Quarta-feira, 05.12.18

Sendo esta, terra de marítimos, é natural que alguém faça, algum dia, a história dos naufrágios abrantinos.

Aqui vão dois. Era 19 de Dezembro de 1788

naufrágio

Notícia da Gazeta de Lisboa

mn

 



publicado por porabrantes às 16:23 | link do post | comentar

Domingo, 23.02.14

 

Bote de água-acima, embarcação de tráfico fluvial no Tejo, ilustração do século XIX no Archivo Pitoresco

 

 

Gazeta de Lisboa, amável envio dum leitor

 

malhas que o Tejo teceu numa terra de marítimos

 

MN



publicado por porabrantes às 19:20 | link do post | comentar

Domingo, 27.11.11

A minha querida Ametista tem um blogue porreiro, e fez um post interessante sobre a exposição corticeira na António Botto, mas o post precisa de alguma contenção.

 

Vou fazer, aqui e agora, uma nota, deixando espaço ao Sr.Dr. Rui Lopes, nacional-bairrista de São Miguel do Rio Torto para explicar à Ametista quais são as fronteiras exactas das freguesias do Rossio e de São Miguel.

 

Não deixo espaço para o Sr.Américo Amorim, que as gazetas dizem ser o mais rico de Portugal, explicar à Ametista qual foi a evolução da história da dita Corticeira no concelho de Abrantes, porque o Sr.Américo trabalha mesmo ao domingo e neste momento está ocupado a impedir que a filha do ditador angolano mande na GALP.

 

O sr.Américo 

 

 

faz mais por Portugal ao impedir a capitalista africana de controlar um activo-chave na economia portuguesa, que toda a cambada de políticos que arruinou e arruina o nosso país....,

 

 

 

 

consentir que esta senhora mande em Portugal é um acto quase de traição à pátria....

 

Diz cheia de entusiasmo a Ametista.....

 

''O porto de Abrantes, na opinião de historiadores importantes e de geógrafos como Jorge Gaspar, foi o mais importante porto fluvial do interior do país da Idade Média ao séc: XX''

 

ora Jorge Gaspar não diz isto no importantíssimo estudo que publicou este geográfo ( o mais importante da história da geografia lusa, no século XX, depois de Orlando Ribeiro)....

 

Em ''Os Portos Fluviais do Tejo'' publicado na Finisterra, volume V, nº 10, 1970,  sustenta que era Santarém o porto fluvial mais importante dos portos do Médio Tejo, na Idade Média, vindo Abrantes e Punhete depois.

 

E sublinho, Gaspar fala do Médio Tejo e não do resto dos rios do país. Ou seja  não analisa o importantíssimo tráfico fluvial no Douro, entre a Régua e Vila Nova de Gaia, que se tornou particularmente activo depois de Pombal ter demarcado a Região produtora de Vinho do Porto....

 

A afirmação é completamente lógica, não só porque está baseada em dados histórico-estatísticos, (''Caderno das Mercadorias Importadas e Exportadas do Concelho  de Lisboa,   com os respectivos direitos e municipais e as suas respectivas isenções, 1401-1450), e porque, todos o sabemos,  Santarém quando é tomada por Afonso Henriques mantinha relações comerciais  marítimas com além- mar (a  Berberia) e outros mercados

 

Gaspar diz inclusive (citando Orlando Ribeiro) que Afonso Henriques recorre a uma armada de cruzados para defender Santarém da invasão almoáda....

 

E recorda que a cidade mantinha ainda no século XIV relações comerciais directas (isto é através de barcos) com a Flandres.

 

Depois, Gaspar assinala que o desenvolvimento do porto de Abrantes é do século XVI isto é quando termina a Idade Média....

 

Não se pode falar de Abrantes no início da Idade Média, porque  quase não temos elementos (o primeiro documento que a menciona é a doação de D.Afonso Henriques à Ordem de Santiago em .... 1159) e para Santarém, tomada em 1147, esses elementos são copiosos, incluindo crónicas árabes.

 

Portanto, os abrantinos devem moderar a mania de que somos os maiores. Ou que fomos. Já nos basta terem-nos tentado transformar na capital do baseball, dos Almeidas ou da energia.

 

Gloriosa banhada à barão,

em que nos meteu o Carvalho!!!

 

Há que ser moderados, senão faz-se a figura do Pico e Candeias!!!!!

 

Mas, não vou deixar os de Santarém a rirem-se. Acharão eles que eram os maiores nos inícios da Idade Média?????

 

E aqui saco um Prémio Pessoa, bem atribuído.

''foto surripiada na net'' (sic)  in http://aqueduto-livre.blogspot.com

 

 

 

Neste livro, um prodígio de humildade (1), erudição, sabedoria e discreto fascínio pelo Fundador, José Mattoso explica que.....

 

Coimbra era, com 23 hectares de área edificada dentro de muralhas, o maior burgo do Ocidente peninsular enquanto Lisboa andava pelos 16 hectares e o Porto pelos....4 hectares.......

 

Santarém era importante, provávelmente a 2ª cidade do Ocidente Peninsular, segundo as fontes árabes, mas estava muito longe de Coimbra, que Afonso Henriques escolheu como sede do seu reino....

 

 

Portanto, cara Ametista, sejamos modestos.....

 

Marcello de Noronha,

 

Quando tiver tempo ainda farei uma observação às bocas atribuídas ao geográfo Jorge Gaspar, sobre a ''vitória'' do tráfico fluvial abrantino sobre o caminho de ferro, que é uma evidente distorção do que afirma no seu estudo

 

   Universidade de Lisboa

Jorge Gaspar, um dos grandes Mestres da Geografia e da Cultura Portuguesa, não merece que lhe façam dizer o que não disse.....

 

(1) Aconselho a todos o livro do professor Mattoso. E lembro que ele na introdução diz que foi uma segunda escolha dos organizadores desta colecção de biografias dos nossos Reis para escrever sobre D.Afonso Henriques. O escolhido fora Luís Krus, como o especialista da temática afonsina para biografar D.Afonso. Uma morte precoce e impiedosa impediu Krus de escrever o livro. Mattoso dedica-lhe este. Isto é a prova como um português eminente, talvez um dos mais decisivos historiadores portugueses vivos, é capaz de ser modesto.

 

 

É uma indirecta?  Não, é uma directa ao licenciado alentejano Carrilho da Graça....   



publicado por porabrantes às 14:49 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

História dos naufrágios a...

História Trágico-fluvial

O Professor Gaspar e a co...

arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10


21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds