Quinta-feira, 21.03.19

ancestral

 



publicado por porabrantes às 10:15 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Domingo, 30.12.18

diligència tomar

Como eram as diligências abrantinas, no dezanove....?

Certamente como estas de Tomar....

mn



publicado por porabrantes às 18:32 | link do post | comentar

Quarta-feira, 29.06.16

A cacique da CIMT acaba de declarar:

 

cimt trans.png

esmiuçando ''

(...)Maria do Céu Albuquerque, presidente da CIMT e também da Câmara de Abrantes, avançou que a nova lei está somente prevista para 2019: “A nova lei, que entrará em vigor em 2019, prevê que a Administração Central delegue na Administração Local (nas câmaras ou/e nas comunidades intermunicipais) a gestão dos transportes públicos”.

A proposta de delegação de competências tem sido sujeita à votação das câmaras e das assembleias municipais, tendo sido o caso da Câmara e da Assembleia Municipal de Abrantes, onde a nova medida foi aprovada. (..) imprensa subsidiada

 

A Assembleia Municipal da Barquinha acaba de mandá-la dar uma volta nesta proposta

 

barquinha.png

depois gerou-se um enorme burburinho na sala, mais críticas certeiras, críticas ao funcionamento da CIMT e foi aprovada a retirada da proposta que dava luz verde à CIMT.

 

barquinha 2.jpg

Foto do Médio Tejo com a devida vénia

 

Só uma chamada de atenção, reparem bem quem preside à sala onde se faz a reunião....

 

Um belo retrato de D.Maria II, a rainha que as espadas dos combatentes liberais, sob comando de D.Pedro, impuseram contra os miguelistas, os homens das forcas e da fradalhada.

 

A Barquinha é assim respeitadora com quem nos trouxe  a Liberdade e a Civilização, D.Maria II, a rainha da Carta Constitucional.

 

Em Abrantes também há um retrato destes, cuja foto foi publicada pelo Eduardo Campos, mas deve estar escondido num sótão e cheio de teias de aranha.

 

Por acaso o retrato da Barquinha é muito mais bonito que o abrantino.

ma  

os excertos reproduzidos do Médio Tejo são da autoria da Sónia Leitão   



publicado por porabrantes às 10:29 | link do post | comentar

Sexta-feira, 03.09.10

Das Caldas da Rainha para Abrantes – uma aventura em transportes públicos

Publicado a 3 de Setembro de 2010 . Na categoria: Painel Sociedade . Seja o primeiro a comentar este artigo.

Em Portugal, o país do novo-riquismo, está tudo preparado para o transporte individual, com as magníficas auto-estradas que os portugueses tantos gostam (embora não gostem de as pagar).
O transporte público tem ficado relegado para segundo plano e quem não tem carro ou carta, passa um mau bocado. Que o diga Marina Araújo, estagiária da Gazeta das Caldas, nas suas deslocações à Escola Superior de Tecnologia de Abrantes.

Vivendo nas Gaeiras e tendo escolhido estudar em Abrantes, sempre soube que os meus maiores adversários seriam a distância e o tempo que demoraria a chegar ao meu destino. A hora e meia que demorava, em carro, das Caldas até lá já era aborrecida só por si. Mais ainda por, não tendo carta, ter de “obrigar” os meus pais a levarem-me aos domingos até Abrantes e a voltarem para as Caldas da Rainha.
A a alternativa foi, então, os transportes públicos.
Comboio ou autocarro?
O comboio, com um mínimo de quatro horas e meia de viagem, com dois transbordos (Alfarelos e Entroncamento ou ida a Lisboa para voltar para norte), e um bilhete de quase 20 euros, foi logo excluído.
Virei-me então para os autocarros. Devido à segunda-feira ter aulas logo pela manhã, o meu dia de eleição para viajar era o domingo. Só tinha dois autocarros da Rede Expressos: um por volta das 15h00, que fazia enlace em Leiria, e outro uma hora mais tarde que passava por Lisboa. O problema de acabar por ir perder tempo em qualquer um dos locais poderia ter-me passado ao lado, se não fosse por, quer em Lisboa como em Leiria, ter de esperar pelo menos uma hora e um quarto pelo autocarro que finalmente me iria levar a Abrantes.
De regresso a casa tinha o mesmo problema, apesar de neste caso ser ainda mais complicado. À sexta-feira o último autocarro de Abrantes para as Caldas da Rainha era às três e meia da tarde, pelo que se tivesse aulas até mais tarde a minha única opção era ir de Expresso até Santarém, de lá apanhar uma carreira até Rio Maior, que poderia perder se houvesse um atraso, e, por fim, alguém me ir buscar de carro aquela cidade.
Num fim-de-semana uma amiga apresentou-me uma proposta: irmos de autocarro até Santarém e de lá apanharmos o comboio. Eu iria até Abrantes e ela até Castelo Branco onde estudava. O que não esperávamos é que a estação rodoviária de Santarém ficasse a uma distância tal da estação ferroviária que tivéssemos de apanhar um táxi até lá de modo a conseguirmos chegar a tempo. Logo desisti também deste percurso, apesar de a ligação ferroviária entre Santarém e Abrantes realmente ser completa e funcional e da vantagem do preço: somando o autocarro até Santarém e o comboio daí até Abrantes, o valor da viagem não passava dos dez euros, longe dos 14 euros que na altura pagava pelo Expresso.
Regressei aos autocarros, mas não posso dizer que não existiram outros problemas para além dos já referidos. Uma vez, enquanto esperava pelo autocarro que me iria levar de Leiria para Abrantes, comecei a estranhar já se terem passado quase 30 minutos da hora de partida e o autocarro não ter chegado. Só quase uma hora depois é que fui informada que houvera um problema e o autocarro estava indeterminadamente atrasado. Acabei por só chegar a Abrantes às dez da noite, quase três horas mais tarde do que o suposto.
Por fim, num semestre em que só tinha aulas ao fim da tarde de segunda-feira, decidi que começaria a ir na manhã do próprio dia. Vi as opções da Rede Expressos e achei que os autocarros que saíam das Caldas às 10h00 e às 10h50 da manhã eram boas opções, mesmo que só chegassem a Abrantes perto das 15h00 e eu tivesse que em Lisboa Sete Rios à espera durante uma hora ou mais. Porém, o meu problema principal em relação a este horário era que não era compatível com a distância a que eu vivo da rodoviária e não conseguia que me levassem até lá a tempo de qualquer um dos autocarros.
Descobri então outra alternativa, não mais rápida, nem mais confortável, mas compatível com o horário em que conseguia boleia e muito mais barato. Em vez dos 16,80 euros que nesta altura já tinha de pagar pelo Expresso das Caldas da Rainha para Abrantes, pagava menos de dez euros por toda a viagem. Às 8h15 saía das Caldas da Rainha até Torres Novas, onde chegava por volta das 10h00. O autocarro até Abrantes era só ao meio-dia, mas pelo menos podia sentar-me num café, tomar o pequeno-almoço e despachar trabalhos no computador, coisa que me era impossível em Sete Rios com toda a confusão e, por vezes, nem um lugar vazio para me sentar. Chegava a Abrantes às 13h30 com tempo para almoçar e ir para a minha aula desse dia.

Reproduzimos com a devida vénia este artigo da Gazeta das Caldas que nos mostra cono funcionam os transportes públicos à lusitana e à abrantina.
M.Abrantes



publicado por porabrantes às 15:56 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 08.07.10

 

 

O Presidente da Câmara Municipal de Sardoal deu conhecimento aos grupos parlamentares de uma missiva enviada no final do passado mês de Maio ao Conselho de Administração da Rodoviária da Beira Interior e ao Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, dando conta da sua indignação com o cancelamento da carreira Sertã – Abrantes, que, a não existir, priva a população de Sardoal que não tenha meios próprios de transporte de se deslocar a Abrantes em transporte público. A ligação a Abrantes afigura-se essencial para a população de Sardoal, na medida em que lhe garante o acesso a alguns serviços públicos que não dispõe nos eu concelho e lhe garante o acesso a outras regiões do país em transporte público rodoviário ou ferroviário.

Nestes termos, ao abrigo da alínea d) do artigo 156º da Constituição e da alínea d) do n.º 1 do artigo 4º do Regimento da Assembleia da República pergunto ao Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, se foi feita alguma diligência com vista a garantir a manutenção da carreira rodoviária Sertã – Abrantes da Rodoviária da Beira Interior e qual a situação actual dessa ligação.

 

Pergunta feita ao Governo pelo Grupo parlamentar do PCP



publicado por porabrantes às 11:53 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

O novo passe social

As diligências abrantinas

Barquinha derrota propost...

A deliciosa aventura dos ...

Transportes

arquivos

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

celeste simão

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

duarte castel-branco

espanha

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

frança

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Abril 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds