diversas manifestações, parte integrante do património da cultura imaterial portuguesa, remontando as suas origens bem para lá das origens da portugalidade;
Em particular, a Tauromaquia assume, no Município da Chamusca, uma muito relevante importância cultural, social e económica, manifestada sobretudo através de festividades taurinas formais e populares;
Pelo anterior exposto, é inegável que, na Chamusca, a tauromaquia popular e de praça faz parte dos costumes das gentes, assumindo relevante expressão nas festas do concelho, nas quais é indissociável o toiro de lide e tudo o que lhe é inerente, constituindo manifestações de comunidade e de estreitamento dos laços interpessoais e geracionais que a constituem, contribuindo, assim, para a criação e para a manutenção de um element vivificador comum;
A tauromaquia poderá fomenter cada vez mais, de sobremaneira, o desenvolvimento turístico do município da Chamusca, veiculando e difundindo a cultura, promovendo valores, costumes e tradições, afigurando-se de inestimável valor para os munícipes. Com efeito, pretende-se que a tauromaquia possa atrair cada vez mais pessoas ao concelho, consequência do efeito de disseminação das nossas mais-valias;
A tauromaquia poderá gerar, para o município e para os munícipes, importantes benefícios económicos, traduzidos num forte e intenso intercâmbio commercial, que dinamizará toda a região;
A Chamusca está associada à criação de raças taurinas e equídeas, com ganadarias e coudelarias afamadas e de elevada tradição, que têm também contribuido para um desenvolvimento ambiental sustentável, permitindo que nesses espaços se desenvolvam também, e de forma protegida, inúmeras espécies de fauna e flora. Efetivamente, o ecossistema do toiro e do cavalo constitui um exemplo a seguir e um dos últimos redutos onde o interesse do Homem é consonante com o interesse ambiental;
A existência de dois importantes grupos de forcados – Grupo de Forcados Amadores do Aposento da Chamusca e Grupo de Forcados Amadores da Chamusca – constitui um reforço na continuidade da prática e transmissão de uma das manifestações tauromáquicas com quase 200 anos de história – a pega do toiro;
Nas particularidades da nossa cultura local são frequentes as tradicionais largadas de toiros, as quais constituem um fenómeno cultural multidimensional pela sua carga simbólica;
A importância da tauromaquia enquanto fator essencial para a preservação da identidade e memória coletivas da comunidade local, bem como da relevância do papel desempenhado por esta, no processo de representação e transmissão de conhecimento, são fatores determinantes para o seu reconhecimento como Património Cultural Imaterial de Interesse Municipal.
A Câmara Municipal da Chamusca, reunida em 21 de abril de 2015 e em conformidade com o supra exposto, decide aprovar a seguinte declaração:
A Tauromaquia, nas suas diversas manifestações, engloba um conjunto de tradições e expressões orais, de artes do espetáculo, de práticas sociais, rituais e eventos festivos e de conhecimentos e práticas relacionadas com a natureza que se encontram, desde há séculos, presentes e vivos no Município da Chamusca.``

 

com a devida vénia

 

a redacção só pode dizer : ''Olé Chamusca'' e que Abrantes aprenda com a Chamusca....



publicado por porabrantes às 21:12 | link do post | comentar

Sexta-feira, 30.05.14

Politicos e Tauromaquia - A Concelhia Política do CDS-PP Portalegre, irá dedicar um dia à tauromaquia.

A Concelhia Política do CDS-PP Portalegre, irá dedicar um dia à tauromaquia, dada a importância que esta actividade cultural tem no Distrito de Portalegre e um pouco por todo o país. Será no próximo sábado dia 31 de Maio, que serão realizadas diversas actividades, com o seguinte programa:
10h30 - Concentração na Herdade das Esquilas em Monforte, para uma visita à ganadaria e coudelaria de Paulo Caetano.
12h30 - Almoço Campero, sendo que cada qual levará a sua merenda e de seguida assistirão a um treino do cavaleiro João Moura Caetano.
16h - Colóquio subordinado ao tema "Novo Regulamento Taurino", na sede dos Forcados Amadores de Portalegre, com a presença dos oradores Paulo Caetano (Cavaleiro), Mário Coelho (Matador de Toiros), João Simões (Forcado) e Pedro Pinto (crítico taurino e Vice-Presidente da Concelhia do CDS Portalegre).
20h - Jantar convívio no Restaurante "O Carlos", em Vale de Cavalos, onde irão tomar posse as concelhias do CDS de Portalegre, Arronches, Monforte e Marvão. Estarão presentes diversos deputados do CDS-PP.
com a devida vénia de http://planetadostouros.blogspot.com.es/
Damos os parabéns ao CDS-PP por esta iniciativa que devia ser também considerada pelo CDS/PP abrantino
a redacção 


publicado por porabrantes às 16:02 | link do post | comentar

Sexta-feira, 21.12.12

Do Mirante transcrevemos com a devida vénia

 

 

Motivos inadiáveis 

foto
Edição de 2012-12-06
  Imprimir ArtigoComentar ArtigoEnviar para um amigoAdicionar aos favoritos

Rui Pedro Brogueira e Pedro Seabra da GARVAL não tiveram empresários à mesa. Sentados entre o jornalista de O MIRANTE e o animado dueto constituído pela presidente da câmara municipal de Abrantes, Maria do Céu Albuquerque e o presidente da câmara municipal de Coruche, Dionísio Mendes, limitaram-se a ouvir e a fazer perguntas provando que para trabalhar no ramo das garantias financeiras a recolha de informações é fundamental. À mesa foram chegando informações diversas. Foi assim que se ficou a saber que os três deputados convidados, um do PSD, outro do PS e outro do CDS/PP não iriam estar presentes tendo dois deles dado como desculpa trabalhos parlamentares e um outro “motivos inadiáveis”. Esta última explicação foi considerada como a mais aceitável, por entre risos e comentários diversos. Quem também falhou o jantar foi o presidente da Câmara do Cartaxo, Paulo Varanda. Deve ficar com pena depois de ler esta nota e ficar a saber que o seu colega de Coruche contou com todos os pormenores uma briga iglantónica passada no tempo do PREC (Período Revolucionário em Curso) no café dos reaças, que até meteu um magistrado a urinar para uma parede, situação transformada em exibição dos órgãos sexuais na via pública, por um delirante escriba de um jornal de Lisboa. A presidente de Abrantes ficou a saber que os seus modernos sapatos Cubanas tinham sido feitos pela empresa do galardoado com o prémio jovem empresário, Mário Marques, de Alcanena.




Registo que só agora dei pela notícia em que um snr. dr. Juiz fez chi-chi contra a parede, e o dr. Dionísio (gajo porreiro) não esclareceu a obscura razão porque nenhum valente seguiu o bravo magistrado, '' porque quando mija um português, mijam logo dois ou três''....


Também registo os sapatos castristas da partenaire do Dionísio, que foi rijo moço-de-forcados, como cabe a um ribatejano de Coruche....


Agora acontece que nesta terra está para estudo a declaração dos  touros como património imaterial, embora eu ache como se pode ver na mão do talentoso Chaby Pinheiro que são património material, já passaram largo meses e nada....




O mundo quase acabou e o ano está para acabar e dos touros nada......


De maneira que se requer ao dr.Dionísio, Presidente das Cidades e Vilas Taurinas (acho que é assim que se chama) que meta na cabeça da Presidenta a evidência que a


Tauromaquia é Património Cultural



Depois disso, a malta manda ao Presidente de Coruche uma caixa de garrafas de vinho do António Ribeiro Telles!!!!!



Marcello de Noronha 



publicado por porabrantes às 19:28 | link do post | comentar

Sábado, 08.09.12

A especialista em pedra lascada,

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Senhora Dona Isilda Alves Jana,  especializada na UC 

 

 

na pedra lascada,

 

 

que para os leigos era o que fazia Obélix lascando calhaus até aos converter em menires...

 

 

 

erectos e enormes para assustar os romanos.......

 

 

vai guiar os turistas umas visitas nocturnas ( nada de más interpretações, de dia faz muito calor, uma caloraça de ananases, como dizia  o Eça,)

 

 

 

 

 

 

 

Na visita será explicado, que na pré-história, rupestre e ignara, já havia  ídolos corniformes”,  segundo pôde constatar in loco o Senhor Doutor (por equivalência reconhecida numa Universidade Lusa) Luiz Oeesterbeck, como consta na fotografia.

 

 

O PSD quer que Abrantes declare a cultura taurina, como património ''imaterial'' da Humanidade, coisa que será votada na segunda-feira, e a Isilda Jana, aficionada aos mitológicos ídolos corniformes, mostrará aos turistas que o Culto ao Touro, velho mito mediterrânico, já existia nos alvores dos milénios em Abrantes, enquanto em Lagarelhos ainda não tinham descido das árvores.

 

A proposta despertará polémica e por isso a Vereação necessitará de assessoria técnica, sugerimos que o PSD requisite a senhora D.Isilda e o ídolo corniforme para que a brilhante intelectual pegacha explique aos Vereadores, que já A.C. (1) a população indígena venerava o Touro, como explicou José Mattoso.

 

Noutros sítios veneravam-se outras coisas, como o saberá o ex-súbdito neerlandês Luiz Oeesterbeck, não podendo eu atestar se as tribos frísias ou do Suriname, lascavam cornos nos seus ídolos.

 

Mas aqui havia e  há  ídolos corniformes.

 

Por isso, porque os corniformes possuem hastes, majestosas e altivas, dado que não eram embolados em AC,

 

os touros fazem parte da mitologia ibérica. 

 

O Touro e portanto as Hastes eram símbolo de potência viril, garantia de fecunda Primavera, de fêmeas prenhas em abundância nos rebanhos , coisa essencial em povos ganadeiros, porque quando não havia vitelos e outras crias nas quantidades desejadas nos rebanhos lusitanos, restava às nossas tribos o recurso a outra venerável tradição mediterrânica, a razia, sobre as civilizadas cidades púnicas da Bética.

 

Assim sendo, a assessoria cultural deverá ser ouvida na segunda-feira, antes da Vereação deliberar.

 

 

Miguel Abrantes 

 

(1) -Antes de Cristo e não Antes da Céu.....

 



publicado por porabrantes às 13:11 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Touros em propriedade mun...

Olé Chamusca

CDS trabalha pela Cultura

A tauromaquia no sapatinh...

Olé, Isilda Jana e o ídol...

arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10


20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds