Segunda-feira, 16.07.18

O Portal do Arqueólogo, dependente da DGPC, arrasa a inércia camarária no caso da Ermida de Santo Amaro:

 

 

 

37263
Tipo: Ermida
Distrito/Concelho/Freguesia: Santarém/Abrantes/Abrantes (São Vicente e São João) e Alferrarede
Período: Moderno
Descrição: Este imóvel, classificado como de Interesse Concelhio, corresponde à ruínas da Ermida de Santo Amaro, a qual remontará ao século XVI e terá sido construida a expensas do padre Manuel Nunes. Hoje são ainda visíveis, do lado sul, duas cruzes gravadas numa das pedras do cunhal. No âmbito da remoção de terras efetuadas neste local para a colocação de uma grua, observa-se no perfil estratigráfico exposto um nível de pavimento que, eventualmente, poderá corresponder ao pavimento da antiga ermida, e abaixo deste um nível com muitas cinzas e carvões e um lastro de argila, que poderá indiciar a presença de uma antiga estrutura de combustão.Na parede poente que não foi demolida observa-se os negativos de assentamento de azulejos, bem como vestígios de pintura mural, tendo-se colocado a hipótese de estes serem da antiga ermida, sendo, obviamente, necessários, outros estudos para confirmar esta hipótese.iv. No lado norte do terreno observa-se a presença de uma estrutura pétrea que poderá ser o remanescente da continuação da parede poente da antiga ermida
Meio: Terrestre
Acesso: Centro Histórico de Abrantes, pela Rua do Marquês de Pombal.
Espólio: -
Depositários: -
Classificação: Classificado como IM - Interesse Municipal
Conservação: Em Perigo
Processos: 2017/1(297)

santo amaro grua

Foto Tubucci

 

A DGPC considera que a brutal demolição feita pela empreiteiragem danificou seriamente o imóvel classificado e que é necessária uma intervenção urgente para salvar o que ainda pode ser salvo.

mn



publicado por porabrantes às 18:41 | link do post | comentar

Terça-feira, 10.07.18

O Dr.Álvaro Batista, arqueólogo da CMA, faz algumas observações sobre a criminosa destruição das ruínas de S.Amaro, imóvel classificado, e um dos poucos restos da Abrantes quinhentista.

E faz algumas perguntas e considerandos, que urge tratar.

Pergunta o arqueólogo se houve resposta pública à carta aberta do historiador dr. Paulo Falcão Tavares.

Não houve essa resposta.

Foi contactado por este blogue um Vereador da Oposição e mesmo assim o assunto não foi tratado em sessão camarária, como devia ser.

Mas a CMA respondeu à Tubucci e tivemos acesso a essa resposta.

Mas antes disso convém esclarecer que foi a CMA que destruiu a capela e só lá deixou o cunhal.

Isso foi no século XIX, para alargamento da rua, agora baptizada Marquês de Pombal, tendo mais tarde Diogo Oleiro (cuja família era a dona dos imóveis) oferecido a imagem do Santo à Igreja de São Vicente.

santo amaro 8

 

Graças ao Dr.João Nuno Alçada, neto de Diogo Oleiro, sabemos que a sua família comprou em 1871, por 30.000 réis, a D.Maria Cândida Oliveira Falcão e a João Tavares Oliveira Graco, um casarão que tinha sido capela de Santo Amaro, sito na Rua da Corredoura.

Regresso à resposta da autarquia, sobre as perguntas concretas disse isto:

resposta 1

Ou seja não informaram quem era o representante legal da empreiteira

Sobre a alínea c) deram uma resposta evasiva

Sobre a alínea d)

resposta 2

resposta 3

 

 Aos considerandos da Tubucci pelas pinturas criminosas dos vândalos do Creativ Camp não foi dada resposta.

Aos considerandos da Tubucci sobre a destruição da muralha no Largo da Feira, não foi dada resposta.

Sobre o caso concreto de Santo Amaro, foram publicadas a 4/9/17 fotos da destruição  e a CMA ficou muda.

A CMA sabia da intenção dos empreiteiros e não tomou as providências cautelares necessárias.

Diz o Álvaro que a CMA enviou o assunto para tribunal.

Basta isso?

Não basta, a CMA tinha o dever de embargar a obra licenciada e não o fez.

Como  não embargou as obras ilegais com que o Graça das seringas   deu  cabo da Quinta do Vale de Roubão.

Como não o meteu num tribunal.

A política patrimonial desta gente caracteriza-se por pagar a tipos para pintarem imóveis classificados sem licença da tutela.

Por demolir muralhas históricas.

Por tentar construir torres de 40 metros em edifícios do século XVI.

Pode isto mudar?

Pode, se a sociedade civil protestar.

Se os media denunciaram a situação.

Se os partidos e agentes políticos actuarem.

Mas sei por informação da Tubucci que algum media subsidiado se recusa a publicar denúncias.

 

MA  

  



publicado por porabrantes às 18:04 | link do post | comentar

Terça-feira, 24.04.18

pft 8.png

Não podemos deixar de apoiar a posição da Tubucci, um clamor cívico condena o crime.

Analfabetos viabilizam o crime.

É obra!

mn



publicado por porabrantes às 18:36 | link do post | comentar

Sábado, 14.04.18
 
 
Daniela Mimoso ha compartido la publicación de TUBUCCI assoc.defesa património região ABRANTES.
· 10 de abril a las 20:52 ·
 

É triste ver a realidade a que o município se tornou, onde para demolições e construções NÃO URGENTES às necessidades da população há orçamentos e para reparações imprescindíveis à vida dos cidadãos (sendo que estes pagam os seus impostos e não vêm as suas necessidades/vontades realizados)!
É demasiado triste ver ao que este município chegou e falando por mim estar com o principal acesso de saída do local onde vivo onde por mais uns tempos passa-se de bicicleta ou barco! Ou então caminhos alternativos mato a dentro óbvio podendo por exemplo ser socorrido em 30 minutos será-se em 45/60 minutos muitas vezes cada segundo crucial!!
Mas bem mal ou menos que no próximo mandato ou no próximo período eleitoral isto seja resolvido!!
Bem haja sra Presidenta destruir é o lema

 
TUBUCCI assoc.defesa património região ABRANTES
9 de abril a las 21:04 ·
 

Razão tinha o saudoso Senhor Professor Doutor Arquitecto Duarte CastelBranco, quando me dizia que "os arquitectos e urbanistas da Câmara de Abrantes eram medíocres":

https://porabrantes.blogs.sapo.pt/demolir-o-mercado-diario-…

porabrantes.blogs.sapo.pt
 
 
agradecemos à Daniela a divulgação deste post
 
mn


publicado por porabrantes às 16:16 | link do post | comentar

Segunda-feira, 12.03.18

artur ab

Agradecemos à Tubucci-Associação de Defesa do Património de Abrantes, ao Artur Falcão e ao Arlindo Consolado Marques, o Guardião do Tejo, a partilha deste post que é já o mais visto de 2018.

 

mn



publicado por porabrantes às 09:58 | link do post | comentar

Quinta-feira, 14.09.17

A carta da Tubucci a propósito da demolição da Ermida de Santo Amaro é destacada no blogue Coluna Vertical.

Reproduzimos o post:

 

''Quarta-feira, 13.09.17

Ermida de Santo Amaro - Carta do presidente da Tubucci à presidente da câmara de Abrantes

 

Exmo Sr.Presidente da Câmara Municipal de Abrantes

Foi esta Associação surpreendida com a demolição do imóvel, sito na Rua Marquês de Pombal, nº 1, classificado como de interesse concelhio, pelo Decreto-Lei nº95/78 de 12 de Setembro e designado como Ermida de Santo Amaro.

O imóvel está referenciado no Plano de Urbanização de Abrantes como imóvel classificado. (Anexo 3)

santo amaro 2017 2.jpg

O imóvel corresponde às ruínas da Ermida de Santo Amaro, existindo num dos cunhais, um bloco com duas cruzes, que o documento camarário diz ser Cruzes do Calvário. (‘’Revisão do Plano Urbanização de Abrantes, Génese, Evolução e Património’’ (CMA,2015, p.39)’’. 

O documento citado data  a fundação do templo de ‘’meados do século XVI’’. Candeias Silva identifica-o com a Igreja de Santa Maria da Corredoura, que estava aberta  já ao culto em 1562. (Zahara, nº 10,2012).

O documento preparatório e já citado do PUA apenas assinala como elemento relevante as cruzes quinhentistas inseridas no cunhal referido e diz que era o que se podia observar do exterior.

As fotos que anexamos provam que havia elementos arquitectónicos e arqueológicos relevantes, palpáveis à simples observação directa.  

É evidente a importância cultural e histórica deste monumento para a memória cultural e religiosa da Cidade de Abrantes.

São escassos os vestígios do século XVI no nosso concelho.

É obrigação das edilidades : ‘’Assegurar, (...) , o levantamento, classificação, administração, manutenção, recuperação e divulgação do património natural, cultural, paisagístico e urbanístico do município, incluindo a construção de monumentos de interesse municipal;’’ (art 33, al t da Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro.’’)

Estabelece o art 3º do PUA sobre imóveis classificados:

‘’São admitidas obras de alteração e ampliação, quando necessárias à melhoria das condições de utilização, e desde que conforme a objectivo de salvaguarda e valorização patrimonial’’ (nº 3 do art 3º)

Uma demolição brutal não é uma obra de salvaguarda!

Além dos condicionalismos do PUA, a intervenção e a demolição de imóveis classificados obedece aos condicionalismos da Lei do Património, (Lei 107-A-2001, de 8-9-2001), designadamente para o caso aos arts 47 e 49, etc.

O imóvel encontra-se também  protegido pelo Plano Director Municipal, sendo qualquer intervenção nele condicionada pelas restrições impostas pelo art 22.

E finalmente encontra-se sujeito às restrições impostas pelo art 124 do Regulamento Geral das Edificações Urbanas, que não permite modificações ou alterações em imóveis de valor concelhio, quando possam provocar prejuízos para esses valores!

E uma demolição como a executada, naturalmente prejudica o imóvel!

Infelizmente a autarquia não tem cumprido o espírito destas imposições legais, como se pode verificar pela destruição parcial das muralhas do Largo 1º de Maio, facto denunciado pela opinião pública, pela Oposição em sede municipal e por esta associação.

Infelizmente a autarquia não tem cumprido a letra destas imposições legais, ao permitir pintar pelos tipos do Creativ Camp, um imóvel de interesse público, duma forma ilegal.

Facto denunciado pela opinião pública, pela Oposição em sede parlamentar, municipal e por esta associação. 

Enumeramos estes factos apenas a título exemplificativo, porque são inúmeros  situações deste tipo, destacando-se por exemplo a não classificação de imóveis relevantes nas freguesias rurais (caso da capela de Nossa Senhora dos Matos, nas Mouriscas), ou o abandono das inúmeras estações arqueológicas.

santo amaro 2017.jpg

Assim  sendo requer-se a V.Exa, nos termos do art artigo 110º do Decreto-Lei nº 555/99 de 16 de 16 de Dezembro:

   a) identificação do técnico responsável pela obra de demolição do referido  imóvel classificado.

   b) identificação da empresa que realizou a demolição, bem como dos seus representantes

legais.

   c) cópia do relatório obrigatório, previsto no art 45, n2 da Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro,

sobre a importância artística ou histórica da intervenção, identificação do técnico que a realizou e das suas habilitações literárias.

  d) cópia da licença para a demolição e identificação de quem a passou, bem como dos documentos administrativos que lhe serviram de suporte.

Nos termos da Lei da República tem V.Exa 10 dias para fornecer  os documentos pedidos.

Com os melhores cumprimentos.

11 de Setembro de 2017

Paulo Falcão Tavares

Presidente da Tubucci ''

 

  



publicado por porabrantes às 09:42 | link do post | comentar

Terça-feira, 12.09.17

 

 

A associação de defesa do  património Tubucci acaba de apresentar queixa na CMA pela demolição do imóvel classificado '' Ermida de Santo Amaro''

A queixa consta do documento que se reproduz e vai assinada pelo historiador Dr.Paulo Falcão Tavares.

 

santo amaro 2017

 

 

santo amaro chicó

S.Amaro, doado por Diogo Oleiro, à igreja de S.Vicente

 

 

ermida 1

 

 

tubucci s.amaro  2 2017

 Agora cabe aos cidadãos e já agora às forças políticas e à sociedade civil protestarem junto da autarquia.

Defendam o Património de Abrantes!

mn

 

foto : Salvem S.Amaro; Mário Chicó (F.Mário Soares com a devida vénia)  



publicado por porabrantes às 15:27 | link do post | comentar

Sexta-feira, 16.12.16

bernardo moniz da maia.png

 ter atenção ainda à intervenção do arq. António Varela

 

O mercado foi construído por Henrique Augusto da Silva Martins e custou 38 contos

 

O papel de Varela figura neste livro

 

varela livro.png

mn



publicado por porabrantes às 16:46 | link do post | comentar

Domingo, 30.10.16

Convidamo-lo(a) a estar presente no III Encontro de História e Património de Ponte de Sor, que se realizará no Centro de Artes e Cultura de Ponte de Sor, no próximo dia 5 de novembro (sábado), entre as 15h00 e as 17h00.

 

Esta iniciativa, organizada pelo Arquivo Histórico Municipal de Ponte de Sor e de periodicidade anual, incide sobre temas de História e Património, tendencialmente locais e regionais, assumindo a forma de colóquio com especialistas nas áreas de história, história de arte, arqueologia e ciências da informação. Tem como objetivos divulgar e sensibilizar para o valor do património histórico; criar públicos interessados na história e no património; possibilitar a divulgação local e regional de trabalhos de especialistas, bem como a frutífera troca de saberes e experiências. Este ano participarão no Encontro três conferencistas, de acordo com o programa seguinte:

 

15h00 – Rui Jesuíno (Câmara Municipal de Elvas), “Elvas, Património da Humanidade”

15h30 – Paulo Falcão Tavares (Associação de Defesa do Património de Abrantes), "Cidadania para o património: o caso da Tubucci, Associação de defesa e estudo do património da região de Abrantes")

16h00 – Coffee-break

16h15 – Ana Isabel Coelho Silva (Arquivo Histórico Municipal de Ponte de Sor), “Saibam os que este estormento d’aforamento virem: o novo documento mais antigo do AHMPS”

16h45 – Debate e encerramento por Carlos Manuel Faísca (Biblioteca Municipal de Ponte de Sor)

 

Esperamos contar com a Vossa presença.

 

Com os melhores cumprimentos,

 

Ana Isabel Coelho Silva

Arquivo Histórico Municipal de Ponte de Sor

 

iii.png

 



publicado por porabrantes às 20:32 | link do post | comentar

Sábado, 29.10.16

alçado do altar s.domingos.png

 Alçado para retábulo da Igreja de São Domingos em Abrantes], [ca 1660]

CRASTO, António Vaz de, fl. ca 1656-1664

 

alçado do altar s.domingos 2.png

Provavelmente encomendado pela mãe da  Infanta de Portugal, D.Guiomar Coutinho, para emoldurar a campa do genro, o Infante D.Fernando, Senhor de Abrantes e da filha.

alçado 3.png

(1)

 

Publicado pela primeira vez em Abrantes no livro Real Convento de S.Domingos, edição da Tubucci, da autoria do Dr.Paulo Falcão Tavares

livro paulo.jpg

Imagem da Biblioteca Nacional, com a devida vénia

 

mn

 

(1) in

 

cimélios.png

 



publicado por porabrantes às 23:32 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

DGPC arrasa demolição de ...

Porque não embargou a CMA...

Um clamor cívico

Povo comenta página da Tu...

Cidadania activa

A demolição dum imóvel cl...

Tubucci apresenta queixa ...

Eng Bernardo Moniz da Mai...

III Encontro de História ...

O Altar de S.Domingos de ...

arquivos

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

baptista pereira

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

petição

pico

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

são domingos

sardoal

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

links
Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9


23
24
25
26
27
28

29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds